Leitor de feeds

‘Education transforms lives’ says UN chief on first-ever International Day

UN SGDs - qui, 24/01/2019 - 14:33
Education is at the heart of the 2030 Agenda for Sustainable Development because it gives people across the world the skills needed to realize all 17 Global Goals (SDGs), said the UN chief on Thursday, marking the first-ever International Day of Education.
Categorias: Internacionais

Extreme weather hit 60 million people in 2018, no part of the world spared

UN SGDs - qui, 24/01/2019 - 13:56
With some 60 million people affected by extreme weather in 2018, according to a new study, the UN Office for Disaster Risk Reduction (UNISDR) called for better management of the issue worldwide, in a statement published on Thursday.
Categorias: Internacionais

El turismo es más responsable en Ciudad del Cabo

IPS español - qui, 24/01/2019 - 13:00

Joy Daniels, de limpiadora a gerenta de una agencia de viajes en Ciudad del Cabo. Crédito: Ida Karlsson/IPSPor Ida KarlssonCIUDAD DEL CABO, Sudáfrica, Jan 24 2019 (IPS) La vida de la sudafricana Joy Daniels dio un vuelco cuando, de ser limpiadora en una pensión, pasó a trabajar en una empresa de comercio justo en la que pronto fue ascendida a gerenta. Actualmente dirige una agencia de viajes. La certificación de comercio justo es una de varias iniciativas con las que Sudáfrica busca desarrollar el turismo de modo responsable. “La manera como administraban aquella pensión y el modo en el que manejaban a su personal era totalmente diferente de lo que experimenté después. Intenté ayudar en distintas partes, pero no lo logré. Yo era apenas una limpiadora”, relató Daniels a propósito de su empleo anterior. Cuando pasó a integrar la empresa certificada como de comercio justo tuvo la oportunidad de desarrollar nuevas habilidades. Había vacante un puesto de gerenta y varias personas la alentaron a postularse. “No estudié administración (de empresas). Todo lo que sabía lo aprendí en el día a día, mirando a los demás. Y nunca había trabajado de manera independiente, sin alguien que me supervisara. Tenía mucho miedo, pero también me di cuenta de que no tenía nada que perder”, agregó. Finalmente obtuvo el puesto, y la experiencia la hizo crecer tanto en lo profesional como en lo personal. “Siempre fui muy tímida y esto mejoró mi autoestima. Al administrar una empresa, una empieza a pensar de manera diferente en otras áreas de su vida también. Aprendí muchas cosas, entre ellas cómo manejar mi vida personal y mi tiempo”, dijo Daniels. El impacto en su vida fue enorme. Esta madre soltera vivía antes en Mitchell’s Plain, otrora suburbio dominado por el régimen del apartheid -que segregaba a la población negra- y que actualmente es escenario del violento accionar de pandillas. Pero gracias a todos estos cambios pudo mudarse a Sea Point, un barrio residencial de moda sobre la costa atlántica de Ciudad del Cabo. En otro escenario de la misma ciudad, en Table Mountain (o montaña de la mesa), otro emprendimiento turístico acreditado como de comercio justo recibe a viajeros de todo el mundo. Se trata de un hostel para excursionistas que abrió sus puertas en 1990. En el hostel de Ciudad del Cabo, Lee Harris espera que el turismo responsable no sea algo inusual en el futuro. Crédit: Ida Karlsson/IPS “Mi mejor amiga Toni (Shina) y yo queríamos marcar una diferencia desde el inicio, así que imprimimos nuestros primeros folletos en papel reciclado. En aquella época eso no era para nada común, por lo que resultaba un poco difícil conseguir ese papel”, explicó a IPS la copropietaria del hostel, Lee Harris. Harris y Shina invirtieron mucho en el bienestar y el desarrollo profesional de su personal. Crearon un fondo de becas dotado de 15.000 rands (unos 1.000 dólares) anuales que promueve la educación de empleados y empleadas. Y también de sus hijos e hijas, que de este modo pueden acceder a buenas escuelas. Aunque la educación es gratuita en todas las escuelas públicas sudafricanas, todavía quedan algunas a las que otrora solo podían asistir los blancos. Ahora, por ley, las mismas están abiertas a personas de todas las razas, y son administradas por juntas escolares que cobran tarifas mínimas para cubrir su mantenimiento y disponer de materiales extra. Uno de los guardias de seguridad usó el fondo para pagarse los estudios que le permitieron convertirse en pastor. Otro empleado optó por formarse en turismo. También cuentan con un fondo  de retiros financiado por el propio personal. “Es como un ahorro forzado que será de ellos cuando se vayan o se retiren”, dijo Harris. Las directoras también se aseguran de que los miembros del personal puedan consultar a un médico cuatro veces al año, y que reciban tratamiento si se enferman. Uno de los empleados, por ejemplo, contrajo tuberculosis. “Nunca despedimos a nadie por estar enfermo”, señaló Harris, agregando que, en cambio, tratan de ayudarlo en lo que necesite. El hostel también implementa varias prácticas amigables con el ambiente: reciclaje, criaderos de gusanos, duchas eficientes y paneles solares, entre otras. “Tenemos una empresa que viene cada lunes a reciclar nuestros desechos. Colocamos aparte los restos de comida, que luego utiliza un establecimiento agrícola cercano”, relató Harris. Solamente compran verduras y frutas de estación. Lo que sobra lo empacan y lo entregan a personas de la calle. El hostel también participa de manera activa en varias iniciativas sociales. En el hostel permiten que el personal decida sobre las reglas que imperan en el ámbito laboral, lo que está detallado en el contrato de empleo. Quienes trabajan allí viajan largas distancias cada día, porque no pueden darse el lujo de vivir en la ciudad. “Llegar al trabajo cuesta 1.000 rands (unos 70 dólares) mensuales, y el salario mínimo del gobierno es de 3.200 rands (unos 200 dólares). ¿Qué puede hacer uno con eso? Nuestra sueldo base es 2,6 veces el salario mínimo: 8.500 rands (unos 590 dólares)”, destacó Harris. Comercio Justo en el Turismo de Sudáfrica (FTTSA, por sus siglas en inglés), comenzó originalmente como un proyecto de la Unión Internacional para la Conservación de la Naturaleza (UICN). Pero luego se formó una organización sin fines de lucro que funcionaba de modo independiente. FTTSA tiene seis principios que funcionan como eje de su trabajo: comercio justo, poder de decisión, respeto, confiabilidad, transparencia y sostenibilidad. “Hay 230 criterios de certificación. Las empresas tienen que pasar por una auditoría que realiza la administración. Hacemos muchas consultas a lo largo de todo el proceso”, explicó a IPS la directora gerenta de FTTSA, Jane Edge. El estándar de turismo de comercio justo se aplica directamente en otros cuatro países (Malawi, Zambia, Uganda y Zimbabwe) y a través de acuerdos de reconocimiento mutuo en otros cinco países. Según Edge , existen planes de expandirse. “En aproximadamente un año queremos estar activos en 12 o 13 países africanos”, expresó a IPS. En tanto, Harris dijo esperar “que, en el futuro, el turismo responsable no sea algo inusual”. Artículos relacionados

El artículo El turismo es más responsable en Ciudad del Cabo fue publicado originalmente en IPS Agencia de Noticias.
Categorias: Internacionais

Agrotóxico, veneno, defensivo? Entenda a disputa pelo nome desses produtos agrícolas

Pública - qui, 24/01/2019 - 11:00

O Congresso Nacional deve decidir este ano se o nome “agrotóxico” será banido ou não do país. Caso o Projeto de Lei (PL) 6.299/2002, conhecido pelos opositores como “Pacote do Veneno”, seja aprovado, o termo será substituído nos documentos oficiais e nas embalagens dos produtos mandatoriamente por “pesticida”, “defensivo agrícola” ou “defensivo fitossanitário”. Mas a palavra, de uso quase exclusivo por aqui, tem um pai e criador – e ele é totalmente contra a mudança.

Alterar uma nomenclatura pode parecer apenas um pequeno detalhe entre as diversas alterações propostas pelo projeto de lei, mas, para Adilson D. Paschoal, do Departamento de Entomologia e Acarologia da Escola Superior de Agricultura Luiza de Queiroz (Esalq) da USP, esse é um ponto crucial. “É um retrocesso inadmissível e tendencioso, visando ocultar a verdadeira natureza desses produtos, isto é, sua natureza tóxica”, resume.

“Sabendo o agricultor que o produto é tóxico, ele ou o usa com redobrado cuidado ou procura por outra forma de controlar a praga, o patógeno [doença] ou a planta invasora [daninha]. No passado, o agricultor já usava a expressão ‘veneno’. Além disso, os termos [defensivo agrícola e fitossanitário] apresentam vários inconvenientes”, completa.

A palavra “agrotóxico” nasceu no Brasil, em 1977, a partir de um livro de Adilson D. Paschoal. Quarenta e dois anos depois, o professor avalia que a mudança “ visa ocultar a verdadeira natureza desses produtos, isto é, sua natureza tóxica.”

Arquivo pessoalA palavra “agrotóxico” nasceu no Brasil, em 1977, a partir de um livro de Adilson D. Paschoal

O termo agrotóxico tem origem do grego: ágros (campo) e toxicon (veneno). Segundo Adilson Paschoal, ao contrário do que dizem os críticos, não se trata de uma prática ideológica destacar a origem tóxica do produto. “É o emprego de um vocábulo com todo o rigor exigido pela ciência e a exatidão terminológica exigida pelo nosso idioma”, explica, em entrevista à Agência Pública e Repórter Brasil. Antes do seu famoso trabalho de 1977, termos como pesticida, praguicida, defensivo agrícola e biocida eram usados nos campos científico e etimológico brasileiro, enquanto nas ruas e no campo “veneno” era a palavra mais comum.

Fora do Brasil, o termo “pesticida” (do latim pestis, a doença, e cida, o que mata) é adotado oficialmente por países de línguas francesa (pesticides) e inglesa (pesticides). Praguicida (do latim plaga, a praga, e cida, o que mata), é usado nos países espanhóis (plaguicida). Segundo Adilson, os termos não são adequados para a língua portuguesa. “Pesticida significando ‘o que mata a peste’, e ‘peste’ é doença, o vocábulo não pode ser usado com sentido geral, englobando pragas, patógenos e plantas invasoras. Mesmo para doença o termo é inadequado, uma vez que não é a doença que se mata. O que se mata são os seus agentes causadores: os patógenos”, exemplifica.

No livro Pragas, praguicidas e a crise ambiental: problemas e soluções, Adilson propôs a substituição dos termos utilizados até então por agrotóxico, para incluir todos os produtos de natureza tóxica usados na agricultura. “O termo não é apenas etimologicamente correto, como também o é cientificamente. A ciência que estuda os efeitos desses produtos é chamada toxicologia”, explica.

A expressão teve aceitação nacional e, em 1989, a partir da Lei Federal nº 7.802 tornou-se a nomenclatura correta para definir os produtos tóxicos utilizados na agricultura brasileira.

Resistência ao termo

Quase 30 anos antes de o PL 6.299/2002 ser apresentado à Câmara, tentativas de desabonar o termo “agrotóxico” já eram comuns, lembra Adilson.

ReproduçãoEm seu livro, Adilson propôs a substituição dos termos utilizados até então por agrotóxico, para incluir todos os produtos de natureza tóxica usados na agricultura

Nos anos 1960 e 1970, o alerta sobre o futuro ambiental da humanidade soava, e os agrotóxicos apareciam pela primeira vez no centro do debate. Em 1962, o livro da bióloga Rachel Carson Primavera silenciosa, publicado nos Estados Unidos, alertou o mundo sobre os venenos, a partir de quatro anos e meio de estudos sobre os efeitos na saúde humana do DDT, principal pesticida da época.

Quinze anos depois, a publicação do doutor Adilson teve impacto semelhante no Brasil. Assim como Rachel Carson, ele foi bombardeado de críticas. “A indústria química produtora desses tóxicos reagiu, procurando contradizer o que a ciência provava ser verdadeiro. Não foi diferente comigo. Meus argumentos científicos mostraram de que lado estava a verdade e, com isso, criou-se toda uma estrutura em defesa da vida”, conta.

Aos 77 anos de idade, doutor Adilson vê agora o debate se repetir no Brasil. Apresentado há quase duas décadas, o PL 6.299/2002, de autoria do ex-ministro da Agricultura Blairo Maggi, ressurgiu com força nos últimos dois anos, devido ao crescimento do poder da bancada ruralista. O texto foi aprovado na Comissão Especial na Câmara dos Deputados no ano passado e agora segue para votação em plenário. Após isso, precisa passar ainda pelo Senado Federal e pela sanção presidencial.

Para Adilson, o termo “defensivo” é “o mais incorreto, ambíguo, utópico, vago e tendencioso”. Isso porque, etimologicamente, significa “próprio para a defesa”, mas não indica defesa de quem.

“Se é defensivo agrícola, então a defesa é da agricultura, não especificando tratar-se de substância tóxica para o controle de espécies daninhas. Deduz-se disso ser qualquer técnica usada na defesa da agricultura um defensivo agrícola.” Nessa acepção, métodos orgânicos e de controle de erosão do solo poderiam também ser chamados de defensivos agrícolas, diz o professor.

“Quando pensamos em termos da natureza, tais produtos não podem ser encarados como instrumentos de defesa, mas de ataque maciço contra todo tipo de vida. E de destruição e perturbação do equilíbrio da natureza”, avalia.

Viés ideológico

Sem saberem disso, os deputados que defenderam com ímpeto o PL 6.299/2002 na Comissão Especial destinada à regulação de Defensivos Fitossanitários atacaram a criação de Adilson. Um dos maiores defensores da mudança era o deputado federal Valdir Colatto (MDB-SC). Na terminologia da palavra “fitossanitário”, fito significa planta e sanitário, sanidade, repetiu durante reuniões da Comissão o político, que é engenheiro agrônomo. “Quando usamos esses produtos [agrotóxicos] na agricultura, os chamados venenos são remédios para curar a doença da planta. Veneno para quem? Para um inseto, uma praga, uma doença. Não para o humano”, afirmou em reunião deliberativa da Comissão, em 16 de maio de 2018.

Andre Oliveira/Câmara dos DeputadosValdir Colatto (MDB-SC) é um dos defensores da mudança de terminologia

Membros da bancada ruralista criticaram diversas vezes o que chamam de “viés ideológico” do debate. Em audiência pública em setembro de 2017, Valdir Colatto e Adilton Sachetti (PSB-MT) criticaram a ausência de cientistas com posições divergentes sobre os efeitos dos agrotóxicos. Por outro lado, os termos defendidos pela bancada ruralista recebem uma enxurrada de críticas desde a instauração da Comissão Especial. “Está induzindo a população brasileira ao erro, dizendo-lhe ‘isto aqui não tem mais veneno, agora tem produto fitossanitário. Pode beber; pode usar! Não há mais problema”, argumentou o deputado federal Chico Alencar (Psol-RJ) na Comissão em maio do ano passado. Luis Macedo/Câmara dos DeputadosPara o deputado federal Chico Alencar (Psol-RJ), a mudança da nomenclatura induz a população ao erro Depois das críticas, o relator da comissão, Luiz Nishimori (PR-PR), adicionou o termo “pesticida” ao texto votado. “É o termo usado em todos os países, menos aqui. Queremos modernizar o nosso projeto e todo o setor, e isso passa pela alteração do nome”, explica o deputado à reportagem. Para Nishimori, a terminologia “agrotóxico” traz uma imagem negativa ao produto. “Pensamos esse projeto não só para o agricultor, mas também para o consumidor final. Dizer que vai passar agrotóxico ou veneno no produto dele não fica bem. ‘Pesticida’ seria bem habituado, e é esse o atual modelo usado no mundo”. O relatório de Nishimori, aprovado pela Comissão em junho do ano passado, indicou o termo “pesticida” para tornar-se a nomenclatura oficial do Brasil. Porém, segundo o relator, o texto volta para debate no plenário e depois no Senado. Por isso, ainda há chance dos termos “defensivo fitossanitário” ou “agrícola” voltarem ao debate. Zeca Ribeiro/Câmara dos DeputadosLuiz Nishimori (PR-PR) é o relator da comissão Defensivo agrícola é ideológico, diz estudo Um estudo realizado pela equipe do Programa de Pós-Graduação em Administração da Universidade de Caxias do Sul descobriu que o uso do termo “defensivo agrícola” carrega mais viés ideológico do que a palavra que ele pretende substituir. O trabalho foi feito por seis professores e investigou a produção científica da Biblioteca Digital Brasileira de Teses e Dissertações entre os anos 2005 e 2015 que utilizavam os termos “agrotóxico” e “defensivo agrícola”. A investigação constatou a existência de quatro teses e 16 dissertações com o uso da nomenclatura “defensivo agrícola”. “Na análise destas 20 publicações com o termo “defensivo agrícola”, 15 publicações, o que representa 75%, utilizaram o termo com conotação primordialmente positiva”, apontou o trabalho. Os pesquisadores concluíram que o motivo do emprego do termo “defensivo agrícola” não são dúvidas sobre qual expressão é correta, mas sim “uma tendência antiga ligada aos interesses da indústria e do comércio de agrotóxicos em valorizar os aspetos positivos em defesa dos cultivares e da produtividade; deste modo, permanece uma confusão para os agricultores, os consumidores e a sociedade em geral”. Avaliação internacional Nem mesmo outros países de língua portuguesa usam o termo “agrotóxico” como terminologia oficial. Em Portugal, “pesticida” é o principal nome oficial, mas a palavra “agrotóxico” também é constantemente utilizada. Com o passar dos anos e o impacto do grande uso de venenos no Brasil, a expressão passou a ser conhecida por estudiosos e especialistas de outras nações, ganhando até variações em inglês (agrotoxicants) e espanhol (agrotóxico). Entre os latinos, a expressão brasileira chega a ser elogiada. “O termo ‘agrotóxico’ descreve que são produtos tóxicos e químicos, e na nossa visão traz um histórico de mudança para a eufemística agrícola. Termos como ‘defensivo’ invisibilizam o efeito letal sobre organismos vivos que o produto tem”, explica Fernando Bejarano, diretor da Rede de Ação sobre Pesticidas e Alternativas do México (Rapam). Fernando Bejarano conta que debate semelhante ao brasileiro está ocorrendo no México. Por lá, a associação Proteção de Cultivos, Ciência e Tecnologia A.C. (Proccyt), defensora do uso de agrotóxicos, se apresenta como “indústria para a proteção de cultivos”. E também luta para substituir o termo “praguicida” pelo mais suave “agroquímico”.

Categorias: Internacionais

‘No country, no region’ can tackle global challenges alone says UN’s Mohammed

UN SGDs - qua, 23/01/2019 - 18:59
Against the backdrop of seemingly endless challenges across the world, United Nations Deputy Secretary-General Amina Mohammed told a conference of development-minded partners in Nigeria that “no country, no region” could tackle them alone
Categorias: Internacionais

Cuba encara un complejo y preocupante frente externo

IPS español - qua, 23/01/2019 - 16:11

Parte del puerto de Santiago de Cuba, la segunda ciudad del país, con poca actividad en su rada. Las ciudades cubanas temen el impacto de un potencial recrudecimiento del embargo de Estados Unidos contra el país, cuando los pronósticos de este año son de una caída de la economía en la isla. Crédito: Jorge Luis Baños/IPSPor Patricia GroggLA HABANA, Jan 23 2019 (IPS) El presidente cubano Miguel Díaz-Canel enfrenta en 2019 nuevos retos internacionales que podrían obstaculizar sus esfuerzos por superar las urgencias económicas del país y avanzar en el aún inconcluso programa de reformas. Con una economía marcada por tensiones financieras e índices de crecimiento muy inferiores a los requeridos para su desarrollo, la decisión de Washington de mantener por solo 45 días la suspensión de la aplicación del Título III de la ley Helms-Burton, que en 1996 codificó en una sola norma el embargo contra Cuba, encierra un riesgo adicional para el país. De otra parte, el entorno regional se enrareció para La Habana tras el atentado con explosivos del 17 de este mes en la Escuela de Policía General Santander, en Bogotá, que causó la muerte de una veintena de cadetes. El gobierno colombiano dio por concluido el diálogo de paz en la Habana con el Ejército de Liberación Nacional (ELN), que reconoció en Bogotá la autoría del ataque, y demandó al gobierno cubano la extradición de los negociadores de esa guerrilla.“Algunos inversionistas internacionales quizás consideren sus planes para ver qué hace Washington en los próximos meses. Querrán saber si esto es meramente retórica o un cambio real en la política de los Estados Unidos”: John A. Gronbeck-Tedesco “No podemos estar seguros de los riesgos que todavía tengamos que correr, pero, sin embargo, nosotros estamos seguros de una cosa: que cualquiera que sea ese futuro, fácil o duro, la victoria será de nuestro pueblo…”, afirmó Díaz-Canel el domingo 20 en su cuenta de Twitter, sin especificar el origen ni naturaleza de esos peligros. Más claro fue el expresidente Raúl Castro (2008-abril de 2018), cuando el 1 de enero fustigó la política adversa de Estados Unidos hacia Venezuela y Nicaragua y afirmó que la “región se asemeja a una gran pradera en tiempos de sequía. Una chispa pudiera generar un incontrolable incendio que dañaría los intereses nacionales de todos”. Este lunes 21, Pablo Beltrán, uno de los principales negociadores del ELN en el diálogo con el gobierno colombiano que se desarrollaba en La Habana, desmarcó a la delegación guerrillera del ataque con autobomba, en declaraciones a la agencia cubana Prensa Latina. “La tarea nuestra en Cuba es sacar adelante la agenda de conversaciones, los hechos que ocurren en Colombia ni los conocemos ni tenemos injerencia o algo que ver con ellos”, afirmó el jefe guerrillero. Las negociaciones entre el ELN y el gobierno colombiano reanudaron en La Habana el 10 de mayo de 2018, luego que Ecuador desistió de albergarlas. En sus declaraciones, Beltrán insistió en que al llegar entonces a La Habana, el gobierno cubano ofreció su ayuda como garante y sede de la mesa de diálogo, pero a la vez pidió al grupo negociador del ELN limitarse exclusivamente a los diálogos de paz. “Nosotros hemos cumplido al pie de la letra eso”, afirmó. A su vez, el ministro de Relaciones Exteriores, Bruno Rodríguez, reiteró nuevamente, también a través de Twiter, que Cuba jamás ha permitido ni permitirá que su territorio sea utilizado para la organización de acto terroristas con otros Estados y ha cumplido estrictamente con su papel como garante y sede de la mesa de diálogo entre el gobierno de Colombia y el ELN. Pablo Beltrán (I), del Ejército de Liberación Nacional, y el representante del gobierno colombiano, Gustavo Bell (D), se estrechan las manos durante el diálogo de paz entre las dos partes que se desarrolló desde el año pasado en La Habana y que ha quedado congelado. Crédito: Jorge Luis Baños/IPS A la exigencia a La Habana del presidente colombiano, Iván Duque, de que los negociadores del ELN sean extraditados a su país, Rodríguez insistió en otro tuit que Cuba actuará con estricto respeto de los protocolos de paz. de esos protocolos, rubricado también por los otros dos garantes del diálogo, Chile y Noruega, establece que en caso de interrupción del diálogo, Colombia debe garantizar el regreso a su territorio de los negociadores rebeldes. Al respecto, el alto comisionado colombiano para La Paz, Miguel Ceballos, dijo en Bogotá que desde que comenzó su mandato en agosto, Duque no reactivó el diálogo con el ELN, que las políticas públicas de paz son del gobierno y no del Estado, por lo que los acuerdos previos no son vinculantes para el gobierno. Añadió que los protocolos “de ninguna manera fueron asumidos ni reconocidos” por el gobierno actual. En un comunicado hecho llegar IPS en La Habana desde su oficina, agregó que la cooperación judicial entre Cuba y Colombia incluye la extradición como una vía “para llevar a la justicia a los responsables de este crimen”. En las redes sociales, algunos foristas expresaron preocupación de que esta situación sirva al gobierno estadounidense de Donald Trump para aplicar nuevas medidas contra Cuba. La anterior administración de Barack Obama (2009-2017) retiró en mayo de 2015 a Cuba de la lista estadounidense de patrocinadores de terrorismo. “Tengamos o no razón en no entregar a estas personas (negociadores del ELN), dirán que estamos protegiendo terroristas”, comentó el usuario Leandro en el medio digital Cubadebate.  “(Esto) nos va a traer graves consecuencias en un momento político muy desfavorable en Latinoamérica para Cuba”, agregó otro. Algunos viandantes caminan ante el edificio que alberga la sede principal de la Empresa de Telecomunicaciones de Cuba, en el casco histórico de La Habana Vieja. El enfriamiento de las relaciones bilaterales de Cuba y Estados Unidos, afecta el desarrollo del sector. Crédito: Jorge Luis Baños/IPS La amenaza de que Washington pueda aplicar el Título III de la ley Helms Burton podría desestimular las inversiones extranjeras que Cuba necesita para su crecimiento y desarrollo. Desde que esa norma entró en vigor, todas las administraciones estadounidenses, incluida la de Trump, en 2017 y 2018, suspendían esa cláusula que se revisa cada seis meses y autoriza a ciudadanos estadounidenses a demandar desde su país a todo extranjero que negocie con propiedades de Estados Unidos nacionalizadas en Cuba. En una declaración, el canciller Rodríguez calificó como una de las “aberraciones más significativas” la extensión de esa autorización a propietarios que no eran ciudadanos de Estados Unidos al momento de producirse las nacionalizaciones y cuyas supuestas propiedades nadie ha certificado. Durante el gobierno de Obama y luego del restablecimiento en 2015 de las relaciones diplomáticas La Habana-Washington, se realizaron tres reuniones bilaterales para buscar solución al tema de las compensaciones por las empresas nacionalizadas en la década de 1960. Unas 6.000 personas y empresas estadounidenses tienen reclamos registrados por expropiaciones en esa época. Investigadores consultados por IPS coincidieron en que la aplicación de esta cláusula podría generar tensiones en las inversiones extranjeras en Cuba. “Tratan sin duda de crear una sensación de riesgo en potenciales inversionistas”, dijo el economista Luis René Fernández. “Aunque la mayor parte de las inversiones extranjeras se han construido en lugares nuevos, o en el caso del turismo, que son en zonas nuevas de la costa norte del país”, señaló el especialista Omar Everleny Pérez Villanueva. El gobierno cubano lleva a cabo una fuerte ofensiva para promover negocios en la Zona Especial de Desarrollo de Mariel, inaugurada en 2014. Hasta el momento ha captado 2. 130 millones de dólares en inversión extranjera y cuenta con 17 proyectos ya en operación. “Algunos inversionistas internacionales quizás consideren sus planes para ver qué hace Washington en los próximos meses. Querrán saber si esto es meramente retórica o un cambio real en la política de los Estados Unidos”, indicó  John A. Gronbeck-Tedesco,  profesor de  Ramapo College, una institución educativa privada de ese país, desde New Jersey. En opinión de este académico, existe incertidumbre acerca de cómo se aplicaría realmente el Título III, en caso de que la administración trate de hacerlo. “Esto podría ser una apuesta que el presidente Trump no querría seguir porque podría consumir mucho tiempo y ser políticamente costosa, con poco beneficio al final”, señaló. Edición: Estrella Gutiérrez Artículos relacionados

El artículo Cuba encara un complejo y preocupante frente externo fue publicado originalmente en IPS Agencia de Noticias.
Categorias: Internacionais

UN chief urges top digital tech panel to come up with ‘bold, innovative ideas’ for an 'inclusive' future

UN SGDs - qua, 23/01/2019 - 14:10
Key discussions among global decision-makers and influencers have taken place at the UN in Geneva this week, aiming to limit the growing risk of international cyber-attacks while promoting the advantages of digital technology, amid a call by the UN chief for “bold, innovative ideas”.
Categorias: Internacionais

La peor época para ser periodista

IPS español - qua, 23/01/2019 - 13:14

En Eslovaquia, un manifestante sostiene una pancarta con la foto del periodista asesinado Jan Kuciak y su novia Martina Kusnirova. Cientos de miles de personas protestaron en las semanas que siguieron a su muerte, en febrero de 2018, lo que derivó en la renuncia del primer ministro Robert Fico. Crédito: Ed Holt/IPS.Por Ed HoltBRATISLAVA, Jan 23 2019 (IPS) “Nunca conocí una época tan mala como esta”, observó Beata Balogova, vicepresidenta del Instituto Internacional de la Prensa (IPI) y jefa de redacción del eslovaco Spectator Sme. “Con respecto a lo que pasa con los periodistas, vivimos un período único”, apuntó. La creciente animosidad hacia los periodistas en Eslovaquia y en otras partes de Europa se expresa de manera cada vez más violenta, comentó Balogova, interrumpiendo su trabajo en la sede del diario en Bratislava. “Es más intenso ahora, hay ataques verbales, amenazas, y los debates en Internet por los artículos son mucho más agresivos”, ejemplificó. Hace poco terminó de presentar una demanda contra una persona desconocida tras recibir amenazas por Internet, que incluyen un llamado a perpetrar una masacre en el diario, en especial una réplica de lo que ocurrió a la publicación francesa de humor Charlie Hebdo, en 2015, cuando dos hermanos abrieron fuego en la redacción dejando 12 personas muertas, apuntó. No pasó un año todavía desde el asesinato del periodista eslovaco Jan Kuciak, quien investigaba los vínculos entre el gobierno y la mafia italiana, pero hizo que los profesionales de la prensa se tomen las amenazas con mayor seriedad, subrayó Balogova. “Lo que cambió en este último año es que antes los periodistas no le prestaban mucha atención a las amenazas ni a las agresiones, pero como ven ahora, el odio se expresa mediante agresiones físicas”, observó Balogova. El asesinato de Kuciak y su novia Martina Kusnirova en febrero de 2018 ocupó los titulares de la prensa de distintas partes del mundo, pero, sobre todo, derivó en la renuncia del primer ministro de Eslovaquia, Robert Fico. El hecho puso en duda la libertad de prensa y la seguridad de los periodistas en este país y concentró la atención internacional en las graves falencias de la prensa en otros países de la región. Este año, se inauguró el Centro de Investigación Jan Kuciak, el primero de este tipo, en memoria del periodista asesinado. Sus fundadores esperan que se vuelva un importante centro periodístico, que facilite las investigaciones transfronterizas en materia de crimen organizado global, pero se inaugura cuando Eslovaquia padece el debilitamiento de la libertad de prensa, así como serias preocupaciones por el estado de esta en Europa oriental y por su ausencia total en algunos lugares de la Unión Europea (UE). Rumania asumió la presidencia rotativa de la UE este mes, cuando recibió fuertes críticas por la falta de libertad de prensa. En Hungría critican al primer ministro Viktor Orban y al gobernante Fidesz por haber virtualmente liquidado a los medios opositores; y el partido gobernante de Polonia hace lo mismo de forma sistemática, según las acusaciones de sus detractores. También preocupa la situación de los medios de República Checa, controlados por el primer ministro Andrej Babiš y sus socios, así como la actitud abiertamente hostil de presidente hacia los reporteros. Además, en las últimas semanas hubo protestas masivas en Serbia contra el presidente Aleksander Vucic y el gobernante Partido Progresista Serbio, en parte, por la falta de libertad de prensa. Mientras, un tribunal de Montenegro condenó en la tercera semana de este mes al periodista de investigación Jovo Martinovic a 18 meses de cárcel por asociación para delinquir y tráfico de drogas. Sus contactos con grupos delincuentes formaban parte de una investigación, y el caso en su contra obedece a motivos políticos, se defendió. Y según defensores de los derechos de los periodistas, el fallo busca ser un llamado de atención para otros profesionales de la prensa en la región. “El dictamen tendrá un efecto paralizante en los periodistas de la región, quienes pensarán que si infiltran a la mafia y trabajan con ella, tendrán que temerle no solo a la mafia, sino también al gobierno de su propio país”, explicó Pauline Ades-Mevel, de la organización Reporteros Sin Fronteras (RSF), en diálogo con IPS. Las organizaciones de medios como RSF y órganos como la Comisión Europea, brazo ejecutivo de la UE, subrayan desde hace años el declive de la libertad de prensa en la región. Polonia, Hungría, Eslovaquia, República Checa y Serbia cayeron en la clasificación sobre libertad de prensa de RSF en los últimos años debido al preocupante uso que hacen los gobiernos autoritarios de la legislación, los impuestos, las absorciones de medios, las clausuras y, según algunos, incluso la vigilancia que hacen los servicios de seguridad con el fin de tratar de silenciar a los medios críticos. Mientras, el menosprecio de periodistas y medios por parte de dirigentes políticos contribuyó a lo que algunos califican de “ambiente hostil” para los profesionales de la prensa, lo que favorece los ataques verbales y físicos. Uno de los últimos casos de violencia fue el intento de ingresar al apartamento del periodista de investigación Milan Jovanovic el 30 de diciembre, pocas semanas después de que un desconocido quemara su casa de Belgrado con un cóctel Molotov. Su pedido de contar con protección policial no recibió respuesta alguna. La respuesta del presidente Vuci, quien consideró que el ataque fue solo un robo, y el fallo del tribunal de Montenegro son típicos, puntualizó Ades-Mevel, de gobiernos que usan palabras vacías a la hora de cumplir sus compromisos con los órganos internacionales en materia de libertad de prensa. Los dos países mantienen negociaciones para ingresar a la UE. La situación no es nada alentadora, pero su relación con Bruselas, sede de la Comisión Europea, puede ser una forma de lograr el cambio y mejorar el ambiente para los periodistas y los medios. “Es importante que los gobiernos de Serbia y Montenegro comprendan que están siendo observados. La presión debe venir de afuera para que los gobiernos comiencen a limpiar desde adentro”, sostuvo Ades-Mevel. Si se tomaran medidas contra los miembros de la UE en donde decae la libertad de prensa, se mandaría un mensaje a los países que pretenden ingresar al bloque, añadió. A principios de este mes, el Parlamento Europeo accedió a respaldar medidas para recortar fondos a los Estados miembro donde el derecho, que abarca la libertad de prensa, es socavado. Entrarán en vigor si los países las respaldan. Pero gobiernos como los de Polonia y Hungría ya desestimaron en otras oportunidades las preocupaciones por la libertad de prensa, identificando medios críticos como prueba de la saludable pluralidad que existe. “Lo que hizo Orban y sus amigos oligarcas fue transformar los medios públicos en extensiones del gabinete”, observó. “Hay una producción de noticias coordinada, con reuniones semanales donde los jefes de los medios pro Orban fijan la agenda. Es la peor versión de la pesadilla que trataron de implementar los regímenes comunistas y fracasaron, y ahora Organ lo hizo a la perfección”, añadió Ades-Mevel. Por su parte, Jelena Kleut, profesora adjunta del Departamento de Estudios de Medios, de la Universidad de Novi Sad, en Serbia, observó: “Podemos haber pasado ya el punto de no retorno”. “Es mucho lo que se hizo en Serbia para debilitar la libertad de prensa, no solo los ataques contra periodistas, sino el control que se arrogó el partido de gobierno; no estoy segura de que la presión de la UE pueda cambiar algo”, confesó a IPS. Y Pavla Holcova, destacada periodista de investigación de República Checa, dijo a IPS: “Los dirigentes políticos se involucraron en la creación de ambientes hostiles para los periodistas, pero nosotros como periodistas, podemos hacer mucho para frenar (los ataques verbales)”. “Necesitamos que la sociedad civil se levante y lo haga por nosotros para tratar de que los políticos cambien”, añadió. “Fue una suerte que Milan Jovanovic no se encontrara en su casa cuando la incendiaron. Espero que no maten a ningún periodista, pero con la frecuencia de ataques que tenemos ahora, es algo que puede pasar”, se lamentó Kleut. Traducción: Verónica Firme Artículos relacionados

El artículo La peor época para ser periodista fue publicado originalmente en IPS Agencia de Noticias.
Categorias: Internacionais

Sobrevivendo no inferno: o relato íntimo de três condenados que não pertenciam a facções

Pública - qua, 23/01/2019 - 11:08

No cotidiano do sistema penitenciário existem preço e esquemas para tudo: espaço, alimentação, roupas, drogas, bebidas e sexo. Na maioria das vezes, o estado fornece apenas uniforme, alimentação servida por meio de quentinhas e, com alguma sorte, produtos de higiene pessoal. Segundo os entrevistados, para sobreviver numa prisão brasileira é preciso, antes de tudo, ter saúde, mental e física. Conhecimento e malandragem ajudam, mas o fundamental é dinheiro.

De classe média, brancos e com segundo grau ou técnico completo, os três são minoria dentro da massa carcerária brasileira de mais de 700 mil presos, formada por 64% de negros e 75% sem ensino médio, segundo dados do Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias, de junho de 2016. Em suas experiências, eles afirmam que as facções nos presídios impactam o bem-estar de outros detentos. Na cadeia, enquanto muitos dependem da ajuda familiar para sobreviver, com criatividade, habilidades e oportunidades certas, outros são capazes de multiplicar dinheiro e até ajudar suas famílias além dos muros. Nas histórias a seguir, os ex-detentos, que tiveram seus nomes trocados para garantir o sigilo da fonte, revelam sem meias palavras a intimidade e os bastidores do que viveram dentro da cadeia. Caco Bressane/Agência Pública. Férias frustradas de verão – Um carioca no presídio da Mata Escura “Fui com os outros novatos até a cela dos frentes da cadeia. Tinham trinta malucos com facão de açougueiro e sangue nos olhos. Os caras olharam pra mim e falaram: ‘Qual é cabeludo, dá um passo pra frente aí, ô, tatuado!’. Dei um passo pra frente. ‘Qual tua graça?’, ‘Rafael, mas pode me chamar de Carioca, que é como todo mundo tá me chamando.’ O frente respondeu: ‘Carioca, é? Tu fecha com quem? Vamos ver se tu é carioca mesmo…” O relato de Rafinha aconteceu na chegada à “Cadeia Velha”, dentro do Complexo da Mata Escura, em Salvador. Os “frentes” eram os líderes da facção baiana Comissão da Paz, conhecida pela sigla CP. Eles interrogavam cada novato que lá chegasse para saber se os detentos “fechavam” (eram filiados) com alguma facção. Rafinha tinha 36 anos quando foi preso, era um típico garotão da zona sul carioca, solteiro e sem filhos que vivia no quartinho dos fundos na casa de sua mãe em Copacabana. A pele branca queimada de praia, riscada de inúmeras tatuagens, traz o time do coração preenchendo as costas. Do quartinho da mãe ele administrava um negócio de passeio de cachorros, além de ter numa gavetinha um estoque de drogas diferenciadas, que ele, eventualmente, “adiantava” para os amigos. Entusiasta da cultura musical trance, cultivava alguns dreads no meio do cabelo comprido e liso, e todos os verões se jogava para os festivais e raves que pipocam pelo Brasil. Era janeiro de 2015, pulando de um festival para outro, policiais militares prenderam Rafinha na Chapada Diamantina. Escondidos no estacionamento do evento, quando Rafinha percebeu os PMs já era tarde demais para recuar. Os policiais acharam com ele 2 gramas de cocaína e um de MDMA, 20 gramas de diferentes tipos de haxixe e algumas doses de LSD. Após horas de interrogatório no posto policial local, ele foi acusado de tráfico e enviado para Seabra, cidade colada na rodovia BA-024, a quatro horas do festival em que foi preso. A cidade de 5 mil habitantes tem uma praça, uma escola, um hospital, um posto de gasolina, muitos bares e uma delegacia com 12 celas, todas sem porta, arrancadas durante uma rebelião, instigada por presos paulistas anos atrás, e que nunca foram repostas. “Fizeram minha ficha e me jogaram lá. Primeiro, eu fiquei no ‘curral’, que é um quadrado sem nada, tipo uma solitária, só tem parede e duas grades, não tem onde cagar, mijar, não tem nada. Fiquei lá um dia e uma noite inteiras e, na manhã seguinte, entrei pras celas. Nesse meio-tempo, conversei pelas grades com a galera, ‘Qual é, cabeludo? Rodou onde? Rodou com o quê?’” Logo de cara, Rafinha viu outro cara com uma pulseira do mesmo evento onde ele foi preso. “Qual é, irmãozinho? Rodou no festival?”, quis saber Mineiro, que foi detido fumando maconha na entrada da festa. Começava ali uma história de amizade que se manteve mesmo depois de Rafinha ter sido solto, seis meses depois. Toda cela tem um preso que por ser mais antigo no sistema é mais respeitado e exerce um papel de liderança ou mentoria; em alguns lugares essa figura é conhecida como “o mais velho”. “O mais velho perguntou: ‘Já ligou pra algum familiar teu? Não? Então vou te dar a fita do cara que vai liberar o telefone pra tu ligar pra tua mãe, o cara libera tudo aqui’. ‘Libera tudo, como assim?’ Eu perguntei. ‘Ele é o cara que libera tudo, se tu quiser droga, comida, cigarro, água. Tu vai ter que falar com ele’.” Rafinha articulou com o policial e combinaram que sua mãe depositaria dinheiro na conta do agente, que fazia compras para Rafinha e toda a cela na cidade. Galão de água de 20 litros, maço de cigarros Gudan, pão francês, queijo e mortadela, isso fazia a galera se sentir melhor e ele ganhava aos poucos respeito do grupo. Havia dez pessoas na cela quando Rafinha chegou e, durante sua estada, sempre entrava e saía gente. A carceragem reunia pessoas que cometeram crimes na região e aguardavam julgamento em alguma comarca próxima ou transferência para o presídio de Salvador, caso de Rafinha. Segundo Rafinha, a maioria dos presos tinham histórias envolvendo bebida. Foi tomar uma com a cônjuge, passou da conta, pintou um ciúme e alguém terminou levando uma peixeirada. Era a trama mais comum. Vez por outra apareciam pessoas transferidas do presídio de Salvador para serem julgadas na área e que traziam consigo as histórias sinistras do Complexo Prisional da Mata Escura e suas facções criminosas. A cada sete dias, rodava uma lista com os nomes dos presos que tinham de ser transferidos para Salvador, e o de Rafinha só entrou na terceira semana. “Eu subornava o policial, ele dizia: ‘Daqui a três dias vão vir os caras aí pra rebocar a galera’. Ligava para casa e pedia para minha mãe botar 50 conto na conta dele, e meu nome não entrar na lista. Uma vez esse policial que eu molhava a mão estava de folga e eu fui transferido.” No dia da transferência, foram seis horas de viagem até Salvador, dentro de uma Chevrolet D20, com seis presos no fundo, todos algemados. “Não tinha ventilação nenhuma. Um dos malucos tinha câncer nos testículos, ele tinha de ficar de perna aberta. Ele reclamava de dor, e os policiais mandavam calar a boca. ‘Tenho incontinência urinária, preciso mijar!’ E os caras nada, seis horas depois chegamos no Complexo da Mata Escura, em Salvador, que é como se fosse Bangu, no Rio de Janeiro.” Mas antes de conhecer o presídio onde iria aguardar seu julgamento, Rafinha passou alguns dias na unidade de triagem conhecida como Cadeia Pública. “Era um lugar muito pequeno, talvez 10 por 10 metros, sem energia elétrica, só tinha uma comarca, que é onde a galera coloca o colchão pra deitar. Tinha uma divisoriazinha e, do outro lado, uma privada colada na parede e um cano saindo de cima que servia como chuveiro.” Rafinha dividiu o espaço com 13 pessoas. Não havia iluminação nem saída para banho de sol, e água e comida eram recebidas por um pequeno retângulo na porta. Havia ainda uma janelinha gradeada pela qual os novatos escutavam as pessoas das outras alas gritando, enviando mensagens. “Era cheio de barata e mosquito, então a gente ficava na parte da manhã matando as baratas e os mosquitos, quando escurecia, depois das seis, a galera ficava revezando na janelinha, de lá a gente também via ratos saindo dos buracos, e as corujas vindo e pegando os ratos, era nossa televisão, era uma loucura cara.” Outro encontro ajudou Rafinha a entender as regras do lugar. O apelido dele era Gago Zóio, porque ele não tinha um olho. Ele me alertou que eu seria mandado para o pior pátio da cadeia, a dos homicidas e traficantes. “E ele falou: ‘Vocês que são novatos vão primeiro pra cela dos frentes da cadeia, e eles vão te fazer um interrogatório, vão estar de facão, então se liga, não gagueja, não fica com medo, eles não vão fazer nada, porque a ordem na cadeia é não fazer nada, a cadeia tá calma, não rola morte já tem seis meses’.” Dias depois o grupo, ainda com seis que vieram de Seabra, foi para um novo curral, uma espécie de solitária maior com seis comarcas. “Fedia mijo e merda de gato. Tinha um gato morto num canto, e atrás de uma divisória tinham dois canos jorrando água 24 horas. O lugar era úmido, escroto, tinham ratos comendo o resto dos gatos.” “No dia seguinte, fomos transferidos pro pátio, passamos pela triagem dos policiais e depois a entrada. Tem um corredor e os presos ficam de frente pra grade e, caralho, era muita gente. O presídio todo fica batendo na grade ‘Aí, chegou novato’. Veio a voz de um cara lá de dentro: ‘Quem for novato vem aqui comigo, quem já for da casa vai pra suas respectivas celas’.” A guerra de facções na Bahia O Complexo da Mata Escura reúne vários presídios que abrigam os detentos separados por facções, BDM (Bonde do Maluco), Caveira e CP (Comissão da Paz). Como ocorre em outros lugares, há o chamado seguro, onde ficam pessoas juradas de morte pelas facções (como delatores) ou condenados por crimes específicos, como estupro. Não era o caso de Rafinha, que foi designado para onde havia vaga, na Cadeia Velha, comandada pela CP. “Na Cadeia Velha eram dois pátios e cada um com dois andares. No pátio 1, no andar de baixo, ficava a galera que cometia infrações mais leves como assalto e interceptação de cargas. No andar de cima ficava a crença e o seguro. Existe um portão que vive trancado na crença que é para a galera não passar pro seguro. No pátio 2, no andar de cima e de baixo, fica a galera com infrações mais pesadas e não tinha seguro, mas tinha uma cela lá que era dos homossexuais. Eles circulavam entre a galera normalmente. Não tinha agressividade contra eles não, pelo contrário, eles eram respeitados lá. Nos dias de visita eles recebiam visita de outros homossexuais. Mas era muito difícil alguém do dia a dia de lá visitar a cela deles.” Em 2010, um traficante da CP conhecido como Davi Gordo encomendou 10 quilos de cocaína de um fornecedor de São Paulo por R$ 60 mil. A droga foi levada no fundo falso de um carro guiado por Jean Carlos dos Santos, 37 anos, o Taxista, e Camila Frias, de 22 anos, a Loira, suposta namorada de um líder encarcerado do PCC. Para driblarem a polícia, eles fingiam ser um casal, o disfarce era completo com Rickelmy, filho da jovem, de apenas 1 ano. A entrega chegou ao destino, mas o casal não recebeu o pagamento e foi sequestrado por traficantes do CP. Eles entraram em contato com o PCC, posando de policiais, e exigiram R$ 50 mil. O resgate foi pago, mas o casal foi assassinado. Poupada, a criança foi abandonada num estacionamento. O episódio desencadeou uma guerra entre as facções e, por essas e por outras, paulistas em geral não eram bem-vindos nas prisões baianas. À época da prisão de Rafinha, o PCC ainda era aliado da facção carioca Comando Vermelho. Esse foi o alerta de Gago Zóio: os frentes tentariam descobrir se Rafinha era filiado ao CV. “Chegamos lá na cela dos ‘frentes’, tinha 30 caras lá, 30! Só os caras que cometeram as atrocidades mais trevas na Bahia, matador de polícia, bizarro! Moro no Rio e frequento favela desde criança, já vi tiroteio, sei como é o esquema. Eu pensei, tou dentro de uma cachanga e vou desenrolar com o dono da favela, mas tá tranquilo. O cara já olhou pra mim, branco, todo tatuado, cabeludo, de dread…” A estratégia dele foi inventar uma narrativa que não revelasse seu passado de rapaz de classe média carioca. “Falei que era hippie, que tinha vindo trabalhar numa festa e rodei com drogas. Eles queriam saber com quem eu fechava: ‘É Comando Vermelho? É ADA? Terceiro Comando? Fecha com os polícias?’. Eu disse que não fechava com ninguém: ‘Como que tu roda em outra cidade com droga, rodou com quê?’ Respondi: ‘MD, haxixe paquistanês, haxixe marroquino, dry-ice…’. E os caras: ‘Mas que porra é essa?’.” “Até que um falou: ‘Tu tem sorte que é carioca… Tu mora onde lá no Rio?’. Falei que morava no centro, perto da Central do Brasil, do Sambódromo, ‘onde rolam os desfiles’. Aí um maluco lá de trás: ‘Aí! Minha tia mora lá! Providência, não é isso? Minha tia mora lá, é empregada lá, foi bem recepcionada. Aqui a gente gosta dos cariocas, só não gosta de paulista.” “Veio outro e disse: ‘Vamos ver se tu é carioca mesmo! Chama lá o Carioca da [cela] 1.’ Nesse meio-tempo continuaram o interrogatório, eles o tempo todo querendo arrancar que eu era de alguma facção.” “Lá eles sempre falavam ‘aqui é duas letras, CP! Nada de bagulho de três letras, esses filhas das puta do BDM e dos Caveiras’. Uma vez eu contei pra eles: ‘Caveira lá no Rio é outra coisa, é polícia, é Bope, cês tão maluco!’. E os caras: ‘Ih alá! Que porra é essa!’. Aí eu pegava o celular de alguém e botava no YouTube ‘Faca na caveira – Bope’ e os caras ficavam com mais ódio dos caras do Caveira lá.” Após dez minutos de conversa, o Carioca da 1 atestou que Rafinha era seu conterrâneo. “O cara me levou pra G7, a cela onde eu ia ficar, me apresentou pro mais velho de lá. Nos primeiros dias, foi meio conturbado, porque uma coisa é tu ver um filme, ver aquela parada, e falar ‘isso é um filme’, outra coisa é tu estar lá dentro.” Não demorou para que Rafinha e Mineiro, aquele da pulseira do festival, ficassem amigos do Carioca da cela 1. O Carioca mostrava para Rafinha e Mineiro quem eram os frentes da cadeia e explicava as regras. Os dias de visita eram sagrados, ninguém podia olhar para a mulher dos outros, quem não tinha visita deveria evitar andar nos corredores e, de preferência, ficar escondido no banheiro. Se um preso cruzasse o caminho da visita de outro, ele deveria imediatamente virar para a parede e esperar que eles passassem. Jamais se deveria olhar para a visita de outro preso sem permissão. No começo, os dias de visita foram bem difíceis. A mãe de Rafinha estava no Rio e ele tinha de ficar no banheiro. Mais de uma vez, ele viu um preso ir ao banheiro fumar crack escondido das visitas, para depois voltar para o pátio, pegar sua criança no colo e ficar bem louco “pedalando” em volta da quadra. Depois de algum tempo o Carioca da 1 apresentou sua família a Rafinha, e ele passou a almoçar com eles nos dias de visita. Para ele, foi um alívio conversar com pessoas de fora da cadeia. Segundo Rafinha, as quentinhas fornecidas pelo estado “eram intragáveis”, o presídio tampouco provia itens de higiene pessoal mais básicos como papel higiênico e escova de dentes. Para sobreviver, os presos dependiam do que as visitas levavam. Farinha, leite e achocolatado em pó eram fracionados em sachês que eram amarrados às grades e vendidos a outros presos, assim como outros artigos. Em Seabra, ele conversava com a mãe através do celular de um agente todos os dias. Em Salvador, já haviam se passado três semanas sem que ele pudesse atualizá-la, até que o encontro com “um frente” mudou totalmente sua história. De funcionário a patrão “Cada um tinha uma função, tinha uma galera que não queria lavar a roupa, eu ia lá lavava a roupa da galera e eles me pagavam. Tinha um cara escalado pra fazer a faxina dos dois pátios, às vezes, ele não queria fazer e ele me pagava para eu fazer no lugar dele. A faxina era um dia antes da visita, que acontecia às quintas e aos domingos. Sol escaldante, mais de 40 graus. Nego lá vende de tudo, vende droga, vende celular, vende televisão, rádio, remédio.” “Um dia um dos frentes me chamou pra fumar um baseado e me perguntou se eu não tinha como botar crédito no celular dele. ‘Se botar R$ 50, eu te pago aqui, só cair a recarga que eu pago.’ Eu pedi o telefone dele pra ligar pra minha mãe. O cara adorou, no dia seguinte ele mandou um maluco com um monte de papel e anotação pra eu botar crédito, mais de 20 papéis com números diferentes. Passei a ganhar confiança dos caras assim, porque toda vez que os frentes queriam crédito eles iam até mim.” “Minha mãe catou toda a grana que eu tinha em casa e no banco. Ela botava os créditos e eles me pagavam. Fiquei ganhando dinheiro na cadeia assim.” Os rendimentos do carioca giravam entre R$ 500 e R$ 600 por dia, mas os gastos eram igualmente altos, cerca de R$ 400 para comprar o que comer, beber e itens de higiene pessoal. “O governo não dá nada, papel higiênico, toalha, só dá um uniforme, mais nada além disso.” O estrato social mais baixo na pirâmide social naquela cadeia é chamada de maloca, formada por aqueles que não tinham visita, que a família havia abandonado. “Os caras não tinham dinheiro, não tinham nada. Às vezes, eles iam de cela em cela mendigando e alguém se sensibilizava, dava um pacote de biscoitos, uma pasta de dentes…” A princípio, a cela de Rafinha, a G7 tinha sete presos, mas chegou a ter 13, divididos em oito comarcas. Havia noites com cama para todo mundo, outras não. “Se chegasse qualquer pessoa da facção, eu tinha que ceder o lugar. Era foda. Às vezes, eu tava tranquilão na cama, passava uma semana e eu tinha que dormir no chão. Às vezes, me botavam pra ficar de vigília, tinha que acordar mais cedo que todo mundo na cela e ficar vigiando os agentes chegando na cadeia para abrir o portão. Daí, avisava pra todo mundo: ‘As putas tão na gaiola’. Eram os agentes. ‘As putas na crença.’ Eles passavam de manhã pra fazer a contagem. Às vezes, três agentes entravam, levantavam a porra toda pra ver se tinha celular ou droga, não achavam nada e saiam, chamando um por um por nome.” Entre 7h e 16h, os presos ficavam soltos no pátio, andando, jogando bola. Depois voltavam para a cela, uma nova revista e contagem eram realizadas e eles ficavam presos até a manhã seguinte. “As drogas e celulares ficavam escondidos na parede ou então no ‘boi’, que é a privada onde a galera cagava e mijava, tinha umas que eram desativadas porque ligavam uma cela a outra, então eles passavam droga pelo boi, mas a grande maioria passava pelo bonde, que é uma corda com tipo um bolso de calça jeans. Eles dobravam e costuravam, pegavam aquela linha e iam puxando a bolsinha com droga ou dinheiro dentro e ia passando entre galerias, e isso era visto pelos agentes e a Polícia Militar, que ficavam em cima da gente andando, fazendo escolta, mas eles nem tavam aí. De manhã a galera vendendo droga gritando: ‘Cocaína braba de R$ 5’. ‘Aí, tenho celular!’”. O “mergulhão” e as iguarias dos evangélicos “A comida do presídio era horrorosa. De café da manhã vinha um pão francês com uma rapa de manteiga, que nem dava para sentir o gosto, uma fruta e um café com leite nojento. O almoço era sempre salada, arroz, feijão e um suco com uma carne.” “Chamavam de ‘carne de passarinha’ e no céu só tinha urubu voando. A gente juntava a quentinha do almoço e do jantar, jogava fora o arroz azedo, pegava as carnes, desfiava, misturava com farinha amarela e fazia um pirão.” Para cozinharem o pirão, eles usavam o “mergulhão”: um balde com água e dois ferros ligados com fio de cobre na corrente elétrica. A energia esquentava a água. Colocavam chinelos para os cabos não encostarem e não dar curto-circuito. “Não podia tocar na água porque aquela porra derretia tua mão. Tinha que colocar o pote de comida no talento e tinha um rodízio para fazer isso. ‘Aê, Carioca, hoje é teu dia.’ E me zoavam: ‘Carioca vai perder os dedos, vamos ver, vamos ver, Carioca foi criado com empregada…’” “Nos crentes [evangélicos], podia vender tudo. Na real, nas outras podia também, mas os crentes entravam com muita coisa. Quando eu vi o crente vendendo caixa de bombom… ‘Quanto é?’ ‘R$ 15.’ ‘Quero dez caixas de bombom.’ ‘Pra quê? Pra revender?’ ‘Não, quero comer, mó tempão sem comer chocolate.’ Os caras tinham água com gás, desodorante, escova de dente, fio dental, biscoito cream cracker.” “Tinha uns crentes que conseguiam pegar comida de dieta diferenciada. E eu comprava a comida dos caras. ‘E aí, abençoado? E essa quentinha aí? Vai comer?’ ‘Nem, hoje quero comer arroz e feijão, isso aqui tá muito fraco pra mim.’ ‘Então me vê tua quentinha aê.’ A quentinha do cara ainda vinha com uma fruta…” Enquanto ele esteve preso, houve uma falta de água em Salvador e os únicos que tinham água eram os crentes, que vendiam garrafas de 1,5 litro por R$ 20. Rafinha comprava e escondia suas águas debaixo do colchão e dormia por cima delas, todo torto, porque tentavam roubar suas garrafas durante a noite. “Ficamos sete dias sem água, até que ela foi chegando aos poucos. Primeiro tinha pros frentes, depois pra cadeia. Se sobrasse, ia pra galera da maloca.” “De 15 em 15 dias ia uma galera dos direitos humanos lá. Aí quando eles iam galera botava pra fuder, falava tudo que acontecia, tudo que tava dando errado que os agentes tavam fazendo, as merdas que tavam rolando, porque o processo não desenrolava, porque a família não tava podendo visitar, várias histórias doidas.” Às visitas, revistas vexatórias e lágrimas Segundo Rafinha, as visitas aconteciam nas quintas e nos domingos, quem tinha visita ficava aguardando encostado numa parede. Vinha muita criança, mãe e mulher de preso, e após uma revista vexatória muitas entravam chorando. “É uma parada muito surreal pra mulher, é uma parada desumana. Minha mãe queria me visitar e eu falando pra ela, não vem, não vem, a revista aqui é sinistra.” “Aí um belo dia eu tou lá tranquilão e vem o carteiro da cadeia: ‘Coé Carioca G7, visitaaaa…’. E eu, hein? Era fora de dia de visita, era visita com advogado. E eu, caralho, cheguei lá fora algemado, e quando vi minha mãe fiquei branco, comecei a tremer, meu olho encheu d’água. Eu não chorava, mas também não falava. Eu queria chorar, mas não conseguia. Minha mãe chorou pra caralho, chorou muito.” “Ela tinha comprado um monte de coisa, mas os caras não deixaram entrar as compras. Então eu falei pra minha mãe levar de volta que eu ia fazer as compras entrarem de algum jeito. Eu cheguei num crente, disse que pagava a passagem do familiar que ia vir visitar ele: ‘Tem uma sacola cheia de compra pra mim, eu pago a compra da tua mulher, ela faz a lista, manda pra minha mãe, ela vai e faz a compra, só que ela tem de se encontrar com minha mãe pra pegar a compra dela e a minha, dividir entre a galera pra conseguir entrar aqui dentro, e eu ainda pago a passagem dela e dou um dinheiro pra você’. Eu sabia como entrar na cabeça dos caras e eu entrava. A partir da terceira visita que começaram a entrar as coisas pra mim lá dentro tava com muita coisa estocada e comecei a vender também.” “Minha mãe ficou dois meses lá na casa da amiga dela, parou a vida dela, ficou lá. Quando ela viu que eu não ia sair nesses dois meses, ela teve de ir embora, e eu ainda fiquei mais um tempo.” “Foi uma experiência de vida muito doida, que me abriu muito a cabeça em relação a saber que a Justiça brasileira é totalmente falha, tinha pessoas que rodavam com 100 trouxinhas de crack e duas pistolas .40, granada, munição, ficava dois dias lá e ia embora. Eu, com minha quantidade, fiquei lá o maior tempão porque eu era tipo um gringo lá dentro. Mas eu não sofri violência nenhuma, ninguém me bateu, ninguém tentou fazer gracinha comigo, nem os agentes. Peguei uma época tranquila.” “Mas realmente, cara, aquilo não ressocializa o ser humano, não tinha nada pra fazer lá, ficava jogando carta, jogando futebol, dormindo, ouvindo música, vendo TV. Só quem estudava eram os caras da crença, que estudavam três dias e um dia diminuía da pena, mas fora eles ninguém mais ia. Não tinha trabalho, e tinha preso que recebia o alvará pra ir embora e o cara não queria ir embora, rasgava o alvará: ‘Se eu for pra rua, eu vou morrer!’. ‘Se eu for pra rua, eu vou passar fome, aqui eu tenho alimentação, dinheiro, respeito’. Eu vi vários agentes entrando pra tirar o cara dali à força porque o cara não quer sair. Aí que o cara faz? Ele chega na rua e faz uma merda qualquer pra poder voltar, dois dias depois o cara está de volta, e a pena era maior e, pela pena ser maior, ele ficava mais tempo lá dentro, que é o que ele queria. Isso me fez ver que a Justiça brasileira realmente é uma merda.” Retribuindo com interpretação de texto e baldadas Rafinha conta que tanto sofrimento foi revezado de companheirismo e até mesmo de momentos lúdicos. Por ser alfabetizado, volta e meia detentos pediam sua ajuda para ler ou mesmo interpretar suas sentenças e outros ofícios. Seus conhecimentos sobre drogas também foram úteis dentro do sistema. “Lá em Seabra eu conheci um cara de Estiva, interior dos interiores. ‘Carioca, eu tenho esse número de telefone aqui, mas eu não sei falar, você pode falar pra mim?’. Aí eu ligava e falava com o parente dele, falava por ele porque ele não conseguia se comunicar. Eu lia os papéis das audiências pros caras. E eu pra explicar aquilo pro cara entender, demorava horas, mas eu fazia o cara entender. Então, na minha passagem lá, tive minha parcela de retribuição… Criei algumas amizades lá que até hoje eu falo. O Mineiro é um que eu falo todo dia, ele parou de vender drogas, tem 30 anos e já foi preso cinco vezes. Tinha também muita tentação, toda hora vinha um ‘pô, carioca, arruma o contexto aí, arruma o contato aí’. Teve só uma vez que eu consegui botar haxixe lá pra dentro de tanto que eles me encheram o saco. Felizmente logo depois eu saí.” Assim como os alimentos que chegavam na cadeia eram superfaturados ou de qualidade duvidosa, com as drogas não era diferente. “A maconha de lá era tipo o pior solto da Bahia, não dava onda nenhuma. Um dia cheguei pros caras da minha cela e disse: ‘Cara, cês já fumaram no balde?’. ‘Coé, Carioca, que bagulho é esse?’ A baldada, cês não conhecem? Me dá um balde e uma garrafa de 2 litros.” A baldada é uma forma de fumar maconha que consiste em cortar o fundo de uma garrafa pet e furar sua tampinha de maneira que um baseado a atravesse. Deve-se submergir a garrafa num balde cheio de água e depois colocar o baseado; com muito talento deve-se puxar a garrafa para cima lentamente, o que cria um dispositivo de êmbolo, preenchendo a garrafa com 2 litros de fumaça, que deve ser absorvida toda de uma vez ao retirar a tampinha, resultando em uma onda impactante e acessos de tosse. “Apertei dez dola de cinco num baseadão só, coloquei ele na ponta da garrafa, acendia, e puxei, a coluna de fumaça se formando e os caras já olhando. ‘Caralho, carioca que que é isso? Que bagulho louco!’ Aí eu tirei a tampa, abaixei a garrafa, puxei toda a fumaça e os caras ficaram de cara comigo lá dentro. Geral ficou muito chapado, aí nego começou a espalhar isso pras outras celas: ‘Caralho, o Carioca me ensinou a técnica do balde, bagulho muito doido’. Aí todo mundo ia lá pra eu ensinar. Mermão, na semana seguinte todas as celas tinham um balde com a garrafa cortada, nego só fumava no balde agora.” “Era maneiro… Mas maneiro é minha casa, minha cama, minha privada, meu chuveiro, tomar um banho tranquilo. Liberdade. Aquilo ali lá dentro é sinistro… Quando eu tava lá, não teve morte, mas teve porrada. Depois que eu saí, o Mineiro ficou ainda mais um ano, e disse que não tinha ninguém mais para botar crédito com facilidade, disse que o bagulho ficou louco, rolaram várias merdas, porrada, morte…” Rafinha passou seis meses em Salvador, quando foi levado de volta a Seabra para a audiência em que sua acusação foi desclassificada de traficante para usuário, o que o fez ser libertado. Ainda assim precisou ficar três meses na cidade, assinando o processo. Entre passagens e honorários seu advogado cobrou cerca de R$ 10 mil. Caco Bressane/Agência Pública. O seguro – A cadeia onde tudo é deixado para trás “O seguro aceita qualquer pessoa, tem isso no estatuto: a partir do momento que você entra no seguro, você deixa tudo que você fez pra trás, zera tua vida, não importa. Não pode fazer nada.” O seguro existe em todas as cadeias do Brasil. É onde pagam pena os tipos não tolerados pelas facções criminosas como X9 (delatores), estupradores, pedófilos, homossexuais, travestis e “Allan Delons” (apelido dado àqueles que cobiçam mulheres ou filhas de outros presos). Também vão parar lá sujeitos enquadrados por feminicídio, pela Lei Maria da Penha, por violar ordem de restrições, ou simplesmente por não pertencerem a facção alguma e terem medo de ir para um presídio de facção. Na maioria dos presídios, os que estão no seguro ficam isolados dos demais presos e costumam ser os escolhidos para serem arremessados do telhado durante as rebeliões. No Rio de Janeiro existem unidades prisionais exclusivas do seguro, e foi numa delas que na última década se originou uma nova facção, o “Povo de Israel”, também chamada de “Povo de Rael”, sem território do lado de fora, mas com estatuto e regras próprias dentro dos muros dos presídios. Luan tem formação técnica em elétrica, habilidade que ajuda muito no cultivo de maconha em interiores, onde se usam lâmpadas de vapor de sódio ou LED para criar um sol artificial. Entre mudinhas e pés prontos para colher, ele tinha uma centena de plantas de Cannabis quando, após uma denúncia anônima, a polícia invadiu sua casa e o levou preso por tráfico. Ele tinha 45 anos, nunca tinha sido preso e sua primeira ligação com o crime organizado se deu quando dividiu o “porquinho” (cela na delegacia onde presos aguardam para serem levados ao sistema penitenciário) com um gerente e três soldados do tráfico de uma comunidade controlada pelo Comando Vermelho (CV). Vislumbrando a possibilidade de recrutar o eletricista para a facção, os traficantes passaram a dissuadir Luan de ir para o seguro. “Lá é mó vacilação, os caras não respeitam porra nenhuma, vem com a gente com o Comando.” O caminhão da SOE (Serviço de Operações Externas do Grupamento de Serviço de Escolta) despejou os presos numa cadeia de triagem, lá chamaram pelas facções, os traficantes atenderam ao chamado do CV, e Luan os seguiu, indo parar numa cela do comando. “Esse é o primeiro lugar onde você chega pra poder ir pra qualquer outro lugar, cadeia ou presídio. Lá eles te tiram tudo, você fica sem cinto, sem chinelo, dependendo da cor da camiseta, não pode ficar. Você não tem direito a produto higiênico nenhum, só tem direito a duas refeições e o café da manhã, muito precário.” “Nessa primeira triagem é um entra e sai de pessoas a todo instante. Tem muito bicho, muito percevejo, muita pulga. Não tem lugar pra você dormir direito. Horrível, cara, horrível, banheiro podre, sem privacidade nenhuma, aquele buraco pra você cagar, na frente de todo mundo. Aí tinham umas normas, você tinha que ter o mínimo de higiene, depois que usar tem que jogar água, o banho é mínimo, às vezes falta água. Água de beber é podre, aí porra, muita diarreia. É bizarro. Pra dormir é horrível, muito quente. Eu fui preso no auge do verão, chega a ser insuportável, aí começa a proliferar muita doença por causa do calor. E lá dentro tudo vira epidemia, entra um preso com conjuntivite a cadeia toda pega conjuntivite… Você tendo de conviver com tuberculoso tossindo e cuspindo sangue do lado de um cara com HIV. É surreal.” Em menos de uma semana na cela do CV, Luan já tinha percebido a besteira que tinha feito. Descobriu que só por essa opção poderia responder por “tráfico associado”, o que aumentaria sua pena de seis meses a um ano. Usou R$ 200, metade do que tinha conseguido levar escondido, para comprar água e cigarros para o coletivo e negociar com o chefe da cela seu “pulo” para o seguro. O “pulo” é uma manobra que presos utilizam para serem transferidos de cela. No momento da contagem, o preso se recusa a voltar para a cela. Segundo alguns agentes penitenciários que falaram sob anonimato, em algumas unidades onde a contagem é feita dentro da cela, o preso tenta sair correndo, ou mesmo agredir o agente para conseguir a transferência. “O chefe da cela falou: ‘Cara, quando vier a próxima contagem, você sai e não entra, e deixa que eu seguro a onda da galera aqui dentro, porque a galera vai ficar revoltada, vai ficar puta, vai achar que tu é X9, que tu tá indo no seguro pra dar a planta daqui pra galera de lá’. E aí aconteceu isso, tem contagem todo dia, de manhã e de noite, você tem que sair da cela pra contagem, aí eu saí e não voltei.” “Mas as celas eram muito perto uma da outra. Aí, quando eu entrei, eu fui muito hostilizado, a galera do seguro achando que eu era olheiro do CV, e a galera do CV achando que eu era X9. Foi complicado…” “O seguro é ruim, mas lá no CV é dez mil vezes pior. Lá é bandido que enfrenta e mata polícia, então é um tratamento pior ainda. Tinha um monte de gente baleada, toda fudida, com pino. Gente que tomou tiro de fuzil, sacou? Cenário de The Walking Dead… Fiquei lá uns 15 dias, aí eu fui pro seguro, fiquei mais dez dias no seguro e, quando completou 24 dias, eu fui transferido pra Japeri. Lá eu fiquei mais quatro meses preso.” O estatuto do Povo de Israel O procedimento para quem chega na cela é ir tomar um banho, fazer a barba, cortar o cabelo e se apresentar limpo para ouvir o estatuto. “Eles têm um estatuto de umas vinte e poucas regras que você não pode infringir. É um estatuto forte, uma lógica pra poder ter um mínimo de funcionalidade ali na situação. Aí o cara já te passa o estatuto pra você ficar ciente e não fazer as besteiras. Se depois que for passado o estatuto você fizer besteira… A primeira vez ainda é tranquila, mas na segunda o coro já come, e na terceira você tá mais fudido ainda dependendo do que você fizer. Eles passam o estatuto verbalmente, o cara vai falando pra você, mas tem também na parede. ‘Tamo passando aqui pra você, mas vale a pena olhar todo dia’.” Qualquer “mancada” ou “vacilação” é discutida e resolvida lá mesmo, com os infratores do estatuto no meio de um círculo formado pelos demais presos da cela, onde eles debatem e julgam a situação e, se necessário, já realizam a execução. “Todo dia tinha treta. Tem um negócio que eles dizem assim: ‘Circulou, não é pra um, não é pra dois, é pra geral!’. Quando eles falam isso, para tudo, ‘circulô’. Dependendo do grau de situação que você fizer, você apanha ou morre ali mesmo. Não pode bater na cara, mas no resto… Você vai apanhar tanto, vai apanhar hoje, amanhã, depois, e vai acabar morrendo uma hora. Porque lá não tem médico. Quando tu fica muito mal, eles chamam o caminhão da SOE pra te levar pra alguma UPA e você morre ali mesmo no caminhão da SOE.” A cela evangélica Depois de 15 dias numa cela do CV e mais uma semana numa de seguro, Luan teve lá mesmo, na triagem da casa de custódia de Benfica, uma audiência. Uma mera formalidade, segundo ele, em que a juíza nem sequer quis ouvir sua versão. Mantida a acusação, ele foi transferido para um presídio só de seguro em Japeri, num complexo prisional na Baixada Fluminense. “Na hora em que cheguei, perguntaram: ‘Tem alguém evangélico?’. Gritei: ‘Eu!’. ‘Mas você, todo tatuado?’ ‘Sim, senhor, sou convertido.’ Aí o agente disse: ‘Se você entrar, depois pra sair é complicado, tem que passar no buque’.” “O buque é o castigo que tem, a galera que muda de cela têm que passar e lá é terra de ninguém. Lá o estatuto não rola. Tem estupro e a porrada come.” As coisas que Luan viu e ouviu na triagem o aterrorizaram, por isso ele insistiu em ir para a cela evangélica. “Eu vi tanta merda que fiquei apavorado. Então, quando me deram oportunidade de ir pra cela evangélica, eu fui, sem saber que lá era proibido celular, então fiquei um mês sem falar com minha família. Pirei, mas aí acabei me adaptando. Foi bom por um lado, por não ter droga, não ter arma, não ter porradaria. Era mais tranquila, porque nas outras celas é um mundo. Tem de tudo. Tem bebida, droga, dinheiro, putaria. É uma terra de ninguém, muito mais agressiva…” A cela evangélica ficava num pavilhão com cinco celas de cada lado, cada uma com cerca de 200 pessoas. Cada cela tinha 11 treliches de cada lado. O corredor no meio da cela é chamado de “Brasil”, em alusão a avenida que corta a zona norte carioca. “‘Ó a Brasil! Ó a Brasil!’, é como a galera fala quando passa vendendo coisa na Brasil. Quem dorme na Brasil são os mais fudidos. Lá eles desenrolam tipo um cobertor, se tiverem botam um lençol por cima e dormem lá. Um do lado do outro de ‘valete’, que é um com a cabeça virada pro pé do outro. Se tem 66 camas, provavelmente deve ter umas cem pessoas nas camas, porque muitas vezes dormem dois por cama, e na Brasil tem mais umas cem pessoas, são 200 pessoas por cela. Dorme gente até dentro do banheiro. O cara faz merda e vai pro banheiro…” Quando as luzes apagam depois das dez, é recomendado evitar transitar pela Brasil, para não correr o risco de pisar em ninguém. Caso seja necessário cruzar a Brasil, em respeito a quem está deitado, o preso deve passar “segurando o balão”, isto é, protegendo a genitália tal qual um zagueiro na barreira numa cobrança de falta. O estatuto proíbe a venda de camas, os presos tinham de botar seu nome numa lista de espera e aguardar sua vez chegar, ou podiam ser convidados para dividir a cama com outro preso, o que aconteceu com Luan. “Os caras perceberam que eu tinha dinheiro, aí um deles me chamou pra almoçar na comarca dele, e do almoço eu fiquei até a janta e na janta ele já falou: ‘Ah broder, tá mó cheia a Brasil, dorme aí logo deixa esvaziar que você volta’. Era o terceiro andar da triliche, aonde tem mais espaço. No cantinho ele tinha um ‘ateliê’ dele onde fazia artesanato, e eu comecei a trabalhar com o cara para me ocupar a cabeça. No final ele viu que dava pra gente ganhar dinheiro e aí a gente começou a parceria. A gente movimentava uns R$ 250 por semana e dava pra mim uns R$ 100 por semana. Uns R$ 400 a R$ 500 por mês. E isso é muito dinheiro lá dentro.” A cela evangélica é tida como uma cela de confiança, e é dela que costumam ser recrutados presos para fazer serviços do lado de fora, como pedreiro, pintor ou a entrega de quentinhas. “Então o que acontece, quem passava a alimentação pras celas era esse cara que fazia o artesanato. Então ele tinha acesso lá fora, saía todo dia duas vezes ou até três vezes pra entregar comida, e aí nessa entrega de comida ele pegava os pedidos de balão. Eram umas miniaturas de balão que a gente fazia e os presos compravam pra dar pras visitas. Era balão de time, Vasco, Flamengo… E tinha umas bandeirolas aonde a gente escrevia nomes do aniversariante ou alguma frase. A gente fazia uns abajures também, tudo com papel de seda e estrutura de papelão. Papelão a gente arrumava lá, agora cola, tesoura, papel de seda, essas coisas que tem de vir de fora e os carcereiros revendem pelo dobro pra essas pessoas de confiança. Então, esse meu amigo tinha acesso aos carcereiros pra comprar os materiais, fazer os pedidos e as entregas. A gente produzia dentro da cela e ele saía pra vender. No final a gente não dava conta de tanto pedido, a gente já tinha na comarca uma prateleira com as folhas, as coisas que precisam, tipo um ateliezinho mesmo, com funcionário ajudando pra comprar as coisas, pra descartar no lixo, pra fazer os cortes das coisas mais grosseiras, virou uma linha de produção. Muito maneiro, cara, tem gente lá que tá a fim de trampar, tem muita gente ali que não é bandido. Então movimenta a maior grana, e tem gente que sustenta família aqui fora com dinheiro lá de dentro. O cara tá preso e tá ajudando a família.” O que aqui do lado de fora poderia ser considerado uma “economia criativa” surge da total ausência da ajuda do Estado. “Na cadeia eles não te dão nada, você tem que ser dinâmico pra ganhar um dinheiro, a galera faz de tudo lá. Eu fiz artesanato. Quem tem um pouco de cabeça lá dentro vira uma empresa, dá pra ganhar dinheiro. E o que aconteceu comigo foi isso, no final eu tava com dois funcionários. Minha mulher ia lá e eu tava estressado de tanto trabalho [risos]. Sério, até pra me ocupar, né?, irmão, senão eu ia ficar maluco dentro daquele lugar. Então tentei me ocupar o máximo possível. Tem mil e um esquemas. Tem gente que recebe dinheiro em conta e aí ganha uma porcentagem, coloca credito em celular, deixa você falar no celular, te aluga o celular, enfim, um monte de situações de dinheiro dentro da cadeia, um monte.” Como na cela evangélica não havia celular, depois de algum tempo Luan conseguiu um esquema em que ele escrevia um bilhete, entregava para o colega que entregava as quentinhas, e este passava o bilhete para um detento de outra cela, que por R$ 10 enviava via WhatsApp uma foto do bilhete. Um esquema raro e apenas possível por meio da construção de uma rede de muita confiança, afinal, é preciso passar o número de um parente a um presidiário. Praticantes e convertidos Apenas metade da cela de Luan era de evangélicos. Haviam ali também os que se “converteram” para dar um tempo da droga ou outros vícios. Ou os que, como Luan, tinham medo das outras celas. Tinha culto duas vezes ao dia, e uma vez por semana os evangélicos de todas as celas se reuniam para um culto. Era nesse momento, ou indo e voltando do banho de sol, que eles tinham contato com presos de outras celas. “Algumas pessoas da ala evangélica costumam sair fora do banho de sol pra prestar serviço. Das outras celas não, só comissão, tem uma ou duas celas que tem a galera da comissão, que é o alto escalão lá da hierarquia dentro da cadeia. Eles desenrolam a história toda, desde a parte boa até as partes ruins, desenrolam negócio de venda de droga, de acerto de situações, quem vai apanhar e quem não vai, quem vai sair e quem não vai, quem vai morrer e quem não vai. Então a comissão é a galera que resolve, que decide tudo lá dentro. Aí, depois da comissão, vem carcereiro, e vai entrando pra dentro da situação. Mas deu um pepino é essa galera que desenrola.” A cela evangélica era limpa e organizada. Rolava uma vaquinha para pagar alguns presos para fazer a limpeza, que incluía uma passada de pano na cela antes de cada refeição. Havia também pessoas destacadas para manter o banheiro limpo. “Não tinha água corrente, a gente recebia uns tambores com água e tinha aquela cota pra todo mundo, então a galera tinha que se virar. Cada um tem um balde, então você tem que encher seu balde e guardar a água. Às vezes a galera roubava seu balde de noite. Além do balde, eu tinha garrafas pet, que eu enchia e guardava para quando faltasse água e ter aquela sobrevida. E tipo assim, um banho era uma garrafa pet de 2 litros. Aí tinha todo um sistema dentro da cela pras paradas funcionarem certinho. Da grade a uns 2 metros não ficava ninguém, a galera falava ‘da segunda pra trás’, da segunda comarca pra trás. Na frente da grade só ficava a galera que era ‘formada’. Que era como se fosse uma empresa, o pastor era o diretor, aí tinha o vice-diretor, os secretários, que era quem tomava conta da assistente social, pegava o dinheiro e compravam as coisas pra cela, prestobarba, sabonete, essas coisas pra galera que não tinha dinheiro. Tinha um sistema social lá dentro e tinha essas pessoas que eram da alimentação e as pessoas que eram da limpeza, do banheiro, tinha toda uma engrenagem funcionando, 200 malucos lá dentro, um monte de bandido. Se não tiver um pulso firme pra funcionar certinho…” Além da contribuição pra limpeza, havia alguns presos que pagavam o dízimo ao pastor. Mas Luan se recusava. “Eu não pagava o dízimo, porque eu comecei a me ligar nas transações dos pastores. Eles eram mais bandidos que os bandidos mesmo. Tudo manipuladores, agiotas! Então eu não pagava, não!” Sexo, drogas e celulares moram logo ao lado A cela evangélica era um porto seguro. O seguro do seguro. Um lugar de rara violência, e as penitências variam entre passar horas de joelhos, dormir no banheiro ou ser expulso da cela. “Vira e mexe dava problema e tirava o cara da igreja e levava ele pro castigo pra ir pra outra cela. Às vezes tinha gente que saía da igreja porque tava doido pra cheirar pó, fumar maconha e fazer sexo. O cara ficava na igreja num período de abstinência e depois ele voltava pras celas aonde tinham as outras coisas e então ficava nessa rotatividade. Aí o cara tá lá, desandou, e volta pra igreja pra dar uma melhorada, entendeu? Na cela evangélica não tem porrada, você não vê gente apanhando. Lá nas outras celas é como eu te disse, circulô…” Além de proibir o uso de drogas e celulares, a cela evangélica também não permite homossexuais, pornografia ou masturbação. Até a programação de carnaval da televisão era podada pelos pastores. Nas outras celas era bem diferente. Homossexuais e travestis fazem programa dentro dos banheiros depois das 22h, ou durante o dia nos chamados “come quieto”, nome dado quando o primeiro ou segundo andar dos treliches são cobertos com um lençol. Diferentemente das unidades de facção, a homossexualidade é respeitada no seguro, desde que essas pessoas se anunciem na chegada, e suas relações sejam consensuais. Mas a homofobia existe, visto que essas pessoas devem evitar dividir cigarros ou copos com os presos heteros para não “contaminá-los”. A máfia da fila As visitas da cela evangélica aconteciam às terças-feiras. Os familiares chegavam por volta das 4h da manhã para conseguir entrar por volta das 10h, de pé, sacolinha na mão, faça sol ou faça chuva. “Mas tem a máfia da fila e dá pra comprar lugar. Minha mina pegou amizade com a mulher de outro preso, que deu a planta toda. Ela ia pra Japeri na noite anterior e dormia numa pousadinha próxima ao presídio. A dona da pousada era fechada com um cara da comissão, então ela tinha um esquema de pegar senha, e daí minha mina já comprava a senha e não precisava chegar de madrugada, ela ia 8h e já tava com um número lá na frente.” Toda semana a visita podia levar alimentos, e a cada 15 dias podia levar a “sucata”, pasta de dentes, chinelo, roupas, roupa de cama. Muita vezes os presos não usam essa sucata e acabam revendendo. “A galera passa entre as celas assim: ‘Tá abalando duas bermudas R$ 15’. É uma loja o tempo todo. Tanto de roupa quanto comida, doce, fica passando o tempo todo. Óculos de grau, a sucata entra e a galera faz dinheiro.” A dança do dinheiro As visitas também podem levar R$ 100 para os presos, que só podem acumular até R$ 200 mediante risco de ter a grana confiscada pelos guardas. “Se tu tá com muito dinheiro, tem que ficar esperto, tem que tá mocozado, ou você empresta, divide com os outros… Dinheiro você não perde, porque tem no estatuto que você não pode deixar sua dívida, senão o cara vai te cobrar nem que seja com sua vida. E se você conseguir fazer muito dinheiro, na visita você faz sair o dinheiro”. “A cela evangélica eles não revistam muito, não, as outras revistam mais por causa de celular, dinheiro e droga, mas é um ciclo, eles dão uma batida, confiscam, aí depois voltam e vendem pra mesma pessoa. Um celular custa R$ 3 mil, cocaína é 20 ou 30 mil o quilo, e entra quilo de pó e de maconha. A galera faz um fermentado de pão numas garrafas pet que tem que ficar abrindo de tempo em tempos senão explode aquela porra. Vira e mexe você escuta um barulho, parece uma dinamite mas é essa aguardente altamente concentrada que eles fazem lá explodindo. Eles pegam essa aguardente e misturam com Ki-Suco, então vira cachaça de vários sabores…” Cada cela tem seu próprio mercadinho, que é abastecido pela cantina do presídio. Os presos da comissão têm permissão para ir até lá, eles tiram o pedido nas celas e vão lá comprar o que precisa. Volta e meia alguns comissionados passavam pelo corredor entre as celas com um carrinho de compras cheio de refrigerante à venda com preços variando entre R$ 15 e R$ 20 cada. “O que a gente gastava em comida era regalia mesmo, era refrigerante, doce, era pra ter uma comida diferente de vez em quando. Um chocolate era R$ 10, uma caixa de bombom era tipo R$ 50. Um refrigerante a gente dividia em quatro. Um maço de cigarro valia uns 50. Dependendo do lugar tem outras regalias, tem pizza, tem churrasco, na minha cela não tinha isso, mas na cela dos comissionários lá tem churrasco, geladeira, os caras tem gelo, tem acesso à cantina, que é tipo um supermercado, que abastece as celas. O negócio funciona. Disso aí a galera vende vários subprodutos, entendeu? A galera vende leite em pó fracionado, faz delicinha, faz cachorro quente, faz geladinho, enfim faz um monte de subprodutos. E é uma empresa.” O caminhão da SOE Segundo Luan, de toda a experiência no sistema penitenciário fluminense, nenhuma foi mais desumana que o transporte entre unidades e o Fórum realizado dentro do caminhão do Serviço de Operações Externas do Grupamento de Serviço de Escolta. O famoso “caminhão da SOE”. “Pra começar, os caras são gigantes, vestidos todos de preto, e não têm paciência nenhuma contigo. Imagino que é porque tem muito bandido folgado, então entendo que eles têm que ter uma postura, mas eles são demais. Eles dão choque, dão cassetada, eles impõem uma situação sinistra, e o caminhão lá tem três compartimentos. É um caminhão que normalmente era pra levar umas 20 pessoas, de seis a sete sentadas em cada compartimento.” “Mas na realidade, ao invés de ir 20 pessoas, vão 70, né, irmão? Ao invés de seis por setor tem 15, 20… Dez sentados e dez em pé, e a galera passa mal, vomita lá dentro, todo mundo algemado. Aí geralmente eles colocam o seguro no meio e as facções de cada lado. Fica separado só por umas gradezinhas lá no alto. Você não vê os outros lados, mas dá pra falar, e a galera vai se estranhando o trajeto todo. E aí, quando o caminhão passa por comunidade, a galera taca coisa, pedra, paralelepípedo, dá tiro. Eu passei por isso na Linha Vermelha, a galera jogando um monte de coisa.” “É uma parada desumana, total desumana mesmo, você reza pra você ir pro Fórum, mas reza também pra voltar vivo, às vezes o cara sai pra almoçar e te deixa dentro do negócio lá no sol, sem ventilação, sem porra nenhuma, uma, duas horas esperando ele comer. Às vezes tá chovendo e entra água. Enfim, é um sistema fudido, em todos os aspectos, todos. O cara foi em cana tá fudido aqui no Brasil.” Enquanto o tratamento dado pelos agentes responsáveis pelo transporte era sempre truculento, o dos agentes do presídio em si variava, explica Luan. “Cara, é como em todo lugar, tem gente ruim e tem gente boa, tem plantão que é uma merda, tem plantão que o cara deixa você sem água, joga gás de pimenta. Tem plantão que, se tem gente doente, o cara não vem dar socorro, e a galera quase bota a cadeia abaixo, pega as garrafas d’agua e bate nas grades pra fazer barulho e a galera acudir. Tem plantão que pode pegar fogo que os caras tão pouco se fudendo. Às vezes te deixa dois dias sem água, sem banho, tu fica revoltado. Eles desligam a luz.” Quando finalmente chegou o julgamento de Luan, o caminhão da SOE chegou muito atrasado e a audiência foi remarcada. Da segunda vez, o caminhão chegou a tempo, mas a Polícia Civil estava em greve e os responsáveis pela prisão Luan não compareceram para depor. A audiência foi remarcada novamente, dessa vez para dali a seis meses. Quando a juíza estava prestes a encerrar a sessão, o experiente advogado de Luan conseguiu sensibilizá-la de que seu cliente, réu primário e de bons antecedentes, não merecia esperar mais seis meses por uma falha da polícia. A juíza resolveu lhe conceder a liberdade provisória. Hoje Luan aguarda ansioso seu veredito. Reconhece a sorte e o privilégio que teve em sair rápido, mas não esquece os horrores que viu e os perrengues que passou. Caco Bressane/Agência Pública. “Sim senhor! Não senhor!” – Na Papuda, toda a grana escoa para a cantina Henrique tinha 21 anos quando foi preso plantando maconha dentro de casa num bairro humilde numa cidade-satélite de Brasília. O delegado teria cobrado propina para não levar sua mãe, uma idosa, como cúmplice. Após ter deixado a carceragem da Polícia Civil, o jovem foi levado ao Complexo da Papuda, onde passou por várias unidades e celas durante dois anos. Quando chegou, recebeu o apelido de “Agricultor”: “Tu não é bandido, não, tu é agricultor. Tu é bandido da onde? Que nunca deu tiro em ninguém, nunca matou ninguém? Não é bandido, não”, disseram os presos da primeira cela de Henrique, todos eles reincidentes. À diferença das outras histórias, na Papuda não há o controle de facções, os guardas são linha-dura, e durante sua estada, Henrique não viu nem ficou sabendo da existência de nenhum celular. Nas visitas não era permitido levar praticamente nada além de R$ 120 para os presos, e a única alternativa das quentinhas cedidas pelo Estado, apelidadas de “xepa” pelos detentos, era a cantina do presídio, administrada pelo Sesipe, a subsecretaria do sistema penitenciário do Distrito Federal. “O leite com café que eles servem, nego chama de ‘Chernobil’. Às vezes vem com Toddy e a gente chama de ‘Todão’.” “A visita não pode levar porra nenhuma, só fruta e três pacotes de biscoito. Pra quê? Pra tu gastar todo teu dinheiro na cantina. E tipo não importa a marca, se é Pomarola ou se é o pior molho do mundo, o preço é o mesmo. Direto começava a vir umas marcas de alimentos desconhecidas… ‘Olha só, os caras já fizeram a própria fábrica, agora eles vendem a comida pra eles mesmos’. É o que eu faria, e os caras são espertos.” “Todas as cantinas do presídio eram deles, então todo dinheiro que entrava na cadeia de um jeito ou de outro acabava indo pros bichos, né? O cara que vendia droga, o cara que apostava, todo mundo ia gastar esse dinheiro na cantina no final das contas. E é muita gente, e muita cantina.” Às vezes Henrique trocava sua xepa por dois pães. Quando vinha frango, Henrique separava o frango e jogava o resto fora, para de noite preparar com creme de leite na “paçoqueira”, um pote de paçoca usado como panela que é aquecido no “pato”, que é como os prisioneiros candangos apelidam a gambiarra envolvendo um balde com água com sal e uma fiação feita a partir da quentinha ligado na corrente elétrica. “Já quase vi um bicho morrer, pisou no molhado, encostou no terra e grudou. Nem fez barulho, sorte que nego viu e empurrou com um pedaço de pau. Mais um pouco ia morrer.” Antes de chegar na Papuda, Henrique passou por três celas numa carceragem da Polícia Civil, em condições insalubres e vexatórias, segundo ele. “O banheiro era no meio da cela e não tinha cortina, tinha de cagar com a toalha no joelho.” Nos dois anos na Papuda, Henrique peregrinou por vários blocos e unidades; quando menos se esperava e sem explicação, levava um “bonde”, que é quando os guardas transferem os presos de cela. “Aí eu fui pro CDP, bloco 2 e bloco 3, tirei numas oito celas lá, toda hora eles dão bonde pra nego não criar relação, não se organizar. Depois eu fui pro presídio mesmo, PDF-1, bloco E, lá tirei só em três celas, tomei um bonde errado, mas voltei no outro dia. O tráfico fica no mesmo prédio do homicídio, o B. O F é dos caras brabos demais, que já fez merda na cadeia, tá em guerra, ou cometeu um crime escroto demais. Sabem que o cara é brabo.” Não existiam facções, mas havia alguns desentendimentos entre membros de gangues de cidades ou bairros diferentes. Numa confusão que Henrique testemunhou, os guardas separaram uma briga disparando com munição letal na direção dos presos. A maioria dos presos é reincidente, é muito raro chegar um “corró”, nome dado aos prisioneiros de primeira viagem, então eles meio que acabam virando atração. “Quando eu cheguei, os caras ficaram querendo me pegar na pegadinha, tem um milhão de pegadinhas, os caras tem tempo pra pensar nisso. Então um cara foi e disse: ‘Tem uma carta pra tu’. E eu: ‘Que porra é essa? Cabei de chegar ninguém sabe que eu tou aqui’. ‘Ah não sei não, tá ligado? Na cadeia tudo corre rápido.’ Aí eu vou ler e tem lá: ‘Lembra daquela vez que tu me vendeu aquela semente? Tá fudido, mermão! Vou te pegar no pátio amanhã! Já desentoquei a função, vai ser daquele jeito, tava achando que ia me dar um banho?’. E eu: ‘Ih rapaz! que porra é essa? Nunca vendi semente pra ninguém’. Era uma carta que veio de outra cela assinada por um tal de ‘Chibata Preta’. ‘Vixe, do Chibata?’, me falaram. ‘Eita porra, tu tá fudido! Se eu fosse tu, já ia logo ali no ralo desenrolar essa, tentar resolver na ideia!’” “Eles queriam que eu fosse até uma grade entre as celas, que parece um ralo, e chamasse o cara pra conversar. Na verdade eles queriam que eu fosse lá e gritasse, ‘e aí Chibata Preta?’. Quando a galera ouvisse esse nome, já ia começar a sacanagem geral. Por sorte, um bicho viu que eu tava desconfiado, que eu era mais esperto e disse: ‘Senta aqui, essa porra é brincadeira, não cai na pilha desse moleque, ele tá te sacaneando’. Esse cara que me ensinou como convivia lá dentro.” O cara que apadrinhou o Agricultor era um “barão” do tráfico, com grana na pista e respeito no pátio. “Ele virou meu amigo cabuloso, porque eu não era um cara que tava na rua pitando droga, minha vida era outra, eu plantava meu bagulho e conhecia a vida de rave, de sair, de festa, ia pra boates em Goiânia. E o cara conhecia os mesmos bagulhos que eu, tá ligado? Então a gente tinha o que conversar. Ele tinha muito dinheiro, eu não tinha, mas andava nesses lugares aonde o resto dos caras não andavam, o cara que tava ali picando crack de madrugada não conhecia o mesmo lugar que eu. É difícil, vai conversar o que com esse cara? De fatiar, de droga, de matar, ‘quando a gente sair vamo assaltar quem e o quê?’ Tem pouca gente pra levar ideia, aí geralmente são esses caras. Ele me contou a vida inteira dele, como começou no crime, como ele se levantou, ele fez eu parar de fumar maconha um tempo, porque eu ficava na lombra. ‘Quem usa droga é otário, só otário usa droga, esperto é quem vende, quem usa é otário, o cara tá se drogando gastando dinheiro enquanto eu fico rico, mano’. Aí eu falava: ‘Eu planto lá em casa, eu não compro não’. ‘Um dia tu vai comprar, um dia tu já comprou, um dia o teu acaba!’ E eu respondia: ‘Eu planto pra não ficar sem, não ficava sem nunca, nunca fiquei’.” E aí a discussão entrava em loop. Uma boa conversa é apreciada na cadeia, faz passar o tempo. Segundo Henrique, os caras mais perigosos da cadeia eram os que pagam penas muito altas, alguns acumulam centenas de anos entre crimes cometidos dentro e fora das grades. Segundo o Código Penal, o cumprimento máximo de uma pena nunca deve ultrapassar 30 anos. “Eles não tão nem aí, eles sabem que não vão sair vivos. Aí não dá pra viver no convívio com um cara desses, ele quer que se foda, dar facada, sabe que não vai mudar nada na vida dele. Quando chega os 30 anos, tem que fazer um exame psiquiátrico pra sair. E como que um cara psicopata que ficou preso 30 anos vai passar numa porra dessas? Não passa.” “A gente preso por uma planta e vários aí na rua que roubaram bilhões. Quando eu tava lá no semiaberto, no CPP, eu via o Zé Dirceu direto, todo dia, ele falava comigo. De boa, falava com todo mundo, mas acho que dos policiais ele não gostava, não, porque os policiais queriam revistar ele numa sala separado e ele não: ‘Quero ser revistado que nem os outros’. Ele ficava na fila e mesmo assim revistavam ele separado…” A hora da novela é sagrada A rotina durante os banhos de sol se resumia a correr, malhar, fumar maconha, jogar dados e cartas ou apostar. Dentro da cela a rotina girava em torno da televisão, e as apostas continuavam. Tudo é motivo para apostas, desde a corrida de porquinhos-da-índia do Bom dia e companhia até o que vai acontecer na novela, que inclusive é o grande momento da cadeia. “Ninguém tem nada pra fazer, só dormir e ver televisão. Chegou a hora do JN [Jornal Nacional] é silêncio, a cadeia quebra, conversou nego já xaropa, ninguém ‘passa teresa’, ninguém faz nada. Tá todo mundo fumando seu baseado e assistindo o jornal e a novela. Isso daí ninguém consegue interferir no bagulho. É lei, sempre foi, sempre vai ser. Às vezes, a novela é palha, aí nego chega a um consenso. Mas é tudo no consenso, normalmente novela das nove e JN já quebra.” “Quando acontece um bagulho emocionante na novela, a galera começa a bater na parede e parece que a cadeia vai desmoronar, todo mundo batendo o pé na parede, imagina, quatro blocos, batendo. Parece que vai cair. Uma das novelas que vi lá era a da Carminha [Avenida Brasil]. Pô, sucesso. Bagulho louco, tio, neguinho ficava doido. Tinha a Malhação também, galera dando pala pra Fatinha. Malhação, Bom dia e companhia, a única parada que tem pra ver é a tela. Esse é um dos únicos presídios do Brasil que é assim, os caras tudo tem DVD, net, celular, a puta que o pariu, lá não tem nada, nem antena tem. Tem que pegar o alumínio da marmita e fazer uma antena.” “Se alguém achasse um celular lá dentro, nego tava fudido. Não tem, não tem onde esconder, impossível. Tem como tu esconder um espeto, drogas, mas celular não tem não, moleque. Ainda mais os caras faz todo dia revista com pica-pau [ferramenta] procurando os espetos na parede, todo dia. Na hora do banho de sol eles tão procurando nossas coisas entocadas, se eles não tão no pátio tão lá dentro procurando. Mas os caras são artistas, é difícil achar. Já vi faca ali pior do que na rua. Os caras cortam porta de aço com gilete, jacaré que os caras chamam, altas giletes juntas, quebram os dentes delas com outras e vão cortando, demora anos, mas um dia corta. Eles tem que cortar e esconder todo dia. No início eu não entendia porque algumas portas eram altas, tinha um buraco embaixo, normalmente dava rato nessas celas, até que eu me liguei que era porque neguinho já tinha arrancado…” Por questão de vagas, Henrique, teve a sorte de parar no bloco dos estudantes, bem diferente de outros onde costumava haver brigas. Lá a maioria dos detentos tinha a cabeça virada em ir embora de lá sem se atrasar. A cada três dias trabalhando ou frequentando a escola da cadeia, um era descontado da pena, como a escola nem sempre funcionava, Henrique foi atrás de um trabalho, não remunerado, como faxineiro. Todo dia ele fazia parte de uma equipe que tinha como missão limpar o pátio, munidos apenas de um rodo cada um. Trabalhando um pouco mais de um ano o “Agricultor” conseguiu reduzir 160 dias da pena. Se virando com pouca grana Familiares em visita à Papuda tem de se vestir todos de branco, assim como os presos, os poucos produtos que podem entrar (papel higiênico, creme dental, sabonete e desodorante em bastão) também devem ser da cor branca. Eles também podem levar 500 gramas de sabão em pó, até seis frutas e 500 gramas de biscoito, além dos R$ 120. “Aí ou tu come ou tu fuma, tu escolhe. Ou tu compra 100 de fumo e 20 de comida ou o contrário, os dois não dá. Quando eu entrei, até que tinha maconha boa, mas foi piorando, aí eu nem fumava mais, fumava um, dois becks por semana, só no dia de visita.” “Quando eu saí dali, tinha estreitado com bagulho de raio-X e ficou triste. Os caras querendo R$ 5 mil em 50 gramas, como que tu vai fumar? Quem não tivesse muita grana moscando não ia fumar.” Quem conseguia drogas nas visitas traficava para outras celas através da teresa, uma corda feita de plástico trançado usado para levar recados e contrabando entre as celas. Quando é droga, os presos vão gritando “ó a responsa descendo aê!”. Para burlar as revistas, depois da visita os detentos engolem o contrabando previamente embalado. Dependendo da unidade, dá para vomitar logo depois, em outras o processo de volta à cela demora mais e os detentos precisam defecar a droga. “Isqueiro é proibido lá, nego engole, cigarro é proibido lá, nego engole. Um isqueiro Bic grande é vendido a R$ 30. Eu mesmo já vi gente entrar com 50 gramas de hash embrulhados em dedos de luva. Aí é só tu beber água igual um animal e vomitar. Na volta da visita o galpão fede a vômito, mais de 30 boi com nego vomitando. O cheiro ia até os canas. Até dinheiro eu já vi a galera engolir, eles fazem uma balinha de dinheiro.” A relação com os guardas era de “Sim senhor! Não senhor”, sempre de cabeça baixa, mas o respeito também era uma máxima entre os presos. Não se pode pegar nada emprestado sem pedir por favor ou falar obrigado ao devolver. “Parada simples que na sociedade tu não vê, nego não olha na tua, cara não te dá bom-dia, não tá nem ai pra tu, vê um cara morrendo de fome no chão e não faz nada. Lá o cara que não tem visita come o mesmo que o outro, porque a galera fortalece. O cara lava uma roupa, faz uma faxina, um corre pra todo mundo lá, aí na hora de comer vai deixar ele comendo xepa, fudido? Não, então fortalece e o cara lava os pratos depois, lava a paçoqueira, ou então faz o rango.” O respeito também se estende à família “Se tu xingar a mãe de alguém, é morte, é a mesma coisa que te chamar pra uma guerra, xingou a mãe, ‘cê é loco?!’ Se tu levantar uma camisa ou olhar pra mulher do outro em dia de visita, o pátio todo te pega. Os caras levam a sério o bagulho de uma forma que é inacreditável. Aí na sociedade tu vê gente dando golpe em irmão, sendo pilantra, sendo safado.” Em sua passagem, Henrique nunca chegou a ter sua própria “jega”, que é como eles chamam as camas. Sempre que mudava de cela, tinha que colocar seu nome na fila, quem costumava ter as “jegas” eram os presos mais antigos, que não tinham interesse em vendê-las de jeito nenhum. “A maioria dorme no chão mesmo, já vi dormirem até no banheiro. Tem nego que dorme nuns pedaços de pano pendurados no teto, fazem umas redes. Ai os canas passam de madrugada e cortam a porra toda, os caras caem e se fodem todos, tá ligado? É triste mano, superlotação é escroto.” “Se você não tiver uma ideia na cabeça, um objetivo, tu vai desandar e cair de novo. A maioria sai e morre, ou sai e volta de novo. Tinha seis meses que um moleque tinha saído, e rodou, por quê? Porque no mesmo dia em que ele voltou ele já tá fazendo as mesmas coisas. Ou, pior ainda, já conheceu altos caras piores na cadeia, arruma canal, conhece gente. Saí dali querendo pegar logo 2 quilos de crack pra vender.” Henrique não voltou a plantar depois que saiu, abandonou a maconha e passou a usar cocaína. Um desentendimento com um vizinho o deixou paranoico, e por algumas semanas ele adquiriu uma arma. As balas ficavam com a mãe, para evitar que a usasse contra ele mesmo. “Ai tu pensa, essa porra não recupera ninguém, só deixa pior, entrei lá eu nunca tinha chegado perto de uma arma, sai de lá sabendo o nome de todas, como monta e desmonta. Eu aprendi a fazer pó, virar crack, a assaltar… Os caras te jogam num lugar aonde os caras falam disso o dia inteiro, os caras não tem o que falar, né? Não conhecem outra coisa.” A lentidão do processo de progressão de pena torna-se uma tortura extra para os presos. Henrique conta que os detentos aprenderam a adicionar três meses à sua pena, pois é o tempo mínimo que leva para chegar o alvará de soltura. “Um papel pra sair de uma pilha de uma mesa pra outra pilha na mesa do lado demora meses, tá ligado? Minha cadeia acabou em abril, demorou três meses pra eu sair do galpão. Cara, quando você tá cumprindo, você sabe que não vai embora, que amanhã tu vai acordar e vai estar preso. Mas agora, quando você não sabe o dia que você vai sair, você fica na expectativa todos os dias. Bagulho difícil, é paia.” O “Agricultor” pagou dois anos em reclusão e o restante no semiaberto. Hoje, três anos depois de ter cumprido a pena toda, seu processo ainda não teve baixa e a cada dois meses ele precisa ir à vara de execuções penais para “assinar”. Essa situação complica sua vida e fecha portas. Hoje Henrique assiste a novela com a mãe, trabalha de forma autônoma prestando serviços como técnico de informática e confessa que, às vezes, sente-se tentado a pôr em prática o que aprendeu na Papuda.

Categorias: Internacionais

Contradicciones morales debilitan ya al nuevo gobierno de Brasil

IPS español - ter, 22/01/2019 - 14:54

El presidente brasileño, el ultraderechista Jair Bolsonaro, baja del avión que lo trasladó a Suiza, en su primer viaje internacional, para participar en el Foro Económico Mundial de Davos, mientras su gobierno comienza a meterse en el túnel de la corrupción, antes de cumplirse un mes de su gestión. Crédito: Alan Santos/PR-Fotos PúblicasPor Mario OsavaRÍO DE JANEIRO, Jan 22 2019 (IPS) Las campañas moralistas sirvieron de palanca para el triunfo electoral de muchos políticos en Brasil, pero ello suele cobrar costos adicionales a esos dirigentes pillados después en corrupción. Al delito se suma el pecado de la hipocresía. Ese riesgo acecha al recien juramentado presidente de extrema derecha Jair Bolsonaro, por tener a su hijo Flavio Bolsonaro involucrado en sospechosas operaciones bancarias, tanto suyas como de sus colaboradores, cuando era  diputado en la Asamblea Legislativa del estado de Río de Janeiro (2015-2018). Caídas precoces sufrieron dos de sus antecesores que, como él, se eligieron presidentes con discursos de recio combate a la corrupción. Janio Quadros quedó solo siete meses en el poder a que renunció en agosto de 1961. Fernando Collor fue destituido por el parlamento en 1992.Esos datos evidencian una práctica ilegal de numerosos legisladores, de tener una nómina de empleados “fantasmas”, que aparecen como contratados y son una forma de obtener fondos adicionales para las actividades políticas o el enriquecimiento ilícito de diputados o senadores. Quadros ganó las elecciones de 1960 enarbolando una escoba “para barrer la corrupción”. “Fuerzas terribles” se alzaron contra su gobierno, justificó en su carta de renuncia, sin identificar lo que el periodismo bautizó como “fuerzas ocultas”. Collor conquistó la popularidad que le permitió elegirse a los 40 años como el presidente más joven de Brasil, en 1989, dándose a conocer en la escena política como el “cazador de Marajás”. Cuando era gobernador del pequeño y pobre estado de Alagoas, en la región del Nordeste brasileño (1987-1989), buscó abolir los muy abultados sueldos que algunos funcionarios públicos, los “marajás”, que obtenían manejando leyes y reglamentos burocráticos. Moralizar la administración pública, prometió, sería  prioridad de su gobierno. Esa misma promesa impulsó la candidatura presidencial de Bolsonaro, antes un modesto diputado nacional, conocido sobre todo por sus diatribas contra la izquierda, las mujeres y los negros, o de defensa de la dictadura militar (1964-1985), incluidos sus torturadores. En su caso, adueñarse de la bandera anticorrupción fue más decisivo, porque los escándalos acumulados desde 2014, por las investigaciones judiciales de la operación Lava Jato (lavado de vehículos), revelaron un sistema político podrido en su conjunto. Aprovechar ese filón se hizo más eficaz contra su adversario en la segunda vuelta electoral, Fernando Haddad, a cuyo Partido de los Trabajadores (PT) se puede atribuir más fácilmente la responsabilidad por la corrupción sistémica, ya que gobernó Brasil entre 2003 y 2016. El mismo PT, que postuló por primera vez a su líder máximo, Luiz Inácio Lula da Silva, perdió las elecciones presidenciales de 1989 contra Collor, probablemente por su radicalismo de izquierda alejando la mayoría. Pero es posible que un ataque moral, el testimonio de una exnovia, que aseguró que tuvo una hija con Lula que él quiso que abortase, difundido en vísperas de los comicios, haya decidido la disputa por una diferencia de solo seis puntos porcentuales. Lula, entonces un duro crítico de los vicios éticos de los políticos, solo alcanzaría la presidencia de Brasil en 2003, tras dos derrotas electorales más, en 1994 y 1998. El contagio de la corrupción le costó la prisión de varios dirigentes del PT, Lula incluido, y la repercusión aumentada por el origen moralista del partido y por el largo ejercicio del poder, con Lula presidente de 2003 a 2011 y luego Dilma Rousseff, hasta 2016. Además se trata de un pecado más mortal para la izquierda que pregona la igualdad, justicia social y el valor del trabajo, en contraste con la derecha más cercana al capital. Detrás del presidente brasileño Jair Bolsonaro, su hijo Flavio Bolsonaro, nuevo senador y exdiputado del parlamento del estado de Río de Janeiro, protagonista de un escándalo sobre depósitos irregulares en su cuenta bancaria y la de su asesor, supuestamente provenientes del pago por ese parlamento a asistentes “fantasma”. Crédito: Wilson Dias/Agência Brasil-Fotos Públicas Ahora le toca a Bolsonaro enfrentar su primer escándalo, mal inició de su presidencia, que apenas arrancó el 1 de enero. Un asesor de su hijo Flavio Bolsonaro ingresó más de 1,2 millones de reales (320.000 dólares) entre enero de 2016 a enero de 2017, recibiendo depósitos en dinero en efectivo de ocho colegas empleados en el gabinete del diputado en los días siguientes al pago de sus sueldos, según el Consejo de Control de Actividades Financieras (COAF). Los datos divulgados el 8 de diciembre aún no tuvieron una explicación razonable de Fabricio Queiroz, un expoliciía militar y asesor durante 10 años del entonces diputado estadal e hijo del ahora presidente. En los últimos días se reveló la existencia de depósitos “atípicos” en la cuenta del mismo Flavio Bolsonaro. Un total de 96.000 reales (25.600 dólares) divididos en 48 ingresos de 2.000 reales cada uno aparecieron en su cuenta en junio y julio de 2017. El ahora senador electo, que será investido el 1 de febrero, explicó que se trató del pago parcial de un departamento que vendió, pero las fechas no coinciden. Portavoces gubernamentales aseguran que las sospechas sobre el hijo no afectan el presidente ni el gobierno. Pero las informaciones relacionadas a ese caso revelaron también supuestas irregularidades con auxiliares del mismo mandatario, cuando era diputado en Brasilia. Nathalia Queiroz, hija de Fabricio Queiroz, ganó un buen sueldo como secretaria del entonces diputado en Brasilia, entre diciembre de 2016 y octubre de 2018, cuando en realidad trabajaba en educación física en Rio. Antes, Folha de São Paulo, el diario de mayor circulación en Brasil, amenazado de retaliación por el mismo presidente, había informado sobre la existencia de otra asesora del entonces diputado Bolsonaro, mientras se comprobó que trabajaba en una playa cercana a Río, vendiendo jugos. Las investigaciones de COAF en la Asamblea Legislativa de Río de Janeiro identificaron depósitos “atípicos” en las cuentas de 75 funcionarios de ese órgano, que prestaban servicios a 27 diputados estadales, entre ellos Flavio Bolsonaro. Esos datos evidencian una práctica ilegal de numerosos legisladores, de tener una nómina de empleados “fantasmas”, que aparecen como contratados en una forma de obtener fondos adicionales para las actividades políticas o el enriquecimiento ilícito de diputados o senadores. Cada diputado nacional puede contratar hasta 25 secretarios parlamentarios, mientras en los senadores el número sube a 55 asesores. Son números que han ido en aumento, en buena parte para desviar dinero público, probablemente. Ese vicio al parecer se extendió a la familia Bolsonaro y su comprobación podrá arruinar la imagen de incorruptible y por ende el liderazgo del presidente. ¿Cómo quedaría, Sergio Moro, exjuez que impulsó la operación Lava Jato, elegido como ministro de Justicia para ampliar el combate a la corrupción y la delincuencia? El éxito electoral basado en el rechazo a la corrupción y al sistema político implica otra debilidad del gobierno que nace sin debates previos sobre propuestas y políticas a poner en marcha, sin cohesión ideológica y estratégica. La campaña prioriza ataques personales. De eso resultó un equipo ministerial heterogéneo, de creencias encontradas. Analistas identifican hasta siete grupos distintos en la composición del nuevo gobierno, como la familia Bolsonaro, los evangélicos y los economistas neoliberales, entre otros. Los militares se destacan como los más numerosos, con siete de los 22 ministros, a los que se suman más de 30 oficiales retirados en cargos de segundo nivel en casi todos los ministerios. La rigidez de sus ideas formas de operar tiende a provocar conflictos internos. La presencia de figuras adscritas al fundamentalismo religioso cristiano no cuadra con el Estado laico establecido en la Constitución. Otras varias nuevas autoridades gubernamentales con intereses sectoriales serán también focos de tensiones. Es el caso de grandes terratenientes, conocidos como los “ruralistas”, enfrentados a activistas a favor de la preservación forestal, de las tierras para indígenas, de comunidades afrodescendientes y a agricultores familiares. Las contradicciones con sus funciones, podrían mostrar una pronta puerta de salida a algunos ministros. Uno es el titular de Relaciones Exteriores, Ernesto Araujo, cuyo nacionalismo abomina de las organizaciones multilaterales o del cambio climático como “conspiraciones marxistas”, otro es el ministro de Medio Ambiente, Ricardo Salles, un adepto de los “ruralistas”. Edición: Estrella Gutiérrez Artículos relacionados

El artículo Contradicciones morales debilitan ya al nuevo gobierno de Brasil fue publicado originalmente en IPS Agencia de Noticias.
Categorias: Internacionais

A comer plantas y salvar el planeta

IPS español - ter, 22/01/2019 - 13:12

En la fotografía, un cultivo de plátanos a las afueras de Abiyán, en Costa de Marfil. La producción de alimentos se encuentra entre las principales fuentes de degradación ambiental en el mundo. Crédito: Friday Phiri/IPS.Por Tharanga YakupitiyageNACIONES UNIDAS, Jan 22 2019 (IPS) El sistema agrícola actual ayudó a evitar hambrunas y a alimentar a los 7.000 millones de habitantes del planeta, pero la forma en que comemos y producimos los alimentos supone una amenaza para la seguridad alimentaria en el futuro. Frente a la perspectiva de que la población mundial llegue a 10.000 millones de personas para 2050, es más importante que nunca garantizar la seguridad alimentaria. Pero la actual producción de alimentos está entre las principales responsables de la degradación ambiental en el mundo. De seguir los actuales patrones de producción y consumo, pronto superaremos nuestros límites planetarios con el cambio climático y el uso de la tierra necesarios para sobrevivir y prosperar. “Fue bastante dramático observar cuánto se superarán los límites planetarios si no hacemos nada”, observó Marco Springmann, uno de los autores de un informe que analiza el impacto del sistema alimentario en el ambiente. “El sistema alimentario ejerce presión sobre la gestión del suelo, y en particular sobre la deforestación. Si se talan muchos bosques, básicamente se arruina el sistema de regulación del ecosistema porque los bosques almacenan dióxido de carbono, pero también son el hábitat de especies salvajes y reservorios de biodiversidad”, añadió. Más de 40 por ciento de las tierras del mundo se convirtieron o se reservan para la agricultura, lo que llevó a la pérdida de más de la mitad de los bosques del planeta. La Convención de las Naciones Unidas de Lucha contra la Desertificación (UNCCD) señaló que la agricultura comercial es uno de los principales responsables, y en especial la producción ganadera, la de soja y la de aceite de palma. Eso se observa en la Amazonia, donde se talaron árboles para dejar lugar a la cría de ganado y al cultivo de soja, la mayoría de la cual se usa para fabricar forraje, y no para el consumo humano. De hecho, la mitad de las tierras cultivables del planeta se usan para la cría de animales y para cultivar sus alimentos; una superficie que equivale al área de América del Norte y América del Sur juntas. El uso intensivo de fertilizantes también disminuyó la productividad del suelo, generando degradación y hasta desertificación de tierras. Además, esas actividades contribuyen a liberar cantidades significativas de gases de efecto invernadero. Según el estudio “Opciones para mantener el sistema alimentario dentro de los límites ambientales”, publicado en la revista Nature, el sistema alimentario emitió más de 5.000 millones de toneladas de dióxido de carbono solo en 2010. El estudio también estima que los efectos ambientales del sistema alimentario podrían aumentar entre 50 y 90 por ciento si no se toman medidas selectivas, más allá del “espacio de operación seguro para la humanidad”. Springmann detalló tres medidas ambiciosas que son necesarias para mantenerse dentro de los límites ambientales, que incluyen las mejoras tecnológicas que pueden aumentar la producción de alimentos sostenibles y así disminuir la demanda de más tierras cultivables. Otra medida aún más abrumadora, es cambiar a una dieta basada en plantas. Ese cambio “será aún mejor para las emisiones de gases invernadero, y también será (una dieta) más equilibrada y mejor para la salud; según las estimaciones, reduciríamos la presión sobre el suelo si cambiamos nuestra dieta”, explicó a IPS. El artículo de Nature concluyó que un cambio de dieta hacia alternativas más saludables podría ayudar a reducir las emisiones contaminantes y otros impactos ambientales en casi 30 por ciento. Un nuevo estudio de la Comisión EAT-Lancet también subrayó la necesidad de hacer cambios en la dieta para lograr la sostenibilidad ambiental y mejorar la salud pública. “Los alimentos que comemos y cómo los producimos determina la salud de las personas y del planeta, y actualmente lo estamos haciendo muy mal”, observó uno de los autores, Tim Lang. “Necesitamos una revisión significativa, cambiar el sistema mundial de alimentos en una escala nunca vista antes de tal forma que sea apropiada para las circunstancias de cada país”, apuntó. “Es un territorio político no explorado y son problemas que no se resuelven fácilmente, pero ese objetivo está al alcance; los objetivos científicos que fijamos para tener una dieta saludable y sostenible son una base importante, que apuntalará e impulsará el cambio”, añadió Lang. La dieta recomendada por la Comisión EAT-Lancet requiere reducir a la mitad el consumo de carnes rojas y duplicar el de verduras, frutas y nueces. América del Norte es uno de los lugares donde se consume más carnes rojas. En 2018, en Estados Unidos, el consumo alcanzó un máximo histórico de más de 100 kilogramos de carne roja y pollo. Si siguiera las pautas de salud mencionadas, América del Norte debería reducir su consumo de carne roja en 84 por ciento y comer seis veces más frijoles y lentejas. Las dietas verdes se han vuelto populares en la región, pero a juzgar por el éxito de empresas como Beyond Meat e Impossible Burger, Springmann dijo que solo esa información no bastará para promover un cambio en la dieta. “Por supuesto, todo el mundo podría cambiar de dieta y sería fantástico si pudieran hacerlo. Pero si no le facilitan el cambio al consumidor promedio, muchos no lo harán”, subrayó. Springman sugirió cambiar el precio de los productos alimentarios para incluir las consecuencias que tienen en la salud y en el ambiente. La carne, por ejemplo, tendría que costar 40 por ciento más, en promedio, por liberar emisiones contaminantes. Eso le genera fondos a los gobiernos para poder invertir en otras áreas como el subsidio de productos más saludables. Además del cambio de dieta, la Comisión EAT-Lancet observó que se necesita una pérdida nula de biodiversidad, expansión neta nula de tierras cultivables sobre ecosistemas naturales y mejoras en el uso de fertilizantes y de agua. “La transformación que promueve la comisión no es superficial ni simple, y requiere concentrarse en sistemas complejos, incentivos y normativas que requieren que comunidades y gobiernos desempeñen un papel en múltiples niveles para redefinir cómo nos alimentamos”, observó Richard Horton, editor jefe de The Lancet. “La respuesta está en nuestra conexión con la naturaleza, y si podemos comer de una forma que le sirva tanto a nuestro planeta como a nuestros cuerpos, se recuperará el equilibrio natural de los recursos del planeta”, acotó. “La naturaleza misma, que está desapareciendo, tiene la clave para la supervivencia de los humanos y del planeta”, añadió. Traducción: Verónica Firme Artículos relacionados

El artículo A comer plantas y salvar el planeta fue publicado originalmente en IPS Agencia de Noticias.
Categorias: Internacionais

Os eleitos

Pública - ter, 22/01/2019 - 11:02

A transferência da embaixada brasileira de Tel-Aviv para Jerusalém foi uma promessa de campanha de Jair Bolsonaro. Até então, somente os Estados Unidos e a Guatemala haviam tomado medidas semelhantes. Em dezembro do ano passado, durante a visita do primeiro-ministro de Israel, Binyamin Netanyahu – a primeira de um chefe do Estado de Israel ao Brasil -, o pastor Silas Malafaia chegou a declarar que o apoio dos evangélicos a Bolsonaro se devia a essa promessa, que teria de ser cumprida pelo presidente eleito. Na mesma reunião, o prefeito do Rio de Janeiro e pastor licenciado da Igreja Universal do Reino de Deus, Marcelo Crivella, teria dito ao premiê que não tinha palavras para descrever o que Israel representa para os evangélicos: “Rezamos pelo seu país todos os dias”. Netanyahu respondeu à altura, dizendo que Israel não tinha melhores amigos no mundo que a comunidade evangélica e que a comunidade evangélica não tem melhor amigo do que Israel. Fernando Frazão/Agência BrasilO presidente eleito, Jair Bolsonaro, e o primeiro-ministro de Israel, Binyamin Netanyahu Desde 2017, o Grupo Parlamentar de Amizade Brasil-Israel, hoje com 46 membros entre deputados e senadores, a maioria parte também da bancada evangélica, pressionava pela transferência da embaixada brasileira de Tel-Aviv para Jerusalém, reivindicada como capital por judeus e dos palestinos, pregando a ruptura do governo brasileiro com os palestinos. Alguns parlamentares desse grupo chegaram a ir a Israel na época, pedir desculpas pelo “mau comportamento” dos governos brasileiros. Atualmente, o Grupo Parlamentar de Amizade conta com figuras chave da bancada evangélica como o deputado Marco Feliciano (PSC), o deputado João Campos (PRB), o senador Magno Malta (PR) e os deputados Sóstenes Cavalcante (DEM) e Hidekazu Takayama (ex-presidente da Frente Parlamentar Evangélica, PSC). Em entrevista à Pública, o sociólogo, pesquisador do Iser e pastor da igreja batista Clemir Fernandes, explica essa proximidade dos evangélicos com Israel não apenas do ponto de vista teológico, mas também político, estratégico e de contraposição aos governos de esquerda, que denunciaram com frequência a violência do Estado de Israel para com os palestinos. “Transferir as embaixadas para Jerusalém traria status à cidade, seria um reconhecimento legítimo da cidade conquistada pelo rei Davi. Se eu apoio esse povo sou abençoado e próspero. Do contrário posso ser alvo até de uma maldição”. Bolsonaro, seguindo Trump, planeja mudar a embaixada brasileira em Israel de Tel Aviv para Jerusalém. Além disso, condecorou com a Ordem Nacional do Cruzeiro do Sul o primeiro-ministro de Israel, Binyamin Netanyahu, com quem conversou reservadamente no dia da posse. Tudo isso parece agradar muito os evangélicos. Por quê? O que os evangélicos têm com Israel? Na compreensão mais tradicional dos evangélicos no Brasil, esse Estado de Israel, fundado em 1948, é um sucedâneo daquele que está nas profecias bíblicas do Antigo Testamento, que fala da eleição de um povo especial, que é o povo de Israel. Esse povo ficou peregrino no mundo desde as diásporas e só voltou em 1948, quando você tem a fundação do Estado de Israel. Há então um entendimento de que o Estado de Israel é uma atualização das promessas bíblicas, que essa terra pertence a essa gente de maneira definitiva sem considerar – e esse é um ponto – que outros povos ali já estavam. Quando o Estado de Israel se estabeleceu ali já havia os palestinos naquela região, por exemplo. Os textos bíblicos não desconsideram esses outros povos, mas há uma interpretação, a partir de um tipo de sionismo evangélico, que concede a este povo o direito inequívoco a essa terra. Os cristãos [evangélicos], defensores dessa proposta, acreditam que há um respingo positivo dessa promessa bíblica de prosperidade na medida em que eles, mesmo não sendo judeus, apoiam o povo eleito de Deus. Portanto transferir as embaixadas para Jerusalém traria status à cidade, seria um reconhecimento legítimo da cidade conquistada pelo rei Davi. Se eu apoio esse povo, sou abençoado e próspero. Do contrário, posso ser alvo até de uma maldição. E os evangélicos sustentam esse tipo de compreensão não considerando inclusive as implicações políticas e de segurança da geopolítica da religião, ações violentas do Estado de Israel. É uma reflexão bíblica mais rasteira, que leva igrejas a terem menorahs, bandeiras de Israel nos cultos, estrelas de Davi, uma ressignificação da linguagem, dos símbolos e de uma estética judaica como um sinal para que também sejam alvo das bênçãos de Deus. Acho que os líderes não acreditam muito nisso mas surfam nessa onda porque interessa aos seus projetos de poder. Aproveitam para ampliar o apoio e a base do eleitorado evangélico, que se mostrou um dos mais fiéis, e o grupo religioso que mais apoiou o presidente eleito. Então dar apoio às bandeiras que os evangélicos defendem é garantir um sustentáculo para o poder do governante. Arquivo pessoalClemir Fernandes é pesquisador do Iser e pastor da igreja batista Nas igrejas evangélicas, principalmente nas pentecostais e neopentecostais – não sei se isso acontece nas protestantes históricas – os símbolos judaicos e alusões a rituais são muito comuns. O Bispo Macedo com o Templo de Salomão por exemplo, fazendo cultos usando kipá, talit [vestes tradicionais judaicas]. Isso é comum às várias denominações evangélicas? É algo novo? É assim desde sempre? Isso está mais alinhado e próximo às igrejas pentecostais e neopentecostais, mas é preciso dizer que há várias igrejas, mesmo entre as pentecostais e neopentecostais, que não consideram essa estética nesse tipo de doutrina, nessa concepção com relação a Israel. Nas igrejas protestantes históricas isso é bem menos difundido, mas não é de todo negado. Você pode encontrar em igrejas presbiterianas históricas e em igrejas batistas um menorah no púlpito, na mesa da ceia. Não significa que há a mesma interpretação ou o mesmo apoio tácito, mas há um certo apoio e sensibilidade ao movimento judaico e ao povo de Israel, geralmente em contraposição ao povo palestino. Nas igrejas pentecostais e neopentecostais o uso dessa simbologia se aproxima de um modelo sacerdotal descrito no Velho Testamento que é muito hierarquizado, de submissão a uma liderança. Isso no Novo Testamento se dilui bastante e é interpretado de outra maneira. Então essas lideranças políticas e religiosas não pegam essa ideia de apoiar Israel à toa. Tem todo um conjunto de interpretação do Velho Testamento que favorece o modelo de governança política e de gestão religiosa centrado na liderança autoritária, piramidal, hierarquizada, sem abertura para discussão, questionamento. É um modelo sacerdotal em que você não discute, não critica e não faz nenhum tipo de análise das lideranças religiosas. Isso interessa aos líderes religiosos e aos governantes que se aliam a esse tipo de estratégia porque não se critica o pastor, não se critica o bispo, o presidente. Você se submete à autoridade. Mas essa ressignificação da estética e dos símbolos judaicos vem principalmente a partir da década de 1990, com o crescimento dos grupos neopentecostais. Não só símbolos mas cânticos de guerra que são muito próprios dessa época – “Homem de guerra é Jeová / Seu nome é temido na Terra /A todos os seus inimigos venceu / Deus grande e temido em louvores” – que era um cântico famoso, feitos com uma compreensão de que Josué cercou a cidade de Jericó e cantou para derrubar seus muros, que é uma passagem bíblica. Demétrio KochEdir Macedo no Templo de Salomão Inclusive tem músicas sobre Josué também, né? “Vem com Josué lutar em Jericó / E as muralhas ruirão…” Há uma compreensão de que há poder no canto, na fala, naquela liturgia, com aquela intrepidez, isso derrubaria os inimigos e os inimigos na mentalidade evangélica mudam de tempos em tempos e sofrem metamorfoses. É sempre preciso ter um inimigo. Pode ser o diabo, pode ser um governante. Quando não é aliado aos seus projetos de poder como eles os compreendem, é inimigo. Então essa linguagem é própria mais dos anos 1990 quando o movimento neopentecostal cresce e ressignifica esses símbolos, as músicas, as lideranças piramidais hierarquizadas. E foi se fortalecendo a medida em que os liderados não podem criticar ou levantar qualquer suspeição aos líderes. Mas, como diz Weber, é preciso olhar para isso a partir do conceito de um “tipo ideal”, nem todo mundo é assim, você pode encontrar uma liderança pentecostal ou neopentecostal ética, correta, que não utiliza dessa linguagem. O templo de Salomão, é uma sacada política impressionante. É uma igreja que nasceu em 1977 e que era vista de maneira crítica por muitos evangélicos, como uma “seita” enquanto categoria acusatória. O líder, bispo Macedo, reconstrói as bases dessa igreja com a tradição judaica, com o templo de Salomão que tem 2 ou 3 mil anos antes de Cristo! Então ele dá um salto histórico para o passado para se ancorar numa tradição que a igreja não tinha e que vai além da igreja evangélica, da católica. É uma igreja que tem pouco mais de 40 anos mas dá um salto para o passado para se ressignificar por uma tradição de antes do próprio Cristo. Isso foi uma sacada política, de tentativa de legitimação, muito impressionante. E se associar a Israel tanto aqui no Brasil quanto nos Estados Unidos tem notoriedade, tem apoio político, institucional. Não é pouco. Mas eu desconfio das reais intenções, se são as mais elevadas. Demétrio Koch“O templo de Salomão, é uma sacada política impressionante”, diz o pesquisador do Iser e pastor da igreja batista Clemir Fernandes Tem se questionado sobre essa proximidade dos evangélicos com Israel se é algo que tem mais a ver com profecia ou com política. Eu queria dividir essa pergunta em duas. A primeira é se você acredita mesmo nisso porque certamente haverá muitas implicações políticas com essa aproximação entre os dois países. E a segunda é: o que significa, biblicamente, simbolicamente, mudar a embaixada para Jerusalém? Os religiosos entendem que há uma posição estritamente calcada nas profecias bíblicas que dizem que esse povo é o povo eleito de Deus e que Jerusalém é a terra do povo de Deus e que, portanto, precisa ser defendida sempre contra os inimigos. Os inimigos do povo de Deus devem ser derrotados para o estabelecimento da paz. Logo, para haver paz em Jerusalém é preciso derrotar os inimigos. A figura do rei Davi dá a isso uma importância enorme porque ele vai lá, derrota os inimigos e estabelece os limites de Jerusalém com essas fronteiras onde hoje o movimento mais conservador e fundamentalista em Israel procura estabelecer os assentamentos para chegar nos limites do que era a Jerusalém de Davi e Salomão. Como os cristãos são uma potência no mundo, principalmente nos Estados Unidos e aqui também, os judeus, muitos deles, se aproximam e se apropriam desse apoio. E sobre os governantes, pode até ser que tenham alguma crença, por ter tido formação cristã, mas eu acho que o que mobiliza o jogo é o interesse na governança, no estabelecimento do poder. Os governantes se apropriam dessa compreensão para defender seus próprios interesses. E é curioso porque os evangélicos são, em termos gerais, bastante críticos a qualquer distorção de sua doutrina. Mas Bolsonaro se batizou no Rio Jordão dentro do ritual da fé evangélica, e continua se dizendo católico. Os próprios evangélicos fazem vista grossa porque os interesses mútuos entre eles e suas premissas se associam ao governo por uma espécie de afinidade eletiva que se forma. E tem uma coisa ideológica que está muito dada nos últimos tempos que é fustigar esse inimigo que é o palestino, que pode estar associado no Brasil com o governo do PT que tinha uma proximidade com a causa palestina, com os governos de esquerda que sempre foram próximos aos palestinos. Então tem também esse lado mais ideológico, de se contrapor a um projeto de esquerda com um projeto de direita que apoia o Netanyahu. É importante dizer que, no Brasil, desde os anos 1980 há movimentos de resistência dentro das igrejas, mais ligadas a uma agenda de esquerda e de defesa dos povos palestinos, do massacre dos filhos de Ismael que seriam os antepassados dos palestinos. Numa compreensão de que essa gente também é massacrada, sofre violência e que o projeto de Deus não é esse. Mas isso não encontra muito eco nas igrejas. O apoio a Israel é muito mais frequente. E por isso acho que a mudança da embaixada atende também a essa ideologia mais ampla, em que projetos de esquerda e direita se conectam com uma agenda religiosa, do ponto de vista do sionismo judaico e cristão. Mudar a embaixada é simbólico por esse reconhecimento da cidade de Davi. E muitos evangélicos não dão conta de entender a fragilidade da geopolítica daquele lugar. Inclusive já se percebe as reações de nações árabes e você tem questões econômicas também. O capitalismo está interessado em ideologias que favoreçam seu mercado e não outra coisa, por isso acho que não vai ser simples assim. Tânia Rego/Agência BrasilO primeiro-ministro de Israel, Binyamin Netanyahu Você fala bastante sobre essa conexão com o Velho Testamento. Mas e o Apocalipse [último livro da Bíblia que fala sobre o fim dos tempos e sobre a volta de Cristo]? Não há também uma promessa de que Jesus voltaria por Jerusalém? A Bíblia é um livro de muitas profecias, variados ensinos e histórias. Os grupos sempre se apropriam a partir do que lhes interessa e do que lhes convém. Os judeus mais tradicionais acreditam que o messias não veio e que ele virá um dia e aparecerá em Jerusalém. E os cristãos que têm essa conexão com o povo judeu não desconsideram isso. Muitas igrejas, por exemplo as históricas, dizem que o novo povo de Israel é a igreja que se submeteu ao verdadeiro messias que é o Cristo. O novo Israel seria a igreja ligada ao messias Jesus. Essa é outra compreensão. Muitos evangélicos acreditam que esses judeus, como sendo historicamente um povo eleito, se encontrarão e reconhecerão Jesus como sendo o messias. Dependendo do momento isso tem mais ou menos apelo. Então o que você está dizendo é que essa proximidade dos evangélicos com Israel vem mais a partir do Velho testamento do que a partir do Apocalipse, certo? O substrato das igrejas pentecostais e neopentecostais é a teologia da prosperidade, que é fortemente ancorada no Antigo Testamento. Haverá paz e prosperidade em Jerusalém, orem pela paz e prosperidade de Jerusalém. Quem ora pela paz e prosperidade de Jerusalém será alcançado por essa mesma paz e prosperidade. A compreensão do Apocalipse, e mesmo a crença no Apocalipse, já foram muito mais pregadas do que hoje. Hoje há uma espécie de arrefecimento, não há uma pregação tão eloquente, as novas gerações de pastores já não falam disso com tanta força. A teologia da prosperidade traz um interesse muito maior na prosperidade aqui e agora do que na vida feliz pós-morte, como era antes dos anos 1980. Antigamente era “aqui eu sofro mas no céu serei feliz”. Hoje é “eu quero ser feliz aqui e agora e não abro mão disso”. E a mudança da embaixada é uma demanda antiga por parte do eleitorado evangélico? Antiga é a importância que se dá a Jerusalém. A coisa de mudar a embaixada eu acredito que vem mais de um espelhamento do que acontece no meio evangélico dos Estados Unidos, como muitas coisas. A teologia da prosperidade veio de lá, o neopentecostalismo tem bases lá. Acho que havia pressões dos grupos com muito poder, dinheiro e influência nos Estados Unidos que levaram o Trump a pedir a mudança da embaixada e a agenda dos evangélicos daqui é muito atrelada à agenda dos evangélicos de lá. Eu nunca ouvi uma liderança como o Silas Malafaia, por exemplo, falando antigamente sobre a troca da embaixada. Até porque a troca de uma embaixada é questão de política de Estado, não é uma política religiosa em si.

Categorias: Internacionais

Municipio mexicano después de la tragedia de la explosión

IPS español - seg, 21/01/2019 - 14:37

Familiares buscan datos sobre sus desaparecidos en el estallido del ducto de gasolina en el municipio mexicano de Tlahuelipan, . Crédito: Ximena Natera/Pie de PáginaPor Arturo ContrerasTLAHUELIPAN, México, Jan 21 2019 (IPS) La explosión de un gasoducto en el municipio de Tlahuelilpan, en el estado mexicano de Hidalgo, parece haber volteado al pueblo de cabeza. Desesperada, la gente no deja de recorrer las calles en busca de una pista para encontrar a sus familiares. Un pueblo cuyo conocimiento en el mundo se desbordó con el estallido de gasolina el 18 de enero. “Yo fui a alcanzar a mi papá”, cuenta Liliana Reyes, en este municipio del centro de México. “Cuando empezó a bajar la gasolina, él se fue para allá, con mi hermano y mi esposo, a traer… Entonces vi a los trabajadores de Pemex y fui a avisarles, a decirles que se regresaran, pero ya no alcancé a llegar, porque fue cuando explotó…”. La familia de Liliana Reyes tiene vacas y pollos, dice su tía, Carmen. Todos los días suelen ir al cerro en su camioneta, para alimentarlos. Sin embargo, la última semana han hecho el trayecto a pie, porque la gasolina había estado escaseando en este municipio. Pensaron que si recogían unos cuando bidones del combustible en el ducto que explotó se podrían ahorrar una semana de largas filas. La comunidad, un pueblo de 30.000 habitantes en el central estado de Hidalgo, es hogar de gente que se dedica al campo, al comercio o a trabajar en la refinería petrolera de Tula, que se encuentra a solo 15 kilómetros. Carmen Reyes Orozco, la tía de Liliana, asegura que en la comunidad de San Primitivo, perteneciente a la demarcación, son tan pobres que ni para los vicios alcanza. Según las estadísticas más recientes, 55 por ciento de los habitantes del municipio son oficialmente pobres. Por esta comunidad cruza el gasoducto de Tuxpan, Veracruz, hacia la refinería de Tula. El mismo que este viernes se rompió y empampó los campos de Tlahuelilpan. Carmen Reyes Orozco, quién perdió a su hermano mayor en la explosión del gasoducto, pasa la mañana del sábado en el centro cultural que el municipio de Tlahuelilpan acondicionó para atender a los familiares de las víctimas. Busca a dos de sus sobrinos, vistos por última vez cerca de la toma clandestina en el momento del incendio. Crédito: Ximena Natera/Pie de Página El “lugar donde se riega la tierra” -según su significado en lengua hñähñu-, quedó inundado de gasolina. Desde las tres de la tarde, cientos de pobladores salieron de sus viviendas con bidones para hacerse del combustible. A las 6:50, el ducto explotó. Dejó, según las cifras oficiales, 73 muertos, 74 heridos y una cantidad aún imprecisa de personas no localizadas. El papá de Liliana, Lorenzo Reyes, logró escapar de la explosión, pero murió unas horas después debido a las quemaduras. De su esposo, Isaac Guzmán, y su hermano, Alejandro Reyes, aún no tiene noticias. ¡Dónde está mi familiar! Es el día siguiente de la explosión. Cientos de familiares de las víctimas salen al campo donde estalló el ducto, para vigilar cómo los peritos de la Procuraduría General de Justicia del Estado de Hidalgo levantan restos de personas calcinadas. Una tras otra, del lugar del accidente parten carrozas fúnebres llenas de cuerpos. Todas, de funerarias diferentes. Las autoridades del lugar aseguran que se dirigen a la funeraria Los Ángeles, en la ciudad de Tula, a 15 kilómetros al este. Algunos familiares, extrañados, reclaman. “¡No queremos que las funerarias se los lleven!”. “¿Qué no tienen camionetas de Semefo -Servicio Médico Forense- suficientes?”. “¡Las funerarias sólo quieren vender cajitas!”. “¡Si fueran diputados, cada cuerpo tendría su propia camionetota!”… La multitud grita en desorden. Una perito forense recoge restos óseos (dentadura) en el lugar de la explosión. Los cuerpos recuperados fueron enviados a una morgue privada en el municipio de Tula, a 15 km del Tlahuelilpan, lo que causó descontento entre los familiares. Crédito: Ximena Natera/Pie de Página “Sabemos cómo está el pedo del país, ya vieron lo que pasó con los de Ayotzinapa. Queremos saber a qué funeraria los van a llevar y no queremos que nos traigan de aquí para allá”, reclama alguien más. Los gritos son para Juan Luis Lomelí, subsecretario de Gobierno del estado de Hidalgo, quien coordina los trabajos de levantamiento de los cuerpos. Entre gritos y reclamos, el funcionario intenta dar una explicación. Asegura que no son varias funerarias, sino que es una sola. Y que se llevan los cuerpos ahí porque no caben en el Semefo local. Dice que allá limpiarán los cuerpos, serán analizados y preparados para tomarles muestras genéticas que ayuden con su identificación. No importa, los reclamos de la gente no se detienen en ese detalle, la desesperación los hace pensar mal de quien sea, sobre todo si es el gobierno. Para abonar al ánimo encrespado, la gente recuerda algo que pasó la noche anterior: el Ejército enterró el ducto para sofocar el fuego. Pero los familiares de las víctimas tienen miedo de que no lo desentierren y que no puedan encontrar nunca los restos de sus familiares. Sus nervios son entendibles; la mayoría de los que están ahí han pasado toda la noche en el descampado. Vigilando. Bidones, cubetas, botellas y jícaras abandonadas cerca del lugar de la explosión de la toma clandestina de gasolina. Crédito: Ximena Natera/Pie de Página Lo que han visto no hace las cosas fáciles: decenas de cuerpos calcinados, esparcidos por el campo, apenas iluminados por los focos de los trabajos periciales y por una pálida luna. Muchos, petrificados en su último momento de vida, con las manos cubriendo la cara. Un pueblo que ayuda Desde las primeras horas de la explosión, pobladores de todas las colonias (barrios) del pueblo salieron a ofrecer su ayuda. Unos con jarras de café en la madrugada, otros, con galletas y pan; los más hacendosos, con tortas y otros platillos. Uno de los que más llaman la atención es Pedro Servar, quien acaba de empezar su negocio: una fábrica de ataúdes. Va a donar uno de los primeros que armó, para quien lo necesite. Además, está Gustavo, un trabajador de servicios del municipio, quien dice que su apellido es Cerati, con ánimo de no ser identificado. Asegura que desde que vio la explosión corrió a ayudar a apagar el fuego. “Yo tengo valor, y no le tengo miedo a nada, pero ves eso y sí dices ¡no mames!, ver los bultitos así quemados… vi dos que parecían niños, abrazándose…”. Su testimonio ayuda a tener una idea del tamaño de la tragedia. Muchos, petrificados en su último momento de vida, con las manos cubriendo la cara. Pedro Servar, vecino de Tlahuelilpan y fabricante de ataúdes, se presenta en el lugar de la explosión para donar uno de sus féretros. Crédito: Ximena Natera/Pie de Página   Era un tubo de unos 24 centímetros de diámetro, con una llave de paso”, explica. “Luego, por tanta presión que traen los tubos, esas llaves se botan, y hacen que empiecen este tipo de fugas. Por eso empieza a salir tanta gasolina de los ductos”. Del resto, se encargaron los rumores boca a boca ayudados por las redes sociales. Así, cientos de pobladores fueron saliendo hacia el lugar de la fuga, a llenar bidones con combustible, aún a sabiendas de la posible tragedia que los amenazaba. Rosario Adriana Serrano Vázquez es otra de las pobladoras del municipio que puso todo su esfuerzo en ayudar a sus vecinos. Ella es cocinera del albergue del DIF en el pueblo, y a pesar de que hoy no le hubiera tocado trabajar, vino a cocinar ollas inmensas de chicharrón en salsa verde para darle de comer a los familiares que atiborran la presidencia municipal. Rosario, una mujer de unos 40 años, vive en la colonia (barrio) El Depósito; que se encuentra junto a la colonia San Primitivo. Justo en medio de las dos, está el campo donde sucedió el accidente. “No es de una persona, allá donde yo vivo, de mi cuadra, no le miento, hay al menos unos 20 muertos”, comenta sin dejar de remover el enorme cazo con salsa verde. “Afectó a todo el pueblo”, dice cabizbaja. El huachicol  en el pueblo “Cuando yo tomo las riendas del municipio en 2016, me encuentro con que este tema ya está muy arraigado”, asegura Juan Pedro Cruz Díaz, presidente municipal de Tlahuelilpan. Asegura que el alza en el precio de los combustibles en los últimos años ayudó a que la práctica del huachicol (toma ilegal de gasolina) fuera cotidiana para la gente. Hipólito Román, poblador de Tlahuelilpan, presenta la denuncia por desaparición de su hijo Jesús Román de 25 años en el ministerio público de Mixquihualpan a media hora del lugar del accidente. Crédito: Ximena Natera/Pie de Página “Muchos vecinos de la colonia Cerro de la Cruz se dedicaban a este ilícito, donde acumulaban el combustible en sus casas y de allí era vendido al menudeo, a los vecinos que se acercaba a comprarles. “Afortunadamente no se trata de ninguna organización grande y pues, por fortuna, en el pueblo solo hemos tenido una ejecución, y no sabemos si se trata de este tema completamente”… Lo que cuenta el presidente del municipio no parece cuadrar con el diagnóstico del Ejército, que patrulla las colonias de la zona desde hace más de cuatro meses, ni con el número de tomas clandestinas que se han encontrado durante este tiempo en los alrededores. Un hombre esconde su dolor en medio de la búsqueda de un familiar desaparecido. Crédito: Ximena Natera/Pie de Página “Nosotros hemos hecho muchas puestas a disposición por este delito, a la PGR, pero bueno…lamentablemente tenemos una cuadrilla de 40 elementos que, dividida en dos turnos, son 20 para cuidar a 30 mil habitantes. No nos alcanza para apoyar a Pemex en la vigilancia de sus ductos…”, argumenta el alcalde. La eterna espera A un lado de la Presidencia Municipal del poblado está el Centro de Artes. Este fin de semana fue adaptado como centro de atención e inteligencia para los familiares de las víctimas. Aquí es a donde las autoridades mandan a la gente desesperada por encontrar a sus seres queridos. Gente con vasos de café en las manos, y los ojos rojos por el cansancio y las lágrimas, espera alguna información, que fluye a cuentagotas. En las ventanas hay hojas de papel con listas de personas hospitalizadas, fallecidas y no localizadas. Adentro, oficinistas del gobierno capturan datos en sus computadoras. Afuera, una pantalla tamaño concierto proyecta la misma listas. Aun así, la gente dice que nadie les da información. Cerca del mediodía las trabajadoras del DIF local atinan a poner una cartulina en la entrada, donde se explica el protocolo para levantar un acta ante el Ministerio Público, y que después, a partir de ésta, se pueda hacer una confronta de información genética. El detalle: el Ministerio Público más cercano está en el pueblo de Mixquiahuala, 11 kilómetros al norte. Y los cuerpos están en Tula, una ciudad 13 kilómetros al oeste, en una funeraria privada. A pesar de que el presidente Andrés Manuel López Obrador instruyó apresurar los procesos de identificación genética, el avance es lento. Hasta el momento, no han arrojado ningún resultado. “Aquí me tienes”. Este artículo fue originalmente publicado por Pie de Página,  un proyecto de Periodistas de a Pie . IPS-Inter Press Service tiene un acuerdo especial con Periodistas de a Pie para la difusión de sus materiales. El artículo Municipio mexicano después de la tragedia de la explosión fue publicado originalmente en IPS Agencia de Noticias.

Categorias: Internacionais

A tropa de choque de Bolsonaro no Congresso

Pública - seg, 21/01/2019 - 14:24

Se em 2014 o Partido Social Liberal (PSL) acabou as eleições como nanico no Congresso, com somente um senador e um deputado eleito, na disputa eleitoral de 2018 a sigla saiu como uma das maiores forças político-partidárias do Brasil. O peso parlamentar da legenda já se mostrou antes mesmo do início das atividades, em fevereiro. Na negociação para sua reeleição à presidência da Câmara, Rodrigo Maia (DEM) prometeu ao PSL a presidência da Comissão de Constituição e Justiça, a mais poderosa da casa, responsável por avaliar se os projetos de lei ferem ou não a Constituição.

No Congresso Nacional, o PSL conta com 56 parlamentares, sendo 4 senadores e 52 deputados federais. O partido elegeu deputados federais em todos os estados do Sul, Sudeste e Centro-Oeste, com exceção do Distrito Federal, emplacando ainda eleitos em metade dos estados das regiões Norte e Nordeste. Vinte e um parlamentares são ligados à área de segurança pública e, nesse grupo, 11 jamais disputaram eleições antes. É o caso do Major Vitor Hugo (GO), que já em seu primeiro mandato assumirá o posto de líder do governo na Câmara.

Reprodução YoutubeO estreante Major Vitor Hugo, que será líder do governo na Câmara, ao lado de Jair Bolsonaro, em vídeo postado no seu canal em janeiro de 2018

Consultando informações de processos na Justiça, cadastros de empresas, financiamentos de campanha e outras fontes, a Pública investigou quem é quem na bancada do PSL, trazendo à tona novas informações sobre o histórico turbulento da tropa parlamentar do presidente Jair Bolsonaro em Brasília.

Bancada da bala, empresas privadas e Polícia Federal

Ao todo, 21 deputados trabalham ou já atuaram em órgãos públicos de segurança. A tropa é formada por 6 policiais militares, 6 militares do Exército, 5 policiais federais e 4 policiais civis.

Além disso, pelo menos três deputados também possuem negócios de segurança privada. Coronel Tadeu e o ator Alexandre Frota constam como sócios em empresas do ramo na Receita Federal. Ambos foram eleitos para a Câmara pelo estado de São Paulo, onde uma em cada quatro empresas de segurança é ligada a policiais. Já Julian Lemos, deputado e primeiro vice-presidente do partido, foi mencionado em uma reportagem do Buzzfeed em dezembro apontando suspeita de utilização de parentes do deputado como laranjas em empresas do ramo. O deputado Coronel Tadeu consta como único sócio da Express One, empresa de segurança empresarial criada em 2014, que possui capital social de R$ 110 mil. No entanto, a firma não está autorizada pela Polícia Federal a exercer segurança privada e, no dia 25 de outubro de 2018, por meio de um ofício emitido pelo órgão, foi ordenado o encerramento desse tipo de atividade na empresa do deputado. Assim como o senador Major Olímpio, Coronel Tadeu vem das fileiras da Polícia Militar de São Paulo. Junto com o major e outros oficiais, escreveu em 1997 um livro que causou polêmica. Segundo notícia da Folha de São Paulo, na publicação, eles defendiam o armamento da população e argumentavam que um bandido é uma pessoa “menos humana”. Olímpio não sofreu sanções. Na época ele fazia a escolta do ex-governador Fleury. O então capitão Tadeu foi transferido pela PM para outras funções, por “contrariar a visão da instituição”, de acordo com declaração do chefe do setor de relações públicas da PM à Folha. Já o ator Alexandre Frota aparece como sócio em 7 firmas jurídicas, apesar de não ter declarado nenhum bem à justiça eleitoral. A maioria são empresas de produções artísticas, mas ele consta também como sócio-administrador da Segurança Frota Comando III, empresa de vigilância e segurança privada. O endereço registrado é de um imóvel no centro do Rio de Janeiro, localizado em um prédio de uso misto, tanto comercial como residencial. A Agência Pública foi ao local e não encontrou ninguém, mas foi informada na portaria que a sala é utilizada como residência. Nomes de destaque no ramo de segurança privada e vigilância patrimonial também ajudaram a eleger o deputado Marcelo Freitas, ex-chefe da Polícia Federal em Montes Claros (MG). Ele declarou ter mais de R$ 1 milhão em bens e consta como o maior apoiador de sua própria campanha, autofinanciando-se com mais de R$ 146 mil na corrida à Câmara. Também o apoiaram Ivaldo Naves, do Grupo Rodoban, empresa de transporte de valores, e Gustavo Lellis, do Grupo Magnus, que atua no ramo de segurança privada. Eles aportaram R$ 20 mil e R$ 25 mil, respectivamente. Maçons e membros da velha política Mesmo com discurso de renovação na política e com uma quantidade expressiva de estreantes, fato é que a maioria da bancada do PSL na Câmara ainda é formada por políticos de carreira. Segundo levantamento do El País, 28 dos 52 deputados já disputaram pelo menos um mandato antes das eleições de 2018. Alguns possuem quase duas décadas de atuação política, como o presidente do partido, Luciano Bivar, e a deputada Aline Sleutjes, ex-vereadora da cidade de Castro (PR), que já passou por três legendas e, mais recentemente, trabalhava como chefe de gabinete do deputado estadual missionário Ricardo Arruda (PSL), no Paraná. Felipe Francischini e Filipe Barros, os outros dois deputados eleitos no estado pelo PSL no Paraná, também não são estreantes. Filipe Barros é parte do Movimento Brasil Livre (MBL) e fez carreira em sua cidade natal, Londrina, dedicando boa parte de sua atuação política ao conservadorismo e à luta pelo fim do ensino de temas relacionados a sexualidade e gênero nas escolas. Antes de chegar ao partido de Bolsonaro, ele passou pelo PSDB, PRB e Solidariedade e, em 2016, disputou sua primeira eleição. No mesmo ano, foi denunciado por racismo pelo Ministério Público, por comentários preconceituosos postados em sua página no Facebook contra uma peça relacionada a religiões de matriz africana, encenada em programação oficial em frente à prefeitura de Londrina. A denúncia foi recebida pela Justiça em abril de 2017 e o caso tramita na Vara Criminal de Londrina. Já Felipe Francischini chegou à política por intermédio de sua família, ligada a setores evangélicos. Seu pai, o delegado e ex-deputado federal Fernando Francischini (PSL-PR), foi um dos principais responsáveis pela articulação que levou Jair Bolsonaro ao seu atual partido, o nono da carreira do presidente. Em outubro de 2018, o Ministério Público Federal (MPF) pediu a cassação de Fernando Francischini por uma transmissão ao vivo no Facebook, em que divulgou informações falsas relacionadas a supostas fraudes nas urnas no dia das eleições. Antes disso, o delegado já havia destinado R$ 24 mil de sua cota de recursos como parlamentar na Câmara para uma empresa ligada à rede RFA, que apoia Jair Bolsonaro e é criticada por veicular notícias falsas. Em 2018, Fernando Francischini saiu do seu segundo mandato na Câmara, em Brasília, para se tornar deputado estadual no Paraná, mas não sem antes ajudar na eleição do seu filho, Felipe Francischini. Já sua esposa, Flávia Francischini, foi escolhida como secretária-geral do PSL por Luciano Bivar. Outro caso semelhante é Carlos Manato, candidato do PSL derrotado ao governo do Espírito Santo, que deixou a Câmara dos Deputados após quatro mandatos consecutivos, mas elegeu a sua esposa, Soraya Manato, para uma das cadeiras capixabas no Parlamento. Apoiador de Bolsonaro, ele foi apontado como um dos incentivadores do motim que parou a Polícia Militar no estado em 2017. Em sua primeira eleição, Soraya Manato (PSL) foi eleita deputada federal com 57.741 votos. Manato chegou a afirmar em entrevista que a candidatura da esposa nasceu de uma “necessidade partidária, devido à questão de preenchimento de vagas para mulheres”. Soraya se filiou ao PSL dois dias depois do prazo legal estabelecido pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), mas sua candidatura foi aceita. No fim, o PSL cumpriu por pouco a cota mínima de 30% de candidaturas femininas, tornando-se umas das siglas com menor representatividade de mulheres em seu quadro de postulantes a cargos públicos em 2018. Das 1.543 candidaturas, apenas 466 eram de mulheres, ou seja, 30,2%, sendo as regiões Sudeste e Nordeste as que mais contribuíram com candidaturas femininas. Na bancada eleita do PSL no parlamento federal, estão 11 mulheres e 45 homens. Representante da velhíssima política, apesar de concorrer pela primeira vez nas urnas, o deputado monarquista Luiz Philippe de Orleans e Bragança é sobrinho de Luís Gastão de Orleans e Bragança, que por sua vez é trineto de dom Pedro II e atual chefe da Casa Imperial do Brasil, associação que visa restaurar a monarquia no país. Luiz Philippe também é um dos três candidatos maçons do núcleo paulista do PSL. O deputado Guiga Peixoto e o senador Major Olímpio lhe fazem companhia. Nas eleições passadas, os três foram apoiados pelo Grupo Estadual de Ação Política da maçonaria de São Paulo. Por outro lado, o PSL acolheu lideranças dos novos movimentos de direita, que surgiram em meio ao processo de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, como a advogada Caroline de Toni (SC), do Movimento Brasil Livre, e as deputadas Carla Zambelli (SP) e Alê Silva (MG), do movimento Nas Ruas. Assim como houve espaço para membros de organizações conservadoras católicas, como o Centro Dom Bosco, no qual atua a advogada Christine Tonietto (RJ), eleita este ano pelo PSL. Outra das cadeiras do Rio de Janeiro conquistadas pelo partido é ocupada pelo deputado Lourival Gomes, ex-suplente de Luiz Carlos Ramos, político carioca e ex-secretário do bispo Marcelo Crivella, prefeito da capital fluminense. O presidente do PSL: acusações de dano ambiental e de propina por jogador É inegável que o PSL foi impulsionado pela performance eleitoral de Jair Bolsonaro, mas o partido está longe de se resumir ao atual presidente da República, que é um recém-chegado à legenda, depois de atuar em outros oito partidos. O grande mandachuva é Luciano Bivar, deputado federal por Pernambuco desde 1999, considerado o “dono” do PSL. Bivar é um tradicional empresário da elite pernambucana. Seu pai foi presidente do time de futebol Sport nos anos 1950 e, durante sua juventude, Luciano jogava tênis no clube e era figura frequente nas colunas sociais e esportivas da imprensa local. Como empresário, entrou no ramo de seguros ainda nos anos 1970, trabalhando na Delphos, seguradora responsável pelos imóveis comprados via Banco Nacional de Habitação na região. Reprodução FacebookAtual presidente do PSL, o pernambucano Luciano Caldas Bivar ao lado do presidente eleito, em foto postada em sua fanpage no Facebook, em junho de 2018 De acordo com o levantamento feito pela Pública com base nos dados do Tribunal Superior Eleitoral, Bivar é o parlamentar no qual o PSL mais investiu recursos na campanha de 2018: R$ 1,9 milhão. Não foi à toa. Seu envolvimento com o partido que hoje aloja Bolsonaro é umbilical. Após uma breve passagem pelo PL, Bivar se filiou ao PSL em 1998, logo nos primeiros anos do partido, e assumiu a presidência do Diretório Nacional, conseguindo o registro definitivo da sigla. Desde então, não saiu mais. Em 2006, arriscou candidatura à Presidência do Brasil com a bandeira do imposto único, mas ficou em último lugar. Sua atuação no Congresso ficou marcada pelo alinhamento à “bancada da bola”, grupo de parlamentares que representam principalmente os interesses dos clubes de futebol. Faz sentido, já que ele seguiu os passos do pai e foi presidente do Sport por quatro vezes entre os anos 1989 e 2013. Naquele ano, Bivar expôs as entranhas das negociações futebolísticas, ao afirmar ao canal SportTV que pagou “uma comissão” para ter o jogador Leomar Leiria convocado para seleção que disputaria a Copa das Confederações de 2001. O ex-jogador era um dos volantes titulares na seleção de Emerson Leão. Por conta disso, Bivar é réu em uma ação de indenização por danos morais no Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJ-PE). O ex-jogador sentiu a carreira prejudicada e abriu um processo contra o empresário. Nos autos da ação, Bivar negou ter dito que pagou comissão. De acordo com a plataforma do TJ-PE, o caso ainda não foi arquivado e a última movimentação se deu em novembro de 2015. Outras acusações Desde 1993, Bivar foi réu em outras 14 ações no TJ-PE. Alguns casos prescreveram e, em outras, ele foi inocentado. Um exemplo é o caso em que Bivar foi acusado de formação de quadrilha e escuta ilegal pelo ministério público federal. A acusação corresponde ao envolvimento na Operação Vassourinha, deflagrada pelo Ministério Público Federal (MPF) de Pernambuco, em 2002. Ao todo, o MPF apontou 16 pessoas envolvidas com uma organização criminosa que funcionava como uma empresa, oferecendo serviços como o fornecimento de informações sobre operações policiais desencadeadas contra os contratantes. Segundo a denúncia, os integrantes da organização criminosa valiam-se da estrutura da Polícia Federal para levantar informações em outros órgãos públicos, a fim de serem utilizadas em proveito dos “contratantes”. Também eram realizadas investigações policiais paralelas, em proveito dos interessados, além de outras condutas delituosas como interceptações telefônicas clandestinas. O Ministério Público imputou a Bivar, a princípio, os crimes de formação de quadrilha e interceptação de comunicação telefônica sem autorização judicial. Porém, os crimes prescreveram antes da conclusão do processo e Bivar não chegou a ser julgado. Atualmente, o presidente do PSL é acusado um processo que tramita em segunda instância, na Justiça Federal de Pernambuco e no Tribunal Regional Federal da 5a Região (TRF5), por dano ao meio ambiente. O caso de dano ambiental ocorreu na cidade litorânea de Ipojuca, em Porto de Galinhas, Pernambuco. Entre 1990 e 2000, o Ibama autuou e embargou a obra do Loteamento Marinas do Aquirá por dez vezes, pois o empreendimento invadia os manguezais na praia de Toquinho para a construção de um pontal artificial. Uma casa no condomínio de Marinas do Aquirá é anunciada hoje em sites especializados por R$ 2 milhões. Além de Luciano Bivar, respondiam pelo empreendimento Pedro de Petribu Filho e a empresa Conicil Construção Industrial e Civil. O Ministério Público e o IBAMA entraram com ação civil pública contra eles, por conta do corte e aterro de manguezais, além de terem construído dentro de uma área de preservação permanente. Em 2005, foram condenados pela Justiça Federal de Pernambuco a pagar R$ 10 milhões por danos morais ambientais gerados com a degradação de manguezais. Porém, 14 anos depois, a dívida ainda não foi paga, pois ainda tramitam recursos no TRF 5 e na 12 Vara da Justiça Federal de Pernambuco referentes ao processo. Segundo os autos do processo que tramitam na 12º Vara Federal de Pernambuco, Bivar e os demais responsáveis recorreram, tentando diminuir a condenação imposta na sentença, mas o pedido foi rejeitado pelo STJ e TRF 5. De acordo com a decisão do judiciário federal,“os depoimentos testemunhais, as verificações in loco e os autos de infração lavrados dão conta de condutas lesivas praticadas pelos três demandados na presente ação”. Um dos recursos interpostos por Bivar pedia a redução do valor a ser pago por Danos Morais Ambientais, pois, como não havia estudo para definir o grau de responsabilidade de cada réu, não seria justo que todos pagassem o mesmo valor. Então, a justiça federal sentenciou que, após concluído o estudo, o custeio deveria ser dividido entre os réus, conforme a responsabilidade cada um. “No que toca ao cumprimento do dispositivo da sentença, destaco que, sem a realização do estudo determinado em antecipação de tutela e ratificado na sentença, se mostra impossível a delimitação exata da responsabilidade. Entrementes, uma vez concluído o estudo e apurados os limites da responsabilização, o custeio deverá ser repartido na forma estabelecida pelo estudo e aquele que arcou com despesas a maior será prontamente ressarcido pela outra parte”. O relatório do MPF denunciava Bivar pela prática de várias ações predatórias na área estuarina do rio Aquirá, bem como na praia de Toquinho, no município de Ipojuca, sem autorização da Agência Estadual de Meio Ambiente e IBAMA, no loteamento Marinas do Aquirá. À época, o atual presidente do PSL alegou que, “as obras efetuadas no local tiveram o escopo de ‘evitar a erosão e o avanço do mar’, em face da omissão do Poder Público, de forma que cada proprietário adotou medidas para conter os avanços das águas”. A última movimentação foi em setembro de 2018. Além da multa, eles também foram impedidos de realizar ou continuar qualquer obra no pontal artificialmente criado na praia de Toquinho. No ano passado, o MPF pediu explicações à Prefeitura de Ipojuca, pois a Associação de Moradores de Marinas no Aquirá estaria impedindo o acesso público a um rio e a praias locais. A Pública tentou entrar em contato com Bivar diretamente e através de sua assessoria, mas não recebeu nenhuma resposta. Na atual Direção Executiva do PSL, Bivar escalou antigos aliados para ocupar posições importantes. O tesoureiro é José Tupinambá, que se filiou em 1999, e o vice-presidente é Antônio de Rueda, filiado em 2003. Ambos são ligados também às empresas de Bivar, como a Excelsior Seguros e a Porto Novo Recife. Pela ala bolsonarista, na direção nacional do PSL, os filhos Flávio e Eduardo Bolsonaro assumiram respectivamente as secretarias de formação política e assuntos parlamentares. Já na primeira e segunda vice-presidências, estão acomodados o deputado federal Julian Lemos e Gustavo Bebianno, braço-direito de Bolsonaro, segundo vice-presidente do PSL. Juíza eleita senadora é ré em caso de caixa 2 No Senado, Bolsonaro contará com quatro senadores do seu partido: Flávio Bolsonaro (RJ) e o Major Olímpio (SP) deram seguimento a suas carreiras no Parlamento, enquanto duas mulheres do meio jurídico estrearão na política já como senadoras. Além de atuarem com direito na região Centro-Oeste, a advogada Soraya Thronicke (MS) e a juíza aposentada Selma Arruda (MT) possuem também em comum o discurso anticorrupção. Selma Rosane Santos Arruda ganhou notoriedade por mandar prender políticos do Mato Grosso, como o ex-governador Silval Barbosa (MDB), acusado de chefiar um esquema de desvio de dinheiro público no governo, e o ex-presidente da Assembleia Legislativa de Mato Grosso, José Geraldo Riva (PSD). Mas Selma também é ré na Justiça do Mato Grosso. Em um dos processos existentes, a empresa Genius Produções Cinematográficas alega ter a receber R$ 534 mil, acrescidos de uma multa de R$ 625 mil, por serviços prestados na campanha de Selma Arruda. De acordo com a prestação de contas, divulgada pelo TSE, a juíza aposentada recebeu em doações um total de R$ 1,8 milhão, sendo R$ 330 mil destinados ao pagamento da Genius. Senado FederalA juíza aposentada Selma Arruda foi eleita senadora pelo Mato Grosso com 678 mil votos Por conta desta ação da Genius, outra ação foi impetrada na Justiça Eleitoral. O autor é o candidato derrotado ao Senado, Sebastião Carlos (Rede-MT), que acusa a senadora eleita de abuso de poder econômico e gastos fora do período eleitoral por conta da contratação da Genius Produções Cinematográficas. “Se nós estamos querendo passar esse país a limpo, não podemos criar uma situação de desigualdade como ela criou neste processo eleitoral, fazendo gastos fora do período e além disso, superando o teto permitido para a candidatura”, explicou o ex-candidato ao senado à Agência Pública. O político acredita que pode ter havido Caixa 2 na campanha. Eexistem gastos que não foram declarados pela senadora, então por isso, acreditamos que ela venha a extrapolar o limite permitido”. O teto para as campanhas ao Senado no Mato Grosso era de R$ 3 milhões. A pedido da justiça eleitoral, foi solicitada a quebra de sigilo bancário de Selma e Beto Possamai. No último dia 17, por meio de despacho o desembargador Pedro Sakamoto deu um prazo de 5 dias para que os registros financeiros fossem enviados pelos bancos. O Ministério Público Eleitoral de Mato Grosso (MPE-MT), ao analisar a prestação de contas da campanha afirmou, por meio de parecer, existirem indícios de despesas de natureza político-eleitoral contratadas e executadas fora do prazo legal, além de pagamento com dinheiro proveniente de caixa dois ou empréstimo pessoal. Hoje, o MPE-MT é co-autor na ação impetrada pelo ex-candidato ao senado Sebastião Carlos. Um dos gastos identificados pelo MPE se refere ao abastecimento de uma aeronave. “…Não verificamos os gastos eleitorais relacionado aos abastecimentos e pilotagem da aeronave cedida, caracterizando omissão de gastos de campanha, os quais deveriam ser registrados no ato da sua contratação (art. 38, §1o da Res. 23553)”, afirma o órgão em seu parecer. Sobre os processos acima citados, a senadora eleita afirmou: “Por enquanto, prefiro apenas afirmar que confio na Justiça Eleitoral e estou tranquila em relação a isso. Com relação à origem do dinheiro, está também provado nos autos que veio do meu primeiro suplente, que foi o financiador da minha campanha. Trata-se de autofinanciamento, portanto, não há limite de doação e nenhuma ilegalidade”. Autofinanciamento de campanha A juíza Selma Arruda escolheu como primeiro suplente o agricultor Gilberto Possamai, ex-vereador eleito em 2004 na cidade de Sorriso (MT) pelo PSDB. Sua esposa, Adriana Possamai, foi a segunda maior doadora individual das campanhas do PSL, com uma transferência de mais de R$ 1 milhão na chapa do marido, que por sua vez declarou um autofinanciamento de R$ 310 mil. Os dados são de um levantamento feito pela Pública sobre pessoas físicas que mais investiram em candidatos do partido, a partir dos dados de prestação de contas entregue ao TSE. Os cinco maiores doadores participaram diretamente de candidaturas em 2018. Empresário do agronegócio e candidato derrotado ao Senado em Rondônia, Jaime Bagattoli lidera o ranking de doadores individuais, com R$ 2,2 milhões alocados em diversas candidaturas do seu estado. Entre elas, a sua própria e a do deputado eleito Coronel Chrisóstomo, que recebeu R$ 45 mil. Reprodução FacebookJaime Bagattoli lidera o ranking de doadores individuais, com R$ 2,2 milhões alocados em diversas candidaturas de Rondônia O terceiro maior doador individual para candidaturas do partido de Bolsonaro foi o advogado Luiz Fernando Guerra Filho, eleito deputado estadual pelo PSL no Paraná, que aportou R$ 907 mil na sua candidatura e R$ 41 mil na de Felipe Francischini. Na quarta colocação, está Lisiane Gurgel Rocha, da família dona das Lojas Riachuelo, que transferiu R$ 613 mil a três candidatos do PSL a deputado estadual em São Paulo. Em quinto lugar está Clébio Lopes Pereira, empresário de Nova Iguaçu (RJ) e ex-candidato a deputado federal pelo partido de Bolsonaro. Mesmo tendo financiado sua própria campanha com pouco mais de meio milhão segundo os dados do TSE, ele não foi eleito. Joice Hasselmann domina interações nas redes A Pública analisou a performance das páginas oficiais da bancada do PSL no Facebook, usando a ferramenta CrowdTangle. Sozinha, Joice Hasselmann concentrou 39% das interações do último mês nos canais dos parlamentares eleitos. Atrás dela estão Eduardo Bolsonaro e Major Olímpio, com 13% e 11%, respectivamente. Ao todo, foram mais de 10,7 milhões de interações com as páginas da bancada no Facebook, o que inclui atos como curtir, compartilhar ou comentar posts dos candidatos. O sucesso nas urnas que tornou Joice Hasselmann a deputada mais votada da história da Câmara tem clara relação com sua performance na rede social, onde tem 2 milhões de seguidores. Reprodução FacebookEm uma de suas transmissões ao vivo, Joice mostrou uma carta atribuída a um congressista norte-americano para dizer que os Estados Unidos detectaram ações do Irã, Hezbollah e Venezuela para interferir nas eleições brasileiras “A audiência digital tende a replicar alguns padrões dos meios de massa e também concentrar a visibilidade em poucos atores. A Joice mostrou grande alcance em todas as plataformas. Uma explicação talvez seja pelo fato dela já vir do campo midiático e conhecer esta lógica de produção de conteúdo”, comenta Marcelo Alves, doutorando em comunicação pela Universidade Federal Fluminense que pesquisou a atuação dos políticos nas redes sociais durante as eleições. Antes de ir para a política, Joice era apresentadora no site da revista Veja. Os dois maiores financiadores da campanha de Joice Hasselmann foram o próprio PSL, que investiu R$ 100 mil na sua candidatura, e o empresário Sebastião Bomfim Filho, dono do Grupo SBF, que controla diversas lojas esportivas no país. Ele apoiou Joice com R$ 38 mil, segundo dados declarados ao TSE. Em outubro de 2018, a Avaaz publicou uma pesquisa feita em cerca de 10 mil posts com notícias falsas veiculados nas 48 horas após o primeiro turno. Os canais da deputada apareceram como uma das principais fontes de boatos envolvendo supostas fraudes nas urnas. Para Marcelo Alves, a “onda coletiva” gerada pela candidatura de Bolsonaro favoreceu candidaturas que se associaram a ele. “Quanto ao conteúdo, há também o sentimento de urgência em torno de teorias da conspiração eventualmente contra a eleição do Bolsonaro. Isso foi feito sistematicamente durante a eleição inteira, seja utilizando fake news, seja usando alertas urgentes com alto nível de sensacionalismo”, comenta.

Categorias: Internacionais

Ghana busca recuperar manglares y reservas de peces agotadas

IPS español - seg, 21/01/2019 - 10:59

Llegó la pesca del día. Desde que la comunidad del pueblo de Sanwoma, en Ghana, comenzó a recuperar los manglares, la laguna registró un aumento de la reserva de peces. Crédito: Albert Oppong-Ansah/IPS.Por Albert Oppong-AnsahACRA, Jan 21 2019 (IPS) Fue hace tan solo tres años que el pueblo de pescadores Sanwoma, ubicado entre el mar y la desembocadura del río Ankobra, en la costa occidental de Ghana, sufría inundaciones continuas con grandes pérdidas materiales y humanas. El terreno se anegaba porque el bosque de manglares, que desempeñaba un papel fundamental en la lucha contra la erosión costera y el aumento del nivel del mar, fue talado deliberada e indiscriminadamente. “De las 118 hectáreas de manglares, arrasamos 115”, indicó el pescador Paul Nato Codjoe. Los pobladores dependen de los manglares de Ankobra para obtener combustible barato para procesar el pescado. La madera también se usaba para la construcción y para venderla y así generar ingresos. Pero comportamiento de los pobladores cambió gracias a un vídeo que les mostraron activistas de la organización Hen Mpoano (HM), gracias al cual comprendieron el impacto directo de sus acciones. Encabezada por el jefe de Sanwoma, Odikro Nkrumah, la comunidad creó un plan de recuperación de los manglares, plantando 45.000 plántulas en los últimos tres años. Una de las lideresas de la comunidad Rosemary Ackah, de 38 años, dijo a IPS que la vulnerabilidad del pueblo frente a las mareas más altas y sus consiguientes consecuencias estuvieron entre las razones para participar de forma activa en la iniciativa. HM, con apoyo del Proyecto de Gestión de Pesca Sostenible en Ghana, de la Agencia de Estados Unidos para el Desarrollo Internacional, ofreció educación sobre los beneficios directos e indirectos de los manglares. En Ghana, hay unas 90 lagunas y 10 estuarios con sus marismas y pantanos a lo largo de sus 550 kilómetros de costa. Isaac Okyere, del Departamento de Pesca y Ciencias Acuáticas, de la Universidad de Costa del Cabo, capital de la región de Ghana Central, explicó a IPS que la conservación de los manglares es fundamental para países como Ghana, donde la pesca está al borde del colapso, al obtener 14 por ciento de las especies importantes de peces de las 140.000 toneladas que se conseguían hace 20 años. Unas 2,2 millones de personas viven de la pesca en Ghana, alrededor de 10 por ciento de sus más de 24 millones de habitantes. Por su parte, Carl Fiate, director de Recursos Naturales de la Agencia de Protección Ambiental, explicó a IPS: “Ghana está en una situación precaria porque muchas de sus reservas están al borde del colapso, y especies como las sardinas y los jureles no se volverán a ver a menos que tomemos medidas para conservarlas, recuperarlas y protegerlas”. “Una visita al mercado muestra que, por ejemplo, ya no hay sardinas”, acotó Fiate. Según Okyere, las lagunas de Butuah y Essei, en Sekondi-Takoradi, capital de la Región Oeste, la de Fosu, en Costa del Cabo, las de Korle y Sakumo, en Acra, y la de Chemu, en Tema, en Gran Acra, son típicos ejemplos de la degradación de esos cuerpos de agua en este país africano. Rosemary Ackah forma parte del grupo de mujeres encargado de recoger las plántulas para crear un vivero de árboles del bosque de manglares. Crédito: Albert Oppong-Ansah/IPS “La mayoría de las lagunas, en especial las de áreas urbanas, quedaron muy contaminadas en las dos últimas décadas”, acotó, debido al vertido de efluentes domésticos e industriales, del saneamiento, plásticos y otros desperdicios sólidos y metales pesados (plomo, mercurio, arsénico, etc.). Según Ackah, muchas de las mujeres de la comunidad también se involucraron en la recuperación de los manglares por su impacto positivo en la pureza del aire, lo que redujo ciertas enfermedades derivadas del aire contaminado. “Las mujeres nos ocupamos de nuestros maridos y de nuestros hijos cuando están enfermos, y pensamos en aprovechar la oportunidad para participar en esto como seguro de salud para nuestras familias”, añadió. El grupo de mujeres se encargó de recoger las plántulas utilizadas para el criadero, y también de regarlas, indicó Ackah. “También desempeñamos un papel importante en el trasplante”, contó a IPS. “Cuando nuestros esposos hacían un pozo, poníamos las plántulas y rellenábamos de arena. Fue un placer participar de ese gran proyecto, que nos permitirá tener más madera”, destacó. El pescador Codjoe destacó que gracias a la asistencia técnica del proyecto, la comunidad desarrolló un plan de acción para recuperar el bosque e implementar leyes para evitar la tala excesiva. La comunidad se hizo cargo de su futuro, y en particular de sus recursos naturales, y creó el Comité de Recuperación de Manglares para guiar y supervisar su uso y su mantenimiento. Para garantizar la sostenibilidad de la reforestación, Codjoe explicó que la comunidad tiene una ordenanza que impide talar árboles a 50 metros del río, y quien infrinja la norma tendrá que reponerlos reforestando. “Hemos visto señales positivas gracias a la regeneración, como que las inundaciones se redujeron de forma drástica”, observó Ackah. Ella también ha sido testigo de otra mejora: el mayor volumen y tamaño de los camarones, una de las delicias de Ghana, pescada por su comunidad. “Eso realmente impulsó nuestros comercios locales y mejoró nuestra dieta”, señaló. Ackah también contó que el proyecto les ayudó a reducir su dependencia de los manglares y a crear un mecanismo de ahorro y crédito del pueblo. La iniciativa permitió a la población local hacer frente a ciertos desafíos económicos, y así reducir su dependencia de la pesca y de los manglares como medios para generar ingresos. En África occidental, se estima que el valor de lo que la naturaleza le da a las comunidades es de 4.500 dólares por kilómetro cuadrado y por año por el servicio de protección costera, 40.000 dólares por el de purificación de agua y 2.800 dólares por el de secuestro del carbono costero, según el Informe de Evaluación del Estado de la Biodiversidad en África y de la Degradación y Recuperación del Suelo, elaborado por la Plataforma Intergubernamental para los Servicios Ecosistémicos y de Biodiversidad. Fiati comentó que el borrador de la nueva política de Regulación de Hábitats Costeros y Marino, que engloba la protección, la gestión y el uso sostenible de los manglares, estará lista y se enviará a la Fiscalía General este mes para su promulgación. Por su parte, la comunidad de Sanwoma se asegura de enseñar a las nuevas generaciones la importancia de la conservación del bosque de manglares. “Debido a la falta de conocimientos sobre la importancia de ese recurso tan rico, lo estábamos destruyendo; y de forma acelerada”, comentó Nkrumah a IPS. “Ahora sé que tenemos un tesoro. Como líder, lo usaré de forma sostenible y lo protegeré para la próxima generación. También me aseguraré de educar a los niños sobre su importancia para que lo mantengan a salvo”, añadió. Traducción: Verónica Firme Artículos relacionados

El artículo Ghana busca recuperar manglares y reservas de peces agotadas fue publicado originalmente en IPS Agencia de Noticias.
Categorias: Internacionais

A retirada das tropas dos EUA da Síria: do vazio da superpotência para o conflito regional por influência?

IPS português - seg, 21/01/2019 - 10:17

Por Pedro Guedes, Augusto Colório e Bruno lima Rocha*, do Jornal GGN – 

Nos últimos três anos, a Guerra Civil síria, que até o momento caracterizava-se por um conflito regionalmente contido, no que se refere ao envolvimento dos vizinhos Estados nas hostilidades, tornou-se um conflito com a intervenção direta das principais potências do Sistema Internacional. Isso ocorreu com a intervenção de Rússia (e sua força expedicionária) e Estados Unidos (Cerca de 2000 Marines, em apoio à coalizão Curdo-Árabe contra o Estado Islâmico, DAESH, ISIS ou ISIL) no conflito, em que mesmo em lado a princípio, opostos, não chegaram a combater diretamente um contra o outro com suas forças regulares. A eleição de Donald Trump, em 2017, iniciou um novo prognóstico no conflito, já que os Estados Unidos, sob seu comando, mostravam-se cada vez mais inclinados a uma menor participação no conflito. Com a perda de território por parte do DAESH e o enfraquecimento do grupo (acrônimo de Estado Islâmico), Trump pressionava cada vez mais a cúpula militar do seu país (o Pentágono e seu Estado-Maior) para retirar os cerca de dois mil fuzileiros navais do país levantino. Como se sabe, a presença de soldados profissionais estadunidenses em terra é vista como presa, sendo a captura ou morte destes militares, um trunfo para as organizações inimigas e um custo político alto para a administração que os enviou.

Em 19 de dezembro de 2018, os Estados Unidos anunciam a retirada de suas forças da Síria, em um movimento que chocou aliados e colocou uma série de pontos de interrogação sobre o conflito. Nesse breve artigo, gostaríamos de avaliar as consequências da ação dos EUA para os atores envolvidos e para o futuro da Guerra na Síria. Em um primeiro momento, a partir desse movimento, entendemos que os EUA perdem influência nos rumos do conflito, com Washington se colocando à margem das negociações políticas (como nas negociações de Astana, capital do Cazaquistão, que envolvem Rússia, Irã e Turquia apenas), e no desenvolvimento das ações em campo de combate, com apenas Rússia, Irã e Turquia (novamente), além de uma presença lateral de Arábia Saudita e Qatar, com forças regulares a aliados nativos agindo no país. Dessa forma, pode-se ponderar quais podem ser os efeitos da estratégia norte-americana para os atores envolvidos[1]. Entendemos que de todos os grupos implicados, quem fica mais vulnerável são as forças de autodefesa do Curdistão sírio[2] (também conhecida como Rojava), que com o apoio dos EUA, juntaram-se em coalizão com tribos árabes do Norte da Síria e demais grupos étnicos minoritários (como turcomenos, alevis, siríacos, caldeus e yázidis)  para formar as Forças Democráticas Sírias (SDF em inglês) e combater o DAESH, coisa que os grupos de autodefesa curdos YPG (Unidades de Proteção Popular) e YPJ ( Unidades de Proteção das Mulheres) faziam sozinhos desde 2014. Essa vulnerabilidade ocorre dado o fato de que o apoio dos EUA protegia os territórios curdos, (mais notadamente os cantões de Kobane, Jazira e as áreas adjacentes retomadas do DAESH ao longo dos últimos 4 anos, compondo a região ao Norte do Rio Eufrates) de uma possível agressão turca em larga escala. Essa proteção ocorre a partir da legitimação política que o apoio dos EUA aos grupos curdos a partir do bom desempenho na luta contra o DAESH. Também há o fato de que efetivos das forças especiais estadunidenses operam sob as mesmas bandeiras que as forças da SDF. Assim, em caso de ataque turco, Ancara correria o risco de atingir forças estadunidenses, o que causaria constrangimento internacional. Um possível ataque turco ocorreria dado o fato do governo turco considerar as forças e administração curda como uma extensão do Partido dos Trabalhadores do Curdistão, que Ancara considera como grupo terrorista, e, contraditoriamente, Washington também. Para tentar se proteger de uma possível (e já anunciada) operação militar expandida da Turquia, as lideranças políticas de Rojava já anunciaram tratativas de negociação com as autoridades legalistas em Damasco[3]. Há um evidente conflito de interesses nessa aproximação e também um choque de versões. Em um primeiro momento, as forças curdas da SDF dividiriam com Damasco o controle do tráfego de estradas e movimentos nos territórios e acessos às cidades sob controle da Federação Democrática do Norte da Síria (DFNS da sigla em inglês). Assad em troca garantiria proteção ante uma agressão turca. Ainda que um possível acordo proteja as populações curdas e de deslocados internos que vivem em Rojava, o projeto de Confederalismo Democrático implementado pelos órgãos políticos curdos nos últimos anos seria soterrado pela centralidade baathista de Assad. Isso se o acordo for de fato, nos termos de Damasco. Se a DFNS fazer valer o pré-acordo diplomático e estabelecido como diretriz na constituição de Rojava, o controle territorial passa a ser regional, reconhecendo um status de região autônoma para a Federação. Outro ator que, em teoria, pode perder com a retirada das forças dos Estados Unidos é Israel. Isso acontece pelo fato de Tel Aviv entender que o vácuo deixado pelos EUA seria aproveitado pelo Irã para aumentar suas capacidades de projeção na região do Oriente Médio, o que colocaria as forças regulares iraquianas e seus proxies, mais notadamente o Hezbollah libanês, perto das Colinas de Golã (fronteira siríaca-israelense), o que seria uma grande ameaça à segurança de Israel. Como outro resultado, Tel Aviv perderia ainda mais a liberdade de ação que tem nos céus sírios, o que limitaria a capacidade de sabotar a transferência de armas e tecnologia de Teerã para o Hezbollah libanês. No entanto, devido à influência dos interesses de Israel dentro do Governo Trump, causa estranheza a política de retirada das tropas da Síria. Como se sabe, Tel Aviv procura, via lobby (ver aipac.org), influenciar Washington a tomar uma posição mais hostil em relação ao Irã e seu projeto de liderança regional para o Oriente Médio. O próprio secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, é um entusiasta das relações entre EUA e Israel e um dos arquitetos da retirada dos EUA do acordo nuclear com o Irã. Pode-se supor que para agradar Israel, o caminho escolhido por Washington seja de aumentar as sanções contra Teerã para enfraquecer a economia persa. Se a retirada das tropas americanas prejudica os Curdos e Israel, ela acaba por favorecer outros atores na região. Além do próprio governo Assad, a Rússia e a Turquia são favorecidos com a decisão do Governo Trump. Ainda que a Ancara não seja oficialmente aliada de Moscou ou Assad, não teria mais o desconforto de ver o membro mais importante da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) apoiando e protegendo os grupos que consideram como terroristas. Por outro lado, a Turquia não se mostra disposta em entrar em  conflito com as forças regulares sírias e a Força Aérea russa em caso de acordo entre a SDF e Assad. Para evitar isso, o presidente turco, Recep Erdogan já fez questão de se alinhar politicamente com o eixo Damasco-Teerã-Bagdá para tentar isolar a SDF. Simultaneamente, as forças militares da Turquia ameaçam manobras e avançam sobre território soberano sírio, a exemplo do que fizeram na ofensiva militar contra Afrin (um dos três cantões de Rojava), invadido em março de 2018. Outro Estado que vê com bons olhos a retração dos Estados Unidos é a Rússia. Isso ocorre principalmente pelo fato de que sem os EUA, Moscou consegue se impor como o principal agente conciliatório do conflito, com toda a negociação entre as partes beligerantes passando quase que obrigatoriamente pelas suas mãos. Conseguindo essa posição no conflito sem ter que tomar nenhuma decisão arriscada após três anos de intervenção aeronaval, com cerca de cinco mil soldados e algumas dezenas de aeronaves é um ganho considerável para manter as ambições de Moscou em ser reconhecida como uma grande potência no Sistema Internacional. O único ponto de preocupação é projetar como países como o Irã e a Turquia – além da sempre presente Arábia Saudita, e seu rival Qatar – agirão nesse vácuo criado por Washington. Por mais habilidosa que seja, a chancelaria russa não consegue controlar toda a mesa de discussões. Logo se não houver consenso entre os beligerantes (o que é quase impossível), Putin e Lavrov terão dificuldades em obter um denominador que agrade a todos[4], ou que ao menos seja aceito por todos. Pelo fato da China não ter participado do conflito na Síria, a retirada das tropas norte-americanas do Oriente Médio é uma boa notícia para Pequim. Como pode ser visto em outros casos (Venezuela, Rússia, Irã), a política externa chinesa se aproveita das linhas de menor resistência para servir como uma alternativa ao papel dos EUA. Não estranha, portanto, a função que Pequim deverá exercer como responsável pela reconstrução da Síria. É importante ressaltar que a Síria faz parte da Nova Rota da Seda, e com a redução do papel norte-americano no Oriente Médio, Pequim apresenta-se como um parceiro viável e com grandes interesses estratégicos na região. Em 2018, por exemplo, a China apresentou o “Plano de Reconstrução da Síria” que compreende um fundo de dois bilhões de dólares para a construção de uma área industrial capaz de hospedar mais de 150 companhias chinesas. No entanto, se por um lado o afastamento norte-americano do Oriente Médio representa oportunidades para a China, pode também sinalizar o redirecionamento das forças norte-americanas para a contenção da China na região da Ásia-Pacífico em uma mudança do pensamento estratégico dos formuladores de política da Casa Branca. Já o Irã, enxerga de maneira positiva a presente situação no conflito sírio. Com grande quantidade de efetivos (regulares e irregulares) e equipamentos militares, Teerã não teria dificuldade em direcionar o governo sírio para retomar essas localidades com o uso da força. Outro ponto de interesse é na possibilidade de Teerã, via a falta de um adversário na região Norte da Síria, de com facilidade, conectar por via terrestre, todos os membros do chamado “Eixo de Resistência” (Irã, Síria e Hezbollah, utilizando o Iraque como ligação e que também possui grande população xiita), para a implementação das operações de resistência contra Israel, inimigo estratégico do Governo Iraniano. Por outro lado, Teerã considera a retirada das forças estadunidenses da Síria como um primeiro passo para que outras nações árabes tentem projetar sua influência dentro da Síria. Isso ocorreria com a reaproximação dos países árabes que isolaram Damasco no início da Guerra Civil. Na última semana, os Emirados Árabes Unidos reabriram sua embaixada no país, sinalizando que outros países árabes, como a Arábia Saudita, futuramente o  façam. Como os países do Golfo possuem mais recursos financeiros que o Irã, estes poderiam tentar cooptar Assad a não cooperar com os iranianos. Essa preocupação decorre do fato de que mesmos aliados, a Síria permaneceu próximo ao Irã não apenas pela proximidade entre as populações alauita síria e xiita iraniana, mas também porque não havia ninguém mais na região pronto a ajudar Assad a vencer a guerra[5]. Considerando a projeção de poder saudita sobre o Líbano, é de se presumir que os países do Golfo vão tentar servir como fiadores de um novo pacto de Assad com a maioria sunita do país. Para o governo sírio, em Damasco, a retirada das forças estadunidenses foi uma notícia muito boa e isso acontece por dois distintos motivos. O primeiro é que a saída dos estadunidenses enfraquece os grupos opositores, que hoje estão encapsulados no Norte do país, e que contavam com a presença dos EUA para “constranger” as ações das forças legalistas e seus aliados iranianos e russos. Também pode vir a baixar a moral das forças da SDF, que com medo de uma invasão turca, viriam até Assad para negociar, de preferência sob termos lucrativos para Damasco, como o abandono da ideia de federalização da Síria. O segundo motivo é que o recuo das forças estadunidenses sinalizaria aos Estados que financiam a oposição, de que Assad venceu (ou vencerá) logo o conflito, e que é hora de restabelecer laços  políticos e econômicos. Isso praticamente isola Israel na região (que ainda demanda a deposição de Assad) e de quebra, permitirá a Assad escolher em quais termos irá se engajar com os seus vizinhos no médio prazo[6]. Por fim, parece que se inicia uma nova fase do conflito na Síria. As razões da decisão do Governo Trump de retirar as tropas do Oriente Médio ainda não estão evidentes e qualquer afirmação pode ser precipitada. No entanto, cabe avaliar no futuro, se a decisão do Governo Trump não estaria ligada a uma saída do conflito que sirva como instrumento político para as eleições de 2020. Além disso, outra análise possível é o do reordenamento estratégico da política externa norte-americana focando na contenção da China e apontando baterias para o eixo Ásia-Pacífico. O certo é que o Governo Trump, ao contrariar o desejo de aliados regionais e favorecer os adversários com interesse na Síria, parece demonstrar mais um sintoma da queda da projeção global de força dos EUA. A atual administração parece tentar também solucionar conflitos domésticos operando com o intuito de atingir os interesses da elite política e econômica presentes dentro do seu governo.  Por consequência, há no Oriente Médio menos excedentes de poder fáticos, duros, da Superpotência (e seus ex-aliados ou quase-aliados europeus) diante do aumento da importância dos potências regionais (Israel, Turquia, Arábia Saudita e Irã), além da evidente presença quase como árbitra de conflitos por parte da Rússia. Ressaltamos que toda “análise internacional” quase sempre enxerga o “tabuleiro” de cima para baixo, mimetizando o comportamento, ou a projeção de mentalidades das Potência, fazendo uma construção ideológica hegemônica com aparência de “leitura geopolítica”. Tentamos fugir destes clichês colonizados, mas observando o comportamento dos EUA, isso nem sempre é possível. No cenário concreto e complexo da Guerra da Síria, do Grande Oriente Médio, do Mundo Árabe, Mundo Islâmico e Ásia Central, uma afirmação é certa: as potências, a Superpotência, tem capacidade de instabilizar, de gerar caos, mas nunca uma nova ordem, menos ainda um ordenamento que favoreça o conjunto de agrupamentos étnicos, religiosos e culturais, quiçá uma ordem econômica menos injusta. A saída na Síria se encontra nos poderes locais, onde há permeabilidade das demandas sociais, a começar pela própria existência da DFNS, ou seja, da resistência democrática, pluriétnica, igualitária e não sectária de Rojava. Se Damasco conseguir conviver com isso, o conflito está “solucionado”, restando “apenas” o impasse através da imposição de derrotas militares sobre a segunda maior força militar ainda na OTAN, a Turquia sob ditadura constitucional de Recep Tayyip Erdogan e seu projeto neo-otomano imperial.   *Pedro Guedes é graduado em relações internacionais e acadêmico de direito; Augusto Colório é graduado em relações internacionais e mestrando na área; Bruno Lima Rocha é professor de relações internacionais e de jornalismo, doutor em ciência política e especialista em Oriente Médio. Todos são membros do Grupo de Pesquisa Capital e Estado (capetacapitaleestado.wordpress.com)   (#Envolverde) O post A retirada das tropas dos EUA da Síria: do vazio da superpotência para o conflito regional por influência? apareceu primeiro em Envolverde - Revista Digital. The post A retirada das tropas dos EUA da Síria: do vazio da superpotência para o conflito regional por influência? appeared first on IPS em português.

Categorias: Internacionais

Governo liberou registros de agrotóxicos altamente tóxicos

Pública - sex, 18/01/2019 - 15:40

Quarenta novos produtos comerciais com agrotóxicos receberam permissão para chegar ao mercado nos próximos dias. O Ministério da Agricultura publicou no Diário Oficial da União de 10 de janeiro o registro de 28 agrotóxicos e princípios ativos. Entre eles um aditivo inédito, o Sulfoxaflor, que já causa polêmica nos Estados Unidos. Os outros são velhos conhecidos do agricultor brasileiro, mas que agora passam a ser produzidos por mais empresas e até utilizados em novas culturas, entre elas a de alimentos.

Na edição desta sexta-feira (18/1) do Diário Oficial, a Coordenação-Geral de Agrotóxicos e Afins do Ministério Agricultura publicou lista com mais 131 pedidos de registro de agrotóxicos solicitados nos últimos três meses de 2018. Eles ainda passarão por avaliações técnicas de três órgãos do governo.

Especialistas ouvidos pela reportagem apontam uma aceleração na permissão de novos registros, que estaria em “nível desenfreado”.

As autorizações publicadas em 10 de janeiro foram aprovadas no ano passado, ainda durante o governo de Michel Temer (MDB). Nas duas primeiras semanas do governo Bolsonaro, mais 12 produtos receberam registro para serem comercializados, segundo apuraram a Agência Pública e a Repórter Brasil. A aprovação sairá no Diário Oficial nos próximos dias, diz o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência BrasilNas duas primeiras semanas do governo Bolsonaro, já foram aprovados 12 agrotóxicos e princípios ativos no Brasil Dos 28 produtos já publicados, um é considerado extremamente tóxico, o Metomil, ingrediente ativo usado em agrotóxicos indicados para culturas como algodão, batata, soja, couve e milho. Além dele, quatro foram classificados como altamente tóxicos. Quase todos são perigosos para o meio ambiente, segundo a classificação oficial. Quatorze são “muito perigosos” ao meio ambiente, e 12, considerados “perigosos”. Os mais tóxicos são o Metomil e o Imazetapir, o qual foi emitido registro para quatro empresas. Eles são princípios ativos, ou seja, ingredientes para a produção de agrotóxicos que serão vendidos aos produtores rurais. Apenas três fazem parte do grupo de baixa toxicidade, o menor nível da classificação toxicológica: o Bio-Imune, Paclobutrazol 250 e o Excellence Mig-66, indicados para culturas de manga e até mesmo para a agricultura orgânica. Segundo o Ministério da Agricultura, os produtos não trazem riscos se usados corretamente. “Desde que utilizado de acordo com as recomendações da bula, dentro das boas práticas agrícolas e com o equipamento de proteção individual, a utilização é completamente segura”, afirmou a assessoria de imprensa do órgão. Dos 28 produtos com o registro publicado na última semana, 18 são princípios ativos e serão usados na produção de outros defensivos agrícolas. Vinte e um deles são fabricados na China, país que vem se consolidando como um dos maiores produtores, exportadores e usuários de agrotóxicos do mundo. No ano passado, 450 agrotóxicos foram registrados no Brasil, um recorde histórico. Destes, apenas 52 são de baixa toxicidade. !function(e,t,s,i){var n="InfogramEmbeds",o=e.getElementsByTagName("script")[0],d=/^http:/.test(e.location)?"http:":"https:";if(/^\/{2}/.test(i)&&(i=d+i),window[n]&&window[n].initialized)window[n].process&&window[n].process();else if(!e.getElementById(s)){var r=e.createElement("script");r.async=1,r.id=s,r.src=i,o.parentNode.insertBefore(r,o)}}(document,0,"infogram-async","https://e.infogram.com/js/dist/embed-loader-min.js"); Total de Agrotóxicos registrados por Ano Infogram Sulfoxaflor ligado ao extermínio de abelhas Um produto polêmico fora do país é o Sulfoxaflor, aprovado nos últimos dias do governo Temer, em 28 de dezembro, o único novo químico entre os 40 que tiveram o registro publicado. Antonio Cruz/Agência BrasilNos últimos dias do governo Temer, foram aprovados 28 agrotóxicos e princípios ativos O responsável pelo registro é a Dow AgroSciences, que faz parte da gigante americana Dow Chemical Company. O produto entrou em circulação nos EUA em 2013. Dois anos depois, organizações defensoras de polinizadores levaram ao Tribunal de Apelações de São Francisco a denúncia de que o uso do pesticida estaria ligado ao extermínio de abelhas. Eles solicitaram revisão da permissão de comercialização. “O tribunal considerou que o registro não era apoiado por evidências que demonstrassem que o produto não era prejudicial às abelhas, e por isso retiraram o registro”, relata a decisão da Agência de Proteção Ambiental Americana (EPA). Em setembro daquele ano, o registro de todos os produtos à base de Sulfoxaflor nos Estados Unidos foram cancelados devido ao potencial extermínio de abelhas. No ano seguinte, a agência americana deferiu uma nova licença para o produto, mas com ressalvas. “O Sulfoxaflor terá agora menos usos e requisitos adicionais que protegerão as abelhas. A EPA tomou essa decisão após uma análise cuidadosa dos comentários do público e do apoio científico”, informou a agência. A partir daí, o produto passou a ser proibido para culturas de sementes e só pode ser utilizado em plantações que atraem abelhas após a época do florescimento. Entre elas estão uva, tomate, pimenta, batata, feijão e cranberry. As avaliações da Anvisa e do Ibama classificaram o Sulfoxaflor como medianamente tóxico e perigoso ao Meio Ambiente. É usado como ativo para agrotóxicos eficazes contra pragas de insetos que se alimentam de seiva da planta. Foi indicado para culturas de algodão, soja, citros, nozes, uvas, batatas, legumes e morangos. A Dow AgroSciences abriu a solicitação de registro em 28 de junho de 2013, mas a aprovação do projeto só se apressou no fim de 2018. “A Anvisa convocou consulta pública para o produto no fim de novembro, que durou curtíssimo tempo. Com isso, debateu-se pouco um ativo que nos Estados Unidos chegou a ser proibido por um tempo”, explica Karen Friedrich, membro do grupo temático de saúde e meio ambiente da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco). A Anvisa abriu a consulta pública durante 30 dias em 23 de novembro de 2018. O deferimento do registro pelos três órgãos ocorreu 35 dias depois. Proibidos fora do país Dos 40 registros aprovados no Brasil, 11 não são permitidos na União Europeia. Um deles é o Fipronil, inseticida que age nas células nervosas dos insetos e, além de utilizado contra pragas em culturas de maçã e girassol, é usado até mesmo em coleiras antipulgas de animais domésticos. O produto é proibido em países europeus como a França, desde 2004, também acusado de dizimar enxames de abelhas. É permitido no Brasil e, segundo o registro publicado no Diário Oficial, classificado como medianamente tóxico e muito perigoso ao meio ambiente. Ele é legalizado e indicado para culturas de algodão, arroz, cevada, feijão, milho, pastagens, soja e trigo. PixabayA substância Sulfoxaflor causou polêmicas e chegou a ser proibida nos Estados Unidos A importância da preservação das abelhas é a relação direta entre a vida dos insetos e da humanidade. Na busca por pólen, elas polinizam plantações de frutas, legumes e grãos. “Na França, os apiários registravam morte de cerca de 40% das abelhas, a partir daí países da Europa começaram a proibir o Fipronil, que continua permitido no Brasil mesmo após sofrermos impactos semelhantes”, explica Murilo Souza, professor de recursos naturais do Cerrado na Universidade Estadual de Goiás. Produtos à base de Imazetapir, herbicida aplicado por pulverização em culturas como a da soja, também são proibidos na União Europeia desde 2004. Quatro deles tiveram registro deferido por aqui. O Diquate, que está entre os ativos aprovados no Brasil na última semana, teve registro cassado na União Europeia no fim de 2018 após comissão de avaliação ter identificado alto risco para trabalhadores e residentes de áreas próximas à aplicação do produto, além de risco para aves. O Sulfentrazona foi banido em toda a União Europeia em 2009 e nunca chegou às mesas do continente. Já no Brasil, o registro foi deferido no fim do ano para as empresas brasileiras Tradecorp, Rotam e da Nortox – todas têm indústrias na China como endereço de fabricante. E neste ano, mais três permissões, agora para as empresas brasileiras Ihara, Allierbrasil e Helm. Pressão para aprovar rápido Antes de chegar ao mercado, a substância precisa passar por avaliação do Ministério da Agricultura, Ibama e da Anvisa. Os órgãos fazem diversos testes para medir, por exemplo, o grau toxicológico e o potencial de periculosidade ambiental. O prazo de avaliação de registro pode chegar a cinco anos, mas vem se tornando mais rápido. De acordo com o Ibama, a diminuição dos períodos de avaliação ocorre “devido ao aperfeiçoamento de procedimentos e incorporação de novos recursos de tecnologia de informação”, segundo a assessoria do órgão. Já no Ministério da Agricultura, a aprovação mais rápida se deve a uma nova política que prioriza os produtos de baixa toxicidade, que contêm organismos biológicos, microbiológicos, bioquímicos, semioquímicos ou extratos vegetais. Para estes, o tempo médio total entre o pedido de registro e a conclusão do processo varia de três a seis meses. O que explica a rápida aprovação do Bio-Imune e do Excellence Mig-66. Antonio Cruz/ Agência BrasilA nova ministra da Agricultura, Tereza Cristina, recebeu o apelido de “musa do veneno” O longo prazo de avaliação do registro é uma das principais críticas dos ruralistas, que apostam no Projeto de Lei 6.299/2002 para acelerar a liberação das substâncias. Conhecido pelos opositores como “PL do Veneno”, uma das medidas previstas pelo texto é que, caso o período de análise do químico passe de dois anos, o produto ganha o registro automaticamente. No momento, o Ministério da Agricultura, a Anvisa e o Ibama estão avaliando o pedido de registro de mais 1.345 agrotóxicos e ingredientes ativos. Grande parte das empresas que querem vender esses produtos no Brasil é do exterior, como Estados Unidos, Alemanha e, principalmente, a China. Como “farmácias em cada quadra” Dos 40 produtos autorizados, 39 são ingredientes ativos ou pesticidas já permitidos no país. O pedido de registro de um produto anteriormente liberado é comum, segundo quatro especialistas consultados pela reportagem. “A partir do momento que as empresas produtoras iniciais perdem a patente, as demais começam a solicitar registro para usar esses ingredientes ativos e produzir novos produtos agrícolas”, explica Murilo Souza, da Universidade Estadual de Goiás. Para Leonardo Melgarejo, vice-presidente da regional sul da Associação Brasileira de Agroecologia, a aprovação dos registros está em ritmo “desenfreado”. “Temos aprovadas variações sobre o mesmo item. Não precisamos de todos os produtos comerciais para uma mesma finalidade. Estamos chegando perto do lance da ‘automedicação’, com duas farmácias em cada quadra, todas vendendo variantes das mesmas drogas”, afirma. Para o professor Murilo Souza, é surpreendente a rapidez com que as aprovações vêm ocorrendo. Ele critica também o fato de que produtos originalmente aprovados para determinada cultura sejam liberados para outras. “A maioria dos produtos são testados apenas em plantações de grande escala, como soja, algodão e cana de açúcar. Poucas pesquisas são feitas para entender os impactos nas culturas menores”, explica.

Categorias: Internacionais

Un nuevo fantasma atormenta a Europa

IPS español - sex, 18/01/2019 - 14:23

Roberto SavioPor Roberto SavioROMA, Jan 18 2019 (IPS) A partir de la derrota de Theresa May en el parlamento británico ha quedado claro que un nuevo fantasma está atormentando Europa. Ya no se trata del fantasma del comunismo que destapó el Manifiesto de Marx en 1848, sino del fantasma del fracaso de la globalización neoliberal, que ha regido sin oposición desde la caída del muro de Berlín hasta la crisis financiera de 2009. Los gobiernos gastaron en 2008 la asombrosa cifra de 62 billones (millones de millones) de dólares para salvar el sistema financiero y casi la misma cantidad en 2009 (ver 2017 Britannica book of the year). Según el estudio publicado por el Banco de Reserva Federal, esto sucedió a un costo de 70.000 dólares por cada estadounidense. Las instituciones económicas abandonaron con retraso la macroeconomía que estaban utilizando hasta entonces para evaluar el crecimiento del producto interno bruto (PIB) y comenzaron a interesarse en la forma en que se redistribuía el crecimiento. Por ende, el Fondo Monetario Internacional (FMI), el Banco Mundial (también debido a la insistencia de los estudios de la sociedad civil, sobre todo los elaborados por la organización humanitaria Oxfam), llegaron a la conclusión que se estaba gestando un enorme problema de desigualdad. Por supuesto, si los 117 billones de dólares se hubieran distribuido a la gente, ese dinero habría provocado una notable expansión del consumo, aumentando las manufacturas, los servicios y los fondos para las escuelas, los hospitales, la investigación, etc. Pero los pueblos quedaron totalmente marginados de las prioridades del sistema. Bajo el gobierno de Matteo  Renzi en Italia, 20.000 millones de dólares fueron destinados a salvar cuatro bancos, mientras que los subsidios para la juventud italiana podían calcularse ese mismo año en mil millones de dólares en el mejor de los casos. Por tanto, después de la crisis de 2008-2009 todo se desintegró. En todos los países de Europa (con excepción de Portugal y España, que ahora se ha puesto al día) surgieron partidos populistas de derecha y el sistema político tradicional comenzó a desmoronarse. Los nuevos partidos resultaban atractivos para los perdedores de la globalización: los obreros cuyas fábricas habían sido trasladadas a donde los costos fueran más bajos para maximizar las utilidades; los pequeños tenderos desplazados por la llegada de los supermercados; los que quedaron redundantes ante las nuevas tecnologías, como la Internet, en el caso de las secretarias; los jubilados cuyas pensiones quedaron congeladas para reducir el déficit nacional (en los últimos 20 años la deuda pública se había duplicado a nivel mundial). Se había abierto una nueva brecha entre quienes disfrutaban de la globalización y los que fueron sus víctimas. Es evidente que el sistema político estimó que debía rendir cuentas a los ganadores y los presupuestos se inclinaron a su favor.  Los centros de población tuvieron prioridad porque ahora vivían en ellos 63 por ciento de los ciudadanos. Los perdedores se concentraban mayormente en el ámbito rural, donde se hicieron muy pocas inversiones de infraestructura. Por el contrario, con el pretexto de la eficiencia, se cortaron muchos servicios: líneas de ferrocarril suspendidas y hospitales, escuelas y bancos cerrados. La gente se vio obligada a trasladarse con frecuencia varios kilómetros para ir al trabajo y a utilizar un auto para ello. Un aumento modesto de los precios del combustible provocó la rebelión de los chalecos amarillos. No ayudó que de los 40.000 millones que obtiene el gobierno francés de los impuestos a los recursos energéticos, menos de la cuarta parte regresó a favor de la infraestructura del transporte o de los servicios. Las universidades, los hospitales y otros servicios en los centros de población sufrieron mucho menos, fueron focos de excelencia donde no faltó el transporte público, y una nueva brecha se abrió entre esas poblaciones y las del ámbito rural, entre los que habían cursado estudios y recibido instrucción y los que quedaban alejados y atomizados en el interior. Surgió una nueva brecha y el pueblo votó en contra del sistema de los partidos tradicionales que los había ignorado. Este mecanismo fue el que elevó a Donald Trump al poder y provocó la victoria del Brexit en Gran Bretaña. Esta brecha está provocando la eliminación de los partidos tradicionales y auspiciando el regreso del nacionalismo, la xenofobia y el populismo. No está trayendo de vuelta a la derecha ideológica sino a las derechas e izquierdas viscerales, con escasa ideología. Todo esto debiera ser obvio … El sistema está dirigiendo su atención a los perdedores por primera vez, pero ya es demasiado tarde. La izquierda está pagando la drástica ilusión del británico Tony Blair, quien, considerando que la globalización es inevitable, decidió que sería posible dejarse llevar en la cresta de la ola. Entonces, la izquierda perdió contacto con las víctimas y mantuvo la lucha por los derechos humanos como su principal identidad que la distinguía de la derecha. Eso fue bueno para las ciudades, donde los gays y el resto de los LGBT, las minorías (y las mayorías, como las mujeres) podían congregarse, pero distaba de ser una prioridad para los del interior. Mientras tanto, las finanzas continuaron creciendo, convirtiéndose en sí mismas en un mundo que ya no estaba vinculado a la industria y los servicios, sino a la especulación financiera. La política pasó a ser subordinada. Los gobiernos rebajaron los impuestos a quienes escondieron la increíble cantidad de 62 billones de dólares en paraísos fiscales, según lo señala Tax Justice Network. Se estima un flujo anual de 600.000 millones de dólares, el doble del costo de los Objetivos del Milenio de las Naciones Unidas. Además, los Papeles de Panamá, aunque solo revelaron un pequeño número de propietarios de cuentas, identificaron al menos a 140 políticos importantes de 64 países: el primer ministro de Islandia (que se vio obligado a renunciar), Mauricio Macri de Argentina, el presidente Petro Poroshenko de Ucrania, un grupo de socios cercanos al ruso Vladimir Putin, el padre del británico David Cameron, el primer ministro de Georgia, y así sucesivamente. No es de extrañar que los políticos hayan perdido su brillo y que ahora se los considere corruptos, inútiles o ambas cosas. En el actual orden económico, el francés Emmanuel Macron actuó racionalmente rebajando el impuesto a los ricos para atraer inversiones. Pero ignoró por completo que para aquellos franceses que tienen dificultades para llegar al fin del mes, ésta era una prueba de que estaban siendo totalmente ignorados. Y los sociólogos coinciden en que la verdadera “primavera” de los chalecos amarillos fue su búsqueda de la dignidad. Es irónico que los partidos británicos, especialmente el  Conservador y el Laborista, debieran estar agradecidos por el debate sobre el Brexit. Es obvio que el Reino Unido está cometiendo un suicidio, tanto en términos económicos como estratégicos. Con un Brexit ‘duro’, sin acuerdo alguno con la Unión Europea, podría perder al menos el siete por ciento de su PIB. Empero, la brecha que permite la victoria del Brexit en todos los pueblos, las ciudades, los sectores económicos y financieros, los académicos, los intelectuales y todas las instituciones, ha confirmado el temor de los habitantes del interior. Pertenecer a la Unión Europea era rentable para las élites, pero no para ellos. Escocia votó en contra porque ahora tiene un programa distinto al de Inglaterra. Y esta brecha no va a cambiar con un nuevo referendo. El hecho de que Westminster, la cuna de la democracia parlamentaria, no sea capaz de alcanzar un compromiso es una prueba fehaciente de que el debate no es político sino un choque de mitologías, como la idea de retornar al antiguo Imperio Británico. Es semejante a la idea de Trump de reabrir minas de carbón. Contemplamos un pasado mítico como si fuera nuestro futuro. Esto es lo que propició la explosión del populismo extremista de Vox en España, por parte de quienes creen que la vida en la época del dictador Francisco Franco (1939-1975) era más fácil y barata, que no había corrupción, que las mujeres se quedaban en su lugar y que España era un país unido, sin los separatistas de Cataluña y el País Vasco. Corresponde a lo que Jair Bolsonaro está explotando en Brasil, presentando a la dictadura militar como una etapa en que la violencia era limitada. Nuestro futuro es el pasado… En consecuencia, esta brecha –una vez que Gran Bretaña resuelva de una manera u otra su dilema del Brexit– pasará a ser parte integral de la política normal y provocará, como en otras partes, un declive dramático de los dos principales partidos tradicionales. A menos que, mientras tanto, los partidos populistas, xenófobos y nacionalistas se hagan cargo del gobierno y demuestren que no tienen la respuesta a los problemas que han identificado tan acertadamente. Periodista italo-argentino, Roberto Savio  fue cofundador y director general de Inter Press Service (IPS), de la que ahora es presidente emérito. En los últimos años también fundó Other News, un servicio que proporciona “información que los mercados eliminan”.  Artículos relacionados

El artículo Un nuevo fantasma atormenta a Europa fue publicado originalmente en IPS Agencia de Noticias.
Categorias: Internacionais

Agricultura familiar libra una batalla difícil en Argentina

IPS español - sex, 18/01/2019 - 13:18

Uno de los mercados callejero de frutas y verduras de Buenos Aires. El predominio de un modelo agrícola destinado a la exportación, basado en cultivos transgénicos y con uso masivo de agroquímicos, les pone las cosas difíciles a quienes producen alimentos en forma sostenible, destinados a la población de Argentina. Crédito: Daniel Gutman/IPS Por Daniel GutmanBUENOS AIRES, Jan 18 2019 (IPS) “Nuestra filosofía se basa en dos principios: cero tolerancia a los venenos y a los patrones”, dice Leandro Ladrú, mientras pone tomates y zanahorias en la bolsa ecológica que le acerca una clienta, en un amplio salón de ventas de la capital argentina, ubicado entre depósitos y vagones de tren en desuso. Leandro y su pareja, Malena Vecellio, son dos jóvenes que cada sábado llegan hasta el Galpón de la Mutual Sentimiento, un espacio de economía social construido en madera con techo de latón, situado en el barrio de Chacarita, sobre el terreno de una de las principales estaciones ferroviarias de Buenos Aires. Allí, agricultores familiares ofrecen personalmente, cuatro veces por semana, alimentos producidos de manera natural y cobran sus ventas mediante una caja común, de cuya recaudación se descuenta una parte para pagar el alquiler del espacio.“Todo lo cosechamos a mano. Es mucho trabajo y requiere paciencia. Una planta de brócoli que con agroquímicos está lista en un mes, a nosotros nos demora varios meses. Pero sabemos que vale la pena”: Enrique García. En un país que en los últimos 20 años se entregó prácticamente por entero a un modelo de producción agrícola basado en cultivos transgénicos destinados a la exportación, con masivo uso de agroquímicos, el proyecto de esta pareja de agricultores –con el nombre de Semillero de Estrellas- es un acto de resistencia. Los productos transgénicos, que comenzaron a sembrarse en esta potencia agrícola en 1996, cubren unas 25 millones de hectáreas en el país,  tres cuartes de la superficie dedicada a la agricultura. Hoy son genéticamente modificadas casi 100 por ciento de las semillas sembradas de los cultivos que ocupan más territorio: soja y maíz. También es transgénico casi todo el algodón. El modelo avanza y de hecho, al finalizar 2018, el gobierno aprobó la comercialización de un nuevo producto alimenticio genéticamente modificado: una papa resistente al virus, que fue promocionado como el primero desarrollado íntegramente en el país. La agricultura transgénica está asociada en Argentina a un alto uso de agroquímicos. De hecho, el consumo de herbicidas, insecticidas y fertilizantes creció 850 por ciento entre 2003 y 2012, el último año en que se publicaron estadísticas. “En la zona en la que estamos nosotros, la mayoría de los pequeños productores anda con una mochila en la que cargan los agroquímicos que pulverizan sobre los  vegetales. Nosotros hacemos otra cosa: dejamos que las plantas crezcan a su ritmo”, contó Vecellio a IPS. La escasa sustentabilidad de la agricultura argentina está reflejada en el Índice de Sostenibilidad Alimentaria, elaborado por la fundación italiana Centro Barilla para la Alimentación y la Nutrición y la Unidad de Inteligencia de la revista británica The Economist. Se trata de un ranking que clasifica a 67 países de acuerdo al promedio obtenido en tres categorías: desperdicios de alimentos y agua, agricultura sostenible y desafíos nutricionales. Malena Vecellio y Leandro Ladrú, en su puesto de venta de vegetales ecológicos en la estación ferroviaria de Chacarita, en Buenos Aires, a donde llegan cada sábado desde Florencio Varela, en una de las zonas más pobres de la periferia de la capital argentina, con su producción y la de otros agricultores de parcelas vecinas. Crédito: Daniel Gutman/IPS Argentina figura en el 13 lugar de la clasificación, (por delante de las otras tres naciones latinoamericanas incluidas: Brasil, Colombia y México), pero su puntaje es muy bajo tanto en agricultura sostenible como en desafíos nutricionales. El pobre desempeño en esos dos rubros es compensando por una buena calificación en desperdicios de alimentos y agua. Iniciativas como la de Semillero de Estrellas van en la dirección de equilibrar esos dos déficits. Produce en un terreno de media hectárea en Florencio Varela, un municipio que está a solo 30 kilómetros al sur de la capital y es uno de los más pobres del llamado Gran Buenos Aires, que es el principal concentrador de pobreza del país. Ladrú y Veceillo comenzaron hace unos cuatro años a vender sus productos ecológicos en el Galpón de la Mutual Sentimiento. Primero viajaban en tren con sus mochilas cargadas de verduras y frutas y ahora ya lo hacen en su propio vehículo, en el que traen también los vegetales producidos por otros vecinos que también cultivan sin agroquímicos. Los agroquímicos se asocian generalmente a los transgénicos –la gran mayoría de los cuales fueron diseñados para tolerar el glifosato y otros herbicidas- pero estos también se utilizan en la producción de frutas y hortalizas que agricultores familiares realizan en el Gran Buenos Aires. En este país sudamericano de 44 millones de personas, con una brutal expansión de la agricultura industrial en las últimas décadas, el sector aporte  20 por ciento del producto interno bruto, al englobar las contribuciones directas e indirectas. Además, durante el primer semestre de 2018, solo las exportaciones de soja y maíz aportaron 9.762 Lmillones de dólares, 32 por ciento del total, según datos oficiales. Los desafíos de la agricultura familiar Pero los agricultores familiares resisten, son determinantes en la alimentación de los argentinos y son el ariete a favor de una agricultura más sostenible y un consumo alimentario más responsable. De acuerdo a datos del Censo Agropecuario 2002, se realiza en 250.000 establecimientos, produce 40 por ciento de los vegetales que se consumen en el país y da empleo a cinco millones de personas, que es cerca de dos por ciento de la población del país. Enrique García cultiva de manera ecológica vegetales en un terreno de cuatro hectáreas, cerca de Buenos Aires, y vende él mismo sus productos en un mercado de economía social que es compartido por distintas cooperativas sociales en la capital de Argentina. Crédito: Daniel Gutman/IPS Uno de los puntos álgidos es el de la comercialización de los productos. Ladrú explica que en las pequeñas unidades productivas está expandida la figura del mediero. “El mediero es el peón rural que trabaja en tierra que no es suya. Luego, le entrega lo que cosecha al dueño, que lo lleva al Mercado Central y le da la mitad de lo que recauda”, dijo a IPS. “El problema es que cuando el dueño no puede vender los vegetales, los termina usando para alimentos de los chanchos (cerdos) y el mediero no recibe dinero”, agregó. El acceso a la tierra y a créditos es un enorme obstáculo para los pequeños productores, a pesar de que en diciembre de 2014 se sancionó la Ley 27.118,  de Reparación Histórica de la Agricultura Familiar para la Construcción de una Nueva Ruralidad en Argentina, que declaró de interés público al sector. Esa norma creó un banco de tierras integrado por propiedades fiscales que debían ser adjudicados a familias campesinas e indígenas, que nunca se implementó. El descuido estatal tiene que ver con la ideología que prevalece en el gobierno del centroderechista Mauricio Macri, según notó en septiembre la turca Hilal Ever, relatora especial sobre el Derecho a a la Alimentación de las Naciones, Unidas, durante una visita a la Argentina. “Durante las entrevistas con funcionarios/as de la Secretaria de Agroindustria observé una tendencia a apoyar el modelo agroindustrial y a realizar serios recortes en el apoyo, el personal y el presupuesto del sector de la Agricultura Familiar, incluido el despido de casi 500 trabajadores/as y expertos/as”, escribió en su informe. Ever reclamó al gobierno que favorezca un equilibrio entre la agricultura industrial y la familiar. “El logro de dicho equilibrio sería la única manera de lograr una solución sostenible y justa para el pueblo argentino”, señaló. Los agricultores familias, en ese contexto, buscan caminos para subsistir. En el barrio de Palermo, en un antiguo mercado municipal con techo de hierro y vidrios, funciona el Mercado Solidario Bonpland, donde comercializan sus productores distintas cooperativas que nacieron con la brutal crisis económica de 2001. “Nuestro principio fundamental es que somos consumidores de nuestros propios productos. No hay trabajo esclavo, no hay reventa y todo es agroecológico”, explicó a IPS el productor Mario Brizuela, de la Cooperativa la Asamblearia, que reúne a unas 150 familias que producen desde vegetales hasta miel y conservas. Otro de los que vende en ese mercado es Enrique García, quien llega al barrio de Palermo con su camioneta cargada de vegetales desde el Parque Pereyra Iraola, un área de gran biodiversidad de más de 10.000 hectáreas, a unos 40 kilómetros al sur de Buenos Aires. “Tenemos unas cuatro hectáreas que compartimos con mi hermano y todos los que trabajamos en el campo somos familiares”, dijo a IPS mientras enseñaba un tallo de cebolla de verdeo con una cabeza varias veces más grande a la que suele conseguirse en las verdulerías de Buenos Aires. García agregó: “Todo lo cosechamos a mano. Es mucho trabajo y requiere paciencia. Una planta de brócoli que con agroquímicos está lista en un mes, a nosotros nos demora varios meses. Pero sabemos que vale la pena”. Edición: Estrella Gutiérrez Artículos relacionados

El artículo Agricultura familiar libra una batalla difícil en Argentina fue publicado originalmente en IPS Agencia de Noticias.
Categorias: Internacionais