Leitor de feeds

OMS Paquistão reconhece a contribuição dos EAU para os esforços de erradicação da poliomielite

IPS português - qua, 24/10/2018 - 19:09

ISLAMABAD, 24 de outubro de 2018 (WAM) – No Dia Mundial da Pólio, marcado em 24 de outubro, a Dra. Nima Saeed Abid, chefe do Escritório da Organização Mundial da Saúde no Paquistão, agradeceu aos Emirados Árabes Unidos (EAU) por sua contribuição nos esforços do Paquistão para erradicar a pólio.

Graças ao apoio da campanha de pólio da Emirates administrada pelo UAE Pakistan Assistance Programme (UAE-PAP), dezenas de milhões de crianças foram vacinadas contra a pólio desde o lançamento da campanha Emirates Polio em 2014.

Somente em 2017, mais de 12,8 milhões de crianças das áreas de alto risco do Paquistão se beneficiaram da assistência dos EAU através da administração de cerca de 96 milhões de casos de pólio. Entre janeiro e setembro de 2018, com a ajuda dos EAU, mais de 92 milhões de casos de poliomielite foram dados a cerca de 13,5 milhões de crianças no Paquistão.

O Paquistão continua sendo um dos três únicos países do mundo onde a poliomielite continua a circular, ao lado do Afeganistão e da Nigéria. O país registrou uma queda geral de 97% nos casos de poliovírus selvagem desde 2014 – os casos caíram de 306 para 54 em 2015, 20 em 2016 e apenas oito em 2017. Até agora, neste ano, seis casos foram registrados no Paquistão.

Dr. Abid reconheceu que o generoso apoio dos EAU contribuiu positivamente para o progresso do Paquistão nos esforços para erradicar a pólio desde 2014. Ele estendeu sua mais profunda gratidão aos Emirados Árabes Unidos e ao presidente Xeique Khalifa bin Zayed Al Nahyan; e o xeque Mohamed bin Zayed Al Nahyan, príncipe herdeiro de Abu Dhabi e vice comandante supremo das Forças Armadas dos Emirados Árabes Unidos, por seu compromisso inabalável com as campanhas de erradicação da poliomielite no Paquistão.

A campanha do Sheikh Mohamed Bin Zayed em parceria com a Fundação Bill e Melinda Gates forneceu uma contribuição conjunta de US $ 107 milhões entre 2014 e 2018 para melhorar as lacunas de imunidade através de uma série de campanhas de imunização bem planejadas e de alta qualidade nos distritos de maior risco, Balochistan, Khyber Pakhtunkhwa, FATA e Sindh.

O Dr. Abid disse que os Emirados Árabes Unidos são um dos inúmeros parceiros que desempenharam um papel vital no progresso do Paquistão na situação da poliomielite ao longo dos anos. “Com este apoio ao Paquistão, estou confiante de que o país em breve alcançará a meta de acabar com a pólio de uma vez por todas.”

No Dia Mundial da Pólio, o mundo presta homenagem a todos os parceiros que contribuíram para os esforços globais para erradicar a pólio, inclusive doadores, parceiros, funcionários do programa, funcionários e voluntários da linha de frente da pólio e pessoal de segurança. (#Envolverde)

O post OMS Paquistão reconhece a contribuição dos EAU para os esforços de erradicação da poliomielite apareceu primeiro em Envolverde - Revista Digital.

The post OMS Paquistão reconhece a contribuição dos EAU para os esforços de erradicação da poliomielite appeared first on IPS em português.

Categorias: Internacionais

El embargo estadounidense contra Cuba golpea donde más duele

IPS español - qua, 24/10/2018 - 14:18

El profesor Alberto Céspedes Castillo saluda a pacientes de la sala de pediatría del Instituto Nacional de Oncología y Radiobiología de El Vedado, ubicado en el municipio Plaza de La Revolución, de La Habana, en Cuba. Crédito: Jorge Luis Baños/IPS

Por Patricia Grogg
LA HABANA, Oct 24 2018 (IPS)

Con apenas tres años, la cubana Suelen Suárez, tiene un tumor que compromete la pelvis, parte de la nalga y una de sus piernas. “La están tratando desde enero y pronto será operada”, cuenta su abuela Milagros Miranda.

Menuda y parlanchina, la niña enfrenta la cámara fotográfica sin timidez alguna. Miranda, en tanto, se sorprende ante la pregunta de cuánto le costará la atención y la cirugía de la nieta. “Nooo, nada”, dice y añade que el servicio estatal de bienestar social en Bauta le ayuda en los traslados al hospital y otras necesidades.

La mujer ha recorrido este año en incontables ocasiones los 24 kilómetros que separan a ese municipio y La Habana, para acompañar a la pequeña en el Instituto Nacional de Oncología y Radiobiología, centro rector de la especialidad en el país.“Nos persiguen. Somos el único país obligado a decir el destino final de las compras de medicamentos. Eso es criminal, genocida, saber que se están muriendo los pacientes y prohibir la venta a Cuba. Esto no tiene nada que ver con la política, se trata de la salud de un pueblo. Es un genocidio”: Juan Oliva.

Ante la segunda pregunta de IPS no hay sorpresa: ¿Ha notado si el bloqueo de Estados Unidos afecta de algún modo la atención de Suelen u otros niños?

“Sí, a veces hay complicación con medicamentos que son los mejores y no se pueden comprar en Estados Unidos. Pero vemos cómo se lucha por los pacientes y el tratamiento no se interrumpe”, señala.

La sala de pediatría a la que tuvo acceso IPS tiene en este momento 20 pacientes, entre niños y niñas provenientes de todo el país. “Atendemos infantes con tumores del sistema nervioso central, linfomas, tumores sólidos como los óseos, entre otras patologías”, señaló la médica Mariuska Forteza, especialista de oncopediatría.

La profesional comentó que es una situación “bien difícil” cuando un paciente necesita un fármaco determinado y no está disponible por el embargo. Mencionó la imposibilidad de comprar en Estados Unidos el fármaco Temozolamida, que constituye la primera línea de tratamiento quimioterapéutico para tumores cerebrales malignos.

“Eso  nos frustra mucho, pero  no nos quedamos con las manos cruzadas,  buscamos alternativas”, señaló. ”Felizmente ahora tenemos el Nimotuzumab, producto cubano que está dando muy buenos resultados y nos ha ayudado a aumentar la sobrevivencia y mejorar la calidad de vida de estos pacientes”, añadió Forteza.

La salud es uno de los sectores más sensibles entre los afectados en Cuba por el embargo estadounidense, cuyo impacto acumulado en esta área por esa política de casi seis décadas se estima en más de 2.700 millones de dólares, debido a los  mayores gastos que implica la compra de productos y tecnologías en mercados geográficamente distantes.

Sea un fármaco, un equipo de alta tecnología, reactivos, piezas de repuesto para medios de diagnóstico y tratamiento, instrumental médico u otros insumos necesarios para el funcionamiento del sector, aumentan su costo por fletes, trasbordo, manipulación, almacenaje y el uso de intermediarios en las operaciones comerciales.

Suelen Suárez, de tres años, y su abuela Milagros Miranda, residentes en un municipio cercano a La Habana, mientras dialogan con IPS en un corredor del Instituto Nacional de Oncología y Radiobiología de El Vedado, en la capital cubana, donde la niña es tratada de un tumor. Crédito: Jorge Luis Baños/IPS

Según el informe sobre el impacto del bloqueo, como se denomina en Cuba al embargo, entre abril de 2016 y junio de 2017, Cuba debió enviar a un grupo de pacientes y sus acompañantes para ser atendidos en el extranjero, pues sus hospitales carecen de algunas tecnologías o equipamientos producidos en Estados Unidos para tratar ciertas patologías.

“Estas tecnologías pudieron importarse desde los Estados Unidos de no existir el bloqueo, y los pacientes habrían sido atendidos en su país”, detalló el documento presentado ante la Asamblea General de la Organización de Naciones Unidas (ONU), el 1 de noviembre de 2017.

El costo de ese esfuerzo asumido por el estado cubano que garantiza la gratuidad de los servicios de salud a su población de 11,2 millones fue de casi 1,7 millones de dólares. En su demanda de cese del bloqueo de 2018, La Habana estima que las prohibiciones le han costado en total 4.321.200 millones de dólares entre abril de 2017 hasta marzo de este año.

En este último período, Cuba no pudo adquirir en el mercado estadounidense, entre otros productos, el óxido nítrico,  usado para la prevención o el tratamiento eficaz de las crisis de hipertensión pulmonar aguda, las cuales pueden ser graves e incluso mortales.

Entre el ocho y el 10 por ciento de las operaciones anuales del Cardiocentro Pediátrico William Soler, son realizadas a niños que padecen esta enfermedad. Debido a su contenido potencialmente explosivo, el óxido nítrico solo puede ser transportado en barco y por tiempos cortos, lo que impide su traslado desde lugares lejanos.

“Nos persiguen. Somos el único país obligado a decir el destino final de las compras de medicamentos. Eso es criminal, genocida, saber que se están muriendo los pacientes y prohibir la venta a Cuba.  Esto no tiene nada que ver con la política, se trata de la salud de un pueblo. Es un genocidio”, advirtió ante IPS el médico Juan Oliva.

Graduado en 1965, este especialista en medicina nuclear y oncología ha vivido y desarrollado su carrera profesional bajo las presiones del embargo, al igual que el médico Alberto Céspedes, exdirector del Instituto de Oncología y miembro de su consejo de dirección.

Los especialistas Elías Gracia Medina, Alberto Céspedes Castillo y Juan Perfecto Oliva (de izda a dcha) ofrecen declaraciones a IPS, en el salón de reuniones del Instituto Nacional de Oncología y Radiobiología de El Vedado, un centro de referencia en Cuba, situado en La Habana. Crédito: Jorge Luis Baños/IPS

 

Céspedes, de 82 años, insistió a IPS en que el bloqueo es una agresión contra todo el pueblo de su país. Ante quienes sostienen la tesis de que es una justificación oficial para justificar errores o deficiencias, dijo desafiante: “Que lo quiten y vamos a ver qué sucede”.

En opinión del médico Elías Gracia, jefe del servicio de oncología médica, unas relaciones comerciales normales con Estados Unidos permitirían a las farmacéuticas estadunidenses vender libremente sus “fármacos innovadores” a Cuba, con beneficio inmediato para los servicios de salud de la isla caribeña.

El acceso al mercado estadounidense redundaría en una “mejor calidad de los tratamientos para los pacientes, mayor supervivencia, les estaríamos brindando el mejor tratamiento de los que se recomiendan como estándares en el mundo para distintas patologías”, señaló.

El gobierno cubano  presentará nuevamente este 31 de octubre ante la ONU su demanda de cese del bloqueo.

En 2017, la resolución cubana contra el embargo obtuvo 191 votos a favor y dos en contra, correspondientes a Estados Unidos e Israel, su más fiel aliado. En 2016, Washington, siempre acompañado por Tel Aviv, optó por la abstención.

El anteproyecto de resolución, titulado ‘Necesidad de poner fin al bloqueo económico, comercial y financiero impuesto por los Estados Unidos de América contra Cuba”, señala que desde su aplicación en 1962 hasta la fecha el bloqueo comercial y financiero ha causado daños por más de 134.499.800  millones de dólares.

Debido a su codificación en leyes como las conocidas como  Torricelli (1992) y Helms-Burton (1996), la política de embargo solo puede ser desmontada por el legislativo Congreso estadounidense, en tanto las sucesivas condenas y llamados al cese del embargo en  la ONU no son vinculantes y no comprometen a Washington.

Edición: Estrella Gutiérrez

Artículos relacionados

El artículo El embargo estadounidense contra Cuba golpea donde más duele fue publicado originalmente en IPS Agencia de Noticias.

Categorias: Internacionais

Más de 200 millones de mujeres siguen sin anticonceptivos

IPS español - qua, 24/10/2018 - 13:14

En 2019, se cumplirán 50 años del Fondo de Población de las Naciones Unidas, que aboga por terminar con el matrimonio infantil y promueve los derechos en salud sexual y reproductiva. Crédito: UNFPA

Por Thalif Deen
OTTAWA, Oct 24 2018 (IPS)

La comunidad internacional conmemorará dos hitos en materia de población y desarrollo el año próximo, cuando se cumplirán 50 años del Fondo de Población de las Naciones Unidas y 25 del Programa de Acción, adoptado en la Conferencia Internacional sobre Población y Desarrollo (CIPD), realizada en El Cairo en 1994.

“Usemos esos importantes logros para iniciar una acción acelerada, juntos, aquí en Ottawa”, arengó la directora ejecutiva del UNFPA, Natalia Kanem, frente a 150 parlamentarios de más de 50 países reunidos en la capital canadiense.

Los legisladores se reunieron para revisar los avances logrados en varios de los indicadores socioeconómicos de la Agenda de la Organización de las Naciones Unidas en materia de salud reproductiva, mortalidad materna e infantil, planificación familiar, mutilación genital femenina, matrimonio precoz, empoderamiento de mujeres y equidad de género.

Es un momento de reflexión sobre algunas cuestiones fundamentales, observó Kanem.

“¿Hicimos justicia a la visión que los gobernantes articularon hace casi 25 años en El Cairo? ¿Qué logramos? ¿En qué estamos rezagados? ¿Para quiénes? ¿Por qué las intervenciones en materia de derechos y salud sexual y reproductiva se siguen cuestionando una y otra vez?”, se preguntó.

El mundo ha logrado grandes avances en las últimas décadas, como lo refleja el gran retroceso de la mortalidad materna y de los matrimonios infantiles, observó.

Cada vez mueren menos mujeres por causas vinculadas al embarazo y al parto, y cada vez son más las que utilizan métodos anticonceptivos modernos. Además, más niñas están escolarizadas.

“Sin embargo, más de 200 millones de mujeres y niñas todavía esperan acceder a anticonceptivos modernos. Y todos los años, hay casi 100 millones de embarazos no buscados”, observó Kanem.

Y más de 300.000 mujeres mueren durante el embarazo o el parto todos los años mientras decenas de miles de niñas siguen contrayendo matrimonio todos los días. Y persiste la epidemia de violencia contra mujeres y niñas, entre las que se cuenta la mutilación genital femenina, puntualizó.

La ministra de Desarrollo Internacional de Canadá, Marie-Claude Bibeau, señaló que su país está decidido a encabezar el debate en materia de equidad de género y dio la bienvenida a la conferencia, que concluyó el 23 de este mes, destacando que es un primer paso hacia la Conferencia Women Deliver, en 2019.

“Canadá está convencido de que si queremos maximizar el impacto de nuestras acciones y ayudar a erradicar la pobreza, debemos defender con fervor la equidad de género y los derechos de mujeres y niñas para que puedan tener una participación total en la sociedad”, añadió.

Con ese fin, Canadá se comprometió a movilizar apoyo internacional para los derechos en salud sexual y reproductiva de mujeres y niñas, ambos compromisos clave de la Política de Asistencia Internacional Feminista de Canadá.

La legisladora mexicana Martha Lucía Micher también se refirió a que “los cuerpos de las mujeres se están politizando”.

Por su parte, la senadora Catherine Noone, de Irlanda, dijo que las personas que están contra la legalización del aborto en su país dieron una teoría enrevesada sobre que los hombres buscarían tener más relaciones sexuales si se legalizaba la interrupción voluntaria del embarazo.

Es un escándalo que tantas mujeres y niñas tengan tan pocas opciones, subrayó Kanem.

“Convirtamos el escándalo en acción. Tener opciones puede cambiar el mundo. Ampliemos los derechos y las opciones para todos. Es clave para la igualdad de género y la única forma de promover la CIPD y las agendas para 2030”, alentó.

Mientras, el UNFPA tiene sus propios objetivos ambicioso para 2030, cuando vence el plazo para cumplir los 17 Objetivos de Desarrollo Sostenible:

• Cero necesidades insatisfechas en materia de planificación familiar;

• Cero muertes maternas evitables;

• Cero violencia de género y prácticas perjudiciales para mujeres y niñas (incluido el matrimonio infantil y la mutilación genital femenina).

“Y nuestras acciones para lograr esos ceros se basarán en evidencia y en datos sobre población de calidad”, observó.

“El censo de 2020 es una importante pieza del rompecabezas, y estamos mejorando nuestra preparación. Cuando todo el mundo esté contado, podremos identificar y alcanzar a quienes quedaron rezagados. Eso incluye a millones de mujeres y niñas”, añadió Kanem.

“Vuestro compromiso hacia los principios y objetivos del Programa de Acción de la CIPD allana el camino para conseguir más logros. Vuestra defensa de los derechos humanos, entre ellos los derechos reproductivos, la equidad de género, la participación pública y los principios democráticos son vitales”, arengó a los legisladores.

“En tanto que parlamentarios, tienen el poder de transformar las voces de nuestros pueblos en acciones concretas”, observó.

“Tienen el poder de marcar una verdadera diferencia. Los convoco a ustedes para proteger el preciado mandato que compartimos con el UNFPA. Nuestras mujeres, niñas y jóvenes no merecen menos”, añadió.

Traducción: Verónica Firme

Artículos relacionados

El artículo Más de 200 millones de mujeres siguen sin anticonceptivos fue publicado originalmente en IPS Agencia de Noticias.

Categorias: Internacionais

Funding boost for sustainable development data agreed at UN conference

UN SGDs - qua, 24/10/2018 - 13:11
In a declaration agreed at the close of the 2018 UN World Data Forum in Dubai on Wednesday, leaders in the field agreed on measures to boost funding for data and statistical analysis, to speed up progress towards the 2030 Sustainable Development Goals.
Categorias: Internacionais

Começa o Dubai Solar Show e WETEX

IPS português - ter, 23/10/2018 - 17:49

DUBAI, 23 de outubro de 2018 (WAM) – A Autoridade de Eletricidade e Água de Dubai (DEWA) está organizando o Dubai Solar Show e a 20ª Exposição de Água, Energia, Tecnologia e Meio Ambiente (WETEX 2018) de 23 a 25 de outubro no Dubai Centro Internacional de Convenções e Exposições.

Ambos os eventos são organizados sob as diretrizes do xeque Mohammed bin Rashid Al Maktoum, vice-presidente dos Emirados Árabes Unidos, primeiro-ministro e governante de Dubai, e sob o patrocínio do xeque Hamdan bin Rashid Al Maktoum, vice-governador de Dubai, ministro da Finanças e Presidente da DEWA.

O Dubai Solar Show cobrirá aproximadamente 14.000 metros quadrados, atraindo 125 expositores e mais de 10 patrocinadores de todo o mundo. O evento será realizado sob os guarda-chuvas da quinta sessão da Semana Verde e da quinta sessão da Cúpula Mundial de Economia Verde (WGES).

O evento servirá como uma importante plataforma para os setores público e privado para contratar e construir parcerias, analisar as mais recentes tecnologias no setor solar e projetos regionais atuais e futuros, bem como identificar as necessidades do mercado e participar de projetos e programas de energia solar.

“Organizar o terceiro Dubai Solar Show após o sucesso do segundo, destaca a liderança dos Emirados Árabes Unidos neste campo e sua posição de liderança no aumento da dependência da energia solar, transformando-se em uma economia verde que abraça a sustentabilidade no ambiente regional, sociedade e economia . Os EAU lideram a região na definição da futura iniciativa, em linha com a visão de sua liderança sensata. É por isso que investimos pesadamente em energia solar e definimos metas ambiciosas reforçadas por iniciativas inovadoras que contribuem para essas metas”, disse Saeed Mohammed Al Tayer, diretor executivo e CEO da DEWA e fundador e presidente da WETEX.

“As iniciativas lançadas por nossa liderança inteligente visam alcançar a liderança global nestes campos, notavelmente a iniciativa Economia Verde para o Desenvolvimento Sustentável, lançada pelo xeque Mohammed bin Rashid Al Maktoum, para melhorar a economia verde nos EAU, sob o tema ‘Economia Verde para Desenvolvimento Sustentável “e a Estratégia de Energia Limpa de Dubai 2050, que visa transformar Dubai em um centro internacional de energia limpa e economia verde”, acrescentou.

Al Tayer disse que o Dubai Solar Show tem um significado especial, pois oferece uma visão abrangente do futuro das energias renováveis ​​e solares, com o uso de novas tecnologias e inovações que impulsionarão o crescimento e o desenvolvimento neste campo. (#Envolverde)

O post Começa o Dubai Solar Show e WETEX apareceu primeiro em Envolverde - Revista Digital.

The post Começa o Dubai Solar Show e WETEX appeared first on IPS em português.

Categorias: Internacionais

DEWA Empenha Esforços para Energia Sustentável Segura no Dia Mundial da Energia 2018

IPS português - ter, 23/10/2018 - 17:42

DUBAI, 23 out 2018 (WAM) – Dubai Electricity e Water Authority (DEWA) está incentivando organizações e indivíduos nos Emirados Árabes Unidos (EAU) para usar eletricidade e água de forma responsável, promover a eficiência e a sustentabilidade da energia e aumentar a cota de energia limpa e renovável.

DEWA pediu por isso no Dia Mundial da Energia, que acontece todo dia 22 de outubro. Isso apoia os esforços do país para proteger o meio ambiente e os recursos naturais, reduz a pegada de carbono e promove o futuro sustentável para as gerações futuras.

Dia Mundial da Energia é uma iniciativa que foi aprovada pelo Sheikh Mohammed bin Rashid Al Maktoum, o vice-presidente, primeiro-ministro e soberano de Dubai, e adotado por 54 países, além das Nações Unidas, da Liga Árabe e da Comissão da União Africana durante o Fórum Mundial de Energia 2012 em Dubai.

O DEWA organizou várias atividades durante o Dia Mundial da Energia para aumentar a conscientização sobre questões energéticas, promover uma cultura de sustentabilidade e economia verde e enfatizar a importância da conservação de energia na mitigação dos efeitos da mudança climática.

A DEWA convida o público a participar de seu programa de divulgação para aumentar a conscientização sobre essas questões na etapa do Dia Mundial da Energia no WETEX 2018. A DEWA está organizando o WETEX sob as diretrizes do xeque Mohammed bin Rashid Al Maktoum e sob o patrocínio do Xeque Hamdan bin Rashid Al Maktoum, vice governante de Dubai e ministro das Finanças dos Emirados Árabes Unidos, e presidente da DEWA. A WETEX está organizada sob o tema “À frente da sustentabilidade” no Centro Internacional de Convenções e Exposições do Dubai, de 23 a 25 de outubro de 2018. (#Envolverde)

O post DEWA Empenha Esforços para Energia Sustentável Segura no Dia Mundial da Energia 2018 apareceu primeiro em Envolverde - Revista Digital.

The post DEWA Empenha Esforços para Energia Sustentável Segura no Dia Mundial da Energia 2018 appeared first on IPS em português.

Categorias: Internacionais

Pesquisa falsa coloca Bolsonaro com 52% e Haddad, com 48%

Pública - ter, 23/10/2018 - 17:40
Kelly Fuzaro/BandO presidenciável Jair Bolsonaro, durante o debate da TV Bandeirantes, em 9 de agosto

“Tracking BTG que acabou de sair para o mercado financeiro: Bolsonaro, 52%; Haddad, 48%. P.S.: Votos válidos.” – Corrente sobre a disputa presidencial que circula pelo WhatsApp.

Circula no WhatsApp uma mensagem que atribui ao banco BTG Pactual um tracking da eleição presidencial “que acabou de sair”. Trackings são pesquisas de opinião feitas para monitoramento interno de empresas e campanhas políticas. A mensagem diz que a pesquisa do banco, voltada para o mercado financeiro, mostra o candidato Jair Bolsonaro (PSL) com 52% dos votos válidos, enquanto Fernando Haddad (PT) teria 48%.

O banco BTG Pactual não realiza trackings exclusivos para o mercado financeiro, apenas pesquisas oficiais de intenção de voto para presidente. Na última, divulgada em 22 de outubro de 2018, Haddad tinha apenas 40% dos votos válidos, contra 60% de Bolsonaro. Assim, o Truco – projeto de checagem de fatos da Agência Pública – classificou a corrente como falsa.

ReproduçãoCorrente cita pesquisa falsa do BTG Pactual

Procurado pela reportagem, o BTG Pactual afirmou que não realiza trackings para o mercado financeiro, apenas pesquisas presidenciais encomendadas ao Instituto FSB Pesquisa e devidamente registradas no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). No total, foram oito pesquisas, todas encomendadas ao FSB Pesquisa, desde 27 de agosto. Depois do primeiro turno, realizado no dia 7 de outubro, foram apenas duas pesquisas divulgadas, sempre às segundas-feiras.

A mais recente foi realizada nos dias 20 e 21 de outubro e divulgada em 22 de outubro, sob o registro BR-03689/2018 no TSE. Na simulação de intenção de voto estimulada, Haddad aparece com 40% dos votos válidos e Bolsonaro tem 60%. O instituto entrevistou, por telefone, 2.000 eleitores com idade a partir de 16 anos nas 27 unidades da federação. A margem de erro no total da amostra é de 2 pontos porcentuais, com intervalo de confiança de 95%.

Em nenhum dos dois levantamentos do FSB Pesquisa feitos após o primeiro turno Haddad aparece com a porcentagem de votos válidos indicada na mensagem. Na simulação anterior, feita em 13 e 14 de outubro e divulgada no dia 15 de outubro, e registrada no TSE com o número BR-07950/2018, Haddad tinha 41% dos votos válidos e Bolsonaro tinha 59%.

A mensagem do WhatsApp traz ainda alguns elementos comuns em notícias falsas. Entre eles estão a urgência em pedir para que a corrente seja enviada para mais pessoas (“Temos que espalhar ao máximo” e “Compartilhem sem dó!”) e a falta de dados mais específicos sobre a data de realização da suposta pesquisa (“acabou de sair”).

!function(e,t,s,i){var n="InfogramEmbeds",o=e.getElementsByTagName("script"),d=o[0],r=/^http:/.test(e.location)?"http:":"https:";if(/^\/{2}/.test(i)&&(i=r+i),window[n]&&window[n].initialized)window[n].process&&window[n].process();else if(!e.getElementById(s)){var a=e.createElement("script");a.async=1,a.id=s,a.src=i,d.parentNode.insertBefore(a,d)}}(document,0,"infogram-async","//e.infogram.com/js/dist/embed-loader-min.js");
Categorias: Internacionais

Corrente falsa usa até homônimo para inflar processos contra Haddad

Pública - ter, 23/10/2018 - 14:16
Corrente que circula no WhatsApp sobre processos contra Fernando Haddad (PT)

“[Há 22] processos na Justiça de São Paulo contra o candidato do PT, Fernando Nami Haddad, tramitando no Foro Central – Fazenda Pública.” – Corrente sobre o presidenciável Fernando Haddad (PT), que circula no WhatsApp.

Uma imagem que circula pelo WhatsApp atribui a Fernando Haddad (PT) um total de 22 processos em curso no Foro Central – Fazenda Pública do Tribunal de Justiça de São Paulo. Segundo a imagem, o valor das causas chegaria a R$ 2,03 bilhões de reais. Entretanto, há diversos erros na foto compartilhada. O candidato do PT não se chama Fernando Nami Haddad, como consta no papel fotografado. Na verdade, seu nome completo é apenas Fernando Haddad. Tampouco seus pais carregam o sobrenome Nami: sua mãe é Norma Teresa Goussain e, seu pai, Khalil Haddad.

Uma consulta aos 22 processos indicados na lista mostra que em dois processos é citado apenas seu homônimo, Fernando Nami Haddad. Além disso, há dois processos repetidos e um processo cujo número não existe. Dentre os 18 processos em que Haddad é, de fato, parte envolvida, há dez ações julgadas já excluídas. O Truco – projeto de checagem de fatos da Agência Pública – classificou a mensagem como falsa.

Processos excluídos e acusações a homônimo

No momento, Haddad é réu em dois processos no Foro Central – Fazenda Pública do Tribunal de Justiça de São Paulo: o primeiro, por um suposto prejuízo de R$ 5,2 milhões na construção de 12,4 quilômetros de ciclovia; e o segundo pelo suposto recebimento de R$ 2,6 milhões por meio de caixa dois empreendido pela UTC Engenharia na campanha de 2012. Ele é citado ainda em outros 16 no âmbito desse tribunal. O petista acumula algumas derrotas e vitórias parciais nesses processos mas, até o momento, não houve nenhuma condenação definitiva.

No processo 1 e no processo 2 da corrente de WhatsApp é citado apenas Fernando Nami Haddad, um homônimo do candidato petista. O processo 8 não existe sob o número indicado na imagem e o processo 14 apenas repete o número da ação indicada na posição 13.

Os outros 18 processos listados na imagem de fato trazem Fernando Haddad como parte envolvida. No entanto, dez deles (processos 3, 4, 5, 7, 10, 11, 15, 16, 17 e 18) não podem mais ser utilizados para incriminar Haddad, porque foram extintos, rejeitados, julgados improcedentes, abandonados pelos autores ou determinaram a absolvição do ex-prefeito.

Ações ainda em andamento são minoria

Nos oito processos restantes, Haddad ainda pode ser condenado. É o caso da ação de número 6 na lista, que tem relação com a construção de um hospital em área que pode vir a ser ocupada por uma estação de metrô. A ação cível, distribuída em novembro de 2014, tem como acusados o ex-prefeito Fernando Haddad, Osvaldo Spuri, ex-secretário de Infraestrutura Urbana e Obras do município, e a própria Prefeitura de São Paulo. Haddad é requerido secundário. O valor da ação é R$ 10 mil.

Outra ação que ainda corre contra Haddad é a de número 9, na qual é julgado um suposto superfaturamento na venda de salsichas da BRF para a Prefeitura de São Paulo. A venda ocorreu em abril de 2016 e custou R$ 2,14 milhões. O Tribunal de Contas do Município suspeita de irregularidades, mas a Secretaria de Educação alega que o preço mais alto decorre de uma especificação de compra com limitação nos teores de sódio, gordura e conservantes. Um perito foi convocado para analisar os contratos mas o resultado do processo deve sair apenas em 2019. Haddad ainda não é réu.

Já no processo 12 Haddad é réu desde agosto de 2018. Com base em uma denúncia feita pelo Ministério Público do Estado de São Paulo (MP-SP) em fevereiro de 2016 o ex-prefeito tornou-se réu junto com Jilmar Tatto, ex-secretário municipal de Transportes; Ricardo Teixeira, ex-secretário municipal de Coordenação de Subprefeituras; Valter Antonio da Rocha, ex-chefe de gabinete da Secretaria de Coordenação de Subprefeituras; e a empresa Jofege Pavimentação e Construção. Segundo os procuradores do MP-SP, houve uma série de irregularidades na construção de 12,4 quilômetros da ciclovia Ceagesp-Ibirapuera.

No processo de número 13, movido pelo vereador Paulo Sérgio Abou Anni contra a Prefeitura da Cidade de São Paulo, Haddad e Tatto, os dois acusados foram condenados apenas a pagar as custas do processo. O vereador pede na ação a anulação do procedimento de credenciamento para prestação de serviços de Transporte Escolar Municipal Gratuito (Vai e Volta). A juíza aceitou em partes a denúncia: determinou que a nova gestão da prefeitura deve suspender o modelo atual de contratação e instaurar licitação a partir de agora, sob pena de multa diária, mas isentou Tatto e Haddad de outras responsabilidades.

Na ação 19, empreendida pelo também vereador Gilberto Natalini, é investigada eventual ocorrência de improbidade administrativa relacionada ao esquema de desvio de verbas no âmbito do Teatro Municipal. A ação ainda está em tramitação mas o juiz já concedeu a suspensão dos contratos assinados entre a Fundação Theatro Municipal de São Paulo e a organização social Instituto Brasileiro de Gestão Cultural (IBGC). A IBGC é acusada de favorecer o maestro John Neschling, ex-diretor artístico do Teatro Municipal. A ação envolve ainda outras 13 pessoas, incluindo Fernando Haddad e seu ex-secretário de Comunicação do município, Nunzio Briguglio.

Outra ação relacionada com o esquema do Teatro Municipal, o processo 20, versa sobre enriquecimento ilícito e foi encaminhada pelo Ministério Público. No valor de R$ 129,21 milhões, a ação lista Haddad e outras 17 pessoas físicas ou jurídicas entre os requeridos. O processo, distribuído em fevereiro de 2017, ainda está em tramitação.

Já o processo 21 acusa o Diretório Municipal do PT e, secundariamente, o ex-prefeito Fernando Haddad pelo não pagamento de um serviço de impressão encomendado pelo partido. Empreendido pela gráfica Mar-Mar, a ação de fevereiro de 2018 acusa o partido de não honrar acordo no qual a empresa abria mão de cobrar juros e correção monetária pelo serviço. Na ação a gráfica exige agora multa de 10% e juros, em um valor total de R$ 674,6 mil.

O último processo da lista, movido pelo Ministério Público estadual, acusa Haddad de participar de um esquema de caixa dois da UTC. A denúncia tem como base a delação do empreiteiro Ricardo Pessoa, dono da UTC. O processo ainda está em tramitação, mas a juíza já determinou, em uma de suas decisões preliminares, que faltam indícios suficientes para bloquear os bens de Haddad.

Categorias: Internacionais

Emiratos busca concienciar sobre el impacto del cambio climático

IPS español - ter, 23/10/2018 - 13:17

Para producir un kilogramo de carne se necesitan cerca de 14.000 litros de agua y entre siete y 10 kilogramos de forraje. En cambio, para producir un kilogramo de pollo, se necesitan solo 1.000 litros de agua y dos kilogramos de forraje, según Daniel F. Kenneth, profesor de salud pública y nutrición, en Abu Dhabi. Crédito: Sociedad Vegana de Emiratos Árabes Unidos.

Por Rabiya Jaffery
ABU DHABI, Oct 23 2018 (IPS)

Por su particular ubicación geográfica, Medio Oriente es muy propenso a sufrir las devastadoras consecuencias del cambio climático, y Emiratos Árabes Unidos, si bien hace años que toma medidas paliativas, no escapa a los riesgos que supone el recalentamiento global.

Las estimaciones indican que las sequías serán más prolongadas, que habrá olas de calor más intensas y que las temperaturas altas se volverán cada vez más comunes en la región, de Saná a Yeda y de Dubai a Teherán.

Sin embargo, la falta de conciencia de la población sobre los riesgos es preocupante.

Emiratos Árabes Unidos trabaja para incorporar a su agenda nacional medidas de mitigación y adaptación, y también forma parte de la visión del país generar una mayor conciencia ambiental entre la población.

En 2016, este país le cambió el nombre al Ministerio de Ambiente y Agua por Ministerio de Ambiente y Cambio Climático, lo que implicó, además, “campañas de concienciación para promover un comportamiento ambiental de las personas” en relación con la agenda de desarrollo sostenible.

Un estudio realizado por la Universidad de Emiratos Árabes Unidos en 2017, reveló que más de 40 por ciento de la población no maneja información sobre el cambio climático, el recalentamiento global y sobre cómo el comportamiento humano contribuye a dañar el ambiente”.

La activista Fátima al Ghami creó una organización que busca promover en Medio Oriente una dieta basada en verduras mediante un trabajo comunitario.

En 2017, Al Ghami lanzó una campaña para promover comidas con más verduras en Emiratos, y tiene previsto ampliar la red al resto de la región el año próximo.

“Se habla poco acá de cómo hacer frente al consumo de carne y de lácteos, a pesar de que es extremadamente importante para frenar el cambio climático”, explicó.

“Se está haciendo mucho sobre concienciación y decisiones políticas, sobre deforestación y transporte, pero falta mucho en materia de ganadería, no solo en Emiratos y en Medio Oriente, sino en todo el mundo”,observó.

Su campaña se concentra en crear conciencia en escuelas y universidades sobre los beneficios de reducir la importancia de la carne en la dieta, sobre el impacto de la industria cárnica en el clima y sobre qué pueden hacer las personas para alimentarse de forma más sostenible.

“Creo que hay cierta renuencia de las autoridades y de los activistas a meterse en la vida de la gente al punto de decirles qué y cuánto  comer”, observó.

“Pero pueden haber políticas inclusivas y enfoques empresariales que posibiliten los cambios de dieta para que contengan más verduras y sean más atractivas para más personas, lo que esencial si queremos realmente reducir las emisiones contaminantes”, añadió.

Es fundamental reducir el enorme y creciente consumo de carne para evitar los devastadores efectos del cambio climático, según uno de los estudios más amplios publicado este mes de octubre en la revista Nature.

Además, la industria ganadera es responsable de una quinta parte de las emisiones de carbono, según el Grupo Intergubernamental de Expertos sobre Cambio Climático (IPCC), más que la suma de las emisiones de los automóviles, los aviones, los trenes y los barcos.

“Si las 20 mayores compañías de carne y lácteos fueran un país, estaría en séptimo lugar por la gran cantidad de emisiones de gases invernadero”, ejemplificó Daniel F. Kenneth, profesor de salud pública y nutrición, quien residente en Abu Dhabi.

La industria cárnica y ganadera es la que tiene mayor impacto en el ambiente, pues más de una tercera parte del metano liberado a la atmósfera, considerado 20 veces más nocivo que el dióxido de carbono para el recalentamiento global, procede de las vacas, incluidas las lecheras, añadió.

Muchos ambientalistas consideran a la industria agroganadera como una triple amenaza para la atmósfera porque los animales producen grandes cantidades de metano, a lo que se suma la pérdida de bosques capaces de absorber carbono, con el fin de extender las pasturas, y los inmensos volúmenes de agua necesarios para mantener al ganado.

“La ganadería y la producción de soja para alimentar al ganado suelen realizarse en tierras deforestadas, y esa deforestación es considerada una de las formas más significativas en que la producción de carne contribuye al recalentamiento global”, explicó Kenneth.

“Y la enorme cantidad de forraje y de soja está lejos de ser una forma sostenible de utilizar los escasos granos de cereales”, añadió.

Según Kenneth, para producir un kilogramo de carne se necesitan cerca de 14.000 litros de agua, y entre siete y 10 kilogramos de forraje. En cambio, se necesitan solo 1.000 litros de agua y solo dos kilogramos de forraje para producir un kilogramo de pollo.

Emiratos, considerado un país con seguridad alimentaria, depende, sin embargo, principalmente de la importación de alimentos, hasta 80 por ciento de los que consumen proceden de otros países.

“No tenemos nuestra propia industria ganadera, pero eso no nos evita un problema”, observó Al Ghamdi.

“Y grandes cantidades de dióxido de carbono se generan a partir del transporte asociado a la producción de carne; tiene más sentido económico y ambiental cambiar a una cultura en la que dependamos más de alimentos de más fácil acceso”, apuntó.

El informe publicado por la revista Nature reclama un “cambio global” hacia dietas más basadas en plantas, reduciendo el desperdicio de alimentos, mejorando las prácticas agrícolas con la ayuda de la tecnología, mejorando la educación, además de una reforma industrial y de mejorar la eficiencia, como medidas para hacer frente al problema.

“En Medio Oriente, solíamos tener dietas basadas en arroz, lentejas y garbanzos. De esa forma nos alimentamos durante años, comíamos poca carne”, apuntó Al Ghamdi.

“Esta tendencia a tener comidas basadas en la carne es nuevo y es un concepto occidental, pero no hay nada en la carne que la haga fundamental; hay otros alimentos, como las legumbres y los granos, que ofrecen las mismas proteínas y hierro”, precisó.

El artículo de Nature subraya que con el gran aumento de población y de  ingresos globales previsto (que permitirán a la gente consumir más carne), para mediados de siglo, el impacto de la industria cárnica, que ya es significativo, podría aumentar 90 por ciento, si no se hacen esfuerzos para reducirla.

Traducción: Verónica Firme

Artículos relacionados

El artículo Emiratos busca concienciar sobre el impacto del cambio climático fue publicado originalmente en IPS Agencia de Noticias.

Categorias: Internacionais

Número de mortes causadas por PMs no Rio de Janeiro deve bater recorde com a intervenção, diz pesquisadora

Pública - ter, 23/10/2018 - 12:00

A coordenadora do Observatório da Intervenção, Sílvia Ramos conhece a segurança pública do Rio de Janeiro como poucos. Cientista social, tem experiência de mais de 30 anos em pesquisas sobre violência urbana e segurança pública. É com essa bagagem que ela avalia a efetividade da intervenção federal no Rio de Janeiro e a sustentabilidade das ações adotadas no longo prazo. Sílvia e o pesquisador Pablo Nunes, membros do Centro de Estudos de Segurança e Cidadania da Universidade Candido Mendes (Cesec), alertam para o fato de que este ano o número de mortes pela polícia fluminense vai bater o recorde histórico. Até setembro, foram 1.181 mortes classificadas como “em confronto” com a PM. O maior número até então foi em 2007, quando houve 1.330 mortes.

Para Sílvia, esse aumento não é por acaso, mas consequência de uma “política clara de comandos” que prioriza que o policial atire. “É uma política que torna as mortes em confronto totalmente previsíveis. E torna as mortes em confronto resultado de uma determinação política”, explica.

A expectativa dos pesquisadores era que, com a presença das Forças Armadas, as mortes cometidas por policiais reduziriam. “A presença das tropas no Rio deveria estar contribuindo – não contribuiu, pelos números, mas deveria estar contribuindo para conter a matança policial.” De fato, comparando a média de vitimização entre operações com a presença do Exército e aquelas sem ao longo de 2018, o número é praticamente o mesmo: 0,22 versus 0,23.

Isso preocupa porque, segundo a pesquisadora, “é impossível haver uma redução sustentável de homicídios e um aumento de autos de resistência. Sempre que há aumento de autos de resistência, há aumento de homicídios”.

Para exemplificar, ela mostra os gráficos de “autos de resistência” e “homicídios dolosos” entre 2000 e 2015, período em que o Rio de Janeiro viveu o auge da política das UPPs, entre 2010 e 2015. “Tem uma ordem, uma orientação, na política de segurança que é a seguinte: “Policial, não atire, exceto em último caso”. Como resultado, o número total de homicídios caiu, também.

Desde o começo da intervenção, entre fevereiro e setembro, o número de mortes em confronto aumentou 42% se comparado ao mesmo período do ano passado. Ao mesmo tempo, o número de homicídios teve uma leve queda de 1,1%. Houve redução de 6,9% no roubo de veículos e um pequeno aumento nos roubos de rua, 1,2%.

Mas a estratégia teve um alto custo em vidas de policiais: foram 172 policiais mortos. O número de operações realizadas no período da intervenção chegou a 535 até setembro. Mas só apreenderam 617 armas, pouco mais do que uma por operação. Silvia comenta que quem sofre com a política de confronto são, também, os policiais. “Na maior parte do mundo, um policial que mata alguém, seja por excesso ou por legítima defesa, deveria ser protegido, em um período fora do combate. A experiência de matar alguém é uma experiência muito traumática. Mesmo para um policial”.

A grande vitória da intervenção tem sido o combate ao roubo de cargas. O número de roubos caiu 18% entre julho e setembro, em comparação com 2017. “A gente discute a sustentabilidade dessa política, porque ela é muito cara, isso nos crimes que estão baixando, que são roubo de carga e de veículos”, diz Sílvia.

Leia a entrevista.

Havia a expectativa de que a intervenção ia melhorar a qualidade da polícia, reduzir a violência policial e a corrupção. O que aconteceu?

Olha, a intervenção foi uma surpresa muito grande. Ninguém esperava. Primeiro, foi uma medida política muito grave. É porque esse Pezão é um pateta mesmo – ele é o próprio pateta – e, além disso, é do mesmo partido do Temer. E o Temer resolveu fazer uma jogada política. Lembre-se de que na época do Brizola o Fernando Henrique queria fazer uma intervenção e o Brizola disse: “Se fizer eu vou receber com as tropas”.

E esse mecanismo é quando o presidente da República unilateralmente identifica uma coisa da ordem pública que ele faz uma intervenção. E o interventor manda mais do que o governador eleito. Então, não é uma coisa trivial. O interventor só responde a ele, presidente da República, nem ao governo do estado nem nada. Não responde à Assembleia Legislativa.

Agora, tendo uma intervenção, não surpreende que seja militar. É um cara que vai fazer medidas de força inclusive sobre as polícias. Que podem não obedecer.

O que a gente esperava? Eu não sei dizer. Essa medida estava tão fora do escopo. Tinha tantas outras possibilidades. Por exemplo, tinha gente querendo que o Pezão tirasse o secretário de Segurança dele – estava muito acéfala a Secretaria de Segurança – e colocasse um general. Seria um secretário de Segurança que poderia contar com o apoio do decreto de GLO [Garantia da Lei e da Ordem, que permite emprego das Forças Armadas para operações de segurança pública], que já estava ativo desde o ano passado.

Agora, a intervenção forçou o governo federal a negociar rápido o empréstimo para o Rio de Janeiro. Porque o cara da Secretaria de Planejamento diz: “Eu vou dar dinheiro pra esse ladrão? O outro já está na cadeia. O Pezão é representante dele, eu não posso dar dinheiro do Tesouro Nacional pra um governador assim. Olha a bagunça que tá lá”. Ter um interventor pode ter ajudado. Tudo que foi reaparelhado até agora [para a polícia] foi pago pelo governo do estado usando o dinheiro dos empréstimos. Pagaram salários. Antes não tinha viatura, mais de 70% das viaturas estavam sucateadas.


O que vocês esperavam?

Como tudo estava muito alto, crime, roubo etc., eu achei que tudo fosse começar a despencar logo. Não sei por que as dinâmicas de crime não cederam a esse gesto de reorganização dramático.

Normalmente o crime faz assim: dá uma recolhida e “vamos ver o que vai acontecer”. Mas roubo de rua continuou crescendo, roubo de carga, disputa de facções. Pelo contrário, parece que essas facções falaram: “Vai acontecer um negócio, vamos decidir logo quem vai ficar aqui”.

Passou até a se intensificar nos primeiros meses, até junho. E eu esperava que fosse ceder. Esse comandante da PM é um cara muito bom, ele está fazendo agora um discurso muito violento por causa das mortes de policiais, mas ele é muito bom, ele é de um tipo assim incorruptível. O Rivaldo [Barbosa] era o melhor quadro da Polícia Civil. Então esse interventor, Richard Nunes, escolheu muito bem. Ele escolheu os melhores quadros da Polícia Militar e da Polícia Civil. Eu achei que isso ia ter um efeito muito rápido de redução, não só de percepção geral de que agora tem comando, mas também de indicadores de crime.

A surpresa foi que nos meses seguintes à intervenção não houve aquele alívio. E essa contenção de alguns crimes, como roubo de carga, está sendo feita a duras penas, de modo lento, e agora, com redução quatro meses seguidos, já dá para dizer que isso é efeito dessa política. Mas é resultado dessa política com essa quantidade de operações que você está vendo. Agora, você vai manter isso durante quantos anos? Foram 71 operações só com as Forças Armadas, cada uma dessas com mil homens. Vale a pena pagar isso? Para roubo de carga?

A gente discute a sustentabilidade dessa política, porque ela é muito cara, isso nos crimes que estão baixando, que são roubo de carga e de veículos.

O que explica esse salto no número de mortes pela PM durante a intervenção militar? Entre fevereiro e setembro, houve um aumento de 42% nesse número.

Essa cultura sempre foi uma cultura carioca, sempre foi da capital do Rio, diferente do resto do Brasil: o policial mata mesmo em serviço, e ele mata de farda, mata em serviço e com a farda, a viatura e tal. Não é assim na Baixada, Costa Verde, Campos, nem no interior. E naquele bolo de autos de resistência, que atualmente se chama “mortes decorrentes de confronto”, você tem tudo ali. Desde a situação em que o policial de fato foi fazer uma operação, chegou, foi recebido a tiros, foi reagir e matou. Você tem as emboscadas de policiais, tem as “troias”… Uma prática do batalhão de Acari, por exemplo: a polícia faz uma operação de dia, ela sai; quando sai, ficam dois policiais entocados dentro de uma casa que está vazia, ou cujo morador eles intimidam… Aí os traficantes – e são traficantes mesmo, não é gente inocente – voltam, e os policiais de dentro das casas pegam e executam o cara do tráfico assim, no meio da rua. E eles executam mesmo, tipo “perdeu, perdeu”. O cara entrega a arma, a família diz: “Pelamordedeus” e tal. O cara: “Pelamordedeus o caralho”. E mata. E ele chega na delegacia dizendo: “Morte em confronto”.

Mas o fato é que no Nordeste, por exemplo, o policial mata muito mais fora do horário de serviço, em grupos de extermínio, no famoso carro preto. Dizendo o seguinte: “Porra, cara, eu não aguento mais ir naquele lugar lá, vamos limpar aquela área?”. Ou, então: “Aqueles caras tão devendo”. Porque aqui no Rio tem isso de “arrego” [dinheiro de corrupção pago pelo traficante à polícia].  Só que no Rio, quando o traficante não paga o arrego, o policial mata em serviço. E ele maquia isso dizendo que houve um confronto.

Mas pelo menos essas mortes são investigadas?

São contabilizadas. O que nós sabemos, acompanhando a polícia do Rio há 30 anos, é que não há essa tradição… Policial não enterra o corpo de ninguém, policial não deixa corpo no meio do mato para corvo comer. Policial vem com quatro ou cinco corpos arrastando, chama os outros e diz assim: “Confronto”. E eles se impõem na área por esse tipo de ação. É esse o grupo do fulano, eles é que mataram. Quem mata no “sapatinho” é milícia. Agora, neste ano da intervenção houve uma explosão de mortes por ação policial na Baixada.

A intervenção teve alguma coisa a ver com o aumento deste ano?

A ordem é não entrar em favela. Aqui ainda não está acontecendo o que aconteceu no México ou na Colômbia, que é um pouco a ideia de que entram as Forças Armadas e piora a violência. Nos outros países, quem têm armas pesadas, granadas etc. são as Forças Armadas. Mas aqui no Rio tem o Bope, que é a força mundial mais violenta, que só anda de fuzil.

O que está acontecendo no caso do Rio durante a intervenção é o contrário: a presença das tropas deveria estar contribuindo – não contribuiu, pelos números, mas deveria estar contribuindo – para conter a matança policial.

Porque onde tem mais mortes de civis? Numa operação com 2 mil homens do Exército mais 20 da polícia, ou numa incursão de 20 homens do choque na Rocinha? Quando entram 20 homens do choque na Rocinha à noite, eles deixam oito corpos no chão. E fazem o registro lá na delegacia da Rocinha mesmo. E dizem: “Confronto”. Então, se você me disser onde tem mais chance de ter mortes desse tipo, é numa incursão dessas.

O que você tem, olhando a série de autos de resistência, é que, quando você tem essa curva para baixo durante a política das UPPs, é porque tem uma ordem, uma orientação na política de segurança que é a seguinte: “Policial, não atire, exceto em último caso. A política é não atirar”.

Agora, quando você sai de 644 mortes em confronto em 2015 para 1.024 ano passado – este ano vai para 1.500, o maior número em 30 anos –, você pode ler isso como uma política clara de comandos.

Nesse caso é do comando da intervenção: está liberado. “Policiais e militares, se precisarem atirar, atirem, não economizem. Nós vamos enfrentá-los”. E é esse o discurso não só do comandante da PM, mas do general Richard Nunes. O discurso é: “Nós só estamos reagindo ao que eles estão fazendo”. O cara faz uma ficção como se a estratégia dele não fosse fazer operações que têm enfrentamento.

Veja, você vai numa área onde tem 30 fuzis na mão de homens ligados ao crime. Se você vai naquela área, é claro que vai enfrentar 30 fuzis.

Ou vai fazer uma operação de inteligência, ou vai prender o comandante, o chefe dessa gangue, fora dali, quando ele for visitar a namorada ou visitar a mãe no Espírito Santo? Ou vai apreender o fuzil na Dutra, quando ele estiver entrando, ou vai apreender a caixa de munição na baía de Guanabara, quando ela tiver sendo entregue?

Não. Você faz uma opção por fazer uma operação com gente de fuzil entrando na favela. Aí você tem aumento de autos de resistência e diz: “Ah nos só estamos reagindo”. Não, eles estão com uma política que privilegia o confronto e as operações de enfrentamento. Quando você tem essa dinâmica de presença muito enraizada de gente carregando armas de guerra, é claro que vai haver confronto.

É lógico que vai haver mais mortes do lado dos criminosos, que não são treinados, que não têm tropa. O menino está ali, o cara chega com cinco. Ele chega planejado. É uma operação. E o garoto do tráfico está ali de manhã, de tarde e de noite, para o que der e vier. Quando ele vê a operação é um “barata voa”. Esse cara da contenção está ali para isso, para trocar tiro com a polícia para fazer com que quem está dentro possa guardar as drogas, esconder as armas, desmontar. É uma política que torna as mortes em confronto totalmente previsíveis. E torna as mortes em confronto resultado de uma determinação política.

É impossível haver redução sustentável de homicídios e aumento de autos de resistência. Sempre que há aumento de autos de resistência, há aumento de homicídios.

Qualquer policial que olha esse gráfico fala: “Nossa, a polícia está mandando matar, né?”. Não existe isso de policial atirando sem que seja uma orientação. Há uma determinação nos comandos. E, inclusive, há uma valorização. O policial chega no batalhão depois de uma operação dessas e recebe um tapinha nas costas: “Aí, guerreiro, fez o seu trabalho, né?”.

Quais as consequências disso?

Pergunta com que nervos ele vai trabalhar no dia seguinte? Na maior parte do mundo, um policial que mata alguém, seja por excesso ou por legítima defesa, deveria ser protegido, em um período fora do combate. A experiência de matar alguém é uma experiência muito traumática. Mesmo para um policial. Você vê o cara agonizando, o corpo quicando, e você depois ter que arrastar aquele corpo… Ou você vê o seu colega quase levando um tiro e você ter que tirar ele de uma coisa difícil. Tudo isso é um negócio que produz um ódio no dia seguinte.

Nós acreditamos é que é possível ter uma política de segurança que desestimule inclusive o criminoso de atirar como primeira opção. Foi isso o que aconteceu aqui nas UPPs. Quando houve uma determinação de não atirar e não matar, houve o seguinte: o criminoso também não atira.

Houve uma orientação de que os policiais iam entrar nas favelas, mas não iam entrar para matar. E os bandidos se retiraram.

Há muitas experiências no mundo em que você traça a política de segurança com a determinação: “Nós vamos reduzir todas as mortes, principalmente de policiais e mortes em confronto”.

Categorias: Internacionais

‘Never give up’: UN chief urges all who serve, marking UN Day

UN SGDs - ter, 23/10/2018 - 02:00
Marking the 2018 United Nations Day, which falls on 24 October, Secretary-General António Guterres is urging the men and women of the UN, and those they serve, to “never give up” tackling the world’s many challenges.
Categorias: Internacionais

Governments, businesses ‘walk the talk’ for investment in sustainable development: UN forum

UN SGDs - seg, 22/10/2018 - 15:44
Business and government leaders from around the world have gathered at a major United Nations conference in Geneva, in search of innovative and strategic solutions to complex investment and development challenges.
Categorias: Internacionais

Many deaths can be avoided with better data: UN deputy chief

UN SGDs - seg, 22/10/2018 - 14:02
Speaking at the opening session of the UN World Data Forum on Monday, Deputy Secretary-General Amina Mohammed highlighted the life-saving impact that data can have, noting that better data and forecasting could have averted many deaths from natural disasters.
Categorias: Internacionais

Grupos pró-Bolsonaro no WhatsApp orquestram fake news e ataques pessoais na internet, diz pesquisa

Pública - seg, 22/10/2018 - 09:24

Desde maio deste ano, o grupo de pesquisa em Tecnologias da Comunicação e Política (TCP) na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj) tem monitorado grupos de WhatsApp em apoio a candidatos presidenciais. Inseridos em 90 grupos, os 14 pesquisadores estudaram o comportamento dos usuários para descobrir como as pessoas se organizam para viralizar conteúdos eleitorais no WhatsApp.

Os estudiosos monitoraram 28 grupos autodenominados “conservadores” ou “pró- militares” e 24 grupos de apoio ao PSL e Bolsonaro. Entraram também em 18 grupos de apoio ao PT ou a Haddad, 4 de apoio ao PSDB ou Geraldo Alckmin, 4 de apoio a Marina Silva, 2 de apoio a Ciro Gomes e 1 de apoio a Henrique Meirelles. Além disso, acompanharam 9 grupos para discussões de política geral ou suprapartidária. O grupo de pesquisa  faz parte da rede do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em Democracia Digital (INCT.DD).

Para a coordenadora Alessandra Aldé, existe uma ordem para o caos cibernético. “As notícias falsas têm caminhos específicos. Esses fluxos não são aleatórios e existe uma técnica específica para fazer com que a informação falsa viralize. E isso é muito importante.” O estudo descobriu que a cada 30 mensagens, pelo menos uma foi enviada do exterior.

“A notícia entra em um grupo e nesse grupo tem contato com 250 e poucas pessoas. Dessas 250 e poucas, algumas voluntariamente pegam e replicam isso em outros grupos. Não só como vítimas que compartilharam uma vez e não compartilham mais. Compartilham isso de uma forma sistemática”, explica João Guilherme, que coordena o núcleo de análise de dados do grupo.

Nesses cinco meses de monitoramento, os pesquisadores perceberam que grupos pró-Bolsonaro têm um alcance mais vasto e uma organização maior na disseminação de noticias falsas em comparação com os demais.

Um dos maiores exemplos disso se deu no primeiro turno, com um boato de que havia uma fraude eleitoral em curso. O grupo de pesquisa da Uerj seguiu uma mensagem específica: “TSE informa: 7,2 milhões de votos anulados pelas urnas! A diferença de votos que levaria à vitória de Bolsonaro no primeiro turno foi de menos de 2 milhões”. Segundo os pesquisadores, o boato apareceu 202 vezes em 41 dos 90 grupos. Destes 41 grupos, 37 estão no conjunto de apoio a Bolsonaro, grupos de direita e pró-militar e 4 de política em geral.

Notícia falsa sobre o TSE veiculada no dia 10 de outubro. A análise demonstra quantidade de compartilhamentos por etapa e número de pessoas atingidas.

“O que a gente percebe é que o campo do Bolsonaro está muito mais organizado para fazer isso do que os outros candidatos. Então eles anteciparam essas estratégias e já começaram a construir esses grupos”, diz Alessandra. “Chamou atenção da gente também essa falta de compromisso de quem difunde essas notícias como verdade. Porque não se trata de fatos, não tem uma objetividade, é desqualificação, geralmente moral, e associações que são muito impróprias, inadequadas. É uma campanha muito mentirosa. Realmente o nível de notícias falsas é muito maior na campanha de Bolsonaro do que em qualquer outra campanha. Isso é visível. E a gente está em dezena de grupos.”

Alessandra avalia que quem alimenta essa rede são produtores profissionais de conteúdo. “Existe uma produção profissional de memes, de várias coisas bem-feitas esteticamente. São lançadas para números de celulares em vários locais diferentes. O celular mostra, por exemplo, a região da pessoa, porque tem o prefixo. Você pode achar associações entre bancos de dados, celulares e CEP e usar isso para direcionar a sua propaganda atingindo os grupos e circulando dentro de grupos específicos. Então existe uma técnica.”

Na semana passada, a Folha de S.Paulo revelou que empresas contrataram disparos massivos de mensagens de WhatsApp contra o PT e a favor de Bolsonaro, em contratos que chegavam a R$ 12 milhões.

Apoio a Bolsonaro inclui incitação a ataques pessoais e participação em enquetes

Fora a produção do conteúdo em si, a tática para a disseminação das mensagens por militantes é simples e eficaz. Em cada grupo existem pessoas que dão ordens e orientam o restante dos usuários a cumprir tarefas específicas. “Eles sistematicamente pedem e orientam as pessoas a circularem as informações nos outros grupos de WhatsApp. No da família, no do trabalho”, explica Alessandra.

“Tem sempre alguém ali falando ‘façam isso, faça aquilo’. Por exemplo, se está tendo uma pesquisa no Facebook, eles pedem para todos irem lá para responder. Ou então tal famoso postou tal conteúdo contra o Bolsonaro, então vamos ali dar dislike. Então existe, sim, uma orquestração.”

 

Em um grupo pró-Ciro um participante registrou a seguinte movimentação de apoiadores do Bolsonaro infiltrados em uma corrente de WhatsApp.

“Existe chamamento para você ir lá e dar dislike na página da atriz que se manifestou a favor do Haddad. Isso é muito comum. Ou ir lá e escrever na página de quem é contra a intervenção. Então esses WhatsApps servem também para mobilizar a ação desses eleitores nas outras redes. ‘Vamos lá no YouTube todos dar dislike.’ Aí você vê uma migração.”

Segundo o pesquisador João Guilherme Bastos dos Santos, os membros orquestram inclusive ataques coletivos. “Por exemplo, antes do primeiro turno saiu a notícia de um instituto de pesquisa específico que desagradou eles. Aí, algumas pessoas desses grupos identificam o estatístico responsável, pegam o Facebook da pessoa e jogam no grupo do WhatsApp. As pessoas usam isso para chegar até essa pessoa e ameaçar”, diz.

João Guilherme conta que viu também grupos de apoio a Marina Silva e Ciro Gomes serem atacados por apoiadores do Bolsonaro que se infiltraram, entravam fingindo ser simpatizantes e lá dentro começavam a atacar. Em um caso, esses infiltrados chegaram a virar administradores de um grupo pró-Marina para depois deletar o grupo.

Controlando a narrativa e banindo quem questiona

Segundo os pesquisadores, os administradores dos grupos fazem uma curadoria para controlar a narrativa. Isso ficou claro quando saíram os resultados do primeiro turno. Começaram a surgir comentários preconceituosos contra o Nordeste, região onde o voto ao PT levou vantagem, desde coisas como “o Nordeste é um parasita” até “tem que mandar matar nordestino”.

“Logo alguns agentes começaram a dizer assim ‘não gente, a gente precisa do voto no Nordeste’, aqui tem muito nordestino eles não têm culpa dos outros eleitores”, explica Alessandra. “E até começaram a banir, a excluir pessoas que estavam aderindo a essa crítica.”

Os pesquisadores detectaram ainda que pessoas que questionam insistentemente a veracidade de uma informação são banidas. “Essa pessoa é enquadrada como um sabotador, ou petista ou comunista e é removido do grupo. Então, sempre que alguém vai destoar dessa narrativa unificada, essa pessoa é retirada acusada de traição”, diz João Guilherme. “Se alguém começa a reclamar de fake news e dizer ‘você tem certeza que isso é verdade, onde que está a fonte disso, será que isso não vai pegar mal pra gente.’ Aí a pessoa é rapidamente deletada”, completa Alessandra.

Porém, enquanto os administradores baniam da discussão comentários que poderiam atrapalhar a campanha, deixavam rolar solto discursos de ódio contra certos segmentos da sociedade. Alessandra viu diversas ameaças circulando nos grupos contra mulheres e LGBTs. Ela cita como exemplo as frases “Viado não vai ter mais vez, não vai poder fazer isso” e “Vamos acabar com essas feminazis quando o Bolsonaro ganhar”, que rodaram sem sofrer reprimendas dos administradores.

O pesquisador afirma que há uma pluralidade: cada grupo tem um discurso que foi adaptado e construído especificamente para agradar àquele tipo de eleitor. “Tem notícias falsas voltadas para valores religiosos, falando que Haddad vai acabar com a família, que ele é contra Deus, que Manuela d’Ávila falou que Jesus é travesti. Mas em outros grupos esse discurso não tem tanta entrada e você tem mais um discurso sobre segurança pública, por exemplo. Esses grupos falam que a situação está insustentável, que alguém tem que fazer alguma coisa, que tem que se armar”, explica.

Embora sejam plurais, todos os discursos convergem em uma só mensagem: para evitar tudo isso, é preciso votar no Bolsonaro. Isso se enquadra em uma narrativa maior que os apoiadores vêm construindo há pelo menos dois anos no WhatsApp. “Essa ideia de ameaça comunista. A ideia de que a gente tem que se unir contra uma ameaça externa e todo mundo entre nós que atrapalhar essa união está favorecendo essa ameaça externa. É um mecanismo básico de movimentos populistas ou fascistas, onde você reprime sistematicamente quem discorda”, diz João Guilherme.

O estudo

Ainda em fase de análise e conclusão, o estudo do grupo de Tecnologias da Comunicação e Política da Uerj pretende determinar padrões de comportamentos de seguidores de diferentes candidatos no WhatsApp, a plataforma que tem sido apontada como principal influenciadora desta eleição.

Os pesquisadores concluem que o WhatsApp precisa ser entendido como uma rede de grupos organizados que estão interconectados por participantes em comum que sistematicamente levam as notícias falsas de um grupo para outro.

A pesquisa revela que, dos 90 grupos estudados, 99,11% dos perfis estão conectados direta ou indiretamente através de uma rede de pessoas.

No infográfico abaixo é possível ver a estrutura de conexões entre os grupos analisados. As linhas verdes representam grupos de conservadores, pró-militares e de apoio ao candidato do PSL. As linhas vermelhas são de apoiadores de Fernando Haddad. Em rosa, grupos para discussões de política geral ou suprapartidária, e em azul, grupos de outros candidatos.

Para conseguir mapear o caminho da disseminação das notícias, o TCP da Uerj usa os softwares IRaMuTeQ e Gephi. Ele rastreia, mas mantém em condição de anonimato, o número de celular que deu origem à mensagem para apontar em qual grupo ela surge, e depois mapeia o seu trajeto. O resultado são “nuvens” de dados que ilustram a disseminação da informação pela rede do WhatsApp.

O exemplo abaixo rastreia a cronologia de uma notícia falsa, representada pela cor amarela. Quando o candidato Jair Bolsonaro foi atacado em Juiz de Fora, em 6 de setembro, surgiu, às 17h03 uma notícia falsa que dizia que o responsável pelo ataque era membro do Partido dos Trabalhadores e responsável pela campanha de Dilma Rousseff. Apesar de a notícia ter sido desmentida na televisão nesse meio-tempo, ela continuou sendo espalhada pelos grupos – e só para de ser divulgada às 18h19.

O software IRaMuTeQ extrai das conversas em andamento nos grupos as palavras- chave que mais aparecem e as organiza em infográficos. As palavras mais repetidas aparecem em tamanho maior. Abaixo, é possível ver as associações de palavras que se formaram em conversas onde se discutiam as urnas e o TSE. Os pesquisadores explicam que no gráfico amarelo onde as palavras mais usadas são “Comunista, militar e intervenção” foi possível relacionar este vocabulário aos grupos pró-Bolsonaro. Já no gráfico azul e laranja não existe uma correlação clara entre o agrupamento de palavras e os grupos de WhatsApp representados.

Categorias: Internacionais

Município de Sharjah alerta para a importância da redução do desperdício de alimentos

IPS português - seg, 22/10/2018 - 09:20

SHARJAH, 22 de outubro de 2018 (WAM) – O município de Sharjah (SM), representado pelo Departamento de Avaliação da Conformidade e Educação em Saúde e o Departamento de Interação Institucional, organizou uma série de eventos na ocasião do Dia Mundial da Alimentação para promover a conscientização sobre o importância do combate à fome e demonstrar compromisso com o desenvolvimento sustentável.

Os eventos também destacaram a importância da biodiversidade na garantia da segurança alimentar e fornecimento de alimentos saudáveis ​​e seguros para todos os membros da comunidade, à luz da escassez de alimentos sofrida por diferentes populações.

Sheikha Maha Al Mualla, Chefe do Departamento de Avaliação da Conformidade da Prefeitura, disse que a participação da Prefeitura da cidade de Sharjah na celebração do Dia Mundial da Alimentação reflete sua ânsia de conscientizar os membros da comunidade sobre a importância de erradicar a pobreza, a fome e a desnutrição em muitos países.

Ela acrescentou que a participação também está de acordo com os objetivos da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), bem como para reduzir o desperdício de alimentos por meio de práticas alimentares adequadas e evitar a compra de alimentos que excedam as necessidades dos consumidores.

Al Mualla apontou que mais de 820 milhões de pessoas em todo o mundo estão cronicamente subnutridas, de acordo com o último Relatório de Segurança Alimentar e Nutrição 2018 da FAO. Portanto, a educação nesta área é fundamental para erradicar a fome.

Ela observou que a comemoração do Dia Mundial da Alimentação também visa incutir hábitos saudáveis ​​na comunidade, dar conselhos úteis ao público ao comprar alimentos, incentivá-los a escolher produtos orgânicos mais saudáveis, apresentá-los a métodos adequados de armazenamento e incentivá-los a desenvolver agricultura. (#Envolverde)

O post Município de Sharjah alerta para a importância da redução do desperdício de alimentos apareceu primeiro em Envolverde - Revista Digital.

The post Município de Sharjah alerta para a importância da redução do desperdício de alimentos appeared first on IPS em português.

Categorias: Internacionais

Oficiais do ICRC elogiam os esforços de ajuda humanitária dos EAU

IPS português - seg, 22/10/2018 - 09:08

ABU DHABI, 22 de outubro de 2018 (WAM) – Yahia Alibi, chefe da delegação regional do ICRC (sigla em inglês do Comitê Internacional da Cruz Vermelha) para os países do Conselho de Cooperação do Golfo (GCC), elogiou os Emirados Árabes Unidos (UAE) por seus principais esforços em ajuda humanitária e desenvolvimento global.

Em comunicado à Agência de Notícias dos Emirados, WAM, nos bastidores do Workshop Sênior sobre Regras Internacionais que regem as Operações Militares (SWIRMO), que começou em Abu Dhabi neste sábado, Alibi disse que os EAU estão comprometidos em apoiar o trabalho do ICRC, especialmente em promover os princípios do direito internacional humanitário.

O workshop de alto nível dará aos participantes uma oportunidade de desenvolver uma compreensão mais profunda das regras que governam as operações militares e discutir a integração de padrões legais relevantes na doutrina militar, educação e treinamento.

A SWIRMO fornece conhecimentos especializados em direito humanitário internacional e sua aplicação em operações militares, ao mesmo tempo em que fornece informações sobre a missão do ICRC, seu significado e seu papel em conflitos internacionais para oficiais que estão em sua maioria.

“A SWIRMO oferece uma plataforma única para compartilhar as melhores práticas e experiências do campo, permitindo que os participantes expandam suas visões sobre a lei em um ambiente operacional. Estas são conversas importantes durante um período de conflitos prolongados e crises contínuas que afetam o Oriente Médio”, disse Alibi.

“Estamos satisfeitos que os EAU estão co-hospedando este evento único, realizado pela primeira vez nesta parte do mundo”, acrescentou.

Mais de 120 oficiais militares de mais de 80 países participam do Workshop Sênior sobre Regras Internacionais das Operações Militares, organizado em conjunto pelo ICRC e pelo Ministério da Defesa dos Emirados Árabes Unidos, em Abu Dhabi, de 20 a 25 de outubro. É a primeira vez que o SWIRMO será realizado no Oriente Médio, com aulas em árabe. (#Envolverde)

O post Oficiais do ICRC elogiam os esforços de ajuda humanitária dos EAU apareceu primeiro em Envolverde - Revista Digital.

The post Oficiais do ICRC elogiam os esforços de ajuda humanitária dos EAU appeared first on IPS em português.

Categorias: Internacionais

Data experts gather to find solutions to world’s biggest challenges at UN Forum

UN SGDs - dom, 21/10/2018 - 18:08
International data sectors from national statistical offices, the private sector, NGOs, academia and international and regional organizations are gathering in Dubai from Monday to Wednesday, in a bid to accelerate progress on the Sustainable Development Goals (SDGs)
Categorias: Internacionais

La muerte asoma entre la cárcel y el exilio para opositores venezolanos

IPS español - sex, 19/10/2018 - 22:03

El edificio del Servicio Bolivariano de Inteligencia Nacional (Sebin), la policía política, en la plaza Venezuela de Caracas, de cuyo piso 10 cayó el político opositor Fernando Albán, en lo que el gobierno de Nicolás Maduro ha calificado como un suicidio. Crédito: Cortesía de El Pitazo

Por Humberto Márquez
CARACAS, Oct 20 2018 (IPS)

La muerte de un dirigente opositor en las instalaciones de la policía política colocó de nuevo el foco internacional sobre la violación de derechos humanos en Venezuela, incluida la situación de activistas presos o forzados al exilio.

Fernando Albán, concejal de Caracas y dirigente del partido opositor Primero Justicia (centrista), murió el 8 de este octubre mientras estaba detenido en la sede de la policía política, tres días después de su arresto en el aeropuerto capitalino, a donde llegó tras participar en denuncias de su organización en Nueva York contra el gobierno del presidente Nicolás Maduro.

El activista “murió cuando pidió permiso para ir a un baño y estando allí se lanzó al vacío”, desde el décimo piso de la céntrica sede del Sebin (Servicio Bolivariano de Inteligencia Nacional), informó inicialmente el fiscal general, Tarek Saab.

El ministro del Interior y Justicia, el general Néstor Reverol, dio cuenta después de que el suicidio ocurrió a precipitarse Albán “desde una sala de espera” del mismo piso del edificio, y desde entonces esa ha sido la tesis oficial.

Albán fue arrestado en investigaciones sobre un fallido atentado con drones contra el presidente el 4 de agosto, por el que están detenidas una veintena de personas y que según el gobierno tiene como cerebro a Julio Borges, coordinador de Primero Justicia autoexiliado en Bogotá, y como colaboradores a los gobiernos de Colombia y Estados Unidos.

Portavoces de la oposición rechazaron la tesis del suicidio, difundieron versiones de que el concejal murió víctima de torturas y su cuerpo fue arrojado al vacío, mientras organizaciones de derechos humanos y la jerarquía de la Iglesia Católica han demandado una investigación imparcial e internacional.

Otro tanto hicieron Estados Unidos, los 12 gobiernos americanos reunidos en el Grupo de Lima y la Unión Europea. Francia y España incluso convocaron a los embajadores de Venezuela para comunicar su preocupación por la muerte del concejal bajo la custodia del Estado.

En Venezuela “se practica una represión selectiva, como muestra el caso Albán, con violación del debido proceso, se encarcela a opositores y se desconoce durante días su paradero y hay altas posibilidades de que se les someta a torturas, tratos crueles, inhumanos y degradantes”, dijo a IPS el coordinador de la organización de derechos humanos Provea, Rafael Uzcátegui.

Cuatro días después de la muerte de Albán, el gobierno sacó de una sede del Sebin al joven activista Lorent Saleh y de manera expedita lo envió a España. Saleh llevaba cuatro años preso, acusado de preparar atentados terroristas desde Colombia, sin que los cargos llegasen a un tribunal porque 53 veces se aplazó la inicial audiencia de presentación del reo ante un juez.

“Por primera vez en cuatro años podré ver la luna y el amanecer”, dijo Saleh al llegar a Madrid, tras estar detenido en celdas de sótanos con solo luz artificial, según sus defensores.

Saleh, galardonado con el europeo Premio Sajarov a la Libertad de Conciencia de 2017, también afirmó que había sido víctima de torturas que le hicieron pensar en suicidarse.

La liberación de Saleh “probablemente se realizó para obtener algún beneficio político, como que España plantease un nuevo diálogo o negociación con el gobierno venezolano. Es un patrón que se sigue pero se acompaña de nuevas detenciones, de otros opositores políticos”, observó Alfredo Romero, del Foro Penal, que defiende a detenidos por causas políticas.

Romero sostiene que en Venezuela se practica desde hace años una “puerta giratoria”, con la que cada vez que se libera algún detenido por razones políticas se lleva a otros a la cárcel.

“Mientras se producen algunas excarcelaciones, solamente este año se ha detenido a más de 500 personas por razones políticas, y 12.400 desde 2014”, dijo Romero a IPS. Durante 2014 y 2017 hubo varios meses de protestas callejeras.

Actualmente, según el Foro Penal, con varios premios internacionales por su actividad, hay 237 presos políticos, pero desde 2014 se han registrado 7.343 procesos penales contra personas por causas políticas o vinculadas a ella

El brazo judicial y policíaco ha alcanzado a líderes con largas trayectorias, como Leopoldo López, jefe del partido Voluntad Popular, Borges (expresidente del parlamento) o Antonio Ledezma, ex alcalde mayor de Caracas, quien escapó de su arresto domiciliario y huyó al extranjero.

Pero también a humildes trabajadores, como dos bomberos de una minúscula localidad de los Andes, en el suroeste del país, quienes hicieron una broma en vídeo comparando a Maduro con un burro que entró a su área de trabajo.

Fueron procesados bajo una “ley contra el odio” dictada fuera del parlamento y encaran una condena de hasta 18 años de cárcel.

En medio están policías sentenciados por sucesos enmarcados en un golpe de Estado en 2002, dirigentes políticos locales, estudiantes y pobladores que participaron en las confrontaciones callejeras de 2014 y 2017, militares acusados de participar en conatos de insurrección y los señalados por actividades terroristas como el frustrado atentado de agosto contra Maduro.

Dirigentes medios, como alcaldes y algunos diputados, han optado por cruzar subrepticiamente la frontera para autoexiliarse, o se han refugiado en embajadas.

Hay situaciones en las cuales los tribunales ordenan la excarcelación y los custodios militares o policiales ignoran la medida, como en el caso de 59 colombianos detenidos por presuntamente participar en preparativos de insurgencia en 2016.

Un tribunal les otorgó la libertad en 2017, pero aún permanecen encarcelados, algunos seriamente enfermos, según Ravina Shamdasani, portavoz de la Oficina del Alto Comisionado de las Naciones Unidas para los Derechos Humanos.

Desde agosto permanece encarcelado Juan Requesens, joven diputado sindicado de cooperar con el atentado de los drones, detenido sin respetar la inmunidad que la Constitución ampara a los parlamentarios. De él se divulgaron vídeos, tomados en los primeros días bajo arresto, con expresión ausente y apenas vistiendo una ropa interior manchada de heces fecales.

La Comisión Interamericana de Derechos Humanos dictó el 12 de octubre medidas de protección para Requesens y de nuevo solicitó al gobierno venezolano que permita el ingreso de una comisión internacional que verifique las condiciones de su detención.

“La sede del Sebin ha sido denunciada como centro de torturas y tratos inhumanos, crueles y degradantes contra las personas privadas de libertad por razones políticas”, señaló una declaración de 65 organizaciones sociales y humanitarias venezolanas este mismo mes.

En ella, solicitaron presionar al gobierno para que permita que una comisión de la Cruz Roja Internacional examine las condiciones de reclusión de los presos políticos en Venezuela.

En el país “no hay condiciones para investigaciones independientes sobre estos temas, y por eso los reclamos para una participación internacional que las dote de transparencia”, dijo Uzcátegui, cuya organización es una de las más respetadas y antiguas en materia humanitaria del país.

Otro aspecto es la militarización de las barreras que se erigen ante la acción de civiles, y no solo al actuar la fuerza pública en manifestaciones callejeras, sino que “hay un creciente empleo de tribunales militares: 811 civiles han sido llevados ante la justicia militar desde comienzos de 2017 hasta octubre de 2018”, dijo Romero.

Para Romero “la actuación sobre los dirigentes y activistas políticos y aún simples ciudadanos tiene el propósito de mantener un clima de intimidación sobre la población”.

“Se apela a la disuasión porque en medio de la crisis económica se dispone cada vez de menos mecanismos clientelares para procurar apoyo popular al gobierno”, acotó Uzcategui.

En ausencia de instituciones democráticas fuertes, planteó,  “y con un presidente Maduro que ve fortalecido su poder y sin compartir liderazgo al completar su primer período de gobierno (2013-2019), pueden reeditarse las doctrinas de seguridad nacional y del enemigo interno”.

Eso, a su juicio, es un mal presagio para quienes hagan política desde la oposición, con Maduro ya reelegido para un nuevo sexenio en mayo, en unos comicios en que la mayoría de la oposición no participó.

Edición: Estrella Gutiérrez

El artículo La muerte asoma entre la cárcel y el exilio para opositores venezolanos fue publicado originalmente en IPS Agencia de Noticias.

Categorias: Internacionais