Leitor de feeds

ONG reclaman a ONU investigar asesinato del periodista Khashoggi

IPS español - sex, 19/10/2018 - 20:26

Según el Comité para la Protección de Periodistas, 44 profesionales de la prensa murieron en lo que va de 2018, 27 de los cuales asesinados. Crédito: Cortesía ONU Ginebra.

Por Tharanga Yakupitiyage
NACIONES UNIDAS, Oct 19 2018 (IPS)

Frente al malestar internacional por la muerte del periodista saudí Jamal Khashoggi, organizaciones de derechos humanos reclaman a la ONU que investigue el hecho.

El Comité para la Protección de los Periodistas (CPJ), Amnistía Internacional, Human Rights Watch (HRW) y Reporteros Sin Fronteras (RSF) se unieron para reclamar a la ONU (Organización de las Naciones) una investigación sobre la tortura y la muerte de Khashoggi para evitar su “encubrimiento”.

“Eso da una señal enormemente escalofriante a los periodistas del mundo sobre que sus vidas no importan y que los estados pueden asesinar con impunidad”, subrayó Robert Mahoney, subdirector ejecutivo del CPJ, en conferencia de prensa.

“Creemos que la única forma de garantizar que no se encubra la desaparición de Jamal Khashoggi es que la ONU lance una investigación internacional, independiente y transparente”, añadió.

Por su parte, Louis Charbonneau, de HRW, coincidió: “Necesitamos que se hagan responsables y para ello, necesitamos una información creíble y una investigación”.

Originario de Arabia Saudita, Khashoggi residía de forma permanente en Estados Unidos, donde trabajaba como columnista de The Washington Post.

La última vez que lo vieron fue cuando visitó el consulado de Arabia Saudita en Turquía, y fuentes turcas filtraron una fotografía espantosa del incidente, incluso con un cuerpo desmembrado, indicó.

Grabaciones en audio y video también sugieren que funcionarios saudíes cercanos al príncipe heredero Mohammad bin Salman son responsables del hecho.

Lamentablemente, no es un incidente aislado pues los periodistas siguen siendo asesinados por su trabajo.

Según el CPJ, 44 profesionales de la prensa murieron en lo que va de 2018, 27 de los cuales víctimas de homicidio.

“Ese incidente no ocurrió de la nada. Jamal Khashoggi no es un caso anómalo”, puntualizó Sherine Tadros, directora de la oficina de Nueva York de Amnistía, refiriéndose a los antecedentes en materia de derechos humanos de Arabia Saudita.

“Ocurrió en un contexto de creciente persecución contra la disidencia desde junio de 2017, cuando asumió el príncipe heredero Mohammad bin Salman”, precisó.

Desde su asunción, aumentó la detención de disidentes, incluso de defensores de derechos humanos como Samar Badawi, conocida activista en defensa de los derechos de las mujeres.

Ese país de Medio Oriente figura en la lista de Países con Mayor Censura, elaborada por el CPJ, después de Corea del Norte y Eritrea.

La última columna de Khashoggi para The Washington Post trató sobre la necesidad de lograr la libertad de expresión en el mundo árabe.

“El mundo árabe necesita una versión moderna de los viejos medios trasnacionales para que los ciudadanos se informen sobre cuestiones globales”, escribió.

“A través de la creación de un foro internacional independiente, separado de la influencia de gobiernos nacionalistas que propagan el odio a través de la propaganda, la gente de a pie del mundo árabe podrá hacer frente a los problemas estructurales a los que deben afrontar sus sociedades”, añadió Khashoggi.

Mahoney subrayó la necesidad de actuar contra las amenazas que sufren los profesionales de la prensa.

“Tenemos que defender esto porque si no lo hacemos, ese espacio seguirá reduciéndose. Países como Arabia Saudita, que tienen riqueza e influencia, seguirán reprimiendo el periodismo”, remarcó.

Las cuatro organizaciones de derechos humanos instaron a Turquía a pedir al secretario general de la ONU, António Guterres, que lanzara una investigación sobre el caso.

Turquía y Arabia Saudita lanzaron sus propias investigaciones sobre lo ocurrido, pero muchos analistas opinan que las conclusiones no serán creíbles.

“Para eso se creó la ONU, por eso la necesitamos. Necesitamos credibilidad”, abogó Charbonneau.

“Si es cierto que los más altos funcionarios del gobierno saudí están detrás de la ejecución y el desmembramiento de Khashoggi, no queremos que los culpables se investiguen a sí mismos. Así hacemos ahora las investigaciones criminales”, añadió.

A pesar de los antecedentes similares de Turquía en lo que respecta a la protección de los periodistas, las organizaciones de derechos humanos dijeron que es hora de que el presidente turco Recep Tayyip Erdogan tome cartas en el asunto.

“Queremos que el gobierno turco dé un paso al frente, que aproveche para avanzar hacia el futuro y dejar atrás el pasado; que mande un mensaje al mundo de que queremos a la prensa, que queremos información creíble y que protegeremos a los periodistas”, observó Charbonneau.

No será la primera vez que se pide a la ONU que lleve adelante una investigación de esas características.

En 2009, Pakistán le pidió al entonces secretario general Ban Ki-moon que indagara en el asesinato de la ex primera ministra Benazir Bhutto.

La investigación concluyó que las autoridades pakistaníes encubrieron el hecho.

Funcionarios de la ONU, como la alta comisionada para los derechos humanos, Michelle Bachelet, también reclamaron una investigación imparcial y transparente sobre la desaparición y la muerte de Khashoggi.

“Su familia y el mundo merecen conocer la verdad”, apuntó.

Las organizaciones de la sociedad civil reclamaron medidas rápidas, y la presión de otros gobiernos sobre Turquía y Arabia Saudita.

El llamado “cobra impulso y esperamos que sea tal que Turquía no pueda decir que no y tenga que actuar, y que los saudíes sientan tanta presión que tengan que cooperar”, señaló Charboneau.

El secretario de Estado (canciller) de Estados Unidos, Mike Pompeo, visitó ambos países y se reunió con sus jefes de Estado por este tema, y pide más tiempo para que Arabia Saudita culmine la investigación antes de actuar.

Antes de ese viaje, el presidente de Estados Unidos, Donald Trump, arremetió contra la prensa por tratar a Arabia Saudita de culpable antes de probarlo.

“Si buscamos probar la inocencia de Arabia Saudita, creemos que no hay otra forma: nuestra mejor opción de investigación creíble, de investigación transparente, y que no se politice, es que la haga la ONU, y le corresponde a Turquía solicitarla”, observó Tadros.

También pidió al secretario general que actuara con contundencia.

“No podemos vivir en un mundo donde los gobiernos puedan usar armas químicas contra sus propios ciudadanos y no pasa nada”, sentenció Tadros.

Y agregó: “Donde un ejército puede realizar una limpieza étnica, torturar y violar a una comunidad entera y nadie se hace responsable; donde un periodista en una gran ciudad entra en un consulado, es torturado y asesinado y no pasa nada”, protestó.

“Cada vez que el sistema de la ONU, y en particular el secretario general, no hablan, permiten otra tragedia; otra persona es asesinada, otra población sufre limpieza étnica”, añadió.

Traducción: Verónica Firme

Artículos relacionados

El artículo ONG reclaman a ONU investigar asesinato del periodista Khashoggi fue publicado originalmente en IPS Agencia de Noticias.

Categorias: Internacionais

Barragem dos Emirados Árabes Unidos armazena 1.581.350 cm de água da chuva

IPS português - sex, 19/10/2018 - 18:18

ABU DHABI, 19 de outubro de 2018 (WAM) – A precipitação de 16 de outubro aumentou a quantidade de água armazenada pelos reservatórios de barragens das regiões central e leste dos Emirados Árabes Unidos para 1.581.350 metros cúbicos, afirmou o Ministério de Energia e  Indústria.

De acordo com as equipes técnicas do ministério, os lagos de várias barragens, incluindo Al Qoor, Buraq, Al Khaliban, Al Mastab e Al Maneii na Região Central, bem como a Represa Al Hail, na Zona Leste, foram preenchidos com água da chuva.

O ministério alertou o público a tomar cuidado extra e observar medidas de segurança.

A água coletada nos reservatórios de barragens e barreiras, bem como a água de escoamento dos vales, aumentou as reservas de água subterrânea.

O ministério administra 101 represas e aterros que contribuem para a melhoria e desenvolvimento dos recursos hídricos, reabastecimento dos lençóis freáticos subterrâneos e prevenção dos riscos de enchentes. (#Envolverde)

O post Barragem dos Emirados Árabes Unidos armazena 1.581.350 cm de água da chuva apareceu primeiro em Envolverde - Revista Digital.

The post Barragem dos Emirados Árabes Unidos armazena 1.581.350 cm de água da chuva appeared first on IPS em português.

Categorias: Internacionais

Brasil vai sediar a terceira volta do Grand Slam Jiu-Jitsu em Abu Dhabi, em novembro

IPS português - sex, 19/10/2018 - 18:10

RIO DE JANEIRO, 19 de outubro de 2018 (WAM) –  Federação de Jiu-Jitsu dos EAU (UAEJJF), autoridade oficial do esporte de jiu-jitsu nos Emirados Árabes Unidos (EAU), anunciou a terceira etapa da mais prestigiada turnê mundial de jiu-jitsu, que será realizada no Rio de Janeiro, de 16 a 18 de novembro, na Arena Carioca.

A última etapa do Grand Slam de Abu Dhabi, no Rio de Janeiro, contou com mais de 16.000 espectadores durante três dias, enquanto mais de 3.000 jogadores participaram. Devido à demanda muito alta entre os jogadores, fãs e mídia, mais uma vez o evento será realizado durante três dias.

Comentando sobre a turnê mundial de jiu-jitsu, o diretor do Grand Slam de Abu Dhabi, Tareq Al Bahri, disse: “O Brasil é onde todos os jogadores querem testar suas habilidades e melhorar sua experiência, já que os jogadores aqui são alguns dos melhores do mundo. Então é realmente emocionante, não só para nós, mas para os jogadores, o que é o mais importante. O Brasil é o maior mercado de jiu-jitsu do mundo, e estamos muito satisfeitos em voltar. Agradecemos à cidade do Rio e à Federação Brasileira de Jiu-Jitsu pelo apoio. ”

O Grand Slam de Abu Dhabi está aberto a todas as nacionalidades. Os medalhistas serão listados no ranking mundial de jiu-jitsu, e prêmios em dinheiro de mais de $ 120.000 serão concedidos aos melhores atletas de cada divisão. As três melhores academias também receberão prêmios em dinheiro, e competidores de primeira linha receberão prêmios no final da temporada, de acordo com o Ranking Mundial da UAEJJF.

Medalhas serão concedidas para o 1º, 2º e 3º lugar em cada divisão. O prêmio em dinheiro varia de US $ 500 a US $ 2.500 em várias categorias, incluindo juvenil, adulto e master, das categorias azul, roxo, marrom e preto para homens e mulheres.

Recém-saído de sua medalha de ouro no Grand Slam de Abu Dhabi e no King of Mats de Abu Dhabi, em Los Angeles, no mês passado, Erberth Santos pretende reinar novamente no Rio de Janeiro. “Estou em boa forma nesta temporada, sem lesões durante o treinamento, então, como sempre, eu digo que é o ouro que estou buscando. Meu desempenho foi excelente em Los Angeles. Meu treinador e meus parceiros de treinamento realmente trabalharam duro comigo e nós, como equipe, estamos confiantes de que vamos buscar ouro no Rio, especialmente porque nossa motivação é alta, já que estamos lutando em casa em frente à torcida local”, disse Santos. (#Envolverde)

O post Brasil vai sediar a terceira volta do Grand Slam Jiu-Jitsu em Abu Dhabi, em novembro apareceu primeiro em Envolverde - Revista Digital.

The post Brasil vai sediar a terceira volta do Grand Slam Jiu-Jitsu em Abu Dhabi, em novembro appeared first on IPS em português.

Categorias: Internacionais

Maioria das denúncias de coação eleitoral é pró-Bolsonaro

Pública - sex, 19/10/2018 - 14:13

Nestas eleições a Procuradoria-Geral do Trabalho (PGT) registrou até o momento 199 denúncias em 14 estados relacionadas a coação eleitoral, uma prática que ocorre quando donos de empresas ou superiores tentam influenciar os votos de seus subordinados valendo-se da posição hierárquica de poder.

Levantamento inédito da Pública junto ao Ministério Público do Trabalho (MPT) nos estados revela também que, nos casos em que o MPT abriu parte do conteúdo das denúncias de coação, a maioria das empresas acusadas foram favoráveis ao candidato Jair Bolsonaro (PSL).

A PGT registrou denúncias contra mais de 60 empresas pelo país. Em 57 destas empresas denunciadas foi possível identificar a motivação eleitoral dos casos de coação. 28 delas são acusadas de coação em favor de Bolsonaro e apenas uma foi contrária ao candidato do PSL. Do restante dos casos identificados até agora, 25 estão sob sigilo ou não há conclusão de quem se beneficiou da prática de coação; outros três casos foram em favor de parlamentares.

A região Sul concentra 157 denúncias, ou seja, 79% do total registrado pela PGT. Há casos de camisetas e comunicados idênticos distribuídos em empresas diferentes, o que sugere uma comunicação entre os empresários nos atos denunciados.

O caso Komeco

Com 100 denúncias, Santa Catarina teve o maior número de relatos de coação eleitoral. Um deles ocorreu na Komeco, que se intitula a “maior fabricante de ar-condicionado do Brasil”, com faturamento anual de centenas de milhões de reais.

No último mês, os servidores da Komeco receberam um email a respeito de uma palestra. Sucinto, o convite informava sobre a visita de um palestrante às 13h do dia 24 de setembro. Segundo relatos de funcionários que falaram à Pública sob a condição de anonimato, o que seria uma reunião profissional se transformou num palanque político-eleitoral durante 40 minutos.

Estavam presentes nessa coação o presidente da empresa, Denisson Moura de Freitas, e dois políticos: o prefeito de Palhoça (SC), Camilo Martins (PSD), e seu pai, o agora eleito deputado estadual Nazareno Martins (PSB).

“A gente recebeu um email dizendo que teria uma palestra. E quando chegou lá embaixo ia acontecer primeiro essa conversa com o deputado, o prefeito e o dono da empresa”, relata uma funcionária sob anonimato.

Durante a reunião, os dois políticos falaram sobre propostas e projetos que pretendiam levar a cabo em seus respectivos cargos, sobretudo melhorias a serem implantadas em Palhoça, cidade da região metropolitana de Florianópolis, onde está sediada a Komeco.

Ainda segundo os relatos, Denisson Freitas encerrou sua fala fazendo uma defesa aberta do candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSL). Somente depois, a palestra programada se concretizou. “Ele pegou 40 minutos dessa palestra para deixar o Nazareno fazer a propaganda dele e foi bem desconfortável”, contou uma funcionária. “O cara já tem todo o horário de propaganda eleitoral para falar sobre as propostas e ainda levam ele pra empresa? A gente estava numa palestra de trabalho”, reclama.

A justificativa dada pelo presidente da empresa, segundo os relatos, era que os políticos apoiavam a Komeco. “Depois ele [Denisson] pegou o microfone da mão do candidato e ficou falando: ‘Vocês sabem que o Bolsonaro vai melhorar a economia do nosso país, vai melhorar a situação paro os empresários. Vamos apoiar o Bolsonaro pra presidente’.”

Em nota pública divulgada no dia 1o deste mês, o procurador-geral do trabalho, Ronaldo Curado Fleury, alerta que é proibida a imposição, coação ou direcionamento nas escolhas políticas dos empregados. “Se ficar comprovado que empresas estão, de alguma forma e ainda que não diretamente, sugestionando os trabalhadores a votar em determinado candidato ou mesmo condicionando a manutenção dos empregos ao voto em determinado candidato, essa empresa vai estar sujeita a uma ação civil pública, inclusive com repercussões no sentido de indenização pelo dano moral causado àquela coletividade”, explica o procurador.

“Os princípios de direito do trabalho recomendam que o patrão tenha responsabilidade no exercício da posição de poder na qual está investido. Os empregados sabem que precisam conter algumas atitudes porque sabem que do outro lado está o patrão que lhes dá o emprego e que tem a possibilidade de descartá-lo. É muito forte para o trabalhador saber que pode ser dispensado caso um político não vença”, argumenta a procuradora Cristiane Lopes, do MPT do Paraná. “Além disso, existem leis e convenções internacionais a que o Brasil aderiu que proíbem discriminação por opinião política e assédio moral no trabalho. Por outro lado, temos as várias condutas tipificadas como crimes eleitorais. A coação eleitoral está prevista no Código Eleitoral”, afirma.

No caso da Komeco, o episódio não parou na palestra. Na semana anterior à do primeiro turno das eleições, um áudio atribuído ao presidente da empresa passou a circular entre os funcionários.



“Semana que vem, pessoal, é uma semana que aqui na empresa nós estamos chamando de semana do Bolsonaro. Todo funcionário que quiser colocar um adesivo [do candidato] a empresa vai pagar metade do adesivo. A camiseta [do candidato] custa 30 pila, nós vamos estar comprando por 30 e vendendo pro funcionário pra ele poder pagar R$ 10. Vai ser a semana que a gente vai trabalhar a semana inteira uniformizado de Bolsonaro: carro adesivado e camiseta vestida”, narra um trecho do áudio. 

Em outro, se escuta: “A gente vai deixar claro pra todos os nossos colaboradores e tentar incentivá-los assim como fornecedores que não só eles, mas os amigos deles, os vizinhos deles votem em Bolsonaro. Tá na hora da gente entrar na briga e assumir posição […]. É impossível, é imprevisível o que vai acontecer no Brasil se o PT ganhar. E isso é algo que envolve a manutenção e a sobrevivência de todos nós: a minha, a de vocês, a da família de vocês. Isso é algo muito sério. Não brinquem com isso. Tá na hora da gente vestir a camisa de Bolsonaro e trabalhar no sentido de ganhar o pão e convencer as pessoas de que nós precisamos votar no Bolsonaro”. 

Alguns funcionários ouvidos pela reportagem afirmaram à Pública que o áudio foi enviado pelo presidente, Denisson Freitas. A reportagem teve acesso também a emails com as promoções de camisetas e adesivos em favor do candidato do PSL. A assessoria do MPT-SC confirmou que a Komeco foi denunciada por coação eleitoral. Procurada, a empresa não respondeu à reportagem após tentativas de contato por email e telefone.

Procuradores relatam que número de denúncias é inédito 

“O grande número de denúncias de coação eleitoral é inédito, nunca tinha pegado nenhum caso parecido durante os oito anos de MPT”, afirmou Fernanda Pessamilio Freitas Ferreira, procuradora do MPT do Rio Grande do Sul, segundo estado com maior número de denúncias (32).

“Realmente é uma situação inédita”, reforçou Artur de Azambuja Rodrigues, procurador do Trabalho no Rio de Janeiro com 20 anos de experiência. O MPT explica que não só os funcionários podem denunciar casos de coação. Qualquer pessoa no território nacional pode reportar casos de coação eleitoral – inclusive de forma anônima.

Conforme levantamento da Pública junto ao MPT nos estados, a campanha dentro das empresas denunciadas foi feita por meio de cartas, vídeos, emails, WhatsApp ou no corpo a corpo, com a participação dos donos do negócio.

É o caso do “ato cívico” transmitido ao vivo pelo Facebook pelo dono da empresa Havan, de Santa Catarina, Luciano Hang. No “ato cívico”, publicado em seu perfil oficial, Hang aparece vestindo uma camisa com os escritos de “Bolsonaro Presidente” diante de uma plateia de funcionários vestidos de verde e amarelo. Ele coloca o hino do Brasil para tocar, logo depois discorre sobre os horrores do comunismo e traça um cenário caótico caso o PT ganhe as eleições.

“Algumas pessoas eu escuto achando que quem vai sofrer se por acaso o PT ganhar vai ser nós. Nós, os empreendedores, nós, os investidores, nós, os empresários. Pessoal, nós vamos sofrer muito porque nos dói no coração ter que fechar empresas, ter que demitir pessoas. […] Não se esqueça: quando um país fica pobre, tudo desvaloriza. Principalmente o trabalho e o trabalhador”, diz Hang. Em outra fala, ele afirma: “Se não abrir mais lojas e se nós voltarmos para trás, você está preparado para sair da Havan? Você que sonha em ser líder, gerente, crescer com a Havan, já imaginou que tudo isso pode acabar no dia 7 de outubro?”.

Hang foi denunciado e condenado pela Justiça do Trabalho de Santa Catarina. Na decisão, o juiz Carlos Alberto Pereira de Castro comparou a prática ao “voto de cabresto”. Afirmou ainda que o pronunciamento continha “ameaças veladas” com “conduta flagrantemente amedrontadora” e que a fala de Hang indicava “intenção de ordenar o comportamento de votar em um candidato, o de sua predileção”. “Não cabe ao empregador, no ambiente de trabalho de seus empregados, promover atos políticos em favor ou desfavor de candidatos ou agremiações, fazendo-os de ‘claque’”, reforçou o magistrado.

Jessyca Reis, operadora comercial que figura entre os mais de 13 mil funcionários da Havan, relata à Pública que, quando o primeiro turno se aproximou, o sistema de email interno na empresa se encheu de mensagens políticas. “Nos últimos dias, em vez de mandar os procedimentos de trabalho pra gente, ele estava nos perguntando em quem a gente votaria. Lá nessa enquete tinha o nome de todos os partidos, menos o PT. E aí quando a gente respondia que votaria ou em nulo ou branco, voltava uma mensagem: ‘Você tem certeza que você vai votar nulo ou branco?’”, conta. “Aí foi quando surgiu toda a polêmica do vídeo, falando que ele sabia, porque ele tinha feito uma pesquisa interna, que 30% da empresa votaria branco ou nulo e que, se porventura o candidato dele não ganhasse, essas pessoas poderiam ser mandadas embora.”

Jessyca afirma que vai votar em branco no segundo turno por não gostar dos candidatos. “Isso começou desde que ele anunciou que apoiaria o partido do Bolsonaro. Parece que volta pro tempo da escravidão, que os servidores não têm voz ativa. Quem manda são os senhores. Se descobrirem que eu não votei no Bolsonaro, meu emprego tá na reta final?”, queixa-se Jessyca.

A Havan é mencionada também pela repórter Patrícia Campos Mello, da Folha de S.Paulo como uma das empresas que pagaram pacotes de veiculação de notícias contrárias ao PT no WhatsApp durante as eleições. Em nota à Pública, a empresa negou ter cometido coação eleitoral e afirmou: “É importante destacar que vivemos um momento único da nossa história. Do mais humilde cidadão, ao togado magistrado, a possibilidade de expressão e veiculação de pensamentos está mais livre do que nunca. Abster-se de se posicionar, neste tão importante momento, ou pior, considerar que dever cívico nenhum cabe a cada brasileiro, é, além de um ato antipatriótico, uma enorme irresponsabilidade. Ademais, o Estado Democrático de Direito assegura a cada cidadão a liberdade de expressão e pensamento”.

Patrões pedem voto em tom de ameaça

Assim como na Havan, outras empresas adotaram um discurso de ameaça ou de terrorismo para convencer seus empregados a votar no candidato Jair Bolsonaro.

“Muitas empresas já saíram do Brasil, e se o PT voltar ao poder, é certo que a grande maioria das empresas que ainda persistem, irão se bandear para outros países”, diz a carta assinada pelo Grupo K1, um dos maiores grupos moveleiros da América Latina.

A mensagem enviada por email aos funcionários às vésperas do primeiro turno das eleições conclama: “Para salvar o país, e para um Brasil melhor! Eleja deputados e senadores que não apoiam o comunismo. E vote… Jair Bolsonaro, nº 17, presidente”.

O Grupo K1 destaca na mensagem que existe uma mobilização dos patrões nestas eleições: “Estamos a poucos dias de decidirmos o rumo do Brasil para os próximos anos. Vocês devem ter recebido pelas redes sociais inúmeras manifestações de empresários de todo o país durante as últimas semanas. A nossa empresa não poderia ficar fora desta grande mobilização”.

De acordo com a procuradora do MPT do Rio Grande do Sul, Fernanda Pessamilio Freitas Ferreira, a carta enviada pelo Grupo K1 pedindo votos para Bolsonaro teve tom de ameaça. “Os empregados poderiam interpretar que o emprego deles estaria em risco”, observou. O grupo, que é detentor de nove marcas, dentre elas, a Móveis Kappesberg e Idélli Ambiente, conta com 1.700 colaboradores.

Um dia antes das eleições, Fernanda conseguiu uma liminar contra a empresa. O Grupo K1 foi obrigado a divulgar um comunicado na página oficial do Facebook alertando aos seus funcionários sobre o direito de escolherem livremente os candidatos a cargos eletivos e ressaltando a ilegalidade da influência da empresa em seus votos. O texto teve que ser encaminhado também aos trabalhadores e a liminar, anexada no quadro de aviso da empresa. A multa, em caso de descumprimento, é de R$ 300 mil.

Fernanda explicou que ajuizou a ação porque a K1 se recusou a assinar um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC). “Eu chamei a empresa no mesmo dia em que recebi a denúncia, na sexta, véspera de eleição, para a audiência. A empresa admitiu, mas achou que estava certa. Eu propus o TAC, mas o advogado não quis nem ler o TAC”, contou. Procurado, o grupo não respondeu aos questionamentos da reportagem.

Também foi sob ameaça que o dono da empresa Tabacos D’Itália, Gilmar João Alba, localizada em Venâncio Aires, no Rio Grande do Sul, tentou convencer seus funcionários a votar em Jair Bolsonaro. “Se Bolsonaro não ganhar, eu vou embora”, disse em reunião com os empregados, registrada em vídeo. “Nós dependemos de vocês ou as empresas não vão pra frente, mas, se nós, empresas, não existirmos no mercado, quem são vocês? Quem são vocês? Vocês são menos ainda”, afirmou.

“Me desculpa se tem alguém do PT, depois eu gostaria de saber também se tem algum PT aqui no meio. É uma maravilha em saber e tentar mudar a cabeça dessa pessoa porque ela tem que pensar um pouquinho nas empresas, da onde vem o nosso dinheiro pra comer no dia a dia”, acrescentou o empresário.

À Pública, Alba disse que fez o discurso sem saber da ilegalidade e que o caso já foi resolvido junto ao MPT. “Eu já me redimi, já conversei com os funcionários, já foi tudo resolvido”, ressaltou. A Tabacos D’Itália firmou um TAC com o MPT. Em cumprimento ao acordo, Alba teve que se retratar com os empregados. A empresa conta com cerca de 60 funcionários.

A denúncia contra a fumageira de Venâncio Aires foi feita pelo Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias do Fumo, Alimentação e Afins do município. “Antes era uma opressão mascarada. As pessoas sabiam que tinham que trabalhar na linha dentro das empresas, de acordo com a cabeça de seus patrões, mas não era da forma como é hoje, aberta. Hoje o trabalhador se sente praticamente escravo”, comparou o presidente da entidade, Rogério Borges Siqueira.

Na avaliação dele, o momento político e o afrouxamento na legislação trabalhista estão motivando os empresários a pedir voto de forma incisiva aos seus funcionários. “Eles estão se sentindo na liberdade de fazer com que o empregado se sinta coagido e faça o que ele quer porque a empresa é dele”, destacou.

Condor e Sierra Móveis dão o mesmo recado

O dono da rede de Supermercados Condor, de Curitiba, Pedro Joanir Zonta, e o da Sierra Móveis, de Gramado, Luis André Tissot, enviaram aos seus funcionários uma carta exatamente igual, também pedindo voto ao candidato Jair Bolsonaro. Uma demonstração de que parte do empresariado está agindo em conjunto, conforme anunciou o Grupo K1.

No documento, eles enumeram motivos para votar no candidato do PSL à Presidência, como, por exemplo, “garantia de crescimento e desenvolvimento econômico do Brasil”, “volta do investimento”, “aumento dos empregos”, “melhora do ambiente de negócios”, “trabalhará com os empresários e trabalhadores para um país melhor”. Nos motivos para não votar na esquerda, a carta destaca “desestruturação das empresas brasileiras, públicas ou privadas”, o “agravamento da crise econômica”, o “aumento do desemprego” e a “transformação do Brasil em uma Venezuela”, entre outros.

A empresa faz ainda a seguinte afirmação no texto encaminhado aos trabalhadores: “Nesta carta, fica o meu compromisso, com você meu colaborador hoje, do que não haverá de forma alguma, corte no 13º (décimo terceiro) e nas férias dos colaboradores do Grupo Sierra. Acredito no Bolsonaro, votarei nele e peço que confiem em mim e nele para colocar o Brasil no rumo certo”.

O MPT do Rio Grande do Sul recebeu três denúncias contra a Sierra Móveis por causa do documento distribuído aos funcionários: “Indução a voto em seu candidato a presidente através de carta declaratória aos funcionários e distribuição de adesivos aos funcionários”, diz uma delas. De acordo com o procurador do trabalho do Rio Grande do Sul, Ricardo Garcia, as denúncias foram anônimas e ele não sabe ao certo como a carta foi distribuída dentro da empresa. Na sua avaliação, está claro de que foi destinada aos trabalhadores.

“O teor da carta transmite a mensagem de que não votar no candidato apontado pelo empregador seria prejudicial ao país, à empresa e aos empregos dos colaboradores, não concordando com as posições defendidas por partidos políticos não alinhados com a ideologia propagada pelo candidato defendido”, diz a ação cautelar ajuizada pelo MPT contra a Sierra Móveis, para evitar a circulação do texto.

A decisão do juiz da 1ª Vara do Trabalho de Gramado foi favorável à empresa. Segundo Ricardo Garcia, esse foi o único caso no Rio Grande do Sul em que a Justiça não acatou a liminar, com o argumento de que a missiva “encontra-se nos limites da livre manifestação de pensamento”. “Cuida-se de mera propaganda eleitoral, no meu sentir, totalmente lícita”, acrescentou o juiz Artur Peixoto San Martin.

O procurador afirmou que vai propor uma Ação Civil Pública contra a Sierra Móveis pedindo a condenação por dano moral coletivo para responsabilizar a empresa e coibir a mesma prática no futuro. “Ele tem o poder de demitir o empregado a qualquer momento sem nem sequer explicar o motivo. Esse poder que ele tem sobre todos os seus empregados, evidentemente que influencia, que constrange o trabalhador”, destacou Garcia.

A Pública entrou em contato com a empresa, mas foi informada de que apenas Luis André Tissot, que está em viagem, poderia comentar o assunto. Nenhum contato direto do proprietário foi fornecido à reportagem.

No Paraná, a rede Condor firmou um TAC com o MPT. A empresa foi obrigada a divulgar um comunicado retificando o conteúdo da carta original. “A rede Condor, em respeito à intimidade e à liberdade do cidadão trabalhador, vem informar que respeita as leis trabalhistas e os tratados de direitos humanos, e que não tolera a imposição ou direcionamento nas escolhas políticas dos empregados durante o processo eleitoral. Em consequência desse posicionamento, qualquer ato praticado em sentido contrário está expressamente desautorizado e os responsáveis estarão sujeitos a punição disciplinar”, afirma o texto, que também foi afixado no relógio de ponto dos funcionários e distribuído nas redes sociais. A reportagem não conseguiu contato com a rede de supermercados.

Em campanha na hora do trabalho

Na Construtora Mânica, também no Rio Grande do Sul, os funcionários ganharam camisa da campanha do candidato Jair Bolsonaro. A foto dos empregados com camiseta verde com os dizeres em amarelo “O Brasil que queremos só depende de nós”, tirada no canteiro de obras, foi postada na página do Facebook da empresa e de seu proprietário, Marcelo Mânica. A camiseta traz as mesmas frases das utilizadas por funcionários da Havan nos “atos cívicos” de Luciano Hang. A partir da pesquisa feita na rede social da construtora, o MPT concluiu que “houve uma participação massiva dos empregados em manifestações de apoio a Jair Bolsonaro no ambiente e em horário de trabalho”.

ReproduçãoEmpregados da construtora Mânica vestem camiseta com as mesmas frases que os funcionários da Havan usaram nos “atos cívicos” de Luciano Hang

“Se mostra notável o apoio partidário e ostensivo por parte do empregador, que forneceu o ‘uniforme’ utilizado pelos empregados em suas manifestações, assim como instigou a participação coletiva de apoio à eleição de seu candidato predileto”, destacou o MPT na ação ajuizada contra a empresa. “As atitudes dos requeridos, dentre elas o induzimento dos empregados para que em local e em horário de trabalho participem de atos de apoio ao seu candidato predileto, intimidam, constrangem, coagem, admoestam e ameaçam os empregados da empresa ré quanto a suas escolhas políticas, em evidente prejuízo aos seus direitos fundamentais à intimidade, igualdade e liberdade política, com especial gravidade considerando a proximidade das eleições presidenciais no próximo domingo”, observou o órgão.

Em acordo firmado com o MPT, a construtora comprometeu-se a fornecer camisetas da campanha #ChegadeTrabalhoInfantil a todos os empregados, tirar foto da equipe e publicá-la em redes sociais. Os empregados terão que usar a camiseta, como uniforme, pelo prazo mínimo de 30 dias, em dias intercalados.

O dono da empresa, Marcelo Mânica, disse à Pública que não obrigou nenhum de seus funcionários a usar a camisa da campanha de Jair Bolsonaro. “O que teve foi uma opinião minha, proprietário da empresa, de quem é o melhor candidato. E mostramos para eles o que a gente acha que é o melhor candidato, que é o melhor para o Brasil. Nunca obrigamos e nunca coagimos ninguém a votar em ninguém e nem obrigamos ninguém a usar camisa nenhuma. Foi uma opção de cada um. Não teve coação nenhuma”, afirmou. “Eu achava que como proprietário da empresa, a gente quer um país melhor, podia opinar, mas nunca achei que poderia ser ilegal”, acrescentou.

Convocação na intranet à colinha eleitoral

O MPT do Rio de Janeiro recebeu oito denúncias de coação eleitoral, entre elas uma contra o administrador do Sesc e Senac no estado, Luiz Gastão Bittencourt da Silva. Ele mandou carta para os funcionários das duas instituições em que indica voto em Jair Bolsonaro. “Voto como cidadão e indico a todos aqueles que acreditam no meu trabalho, nas minhas ações e na minha determinação de servir à sociedade que vote em Jair Bolsonaro. Votem com o Brasil, com a família e com Deus acima de tudo”, diz o texto, encaminhado pelo sistema da intranet.

Também vice-presidente administrativo da Confederação Nacional do Comércio, Luiz Bittencourt afirmou na carta não temer a possibilidade de o economista Paulo Guedes, que será ministro da Fazenda, caso Bolsonaro vença as eleições, “mexer ou mesmo acabar com as contribuições do Sistema S”. Formado por nove entidades de direito privado como Sesc e o Senac, o Sistema S é financiado por contribuições compulsórias das empresas sobre suas folhas de pagamento.

Por meio de nota enviada pela assessoria de imprensa do Senac, o dirigente afirma que fez uma manifestação pessoal a respeito do momento eleitoral. “Somos parte de uma instituição que tem como princípio incentivar a cidadania e o livre pensamento, na construção do diálogo democrático.” A mesma nota foi publicada na intranet do Sesc e do Senac do Rio de Janeiro.

Ainda no Rio de Janeiro, o MPT recebeu uma denúncia de que o dono da concessionária Abolição Veículos teria reunido os trabalhadores e entregado a famosa colinha eleitoral com os nomes e números dos candidatos em que ele gostaria que votassem: Jair Bolsonaro para presidente, Eduardo Paes para o governo, Cesar Maia e Flávio Bolsonaro para o senado, Leandro Lyra para deputado federal e Marcelo Queiroz para deputado estadual. “A denúncia chegou de um empregado que pediu sigilo, na sexta-feira, véspera das eleições”, afirmou o procurador Artur de Azambuja Rodrigues. Ele disse que um TAC foi firmado com a empresa. Segundo o procurador, o dono da concessionária admitiu que tinha falado com os empregados, mas ele achava que não teria nenhum problema ao fazer isso. “Ele reuniu os empregados em grupos e foi pedindo os votos deles.” A Pública não conseguiu contato com representantes da concessionária.

Campanha contra Bolsonaro

A única denúncia de coação eleitoral até o momento divulgada pelos MPTs contrária ao candidato Jair Bolsonaro envolveu o renomado restaurante de São Paulo, Maní. A denúncia foi motivada por uma foto postada pela chef, Helena Rizzo, em seu Instagram, em apoio à campanha #elenão, liderada por mulheres contra a eleição de Bolsonaro. Na foto, Helena está com a equipe na cozinha do restaurante e todos estão a frase da campanha no braço.

De acordo com o MPT de São Paulo, no curso das investigações, verificou-se que os trabalhadores que participaram da foto o fizeram voluntariamente. “Houve uma denúncia anônima e o MPT concluiu que não houve coação”, afirmou a assessoria de imprensa do restaurante.

Para o MPT, a foto publicada no perfil da chef – que também é uma das proprietárias da empresa – passa a ideia de que o pensamento é do próprio empregador, o que pode gerar constrangimentos aos seus empregados. Por causa disso, o órgão propôs um acordo, firmado por meio de um TAC, em que a empresa se comprometeu a não adotar manifestação político-partidária em seus estabelecimentos para que não haja desconforto dos empregados com o posicionamento político individual de seus sócios.

Categorias: Internacionais

África se mantiene decidida rumbo a la COP24

IPS español - sex, 19/10/2018 - 13:14

Pastores de Etiopía deben trasladarse constantemente en busca de pasturas y pozos de agua para sus animales. Crédito: William Lloyd-George/IPS

Por Friday Phiri
NAIROBI, Oct 19 2018 (IPS)

El crecimiento de los movimientos nacionalistas de extrema derecha en Occidente amenaza el Acuerdo de París, alcanzado en diciembre de 2015, coincidieron expertos africanos, reunidos en la siete Conferencia sobre Cambio Climático y Desarrollo de África (CCDA-VII), realizada en esta capital de Kenia.

El acuerdo busca acelerar e intensificar las acciones y las inversiones para tener un futuro sostenible con bajas emisiones de carbono, mediante la mitigación de gases contaminantes, la adaptación y la transferencia de tecnología y de fondos, entre otras medidas.

Mientras las partes se esfuerzan por terminar de definir las medidas necesarias para que comience a funcionar el Acuerdo de París, los expertos africanos encontraron la necesidad de presentar una voz única en lo que respecta a los cambios geopolíticos que ponen en riesgo las negociaciones climáticas.

“El crecimiento del movimiento nacionalista de extrema derecha encerrado en sí mismo y los negadores del cambio climático de Occidente es una señal del endurecimiento de las posiciones, lo que puede derivar en la falta de acciones de los mayores responsables de los problemas climáticos del mundo”, observó Mithika Mwenda, secretario general de la Alianza Panafricana de Justicia Climática (PACJA, en inglés).

Mwenda dijo que las organizaciones de la sociedad civil buscan la colaboración de gobiernos del continente y están listas a ofrecer su apoyo mientras África busca soluciones locales para mitigar el impacto del recalentamiento global.

“Nuestros gobernantes, que tienen la clave para implementar de forma eficiente el Acuerdo de París, deben permanecer sinceramente concentrados y resistir los intentos de dispersar la voz africana unificada para que África pierda su fuerte posición en el diseño del reglamento del acuerdo”, indicó Mwenda en diálogo con IPS.

La 24 Conferencia de las Partes (COP24) de la Convención Marco de las Naciones Unidas sobre el Cambio Climático, que se realizará en Katowice, Polonia, en diciembre de este año, deberá concluir la reglamentación operativa del acuerdo.

Pero al grupo africano le preocupa que haya un intento deliberado de los estados más industrializados de descarrilar el proceso, pues la operacionalización del acuerdo implica una obligación económica de su parte para apoyar la adaptación y la mitigación en los países en desarrollo.

Desde 2015, el mundo ha sido testigo de un cambio geopolítico, como el que llevó a la Presidencia de Estados Unidos a un escéptico en cuestiones climáticas como Donald Trump, así como a muchos movimientos nacionalistas de extrema derecha al gobierno en Europa.

“Dos grupos fuerte se unieron, la industria extractiva y los nacionalistas de extrema derecha”, puntualizó Martin Hultman, profesor adjunto de Ciencia, Tecnología y Estudios Ambientales de la Universidad Chalmers de Tecnología.

“La combinación llevó el debate actual a un nivel mucho más dramático que antes, al mismo tiempo que desaparece nuestra ventana de oportunidades”, acotó Hultman, investigador responsable de proyecto “¿Por qué no nos tomamos en serio el cambio climático? Un estudio de la negación del cambio climático”.

Por otro lado, Trump cumplió una promesa de campaña cuando escribió a la Secretaría de la CMNUCC para notificar del retiro de su país del tratado, socavando así la universalidad del Acuerdo de París y perjudicando la confianza de los estados en la cooperación climática.

En ese contexto, el debate en Nairobi giró en torno a cómo puede hacer el continente para aprovechar las soluciones locales y mantenerse unidos en medio de la cambiante dinámica política.

En su discurso de apertura, en nombre del presidente, Uhuru Kenyatta, el ministro de Ambiente y Silvicultura, Keriako Tobiko, dijo que el cambio climático era una cuestión de vida o muerte para África.

“Todos experimentamos las devastadoras consecuencias sin precedentes del cambio climático sobre la vida y el sustento de nuestros pueblos, así como sobre nuestras economías”, subrayó.

“África es el continente más vulnerable a pesar de solo contribuir a cuatro por ciento de las emisiones de gases invernadero, pero cuando vamos a defender nuestro caso hablamos en lenguas y nos volvemos sin acuerdo”, añadió Kenyatta.

Los ecosistemas compartidos que caracterizan a África hacen que sea fundamental tener una voz única para salvaguardar la base del desarrollo del continente y buscar soluciones transformadoras, apuntó.

La conferencia de Nairobi se realizó pocos días después de la divulgación del informe especial del Grupo Intergubernamental de Expertos sobre Cambio Climático (IPCC) dedicado al Recalentamiento Global de 1,5 grados centígrados, que alerta sobre una catástrofe si no se toman medidas inmediatas para frenar las emisiones de gases invernadero.

Sobre el informe del IPCC, Tobiko reiteró las resoluciones adoptadas por la primera Plataforma de Asociación Ambiental de África, mantenida el 20 de septiembre bajo los auspicios de la Nueva Alianza para el Desarrollo de África, el órgano técnico de la Unión Africana, que subraya la necesidad de convertir los desafíos ambientales en soluciones económicas a través de la innovación y las inversiones verdes.

También informó que Kenia organizará la primera Conferencia de Economía Sostenible Azul, del 26 al 28 de noviembre, para promover inversiones sostenible en océanos, mares, lagos y ríos.

Al igual que la Plataforma de Asociación Ambiental de África, que reconoce “al conocimiento indígena y alos sistemas de gobernanza tradicionales como parte del rico patrimonio africano para hacer frente a las cuestiones ambientales”, la indigenización también es un tema popular en la CCDA VII.

Bajo el lema “Políticas y acciones para la efectiva implementación del Acuerdo de París para economías resistentes en África”, la conferencia atrajo a más de 700 participantes de los estados miembro, investigadores climáticos, academia, organizaciones de la sociedad civil y gobernantes locales, entre otros.

Por su parte, James Murombedzi, responsable del Centro de Política Climática de África de la Comisión de las Naciones Unidas para África, dijo que hace tiempo que las comunidades africanas que practican estrategias de adaptación y respuestas viables para la variabilidad del clima.

“Pero hay límites a cuánto pueden seguir haciendo las comunidades para seguir generando ingresos adaptados al contexto del cambio climático”, observó. Es hora de que reciban apoyo de un contexto propicio creado por los gobiernos.

“Por eso en la CCDA-VII creemos que los países deben comenzar a planificar para un clima más cálido que lo que se preveía, lo que implica que debemos revisar las diferentes acciones y propuestas climáticas para asegurarnos de que podemos no solo sobrevivir en un ambiente con tres grados centígrados más, sino también lograr nuestros objetivos de desarrollo sostenible y nuestra Agenda para 2063”, añadió Murombedzi.

Yacob Mulugetta, profesor de política de desarrollo y energía, de la Universidad London College, señaló que “esas son las implicancias del recalentamiento global para África, que ya sufre las consecuencias del clima, como en la producción agrícola, el turismo y la generación de energía hidroeléctrica”.

“La cooperación internacional es una parte fundamental para limitar el recalentamiento en 1,5 grados”, apuntó Mulugetta, pero alertó a los expertos africanos de ser conscientes de los cambios geopolíticos que impactan en las negociaciones climáticas.

James Kinyangi, del Banco de Desarrollo Africano, dijo que el Plan de Acción Climática para 2016-2020 era ambicioso.

“Explora modalidades para lograr la adaptación, la conveniencia y la efectividad de los fondos para el clima, la construcción de capacidades y la transferencia de tecnología, todo lo que apunta a construir capacidades para que las economías africanas logren todo su potencial para adaptarse en sectores de alta tecnología”.

En el marco de ese plan, el banco prácticamente triplicará sus fondos para proyectos climáticos hasta llegar a 5.000 millones de dólares al año en 2020.

Traducción: Verónica Firme

Artículos relacionados

El artículo África se mantiene decidida rumbo a la COP24 fue publicado originalmente en IPS Agencia de Noticias.

Categorias: Internacionais

Miedo en Brasil ante retorno de militares, esta vez por los votos

IPS español - qui, 18/10/2018 - 18:12

El ultraderechista Jair Bolsonaro, el candidato presidencial de Brasil con una ventaja que parece irreversible, en un encuentro el miércoles 17 con el arzobispo católico Orani Tempesta. Entre los católicos el excapitán tiene menos adeptos que entre los evangélicos y busca en la recta final de su campaña, acercarse a sectores que ha agredido previamente, para tratar de dar una imagen más moderada. Crédito: Tania Rego/Agencia Brasil

Por Mario Osava
RÍO DE JANEIRO, Oct 18 2018 (IPS)

Un clima de pánico cunde entre la izquierda y sectores sociales en Brasil ante el triunfo casi seguro de Jair Bolsonaro, excapitán del Ejército y político de extrema derecha, en la segunda vuelta de las elecciones presidenciales del 28 de octubre.

Un gobierno basado en sus ideas y propuestas derivará en autoritarismo y violencia, teme el historiador Daniel Aarão Reis, profesor de la Universidad Federal Fluminense. El riesgo más evidente proviene de sus adeptos incontrolables, cuyas agresiones ya se multiplicaron por el país al acercarse su triunfo, destacó.

“Es la vuelta al poder de los militares, ahora por vía electoral. En 1964 recurrieron a los tanques para tomar el poder a través de un golpe de Estado. En aquel entonces también tenían apoyo popular, pero la sociedad estaba dividida, las armas fueron decisivas”, comparó.

Además de un excapitán en la presidencia, el probable gobierno que asumirá el poder de la mayor democracia de América Latina el 1 de enero, contará con varios militares más, comenzando por el candidato a vicepresidente, el general retirado Hamilton Mourão.

Este agravó los temores de los sectores contrarios a Bolsonaro, al mencionar la posibilidad de un “autogolpe”, mediante una intervención militar, si ocurre una supuesta situación anárquica en el país.

Otros generales retirados del Ejército estarían en el primer rango su anunciado gobierno: Augusto Heleno, excomandante de las fuerzas de paz de Naciones Unidas en Haití, como ministro de Defensa; Oswaldo Ferreira, exdirector de ingeniería y construcción del Ejército, como ministro de Transportes; y Carlos dos Santos Cruz como ministro de Seguridad Pública.

Un triunfo de Bolsonaro representaría la absolución, mediante el voto, de la dictadura militar que gobernó Brasil de 1964 a 1985, de la que las Fuerzas Armadas nunca hicieron autocrítica.

El candidato presidencial, de hecho, siempre alabó el papel de las Fuerzas Armadas en ese período y en varias ocasiones homenajeó como su “héroe” al coronel Carlos Brilhante Ustra, excomandante de un destacamento de represión política y tortura durante la dictadura. “El error fue torturar y no matar”, declaró.

Militar y político polémico

Bolsonaro, nacido en 1955 y graduado en la escuela militar en 1977, cumplió una carrera marcada por indisciplinas en el Ejército. En 1986 fue detenido 15 días por protestar contra los bajos salarios de los militares en un artículo publicado en la prensa.

El año siguiente fue acusado de planificar la explosión de bombas en varios cuarteles, pero resultó absuelto por el Superior Tribunal Militar por insuficiencia de pruebas. En 1988 logró ser elegido como concejal de Río de Janeiro y dejó el Ejército.

Fernando Haddad, candidato presidencial del Partido de los Trabajadores, en una reunión con líderes de iglesias protestantes cuyos fieles apoyan a su contrincante, el ultraderechista Jair Bolsonario, con cerca de 70 por ciento, según las encuestas. La derrota de Haddad se da por segura, sin un hecho nuevo de enorme impacto, en los 10 días que quedan antes de las elecciones de28 de octubre. Crédito: Ricardo Stuckert/PT

En 1990 fue elegido diputado en el Congreso Nacional, un cargo que ha ocupado hasta ahora, en siete periodos cuatrienales, como miembro de ocho partidos diferentes.

Desde enero integra el Partido Social Liberal (PSL), minúsculo hasta la primera vuelta electoral del día 7, cuando gracias a su arrastre obtuvo una bancada de 52 diputados, la segunda mayor bancada, y cuatro senadores.

Sufría restricciones en los medios castrenses por su polémica biografía, pero la posibilidad de ascender a la presidencia de Brasil le rindió un amplio apoyo militar. Se trata de la redención de las Fuerzas Armadas, sometidas al silencio político en el proceso de redemocratización de las tres últimas décadas.

La participación directa en esas elecciones y en el probable futuro gobierno se hará principalmente por generales retirados, pero resulta evidente que se involucra la institución, lo que puede tener su costo en el futuro, si fracasa la prevista gestión.

El ascenso de Bolsonaro aprovecha el hecho de que las Fuerzas Armadas, pese al pecado dictatorial, siempre disfrutaron de la confianza de los brasileños. Las encuestas siempre las situaron como una de las instituciones más confiables.

Pero su participación en el poder político, casi nula, registró un vuelco el día 7 en las urnas por el “efecto Bolsonaro. Un total de 79 militares quedaron electos como  diputados y senadores nacionales, o legisladores de las asambleas de los 27 estados brasileños, lo que les brinda una participación sin precedentes.

Además, en una insólita novedad, el nuevo presidente del Supremo Tribunal Federal, José Dias Toffoli, asumió ese cargo el 13 de septiembre con un general retirado como asesor, Fernando Azevedo e Silva, recién salido del Estado Mayor del Ejército.

Se trata de contar con “las habilidades y competencia” del general, justificó Toffoli, sin aclarar su papel en una institución donde se exige conocimientos jurídicos poco presentes en una carrera militar.

Luego el jefe del Poder Judicial sorprendió nuevamente a la opinión pública, l afirmar que ya no denomina “golpe de Estado” a la intervención militar de 1964, sino “movimiento de 1964”.

Militares en búsqueda de recuperar poder moderador

Desde la instauración de la República en 1889 en Brasil, los militares ejercieron el “poder moderador”, interviniendo frecuentemente en la vida política interna. Pero con el fin de la dictadura militar en 1985, ese poder pasó al STF, según Oscar Vilhena, director de la Facultad de Derecho de la Fundación Getulio Vargas en São Paulo.

“Es lamentable, pero pienso que esa función moderadora se está desplazando nuevamente hacia los militares”, señaló a IPS.

Al contrario de Donald Trump en Estados Unidos, que cuenta con el Partido Republicano y con su carrera empresarial, Bolsonaro nunca tuvo experiencia administrativa y fue un diputado que solo se destacó por sus diatribas.

Los analistas le apuntan similitudes con el presidente de Filipinas, Rodrigo Duterte, por la incontinencia verbal y la violencia que practica. Sus ideas, como la de sus generales reflejan los prejuicios, morales y sociales, típicos de la formación militar de los primeros años 1970, apogeo de la dictadura en Brasil.

La violencia bolsonarista ya llegó

Los riesgos de un gobierno presidido por el excapitán y político ultraderechista, con varios subordinados jerárquicamente superiores en la vida militar, empiezan por el agravamiento de la violencia que ya estalló en la campaña electoral.

Romualdo Rosario da Costa, un músico y maestro de “capoeira” (mixto de danza y arte marcial afrobrasileña), de 63 años, más conocido como Moa do Katendê, fue asesinado por un bolsonarista de 12 cuchilladas el 8 de octubre en Salvador, capital del nororiental estado de Bahia.

Una mujer golpeada por tres hombres que la grabaron una esvástica nazi en el vientre con un cuchillo, en el sur de Brasil, y otra lanzada al suelo y agredida a puntapiés por un policía en la ciudad de São Paulo son algunos casos conocidos de violencia en este mes electoral.

De 70 agresiones registradas por la agencia Pública de periodismo investigativo, entre el 30 de septiembre y 9 de octubre, 50 fueron cometidas por personas que se identificaron como adeptos del excapitán.

“Es preocupante el futuro próximo”, destacó Aarão Reis, quien no descartó un “autogolpe”, para instaurar un régimen autoritario, si el previsible nuevo gobierno enfrenta fuerte resistencia a sus medidas.

Bolsonaro y los suyos justificarían una medida de ese tipo, apoyada por sectores militares, como medio de “ejecutar políticas que reflejan la voluntad del pueblo expresada en las elecciones”, arguyó.

Pero no solo la democracia estaría amenazada, sino también el ambiente, los indígenas, pobladores tradicionales, movimientos sociales y feministas o minorías por su orientación sexual.

En general Oswaldo Ferreira, posible ministro de los Transportes, ya declaró que buscaría eliminar obstáculos a la construcción de centrales hidroeléctricas en ríos amazónicos y carreteras.

Él y Bolsonaro ya mencionaron la disposición de reducir poderes y recursos de órganos ambientales y de protección a los indígenas.

Pese a todo, el triunfo electoral del excapitán parece irreversible.

Las encuestas le apuntan una consolidación de su favoritismo, con 58 o 59 por ciento de la intención de voto en la segunda vuelta. Un cuadro inimaginable pocos días antes de la primera vuelta del día 7, cuando alcanzó la sorprendente mayoría de 46,03 por ciento de los votos válidos en una disputa con otros 12 candidatos.

Su adversario, Fernando Haddad, del izquierdista Partido de los Trabajadores (PT), que gobernó el país entre 2003 y 2016, llno logró articular el frente por la democracia que aparecía como la única alternativa para frenar el avance del candidato militar que alarma a los que lo identifican como amenaza a la democracia.

Edición: Estrella Gutiérrez

El artículo Miedo en Brasil ante retorno de militares, esta vez por los votos fue publicado originalmente en IPS Agencia de Noticias.

Categorias: Internacionais

O que checamos no 2º turno da eleição presidencial

Pública - qui, 18/10/2018 - 17:07
Fernando Haddad (PT)

“Você sabe que o Maluf aqui em São Paulo quase ganhou duas eleições com mais de 45% dos votos no 1º turno, depois perdeu no 2º [turno].” – Falso

“Você sabia que tem 300 mil mandados de prisão expedidos que não são cumpridos por falta de lugar?” – Exagerado

“Um preso hoje custa R$ 40 mil por ano para o Estado.” – Exagerado

 

Jair Bolsonaro (PSL)

“[Fernando Haddad] criou o ‘kit gay’.” – Falso

“Um policial hoje precisa esperar o bandido atirar para reagir.” – Falso

“Vários estados americanos têm a lei dos crimes. O elemento furtou um celular, roubou a bicicleta e bateu a carteira, 25 anos de cadeia sem proporção.” – Exagerado

 

Boatos sobre Fernando Haddad

“Que tal estimular relação sexual entre pai e filha? Espanto? Esta é a leitura que foi disponibilizada pelo ministro de Educação [Fernando] Haddad enquanto esteve à frente deste ministério. O governo comprou e distribuiu para escolas e entre criancinhas um livro em que o pai castiga a filha por ‘não querer ser dele’. Você pensa que já tinha visto de tudo? Engana-se!!! Veja a reportagem.” – Falso

“[Haddad é] réu por improbidade em ação que apura prejuízo milionário em construção de ciclovias.” – Verdadeiro

“Acusado de enriquecimento ilícito por caixa 2 em esquema com empreiteiras.” – Verdadeiro

“Acusado de improbidade em ação que investiga desvio de R$ 130 milhões do Theatro Municipal.” – Verdadeiro

“Deixou 130 mil crianças sem creche em São Paulo.” – Exagerado

“Deixou 340 mil pessoas sem atendimento médico em São Paulo.” – Falso

“Deixou a prefeitura de São Paulo avaliado como um dos piores prefeitos da história.” – Verdadeiro

“Deixou um rombo de R$ 7,5 bilhões em São Paulo.” – Falso

“Ex-ministro da Educação, hoje mais de 70% dos estudantes têm desempenho insuficiente em português e matemática.” – Falso

“[Há 22] processos na Justiça de São Paulo contra o candidato do PT, Fernando Nami Haddad, tramitando no Foro Central – Fazenda Pública.” – Falso

 

Boatos sobre Jair Bolsonaro

“Ele [Bolsonaro] contratou ilegalmente a esposa atual no seu gabinete […].” – Falso

“[…] e triplicou seu salário [de Michelle, esposa de Bolsonaro].” – Verdadeiro

“Contratou uma funcionária fantasma com a verba do seu gabinete. Ela vende açaí em Angra dos Reis, onde ele tem uma mansão.” – Verdadeiro

“Embolsou a verba de auxílio-moradia que recebeu em todos os seus mandatos sem precisar. Ele já tem uma casa em Brasília.” – Exagerado

“Roubou um cofre com valores de cerca de R$ 1,6 milhão da agência do Banco do Brasil da Rua Senador Dantas, no centro do Rio.” – Impossível Provar

“Bolsonaro ocultou patrimônio pessoal da Justiça Eleitoral em 2006.” – Verdadeiro

“É acusado de sonegação de impostos.” – Falso

“É acusado de enriquecimento ilícito através da máquina pública.” – Falso

“Está apontado em suspeita de lavagem de dinheiro.” – Falso

“Envolvido em caixa 2 de campanha.” – Falso

 

 

Boatos sobre pesquisas

“Tracking BTG que acabou de sair para o mercado financeiro: Bolsonaro, 52%; Haddad, 48%. P.S.: Votos válidos.”  – Falso

“Paraná Pesquisas registrado no TSE: o mito Bolsonaro vence em todos os estados, porque o povo quer renovação!” – Falso

Confira as checagens do 1º turno

Categorias: Internacionais

Derrota humillante de EEUU a manos de Palestina al frente del G77

IPS español - qui, 18/10/2018 - 13:12

Palestina presidirá el G77 y China en la ONU. Crédito: Instituto de Estudios Palestinos. Crédito: Instituto de Estudios Palestinos.

Por Thalif Deen
NACIONES UNIDAS, Oct 18 2018 (IPS)

Nikky Haley, la embajadora de Estados Unidos en la ONU que no disimula su fastidio con Palestina, amenazó el año pasado a los estados miembro con “registrar nombres” de quienes votaran contra los intereses estadounidenses en el foro mundial, quizá con la perspectiva implícita de recortar la asistencia a los que se negaran a seguirle el juego al imprudente gobierno de Donald Trump.

Pero el recuento vengativo puede llegar a tornarse un ejercicio tedioso para Estados Unidos, cuando 146, de los 193 estados miembro de la ONU (Organización de las Naciones Unidas), votan a favor de mantener a Palestina como nuevo presidente del Grupo de los 77 (G77), la coalición más grande de países en desarrollo en el foro mundial con 134 estados miembro.

Entre los 146 había alguno de los grandes aliados de Estados Unidos, además de cuatro de los cinco miembros permanentes del Consejo de Seguridad, China, Gran Bretaña, Francia y Rusia.

Los únicos dos países que permanecieron fieles a Estados Unidos fueron Israel, y su tradicional cliente, Australia, un recién llegado a las filas de partidarios de Washington.

Las 15 abstenciones correspondieron a Austria, Andorra, Bosnia-Herzegovina, Bulgaria, Canadá, Croacia, República Checa, Honduras, Hungría, Letonia, Lituania, Mónaco, Polonia, Eslovaquia y Tuvalu,

La votación en la Asamblea General, el 16 de este mes, fue, por donde se lo mire, una derrota humillante para el gobierno de Trump, que trasladó su embajada de Tel Aviv a Jerusalén y recortó en 300 millones de dólares sus aportes a la Agencia de las Naciones Unidas para los Refugiados Palestinos en Oriente Próximo (Unrwa).

Ambas medidas buscaron socavar a Palestina en la ONU. Pero los palestinos se llevaron una gran victoria a pesar de las presiones tras bambalinas, tanto de Estados Unidos como de Israel de frustrar el avance palestino.

Palestina, que no es miembro de la ONU, fue elegida para presidir el G77 a partir de enero del año próximo en una reunión ministerial realizada a fines de septiembre, lo que este mes fue ratificado por la Asamblea General.

Mouin Rabbani, del Instituto de Estudios Palestinos en Washington, dijo a IPS que la elección de Palestina como nuevo presidente del G77, en particular dada la naturaleza totalmente desigual de la votación, solo puede interpretarse como una bofetada deliberada contra Estados Unidos por parte de la comunidad internacional.

El mes pasado, el mundo se rió fuerte de Trump, quien se embarcó en otra tosca demostración de Americana en la Asamblea General, añadió.

“Hoy demostró que su respuesta a la determinación de Estados Unidos de desmantelar el sistema internacional y sus instituciones, de eliminar el concepto de responsabilidad en el marco del derecho internacional, de hacer al poder de Estados Unidos el único árbitro de los asuntos internacionales y de utilizar la cuestión palestina como vehículo para lograr sus objetivos, solo podrá adoptar formas más serias”, opinó.

Tras la votación, Haley dijo que su país votó en contra de la resolución que otorgaba a los palestinos privilegios en la ONU como presidente del G77.

“Estados Unidos no reconoce al estado palestino, no ha sido admitido como miembro de la ONU y no cree que los palestinos puedan ser elegidos como estado miembro”, añadió.

Estados Unidos se opone totalmente a que Palestina sea presidente del G77, así como a la resolución habilitante en la Asamblea General de la ONU, añadió la enviada saliente, al anunciar en la segunda semana de este mes que resignaá a su cargo a fines de este año.

“Los palestinos no pertenecen a un estado miembro de la ONU ni a ninguno otro. Estados Unidos seguirá señalándolo en sus comentarios en encuentros de la ONU encabezados por los palestinos”, observó.

“El error de la ONU socava las posibilidades de paz al alentar la ilusión de algunos palestinos de que pueden promover sus objetivos sin negociaciones de paz directa. De hecho, la votación de hoy no hace nada para ayudar al pueblo palestino”, añadió.

El embajador palestino, Riyad Mansour dijo que la votación en la Asamblea General representa al multilateralismo en su mejor expresión; muestra la mayoría de los miembros a favor de una resolución que permita que el presidente electo de un grupo desempeñe sus deberes de forma efectiva.

Fue una expresión del respeto de una decisión del G77 y China de elegir al estado de Palestina como su presidente para 2019 por consenso, tras el apoyo del grupo de Asia Pacífico a la candidatura palestina, también por consenso, precisó.

“El Estado de Palestina no escatimará esfuerzos para probar que merece esta confianza en su capacidad de representar y de defender los intereses del G77 y China, a la vez que de participar de forma constructiva e inclusiva y transparente con todos los socios a fin de promover la cooperación y los acuerdos de mutuo beneficio para el bien común de la humanidad”, añadió

La resolución de la Asamblea General no solo ratifica la decisión ministerial, sino que también da a los palestinos derechos y privilegios adicionales, como a realizar declaraciones en nombre del G77 y China, incluso entre representantes de grandes organizaciones, a realizar propuestas y enmiendas, y a presentarlas en nombre del bloque, así como el derecho a copatrocinar propuestas y enmiendas.

Además, Palestina obtuvo el derecho a explicar el voto en nombre de los estados miembro de la ONU que pertenezcan al G77 y China, a responder sobre posiciones del bloque y a plantear mociones de procedimiento, como mociones de orden y pedir para someter propuestas a votación, en nombre del grupo.

Rabbani señaló que la elección de Palestina para encabezar el G77 debe verse como una respuesta directa al reconocimiento de Washington de la exclusiva soberanía de Israel sobre Jerusalén en flagrante violación de las numerosas resoluciones del Consejo de Seguridad, el fin del aporte económico de Estados Unidos a la Unrwa, en el marco de su campaña para eliminar el asunto de los refugiados palestinos, las medidas punitivas contra los civiles palestinos de los territorios ocupados para que no prosigan sus demandas contra Israel en la Corte Penal Internacional y la Corte Internacional de Justicia, y otras medidas para legitimar el control permanente de Israel sobre el pueblo, los territorios y los recursos palestinos.

“Si fuera una elección tradicional para la presidir el G77 no es seguro que hubieran elegido a Palestina, muy poco probable que hubiera ganado, y prácticamente de ninguna manera hubiera logrado los resultados que obtuvo”, observó Rabbani.

“En otras palabras, esto obedece a cuestiones mucho más amplias que las calificaciones gerenciales del candidato exitoso y, por encima de todo, un mensaje político dirigido a Washington”, aseguró.

La vasta mayoría de los miembros del G77 hicieron fila para preguntarle a Nikki Haley, y por extensión al “genio escondido de Jared Von Metternich, de registrar sus nombres y señalar que rechazan de forma categórica la política estadounidense hacia Palestina y los objetivos más generales que persigue el gobierno de Trump”, apuntó.

“El mayor desafío es traducir esas victorias simbólicas, por más importantes que sean, en logros sustantivos”, añadió.

Traducción: Verónica Firme

Artículos relacionados

El artículo Derrota humillante de EEUU a manos de Palestina al frente del G77 fue publicado originalmente en IPS Agencia de Noticias.

Categorias: Internacionais

Verdades e mentiras misturam-se em corrente contra Haddad

Pública - qui, 18/10/2018 - 12:16
Marcelo Camargo/Agência BrasilO candidato à Presidência Fernando Haddad (PT), após encontro com dirigentes da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), em Brasília

Circula no WhatsApp e no Facebook uma postagem que faz afirmações sobre o passado de Fernando Haddad (PT). Com a frase de impacto “Finalmente Haddad virou candidato do PT”, a publicação original foi feita pelo Movimento Brasil Livre (MBL) no Instagram em 11 de setembro, chegando a 17,5 mil curtidas. No dia 19 de setembro, a página de Facebook da organização publicou uma imagem parecida, com as mesmas informações. A postagem teve quase 15 mil compartilhamentos. A mesma imagem ainda foi citada em vídeo no YouTube do MBL, com 590 mil visualizações.

Outras publicações não associadas ao MBL também usaram as informações sobre Haddad listadas na imagem e ainda acrescentaram à lista o dado falso de que o candidato teria criado o chamado “kit gay”. O Truco – projeto de checagem da Agência Pública – já checou essa afirmação e concluiu que é falsa. Agora, foi a vez das outras oito acusações contra Haddad presentes na publicação. Apenas quatro delas foram consideradas verdadeiras.

“[Haddad é] réu por improbidade em ação que apura prejuízo milionário em construção de ciclovias.”

O Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJSP) aceitou a denúncia de improbidade administrativa ajuizada pelo Ministério Público do Estado de São Paulo (MP-SP) contra a Prefeitura de São Paulo no dia 14 de agosto. Dessa forma, o ex-prefeito Fernando Haddad, a empresa Jofege Pavimentação e Construção e outros tornaram-se réus no processo. Logo, a frase é verdadeira.

De acordo com a acusação do MP, houve superfaturamento. O valor foi de R$ 4,4 milhões por quilômetro no trecho Ceagesp-Ibirapuera, enquanto, na gestão anterior, a mesma empresa realizou uma obra na Avenida Faria Lima por um orçamento de R$ 617 mil por quilômetro. Além disso, o órgão questionou o fracionamento da execução da ciclovia em seis contratos por meio de ata de registro de preços. O órgão argumenta que deveria ter sido feita uma única licitação pela modalidade “concorrência”. Foram apontados ainda falta de acabamento, deficiência na obra e sobreposição em um trecho já existente.

Além disso, os promotores pedem o ressarcimento do valor dos contratos, que somaram R$ 54,7 milhões, ou o valor do dano material, de R$ 5,2 milhões. Em defesa prévia, Fernando Haddad afirmou que não praticou nenhum ato ilícito e que a implementação das ciclovias ocorreu de maneira regular.

“Acusado de enriquecimento ilícito por caixa 2 em esquema com empreiteiras.”

Fernando Haddad foi acusado pelo Ministério Público de recebimento de recursos não contabilizados em sua campanha eleitoral e pagamento de dívidas do período eleitoral quando já era prefeito, advindos da empresa UTC Engenharia e da Constran S/A Construções e Comércio – atos que teriam sido praticados entre 2012 e 2013 –, e de pagamento de propina ao ex-prefeito de Diadema, José de Filippi Jr., em 2013 e 2014. Logo, a frase é verdadeira.

De acordo com o inquérito do MP, todos os requeridos no processo receberam um montante de R$ 2,6 milhões – corrigido pela inflação, o total é de R$ 3,5 milhões. O valor total da causa é de R$ 15,1 milhões. A última decisão da juíza Maricy Maraldi constatou que o prazo de defesa prévia somente se inicia com a notificação de todos os requeridos.

No Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo está tramitando outro processo com a mesma acusação de caixa 2 no período das eleições de 2012. No dia 7 de junho deste ano, João Vaccari Neto (ex-tesoureiro do PT), Francisco Macena da Silva (responsável pelas contas da campanha), Fernando Haddad e os empresários Francisco Carlos de Souza e Ronaldo Cândido de Jesus se tornaram réus pelo juiz eleitoral Francisco Carlos Inouye Shintate da 1ª Zona Eleitoral. Na decisão, instaurada no dia 27 de agosto, a defesa do ex-prefeito respondeu à acusação, alegando a nulidade processual pelo compartilhamento de provas da Operação Custo Brasil, inépcia formal da denúncia e falta de justa causa. O juiz rejeitou os argumentos apresentados por Haddad, alegando que há elementos de provas que indicam a existência do crime. Ao fim do documento, o juiz marcou uma nova audiência para o dia 6 de novembro, logo após o fim das eleições.

“Acusado de improbidade em ação que investiga desvio de R$ 130 milhões do Theatro Municipal.”

No dia 23 de março de 2016, o Ministério Público do Estado de São Paulo instaurou o Inquérito Civil n° 14.0695.0000153/2016-0, em que acusa o ex-prefeito de improbidade administrativa por desvios de verba no Theatro Municipal de São Paulo. Além disso, solicita que R$ 129,2 milhões sejam devolvidos aos cofres públicos. A frase é verdadeira.

De acordo com o documento, quando Fernando Haddad assumiu o cargo em 1º de janeiro de 2013, entrou em contato com o maestro John Neschling para que ocupasse o posto de diretor artístico do Theatro Municipal pelo salário de R$ 150 mil.

Para tornar possível a contratação do maestro, o ex-ministro da Cultura, Juca Ferreira, e o ex-diretor-geral do Theatro Municipal, José Luiz Herencia, criaram uma organização social para gerenciar o espaço, o Instituto Brasileiro de Gestão Cultural (IBGC), mas que serviria apenas para levar Neschling à gestão do espaço público. A acusação do MP afirma que Herencia pedia para que William Nacked (ex-diretor da IBGC) emitisse notas fiscais falsas para justificar a prestação de serviços não realizados, sendo essa uma das formas de desviar dinheiro público.

No relatório final da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investigou o caso do Theatro Municipal na Câmara dos Vereadores, publicado no dia 20 de outubro de 2016, o nome de Fernando Haddad foi excluído do rol de responsabilizados pela acusação de desvio.

Em reportagem da Folha de S.Paulo – de 9 de agosto deste ano –, a defesa do ex-prefeito afirmou que os desvios praticados pela organização social e pela Fundação Theatro Municipal não são de responsabilidade dele. Disse ainda que sua gestão foi responsável pelo desbaratamento do esquema de corrupção com a criação da Controladoria-Geral do Município.

“Deixou 130 mil crianças sem creche em São Paulo.”

O ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad encerrou seu mandato, no final de dezembro de 2016, com um déficit de 65.040 vagas em creches, de acordo com dados da Secretaria Municipal de Educação. O número é 49,96% inferior ao informado pela imagem da corrente de WhatsApp.

Provavelmente, o valor informado pelo boato refere-se ao mês de setembro daquele ano, em que 133.005 crianças estavam na fila de espera para creches. Por isso, a frase é considerada exagerada.

Atualmente, existe um déficit de 85.407 crianças aguardando por uma vaga nas creches do município. Ou seja, houve novo crescimento da demanda.

“Deixou 340 mil pessoas sem atendimento médico em São Paulo.”

O número se refere na verdade à quantidade de pessoas na fila para exames médicos em maio de 2016. Segundo reportagem do jornal O Estado de S. Paulo, 347 mil pessoas aguardavam na fila para exames naquele mês. Ao final da gestão Haddad, 588 mil pessoas aguardavam por exames na rede municipal de saúde, conforme relatório do Tribunal de Contas do Município (TCM) enviado ao Truco. O tempo médio de espera era de 113 dias em dezembro de 2016.

Apesar da longa espera, as pessoas que aguardavam por exames não necessariamente ficaram sem atendimento. A fila para consultas médicas e exames diminuiu na gestão Haddad. Foi de 647,5 mil ao final da gestão Kassab para 511,8 mil em fevereiro de 2015, segundo dados obtidos pelo Estadão.

“Deixou a prefeitura de São Paulo avaliado como um dos piores prefeitos da história.”

Haddad foi prefeito de São Paulo de 1º de janeiro de 2013 a 31 de dezembro de 2016. No final de seu mandato, seu governo foi avaliado por pesquisas de opinião. Os levantamentos mostraram que Haddad teve um dos maiores índices de reprovação entre os prefeitos anteriores da cidade. Por isso, a afirmação foi considerada verdadeira.

Para avaliar as prefeituras, os entrevistados classificam a gestão entre ótima, boa, regular, ruim ou péssima. Segundo o Datafolha, em agosto de 2016, 48% dos paulistanos avaliaram a gestão Haddad como ruim ou péssima. Na mesma pesquisa, 14% consideraram ótima ou boa. Seu sucessor, João Doria (PSDB), que não completou o mandato, foi avaliado negativamente por 47% dos paulistanos e positivamente por 18% em abril deste ano. O resultado de ambos é um empate técnico dentro da margem de erro de 3 pontos porcentuais. Já Gilberto Kassab (PSD), prefeito anterior, teve 24% de aprovação e 34% de reprovação ao final de seu segundo mandato em 2011. O prefeito mais mal avaliado segundo o Datafolha foi Celso Pitta, com 83% de reprovação e apenas 3% de aprovação ao final de seu mandato.

De acordo com o Ibope, Haddad foi reprovado por 57% dos paulistanos e aprovado por 13% em agosto de 2016. Kassab teve reprovação de 47% e aprovação de 17%, em 2012. O instituto realiza ainda um ranking de avaliação de prefeitos das capitais, no qual Fernando Haddad ficou com a segunda maior reprovação e a terceira menor aprovação em 2016.

Há ainda uma pesquisa feita em 2013 pelo Datafolha que pede para os entrevistados elegerem o pior e o melhor prefeito dos últimos 30 anos em suas cidades. A pesquisa, no entanto, não incluiu Fernando Haddad, que estava ainda no início de seu mandato. Em São Paulo, o pior prefeito apontado pelos entrevistados foi Celso Pitta, com 27% das citações. Em segundo lugar apareceu Paulo Maluf, com 23%.

Dessa forma, é verdade que Haddad teve uma das piores avaliações em sua gestão na prefeitura, empatado com João Doria e atrás de Celso Pitta. Ainda que não tenha sido citado como o pior prefeito em nenhuma pesquisa.

“Deixou um rombo de R$ 7,5 bilhões em São Paulo.”

Ao contrário do que diz a postagem, a gestão Haddad deixou R$ 5,3 bilhões de reais no caixa da prefeitura, segundo o Relatório Anual de Fiscalização de 2016. O saldo líquido era positivo, no valor de R$ 3,1 bilhões, descontadas as despesas já aprovadas de curto prazo.

A afirmação a respeito do suposto rombo de R$ 7,5 bilhões foi feita em 2017 pela administração de João Doria (PSDB). O então secretário municipal da Fazenda, Caio Megale, no entanto, admitiu que o saldo da gestão anterior era positivo.

O referido rombo seria, de acordo com Megale, decorrente de gastos não previstos e uma “compreensão de serviços essenciais” (que incluiria desde compras de remédios atrasados a possíveis reformas em escolas) realizadas no final da gestão de Haddad e um orçamento aprovado para 2017 com despesas subestimadas e projeções de receitas que não se concretizaram. Ou seja, o “rombo” mencionado seria decorrente de uma nova projeção de gastos feita pela gestão Doria. Por isso, a afirmação foi considerada falsa.

“Ex-ministro da Educação, hoje mais de 70% dos estudantes têm desempenho insuficiente em português e matemática.”

Fernando Haddad foi ministro da Educação entre julho de 2005 e janeiro de 2012. E é verdade que, segundo o Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb) de 2017, cerca de 70% dos estudantes saem do ensino médio com desempenho considerado insuficiente em português e matemática. No entanto, ao contrário da responsabilização denotada na frase, não há uma série histórica desse indicador, feita com a mesma metodologia, que permita saber se houve melhora ou piora pela comparação da época em que ele comandava a pasta com o dado mais atual. Outros índices mostram melhora no ensino no período em que Haddad foi ministro. Por isso, a afirmação foi classificada como falsa.

Quando Haddad chefiou o ministério, o Saeb era composto por duas provas: Avaliação Nacional da Educação Básica (Aneb) e Avaliação Nacional do Rendimento Escolar (Anresc). Os resultados no período mostraram avanços. Em 2005, 22,5% dos estudantes de 9º ano tinham desempenho insuficiente em matemática, diminuindo para 16,5% em 2011. Em Língua Portuguesa a taxa de insuficiência foi de 26,6% em 2005 para 20,1% em 2011.

Em 2013, depois que ele deixou o ministério, foi incorporada a Avaliação Nacional da Alfabetização (ANA) e em 2017 passaram a ser incluídas escolas particulares. Assim, os resultados anteriores não podem ser comparados entre os anos em que o candidato esteve no MEC e a atualidade.

No entanto, entre 2007 e 2011, segundo o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb), as metas estabelecidas foram atingidas em todos os anos e em todas as fases de ensino avaliadas. A partir de 2013, no ensino médio e nos anos finais do ensino fundamental, as metas não foram cumpridas. Dessa forma, é possível saber que, durante a gestão de Haddad no Ministério da Educação, o ensino melhorou e teve desempenho conforme a meta, o que não ocorreu nos anos seguintes.

Outra maneira de avaliar o ensino no período é pelo Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa, sigla em inglês). De 2006 a 2015, o Brasil melhorou seu desempenho nas três áreas avaliadas – foi de 393 para 407 em leitura, de 370 para 377 em matemática, e de 390 para 401 em ciências.

Imagem com informações a respeito de Fernando Haddad que circula nas redes sociais
Categorias: Internacionais

O que é falso ou verdadeiro em corrente contra Bolsonaro

Pública - qui, 18/10/2018 - 12:15
Fernando Frazão/Agência BrasilO candidato Jair Bolsonaro (PSL) fala à imprensa após gravação de programa da campanha eleitoral

Terreno fértil para a propagação de notícias falsas, no aplicativo de mensagens WhatsApp circulam correntes pró e contra o candidato Jair Bolsonaro (PSL) e também mensagens a respeito de seu adversário, Fernando Haddad (PT). A desinformação promovida na rede social é reconhecida até mesmo por integrantes do Conselho Consultivo sobre Internet do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que sugeriu medidas de caráter disciplinar contra o WhatsApp em reunião realizada em 10 de outubro.

O Truco – projeto de checagem da Agência Pública – verificou dez afirmações de uma corrente que provaria a desonestidade de Bolsonaro. “São FATOS e não FAKE NEWS! Se informe e não seja enganado!”, promete a mensagem. No entanto, das dez alegações feitas contra o deputado, apenas três são totalmente verdadeiras. Há cinco frases classificadas como falsas, uma como exagerada e uma como impossível de provar.

“Ele contratou ilegalmente a esposa atual no seu gabinete […].”

Ao afirmar que Bolsonaro contratou ilegalmente sua atual esposa e triplicou o próprio salário, a mensagem cita como fonte uma reportagem de dezembro de 2017 da Folha de S.Paulo. No entanto, como a própria matéria destaca, a contratação da esposa não foi considerada ilegal, porque apenas em novembro de 2008 o Supremo Tribunal Federal (STF) consolidou o entendimento de que a Constituição proíbe o nepotismo na administração pública. A contratação feita por Bolsonaro aconteceu antes disso. Dois meses depois da decisão do STF, o gabinete exonerou a funcionária.

Ainda que o STF só tenha ratificado em agosto de 2008 a decisão de que o nepotismo na administração pública é proibido, a questão já estava expressa na lei que dispõe sobre o regime jurídico dos servidores públicos civis da União, de 1990. O texto proíbe que um servidor público mantenha, sob sua chefia imediata, “em cargo ou função de confiança, cônjuge, companheiro ou parente até o segundo grau”. Havia, no entanto, discussão jurídica em relação à aplicabilidade dessa lei para deputados e senadores, o que mudou após a decisão do STF.

“[…] e triplicou seu salário.”

O segundo trecho da primeira alegação da mensagem aborda a questão do salário de Michelle Bolsonaro como servidora da Câmara. Como mostra a mesma reportagem da Folha citada na corrente, a funcionária foi mesmo promovida para um cargo com remuneração bruta maior, 2,7 vezes superior à inicial. Como o valor arredondado corresponde ao indicado na mensagem, a afirmação é classificada como verdadeira.

De acordo com documentos oficiais da Câmara dos Deputados encontrados pela Folha, antes de ingressar no gabinete de seu atual marido Michelle Bolsonaro tinha o cargo denominado CNE-13, com salário de R$ 2.900, equivalente a R$ 5.300. “Ao ser contratada pelo hoje presidenciável, ela passou a ser vinculada ao cargo SP26s, com remuneração bruta de R$ 6.010 (R$ 10.900 hoje). Sete meses depois, Bolsonaro a promoveu ao maior cargo do gabinete, o SP28s, com contracheque de R$ 8.040 (R$ 14.100 hoje)”, explica a reportagem.

“Contratou uma funcionária fantasma com a verba do seu gabinete. Ela vende açaí em Angra dos Reis, onde ele tem uma mansão.”

A corrente também relembra o caso em que uma assessora parlamentar do gabinete de Jair Bolsonaro foi flagrada vendendo açaí em Angra dos Reis durante o horário de trabalho. O link indicado na mensagem como fonte para essa alegação é de uma matéria da Folha de S.Paulo publicada em janeiro de 2018. Como a reportagem confirma a alegação da mensagem, a frase é verdadeira.

Segundo a Folha, a servidora trabalha em um pequeno comércio de açaí na mesma rua onde fica a casa de veraneio do deputado, na pequena Vila Histórica de Mambucaba, a 50 quilômetros do centro de Angra dos Reis. Sete meses depois da descoberta, a reportagem do jornal voltou a Mambucaba e encontrou novamente a servidora vendendo açaí em horário de expediente da Câmara dos Deputados. Na ocasião, a funcionária confirmou que trabalha na loja, que leva seu nome, Wal Açaí, todas as tardes. O jornal classificou a servidora como “funcionária fantasma” porque não há registros de que ela tenha prestado serviços de assessoria de gabinete para o escritório de Jair Bolsonaro, apesar de ser contratada para tal.

“Embolsou a verba de auxílio-moradia que recebeu em todos os seus mandatos sem precisar. Ele já tem uma casa em Brasília.”

Bolsonaro de fato recebe da Câmara dos Deputados o auxílio-moradia desde outubro de 1995, quando teve início seu primeiro mandato. No entanto, o deputado possui um apartamento de dois quartos em seu próprio nome na cidade de Brasília apenas desde o início do ano 2000. Por isso, a frase é considerada exagerada, já que não se pode dizer que ele “embolsou” a verba no período em que ainda não possuía um imóvel.

A reportagem citada na mensagem que circula no WhatsApp foi publicada pela Gazeta do Povo em janeiro de 2018. Ela traz uma entrevista feita pela Folha de S.Paulo com o deputado na qual o parlamentar admite embolsar o auxílio. Quando questionado se o dinheiro recebido de auxílio-moradia era utilizado para manter o apartamento próprio, Bolsonaro respondeu da seguinte maneira: “Como eu estava solteiro naquela época, esse dinheiro de auxílio moradia eu usava pra comer gente. Tá satisfeita agora ou não? Você tá satisfeita agora?”.

“Roubou um cofre com valores de cerca de R$ 1,6 milhão da agência do Banco do Brasil da Rua Senador Dantas, no centro do Rio.”

O caso do furto de um cofre pertencente a Jair Bolsonaro e sua ex-mulher, Ana Cristina Siqueira Valle, veio à tona por meio de uma reportagem da revista Veja publicada em 28 de setembro. A matéria é citada como fonte na mensagem de WhatsApp. No entanto, o texto não atribui o furto a Bolsonaro.

De acordo com documentos localizados pela revista, Ana Cristina acusou o ex-marido de ser o autor do furto em um boletim de ocorrência feito em 26 de outubro de 2007. Entretanto, mais tarde, ela foi chamada a depor duas vezes, não compareceu e, em 2017, a polícia encerrou o caso sem apontar um culpado pelo crime. Por isso, a frase é classificada como impossível provar, já que não há elementos que indiquem quem foi de fato o responsável pelo furto.

Em 26 de outubro de 2007, Ana Cristina esteve em sua agência do Banco do Brasil, mas sua chave não abriu seu cofre. Após um chaveiro destrancar o cofre, ela teria percebido que o conteúdo havia desaparecido. “Isso só pode ter sido coisa do meu ex-marido”, disse ela aos funcionários do banco, segundo a reportagem. No mesmo dia Ana Cristina registrou um boletim de ocorrência.

A revista teve acesso ainda ao inquérito policial. “Em depoimento, Alberto Carraz, um dos gerentes do Banco do Brasil, confirmou que tanto Ana Cristina quanto Bolsonaro mantinham cofres na agência”, afirma o texto. “A ex-mu­lher disse que guardava joias avaliadas em R$ 600 mil, mais US$ 30 mil em espécie e R$ 200 mil em dinheiro vivo.” Entrevistado pela reportagem, Carraz confirmou que o conteúdo do cofre sumiu.

O texto também mostra que o furto do cofre não foi mais discutido por Ana Cristina depois que o ex-casal chegou a um acordo no processo de divórcio. “A disputa pelos bens foi resolvida nos termos reivindicados por Ana Cristina e o valor da pensão foi acertado. Sobre o furto do cofre, porém, nenhuma palavra”, explica o texto.

“Bolsonaro ocultou patrimônio pessoal da Justiça Eleitoral em 2006.”

A mesma matéria da Veja é citada novamente em outro trecho da mensagem no qual Bolsonaro é acusado de ocultar seus bens. Segundo a reportagem, Jair Bolsonaro ocultou patrimônio pessoal da Justiça Eleitoral em 2006. Quando foi candidato a deputado federal, Bolsonaro declarou que tinha um terreno, uma sala comercial, três carros e duas aplicações financeiras, que somavam, na época, R$ 433.934.

No entanto, sua ex-mulher, no processo de divórcio que correu também em 2006, anexou uma relação de bens e a declaração do Imposto de Renda do ex-marido, mostrando que seu patrimônio incluía também três casas, um apartamento, uma sala comercial e cinco lotes. Os peritos da Justiça avaliaram esse patrimônio em R$ 4 milhões ou cerca de R$ 7,8 milhões em valores atualizados. Assim, como a perícia feita na época mostrou um patrimônio maior do que o declarado pelo candidato, a afirmação é classificada como verdadeira.

Em 2006, Bolsonaro entregou à Justiça Eleitoral uma relação de bens que somava apenas 10% do que a perícia judicial avaliara. Ele teria omitido a propriedade de três casas, um apartamento, uma sala comercial e cinco lotes. “A lei exige que cada candidato divulgue seus bens para que o eleitor possa acompanhar a evolução do seu patrimônio e avaliar, por exemplo, se amealhou bens em valores desproporcionais aos proventos recebidos durante o mandato”, explica a reportagem.

Atualmente, Ana Cristina nega as acusações que fez em 2006 durante o processo de divórcio. À revista Veja, ela disse que “quando você está magoado, fala coisas que não deveria”. Ela negou ainda que teria sofrido ameaça do ex-marido quando viajou com o filho para a Noruega sem autorização de Bolsonaro. A ameaça foi relatada ao Itamaraty e consta em documentos oficiais do Ministério das Relações Exteriores.

“É acusado de sonegação de impostos.”

Bolsonaro não responde atualmente a nenhum processo por sonegação de impostos. A mensagem de WhatsApp cita como fonte um artigo do colunista Maicon Tenfen para o site da revista Veja publicado em janeiro de 2018. O texto, entretanto, não faz nenhuma menção à sonegação de impostos, apenas discorre sobre a dificuldade de Bolsonaro em responder perguntas sobre seu patrimônio. A frase é classificada como falsa.

Apesar de não ser investigado na Justiça, há registros em vídeo do candidato defendendo a sonegação de impostos. “Eu sonego tudo o que for possível”, disse em entrevista à TV Bandeirantes em 1999. “Se puder, não pago porque o dinheiro vai pro ralo, pra sacanagem. Prego sobrevivência. Se pagar tudo o que o governo pede, você não sobrevive.”

A declaração feita por Bolsonaro até poderia dar ensejo a uma investigação, já que a sonegação de impostos é crime. Caso fosse comprovada a sonegação, ele poderia ser alvo de processos civis, penais e tributários. No entanto, passados 19 anos, uma suposta sonegação cometida em 1999 já estaria prescrita hoje.

“É acusado de enriquecimento ilícito através da máquina pública.”

A notícia citada como fonte, do jornal O Povo, repercute uma apuração da Folha de S.Paulo. A investigação que o jornal fez em cartórios aponta que a família possui 13 imóveis com valor de mercado de pelo menos R$ 15 milhões. Apesar disso, Bolsonaro não responde atualmente a nenhum processo de enriquecimento ilícito. A afirmação da mensagem de WhatsApp é falsa.

Os dois bens de maior valor no patrimônio de Bolsonaro ficam em um condomínio a beira-mar na Barra da Tijuca, um dos mais valorizados bairros do Rio de Janeiro. De acordo com documentos oficiais, ele adquiriu uma casa por R$ 400 mil em 2009 e outra por R$ 500 mil em 2012. Em 2018, o preço de mercado das duas residências foi calculado em pelo menos R$ 5 milhões, de acordo com cinco escritórios imobiliários da região consultados na matéria da Folha de S.Paulo publicada em janeiro de 2018, o que resulta em uma valorização de pelo menos 450% no período.

Como relata a reportagem, a Procuradoria-Geral da República recebeu uma denúncia questionando os valores informados por Bolsonaro em relação às suas duas casas da Barra da Tijuca em 2015. Na época, o então procurador-geral da República, Rodrigo Janot, arquivou o expediente, alegando que os valores eram os mesmos do Imposto de Renda declarado pelo deputado. Janot disse ainda que se tratava de uma denúncia anônima sem elementos indiciários mínimos de ilícito.

“Está apontado em suspeita de lavagem de dinheiro.”

A matéria citada como fonte para essa afirmação, do portal iG, também repercute a reportagem da Folha de S.Paulo que investigou em cartórios o patrimônio da família Bolsonaro. No entanto, não há na matéria menção a nenhum processo em que Bolsonaro é suspeito de lavagem de dinheiro. Portanto, a afirmação é falsa.

O que a reportagem afirma é que, segundo critérios do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), ligado ao Ministério da Fazenda, e do Conselho Federal dos Corretores de Imóveis (Cofeci), a conduta da família ao comprar dois imóveis com uma diminuição injustificada no valor mostra indícios de operação suspeita de lavagem de dinheiro.

“No mercado, a prática de colocar na escritura um valor abaixo do real é utilizado para driblar o imposto de lucro imobiliário”, explica a reportagem. “Também pode ser feito para que o comprador não oficialize um aumento patrimonial incompatível com seus vencimentos.”

No entanto, apesar dos indícios, Jair Bolsonaro não é apontado em processos de lavagem de dinheiro por conta da compra de imóveis por valores abaixo dos praticados pelo mercado.

“Envolvido em caixa 2 de campanha.”

Uma matéria do jornal capixaba Gazeta Online, publicada em junho de 2018, mostra que o deputado federal Ônyx Lorenzoni (DEM-RS), coordenador da campanha presidencial de Jair Bolsonaro, admitiu no ano passado ter recebido R$ 100 mil em caixa dois da empresa de carnes JBS. Lorenzoni afirmou, em entrevista realizada em maio de 2017, que a verba foi usada para quitar despesas da campanha de 2014.

Apesar da admissão do deputado, até o momento nenhum inquérito foi aberto e Lorenzoni não foi investigado ou punido. Mesmo com a confissão do político cotado para ser ministro-chefe da Casa Civil em um eventual governo Bolsonaro, não é possível afirmar que o próprio presidenciável está envolvido em caixa dois de campanha, como alega a mensagem de WhatsApp. Jair Bolsonaro não é sequer citado na petição aberta no Supremo Tribunal Federal (STF) a pedido a Procuradoria Geral da República (PGR) em maio de 2018 na qual Lorenzoni é mencionado. Portanto, a afirmação da corrente de WhatsApp é considerada falsa.

A petição do STF foi instaurada em maio de 2017 a partir do acordo de delação premiada fechado com donos e executivos da JBS. Na delação, Ricardo Saud, ex-diretor de relações institucionais da JBS, apresentou à PGR uma lista de políticos que teriam sido beneficiados com verbas para caixa dois. Em depoimento em vídeo concedido à PGR, Saud diz que Lorenzoni recebeu R$ 200 mil em espécie por meio do empresário Antonio Jorge Camardelli, presidente da Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carne (Abiec).

Em uma entrevista coletiva concedida também em maio do ano passado, Lorenzoni reconhece ter recebido verbas do empresário. “Eu vou para a frente do Ministério Público [dizer], ‘sim, recebi os valores’. Na minha contabilidade o valor é menor, não são os R$ 200 mil. Eu tenho para mim que foram R$ 100 mil. De qualquer maneira isso é irrelevante. O que é importante é dizer aos gaúchos é que um, vamos assumir essa responsabilidade. E dois, eu vou poder continuar dizendo para os meus eleitores, ‘eu não minto’”, disse.

Corrente com acusações contra Bolsonaro, que circula no WhatsApp
Categorias: Internacionais

Avaliação da Agência Ambiental revela que 80% dos mangues de Abu Dhabi são saudáveis

IPS português - qui, 18/10/2018 - 12:05

ABU DHABI, 18 de outubro de 2018 (WAM) – A Agência Ambiental – Abu Dhabi (EAD) concluiu recentemente um mapeamento detalhado e avaliação de saúde dos manguezais no Emirado de Abu Dhabi, revelando que mais de 80% dos manguezais existentes são saudáveis; enquanto 15% foram identificados como estando em saúde moderada e 5% foram identificados como estando em deterioração da saúde. A deterioração das condições de saúde pode ser atribuída a recentes atividades de desenvolvimento em torno da Ilha de Abu Dhabi.

Manguezais, pequenas árvores que crescem em águas salgadas ou salobras, são um componente importante do ecossistema do emirado, com mais de 150 km² de manguezais naturais e plantados. Eles protegem o litoral contra a erosão, fornecem um terreno fértil para várias espécies de peixes e sequestram o carbono atmosférico. Os manguezais são, no entanto, suscetíveis a danos causados ​​por dragagem em alto-mar, aumento nas concentrações atmosféricas de CO2, escalada da temperatura da superfície global, aumento do nível do mar e desenvolvimento humano nas áreas costeiras. Mudanças na salinidade, poluentes e sedimentação também têm efeitos prejudiciais sobre os ecossistemas de mangue. É por isso que a EAD monitora constantemente a saúde e a extensão dos manguezais.

Como parte de sua avaliação, a EAD foi capaz de identificar com precisão áreas de manguezais que estão sendo expostas a maior estresse devido à intervenção humana. Esta informação será usada para determinar e potencialmente mitigar os fatores externos que são prejudiciais à saúde do ecossistema de mangue. As informações da avaliação ajudarão nos esforços de remediação da EAD, selecionando áreas favoráveis ​​para o plantio de novos manguezais para compensar as áreas que foram perdidas devido a atividades de desenvolvimento.

A avaliação envolveu a extração de informações de imagens de satélite multiespectrais de alta resolução por meio de técnicas avançadas de processamento de imagens e extensa verificação de campo. A distribuição espacial de áreas saudáveis ​​e insalubres foi mapeada com uma precisão de até 90%.

A EAD também mapeou as mudanças em áreas cobertas por manguezais a partir de imagens de satélite coletadas ao longo de três décadas. Descobriu-se que, embora houvesse uma redução de 26% na extensão de 1987 a 2001, os recentes esforços bem-sucedidos de regeneração reverteram esse declínio e resultaram em um aumento de 61% de 2001 a 2017.

No final da década de 1970, programas de plantação maciça de manguezais foram implementados pelo falecido Sheikh Zayed bin Sultan Al Nahyan. Isso contribuiu substancialmente para o aumento da plantação de manguezais nas últimas décadas.

Hoje, a EAD trabalha para reabilitar e proteger as florestas de mangue ao longo da costa do continente e das ilhas do Emirado de Abu Dhabi. Desde novembro de 2009, a EAD tem estado ativamente envolvida na liderança do Programa de Reabilitação de Manguezais, plantando 3,1 milhões de mudas de mangue nas costas de Al Gharbia, Saadiyat, Jubail e Habitat Island. O programa de plantação ajuda a reduzir os efeitos adversos do desenvolvimento costeiro nos mangues que crescem naturalmente. (#Envolverde)

O post Avaliação da Agência Ambiental revela que 80% dos mangues de Abu Dhabi são saudáveis apareceu primeiro em Envolverde - Revista Digital.

The post Avaliação da Agência Ambiental revela que 80% dos mangues de Abu Dhabi são saudáveis appeared first on IPS em português.

Categorias: Internacionais

Primeiro Centro Russo de Inovações Digitais a abrir em Dubai

IPS português - qui, 18/10/2018 - 11:57

DUBAI, 18 de outubro de 2018 (WAM) – A Dubai Internet City (DIC) assinou ontem um Memorando de Entendimento com o Centro de Exportação Russo (REC) para lançar o primeiro Centro Russo de Inovações Digitais e Tecnologias de Informação e Comunicação fora da Rússia, em Dubai.

O Centro, que abrangerá um espaço de mais de 20.000 pés quadrados dentro da Dubai Internet City, é o primeiro de quatro centros globais e o primeiro compromisso com a promoção de investimentos dessa escala pela Rússia no exterior.

O MoU foi assinado por Ammar Al Malik, diretor administrativo da Dubai Internet City e da Dubai Outsource City; e Marat Korovaev, Chefe do Departamento de Suporte à Exportação de TI no Centro de Exportação da Rússia; durante a GITEX Technology Week 2018.

Al Malik disse: “Os Emirados Árabes Unidos e a Rússia têm relações comerciais estreitas há décadas, e para DIC ser escolhido como o primeiro destino no exterior pelo Centro de Exportação da Rússia é um verdadeiro testemunho da posição chave de Dubai como um destino global de negócios. Como o maior hub e principal comunidade de inovadores em tecnologia da região, a DIC está apoiando o emirado na atração de mais empresas internacionais de todos os tamanhos”.

Por sua vez, Korovaev disse: “Vínculos bilaterais duradouros, processos de negócios favoráveis ​​e simplificados e um ambiente estimulante que promova a ideação e troca de conhecimento e melhores práticas são fatores-chave que nos impulsionaram a escolher Dubai e DIC como o primeiro destino de nossos quatro centros planejados fora da Rússia. Oitenta e três por cento dos nossos clientes são PMEs e a abordagem holística da DIC para apoiar seus parceiros de negócios, desde start-ups a empresas bem estabelecidas, foi outro fator que influenciou nossa decisão.”

Além do Centro, o Centro de Exportação da Rússia e a DIC trabalharão em conjunto para apoiar empresas de tecnologia de todos os portes, incluindo start-ups e empreendedores, além de apoiar o compromisso da DIC em fornecer um ecossistema próspero para as empresas.

A abertura do Centro ocorre em um momento em que os EAU e a Rússia desfrutam de relações comerciais mais elevadas e de um crescimento no comércio entre os dois países, para US $ 1,2 bilhão em 2017. Os líderes de ambas as nações estão comprometidos em aprofundar seu relacionamento econômico após uma visita de dois dias à Rússia pelo xeque Mohamed bin Zayed Al Nahyan, príncipe herdeiro de Abu Dhabi e vice comandante supremo das Forças Armadas dos Emirados Árabes Unidos.

No início deste ano, os líderes dos dois países analisaram as relações bilaterais, discutiram a cooperação e assinaram uma nova parceria estratégica. (#Envolverde)

O post Primeiro Centro Russo de Inovações Digitais a abrir em Dubai apareceu primeiro em Envolverde - Revista Digital.

The post Primeiro Centro Russo de Inovações Digitais a abrir em Dubai appeared first on IPS em português.

Categorias: Internacionais

EAU é ponto-chave no fornecimento de suprimentos alimentares para a região: Centro de Segurança Alimentar

IPS português - qui, 18/10/2018 - 07:47

ABU DHABI, 17 de outubro de 2018 (WAM) – Khalifa Ahmed Al Ali, diretor-gerente do Centro de Segurança Alimentar, enfatizou que os Emirados Árabes Unidos (EAU) se tornaram um ponto-chave no fornecimento de alimentos para a região, revelando que o país é o 33º no ranking mundial de segurança alimentar.

Em sua declaração à Agência de Notícias Emirates, WAM, Al Ali disse que o Dia Mundial da Alimentação – marcado em 16 de outubro de cada ano – é uma oportunidade para auxiliar as políticas nacionais e internacionais destinadas a eliminar problemas relacionados ao crescente número de pessoas famintas globalmente, que está aumentando anualmente, e atingiu quase 820 milhões em 2017.

Ele acrescentou que a mudança de paradigma alcançada na segurança alimentar pelos EAU não se limita ao nível local. Seu impacto, disse ele, chegou ao exterior, uma vez que os Emirados Árabes Unidos apoiaram e implementaram muitos projetos de desenvolvimento agrícola, pecuário e pesqueiro em todo o mundo.

Al Ali destacou o papel do setor privado dos Emirados no fortalecimento da segurança alimentar, apontando para a aquisição por parte das empresas dos Emirados Árabes Unidos de uma grande proporção dos maiores projetos agrícolas no exterior.

Enquanto isso, o Diretor Geral disse que os Emirados Árabes Unidos vão sediar a Agriscape, a Exposição Internacional de Investimentos Agrícolas no Exterior, de 29 a 30 de outubro de 2018. A exposição tem como objetivo promover a segurança alimentar, estabelecer parcerias adequadas e atrair investimentos no país.

Ele também apontou que a pecuária do país ultrapassou 4,5 milhões, o que por si só fornece um aspecto importante da segurança alimentar relacionada à carne, produtos lácteos e outros. Ele também afirmou que existem quase 25.000 fazendas em Abu Dhabi, além de dezenas de outras que aplicam a agricultura avançada, que fortalecem o número de produtos locais e alcançam uma autossuficiência significativa. (#Envolverde)

O post EAU é ponto-chave no fornecimento de suprimentos alimentares para a região: Centro de Segurança Alimentar apareceu primeiro em Envolverde - Revista Digital.

The post EAU é ponto-chave no fornecimento de suprimentos alimentares para a região: Centro de Segurança Alimentar appeared first on IPS em português.

Categorias: Internacionais

Ministro da Mudança Climática promete 15 empresas para reduzir o desperdício de alimentos no Dia Mundial da Alimentação

IPS português - qui, 18/10/2018 - 07:36

DUBAI, 17 de outubro de 2018 (WAM) – Quinze empresas privadas, principalmente do setor de hospitalidade nos Emirados Árabes Unidos (EAU), assinaram um compromisso ontem na presença do Dr. Thani bin Ahmed Al-Zeyoudi, Ministro das Mudanças Climáticas e Meio Ambiente, para reduzir o desperdício de alimentos no país, por ocasião do Dia Mundial da Alimentação, um dia de ação dedicado à erradicação da fome em todo o mundo.

A iniciativa desafia as empresas a economizar um milhão de refeições até o final de 2018, com a meta sendo aumentada para dois milhões em 2019 e três milhões em 2020. As empresas se juntam à Emaar, Majid Al Futtaim e Rotana Hotels & Resorts, todas assumiram o compromisso em maio de 2018. Eles se comprometeram com a nobre missão no mais recente Ambiente e Negócios Majlis convocada sob a liderança de Al-Zeyoudi, que atraiu a participação de empresários de elite e representantes das principais empresas nacionais nos Emirados Árabes Unidos.

Destacando a ideia por trás do compromisso, Al Zeyoudi apontou que a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) informou que cerca de um terço dos alimentos produzidos no mundo para consumo humano a cada ano – aproximadamente 1,3 bilhão de toneladas – é ou perdido ou desperdiçado. Estimativas indicam que o desperdício de alimentos nos EAU custa à economia nacional em torno de AED13 bilhões (USD3,5 bilhões) anualmente.

Al-Zeyoudi disse: “Hoje, reafirmamos o compromisso dos Emirados Árabes Unidos em atingir a meta global de reduzir a perda e o desperdício de alimentos em 50% até 2030, conforme o Objetivo 12 de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas: Produção e Consumo Responsáveis. Além disso, nossos esforços conjuntos buscam contribuir para alcançar o Objetivo de Desenvolvimento Sustentável Dois: Fome Zero.

“Tenho orgulho de notar que o setor de hospitalidade dos Emirados Árabes Unidos é um dos poucos no mundo a dar um passo tão decisivo que se alinha com o esforço de sustentabilidade do país”, acrescentou.

O Ministério das Mudanças Climáticas e Meio Ambiente lançou o Majlis Ambiente e Negócios em 2016, liderado pelo Ministro de Mudanças Climáticas e Meio Ambiente e composto por representantes das principais empresas dos Emirados Árabes Unidos. Com o objetivo de impulsionar a contribuição do setor privado para causas ambientais e alinhar as metas de negócios das empresas com as estratégias ambientais do governo, a Majlis contribui para a realização dos objetivos estratégicos do Plano Nacional de Mudanças Climáticas dos Emirados Árabes Unidos 2017-2050 e dos Emirados Árabes Unidos. Agenda 2015-2030. (#Envolverde)

O post Ministro da Mudança Climática promete 15 empresas para reduzir o desperdício de alimentos no Dia Mundial da Alimentação apareceu primeiro em Envolverde - Revista Digital.

The post Ministro da Mudança Climática promete 15 empresas para reduzir o desperdício de alimentos no Dia Mundial da Alimentação appeared first on IPS em português.

Categorias: Internacionais

Cooperación suiza en Cuba apoya y comparte buenas prácticas

IPS español - qua, 17/10/2018 - 19:04

Paisaje de la localidad montañosa de La Palma, en el extremo occidental de Cuba y uno de los primeros municipios en beneficiarse con el el Programa de Innovación Agrícola Local. Crédito: Jorge Luis Baños/IPS

Por Patricia Grogg
LA HABANA, Oct 17 2018 (IPS)

La municipalización y descentralización territorial se va a profundizar con la nueva Constitución de Cuba, en una de las reformas más importantes que se perfilan en el texto y con la que se pretende impulsar el desarrollo socioeconómico interno.

El anteproyecto, actualmente sometido a un proceso de consulta popular, confiere mayor autonomía al municipio, incluida la elección de sus autoridades y facultad para decidir sobre el uso de sus ingresos.

Especialistas confían que el nuevo enfoque creará condiciones para el despliegue de la descentralización municipal, el desarrollo económico y la participación ciudadana.

Este proceso es de interés para instituciones cubanas que desde hace años trabajan en el desarrollo local y para sectores de la colaboración internacional que, como la  Agencia Suiza para el Desarrollo y la Cooperación (Cosude),  ejecutan proyectos que benefician especialmente a municipios de esta nación caribeña.

“Trabajamos mucho en iniciativas que tienen que ver con el desarrollo local, y en el caso de Cuba con la agricultura local”, confirmó, en entrevista con IPS, Peter Tschumi, director residente de cooperación internacional de Cosude. “El enfoque siempre es en consulta con el gobierno cubano”, aclaró.

La Cosude, a cargo de la cooperación internacional en el Departamento Federal de Asuntos Exteriores del gobierno de Suiza, asume como principal compromiso contribuir a un mundo sin pobreza, en paz y con desarrollo sostenible. En ese contexto orienta sus esfuerzos en países de África, Asia, Europa y América.

“Desde los años 1960 y 1970, Suiza tiene un programa sustancial para América Latina. Queríamos expandir nuestra incidencia en esta región por las dinámicas político-económicas y la solidaridad hacia Latinoamérica. En el caso de Cuba, empezamos poco a poco”, indicó.

La Cosude llegó a Cuba en 1997 con iniciativas humanitarias y en el sector médico.

En el año 2000 estableció su oficina de cooperación en La Habana y pasadas casi dos décadas, su presencia abarca prácticamente todo el territorio insular cubano. Actualmente presta colaboración en 98 de los 168 municipios del país, con alcance en las 15 provincias cubanas,

El desarrollo local es un concepto general que incluye acceso a alimentos, avance económico y temas de participación, género y equidad. “En Cuba tenemos muchas iniciativas que han brindado resultados, aunque nos enfocamos aún más en esta estrategia en el período 2017-2021”, puntualizó Tschumi.

Peter Tschumi, director residente de cooperación internacional de la Agencia Suiza para el Desarrollo y la Cooperación, durante su entrevista con IPS en la embajada de su país ante La Habana. Crédito: Jorge Luis Baños/IPS

La oficina de Cosude en La Habana maneja un presupuesto equivalente a 11,7 millones de dólares anuales para sus proyectos en la isla.

En 2013, el parlamento suizo eligió a Cuba como país prioritario para la cooperación internacional y en 2016 decidió continuar ese respaldo, que acompaña el proceso de reformas iniciado en 2008 y el fortalecimiento de proyectos con énfasis en la gestión participativa e inclusiva.

“La cooperación proviene de impuestos del pueblo suizo y esa decisión es una muestra de la solidaridad con el pueblo cubano”, señaló Tschumi. Suiza reconoce a la Agenda 2030 para el Desarrollo Sostenible como marco orientador de su colaboración y entre otros objetivos propicia el mejoramiento de las condiciones de vida.

Al abundar en el tema del apoyo a nivel municipal, recordó que su país es un estado federal y exhibe una descentralización casi única en el mundo. “Desde hace años, hemos enviado delegaciones cubanas para estudiar el modelo suizo; no para exportar el modelo, sino para inspirar y ayudar a buscar su propia solución”, señaló.

El acceso a los alimentos figura entre las prioridades de las iniciativas de Cosude en Cuba. Según sus datos, entre 2010 y 2016 se registró un aumento anual medio de 10,7 por ciento en la producción agrícola de 40 municipios beneficiados con la cooperación suiza.

“Hay mucho potencial, pero hay que agilizar la agricultura. Cuba tiene objetivos sociales muy altos, nutrición infantil, de personas en desventaja y para satisfacerlos necesita una agricultura sólida. En Suiza decimos: primero hay que hornear el queque antes de distribuirlo”, señaló Tschumi.

Agregó que uno de sus objetivos estratégicos en la nación caribeña es lograr proyectos que no solo sean financiados por Suiza, sino con apoyos e iniciativas locales cubanas, para que sean sostenibles y tengan un alcance mayor.

“Tenemos muchas experiencias en estos 20 años, pero también muchas lecciones aprendidas y buenas prácticas que aplicamos en algunas provincias y municipios, las cuales se puede aprovechar más para el país, aplicar a nivel nacional y cambiar políticas públicas”, comentó.

Entre los muchos ejemplos de “buenas prácticas”, mencionó Biomás, un proyecto que demuestra que es posible combinar la producción de biocombustibles y la de alimentos.

Residentes en la capital cubana y turistas extranjeros desfilan por el centro histórico de La Habana, el 6 de enero, en rescate de una tradición de esa fecha católica, el Día de los Reyes Magos, cuando se permitía a los negros, esclavos y libres, congregarse en los cabildos y salir en procesión por las calles. Crédito: Jorge Luis Baños/IPS

“Somos líderes en Cuba con los proyectos que apoyamos para producir biogás y también biodiésel a partir de la Jatropha curcas (árbol cuyas semillas se extrae aceite para biocombusibles)”, afirmó el diplomático.

Desde sus diferentes iniciativas, Cosude contribuye a la equidad de género, al fortalecimiento de capacidades municipales y la gestión participativa del centro histórico habanero y estrategias locales del hábitat entre otras áreas de importancia para la sociedad cubana.

“Siempre hay interacción con los actores locales. Trabajamos con la Federación de Mujeres Cubanas, la Unión Nacional de Juristas, la Red Iberoamericana y Africana de Masculinidades, el  Cenesex (Centro nacional de educación sexual), el Ministerio de Comercio Exterior y en temas que están en debate para la nueva Constitución”, indicó Tschumi.

En la actualidad, la Cosude trabaja con autoridades cubanas en la preparación de un vasto proyecto de formación técnico – profesional que incluye el objetivo social de capacitación y el económico de articular a los capacitados con el mercado laboral. También abarca el apoyo a la actualización de la educación técnica profesional.

En opinión del director residente, se necesita más flexibilidad y permeabilidad en el sistema para gente que sale de la educación normal, secundaria y quienes ingresan en la Universidad.

La idea también incluye intercambios internacionales, en lo cual se piensa trabajar en colaboración con el Programa de Naciones Unidas para el Desarrollo.

La inserción de Cosude en dinámicas y procesos nacionales relevantes para el país incluye el cambio climático, cuyo impacto es extremadamente preocupante para las naciones caribeñas. “Para nosotros es una de las orientaciones estratégicas a nivel mundial y tenemos recursos, incluido en Cuba”, dijo Tschumi.

En ese sentido, recordó que este país insular es vulnerable ante sequías y huracanes. “En la agricultura, por ejemplo, continuamente adaptamos nuestras actividades para prever y mitigar los daños”, dijo. Por medio del proyecto Hábitat, la Cosude ha apoyado la construcción de viviendas más resistentes.

Estudios científicos ratifican que el clima de Cuba es cada vez más cálido y extremo y en abril de 2017, el gobierno cubano lanzó su plan de Estado para el enfrentamiento al cambio climático, denominado oficialmente Tarea Vida. Esta estrategia multisectorial pone especial acento en la prevención y la resiliencia.

“En mi opinión, que Cuba sea resiliente ante el cambio climático es decisivo para el país y su desarrollo”, alertó Tschumi, quien recordó los cuantiosos daños económicos de estos eventos, de los cuales “cada vez cuesta más recuperarse (….) Hay que prever, adoptar medidas fuertes para contrarrestar los perjuicios”, indicó.

Con aportes de Ivet González desde La Habana.

Edición: Estrella Gutiérrez

Artículos relacionados

El artículo Cooperación suiza en Cuba apoya y comparte buenas prácticas fue publicado originalmente en IPS Agencia de Noticias.

Categorias: Internacionais

Africa is ‘on the rise’, says UN chief Guterres, urging collaboration for better future

UN SGDs - qua, 17/10/2018 - 18:15
Africa is “on the move and on the rise” with communities coming together to resolve their problems and offer mutual support, United Nations Secretary-General António Guterres highlighted on Wednesday.
Categorias: Internacionais

Migración rural, una oportunidad más que un desafío

IPS español - qua, 17/10/2018 - 13:18

Mujeres y niños en medio de una tormenta de arena en un campamento de desplazados, 60 kilómetros al sur de la ciudad de Gode, a donde solo se llega por un sendero en medio de un paisaje seco. Crédito: James Jeffrey/IPS

Por Tharanga Yakupitiyage
NACIONES UNIDAS, Oct 17 2018 (IPS)

Las migraciones pueden plantear numerosos  desafíos, pero deben verse como una oportunidad y encararse con políticas sólidas y coherentes que no frenen ni promuevan el fenómeno, concluye un estudio de la FAO.

El último informe de la Organización de las Naciones Unidas para la Alimentación y la Agricultura (FAO) analiza la migración rural y urge a los países a maximizar el aporte de esos migrantes al desarrollo económico y social.

“No podemos ignorar los desafíos y costos asociados a la migración”, puntualizó el director general de la FAO, José Graziano da Silva.

“El objetivo es que la migración sea una opción, no una necesidad, y maximizar las consecuencias positivas a la vez que minimizar las negativas”, añadió.

El economista Andrea Cattaneo, autor del informe, coincidió: “La migración, a pesar de todos los desafíos que puede plantear, representa el eje del desarrollo económico, social y humano”.

Las migraciones internacionales suelen ocupar los titulares de prensa, pero el informe señala que los movimientos internos de los países son un fenómeno mucho mayor.

Más de 1.000 millones de personas en los países en desarrollo se desplazan dentro de su territorio, 80 por ciento de las cuales lo hacen desde zonas rurales.

Además, la migración entre los países en desarrollo es mucho mayor que la de estos hacia los países más industrializados. Por ejemplo, alrededor de 85 por ciento de los refugiados del mundo están en los países en desarrollo, y por lo menos una tercera parte en áreas rurales.

Cattaneo también se refirió a la relación entre migrantes internos e internacionales, y observó que en los países de bajos ingresos, los desplazados internos tienen cinco veces más probabilidades de emigrar a otro país que las personas que nunca tuvieron que emigraron dentro de su propio país.

Un número significativo de migrantes internacionales proceden de áreas rurales, concluyó el estudio de la FAO. De hecho, casi 75 por ciento de las personas de hogares rurales de Malawi emigraron a otro país.

Abdul Aziz carga a su hijo en el asentamiento irregular de Malibagh, en Daca. Llegó a la capital de Bangladesh hace una década tras perder todo por la erosión del río con la esperanzas de reconstruir su vida, pero solo encontró una miseria absoluta. Crédito: Rafiqul Islam/IPS.

¿Por qué todo ese movimiento?

Los desplazamientos humanos ocurren desde tiempos inmemoriales, pero ahora responden a grandes necesidades.

Además de las crisis prolongadas que expulsan a las personas de sus hogares, la falta de ingresos y de empleo está entre las principales causas de la migración rural.

En China, la brecha de ingresos existente entre el campo y la ciudad hizo que los trabajadores rurales abandonaran la agricultura y emigraran a las ciudades.

Entre 1990 y 2015, la proporción de personas viviendo en zonas urbanas de China aumentó de 26 por ciento a 56 por ciento, y se estima que unos 200 millones de migrantes rurales trabajan actualmente en ciudades de Asia Pacífico.

Pero la rápida urbanización, que se ve en todo el mundo, plantea nuevos problemas relacionados con la disponibilidad de recursos.

Las malas condiciones ambientales y la deficiente productividad agrícola también son responsables de la expulsión de los trabajadores rurales.

Otro estudio concluyó que un aumento de un grado centígrado se asocia con un incremento de cinco por ciento en el número de migrantes, pero solo en las sociedades dependientes de la agricultura.

En otros países como Tailandia y Ghana, la migración es el resultado de la falta de infraestructura y del acceso a servicios básicos como educación y salud.

Todo eso subraya la importancia de invertir en áreas rurales para asegurarse de que la migración no resulte problemática y que la población tenga medios para llevar una vida próspera. Pero es importante considerar la inversión y el desarrollo necesarios, observó Cattaneo.

“El desarrollo por sí mismo no va a reducir la migración. Pero si se cuenta con la inversión y el desarrollo adecuados en las áreas rurales, es posible reducir las migraciones”, explicó en diálogo con IPS.

Perspectiva de futuro

La FAO propone un desarrollo territorial para reducir la migración rural, y con ella la migración internacional, lo que incluye invertir en servicios sociales y mejorar la infraestructura regional en, o cerca, de áreas rurales.

Por ejemplo, las inversiones en la infraestructura vinculada al sistema agroalimentario, como almacenes, refrigeración y mercados mayoristas, pueden generar empleo tanto en la agricultura como en otros sectores no agrícolas y ofrecer más incentivos para que las personas se queden, en vez de mudarse a las ciudades ya sobrecargadas.

Las políticas también deben ser progresistas y específicas a cada contexto, observó Cattaneo, al señalar las consecuencias del cambio climático. Eso puede implicar invertir en nuevas actividades que sean viables para una región particular, mientras otra región avanza hacia cultivos más resistentes a la sequía.

Los desplazamientos de personas podrán continuar, pero no como resultado de la falta de oportunidades económicas o de condiciones de vida dignas.

“La migración es una libre elección, pero si se implementan buenas oportunidades, muchas personas podrán decidir no emigrar. Algunas igual querrán hacerlo, y está bien; ese es el tipo de migración que funciona: cuando no es por necesidad sino por elección”, explicó Cattaneo.

De hecho, las migraciones suelen desempeñar un papel en la reducción de las desigualdades, lo que es, incluso, uno de los Objetivos de Desarrollo Sostenible: el 10 busca reducir la desigualdad dentro y entre los países.

“Nos concentramos en los desafíos sin mirar las oportunidades que ofrecen las migraciones porque en definitiva, las personas son un recurso para la sociedad”, indicó Cattaneo.

“Si podemos encontrar la forma de que sean productivas, es un valor añadido para el país de destino o anfitrión”, añadió.

En los últimos años, Uganda registró un flujo de refugiados de países vecinos en conflicto como Sudán del Sur y República Democrática del Congo.

Con su política de puertas abiertas, ese país de África oriental tiene en la actualidad 1,4 millones de refugiados, lo que genera nuevas tensiones por los recursos.

Pero a pesar de las dificultades, la política para los refugiados permite que los extranjeros busquen trabajo, vayan a la escuela y reciban atención médica. El gobierno también ofrece un terreno a cada familia de refugiados para su uso personal.

Con la existencia de discursos que se refieren a los refugiados de forma negativa, la comunidad internacional todavía tiene mucho que aprender para poder convertir los desafíos en oportunidades.

“Queda mucho por hacer para eliminar la pobreza y el hambre en el mundo. Las migraciones fueron, y lo seguirán siendo, parte integrante del proceso de desarrollo más amplio”, concluyó Graziano da Silva.

Traducción: Verónica Firme

Artículos relacionados

El artículo Migración rural, una oportunidad más que un desafío fue publicado originalmente en IPS Agencia de Noticias.

Categorias: Internacionais

A eleição do “kit gay”

Pública - qua, 17/10/2018 - 12:16

Renata Bragança, professora do ensino fundamental, recebeu recentemente, no WhatsApp, uma nova denúncia comprovadamente falsa. Segundo a mensagem, a “cartilha gay” estava lá, em uma escolinha no município de Ipatinga, no interior de Minas Gerais. No texto, outra professora afirmava que o material seria distribuído pelo Ministério da Educação (MEC) a escolas de todo o país – um “alerta para proteger nossas crianças”, ao menos segundo a mensagem.

A professora, que recebe mensagens falsas com frequência, respondeu que pagaria R$ 100 pelo kit: “Não tinha, claro. Esse material nunca nem chegou às escolas”, comenta. Renata enviou à reportagem da Pública uma série de correntes e conteúdos compartilhados em grupos de família, de amigos e da igreja evangélica que frequenta que alertam sobre a distribuição do “kit gay” nas escolas ou de outras “tentativas de doutrinação de gênero” no ensino. Todos os conteúdos estão associados ao Partido dos Trabalhadores (PT) e impulsionam a campanha política de Jair Bolsonaro (PSL), que vem reiteradamente se referindo ao kit nas suas próprias redes.

Conteúdos postados pelo próprio Bolsonaro e seu filho Carlos Bolsonaro, vereador no Rio de Janeiro, foram alvo de decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Na segunda-feira, 15 de outubro, o ministro Carlos Horbach determinou a retirada de seis vídeos que afirmaram que o livro Aparelho sexual e cia foi adotado durante a gestão de Haddad no MEC. Em agosto, Bolsonaro apresentou o livro no Jornal Nacional, da Rede Globo, e afirmou que o material foi distribuído para crianças pelo MEC na gestão de Fernando Haddad.

“Além do ‘kit gay’, recebo mensagens dizendo que as meninas vão ser obrigadas a beijar outras meninas, que o Haddad vai fechar as igrejas, que vai obrigar as escolas a ensinar que todos são gays. Uma, duas, três, de várias pessoas diferentes”, relata a professora.
Na experiência de Renata, mensagens sobre o “kit gay” são difíceis de contestar, mesmo ela sendo professora e afirmando aos que enviam as mensagens falsas de que essa realidade está longe de ser a da sala de aula. “Todo mundo quer proteger uma criança, criança é sagrada na sociedade. Mas eles se aproveitam de uma brecha que foi descobrir que os pais não vão na escola, no máximo deixam os filhos e buscam, mas eles não sabem o que acontece lá. Qualquer mentira é difícil de desmentir”, reclama.

Postagens e pesquisas por “kit gay” disparam nas redes na eleição

A pedido da Pública, o Monitor do Debate Político no Meio Digital listou as dez publicações mais compartilhadas que mencionam o “kit gay” no Facebook de 15 de setembro a 15 de outubro. O monitor é um projeto do Grupo de Pesquisa em Políticas Públicas para o Acesso à Informação da Universidade de São Paulo (USP).

No topo das publicações mais compartilhadas está o perfil oficial do candidato Jair Bolsonaro, que reiteradamente se refere a Haddad como o “pai do kit gay”. A publicação no Facebook, no dia 10 de outubro, que teve mais de 115 mil compartilhamentos faz ataques a Haddad e reafirma que o petista é o criador do “kit”.

A segunda publicação com mais compartilhamentos foi feita pelo deputado federal pelo PT, Enio Verri. Neste caso, a postagem questiona as afirmações de Bolsonaro sobre o “kit” e traz uma entrevista de Haddad sobre o boato. A postagem teve 35 mil compartilhamentos.

A terceira, quarta e quinta publicações com mais compartilhamentos são todas favoráveis à versão de Bolsonaro, feitas por páginas como Brasil com Bolsonaro, Somos Todos Bolsonaro e Movimento Brasil Livre (MBL). Juntas, elas somam 77 mil compartilhamentos.

O Monitor rastreou também conteúdos antigos que voltaram a ser compartilhados no período eleitoral. No topo deles, está uma postagem do site evangélico Gospel Prime, que afirma que o “kit gay” seria reformulado e lançado até o fim do ano de 2011. A postagem faz referência a uma matéria da revista Veja na qual Haddad afirmava que o material anti-homofobia seria revisado, sem custos adicionais, após a pressão de grupos religiosos. A postagem do Gospel Prime alcançou 140 mil compartilhamentos.

Além desse conteúdo, uma reportagem da revista Nova Escola, que esclarece do que se tratava o material “escola sem homofobia”, também voltou a circular no Facebook. O conteúdo de 2015 alcançou 22 mil compartilhamentos.

“As páginas que estão fazendo campanha para Bolsonaro claramente estão apelando para exageros como ‘protejam suas crianças!’, sugerindo que o material seria nocivo aos jovens. Do outro lado, a campanha de Haddad faz um grande esforço para desmentir o caso, mas com o ônus de ter de esclarecer as nuances do projeto original”, comenta o professor da USP e coordenador do Monitor, Márcio Moretto. Para o pesquisador, como, de fato, houve uma tentativa do PT de produzir material de conscientização sobre a homofobia, foi criada uma zona cinzenta fértil para todo tipo de abusos.

 

Família Bolsonaro e pastor Malafaia lideram menções ao “kit gay”

A Pública, através do Crowdtangle – ferramenta de monitoramento do Facebook, Twitter e Instagram –, pesquisou os conteúdos com maior número de engajamento nas três redes que mencionaram o “kit gay” na semana anterior à votação de primeiro turno e na seguinte. O resultado: Jair Bolsonaro, seu filho Carlos (PSL-RJ) e o pastor Silas Malafaia estão entre os autores que alcançaram maior engajamento citando o “kit”.

O pastor Silas Malafaia também é autor de um vídeo no qual Bolsonaro afirma que Haddad é o pai do “kit gay”. Apenas essa publicação teve mais de 210 mil visualizações em cerca de 24 horas e quase 7,5 mil compartilhamentos. Malafaia é um tuiteiro contumaz sobre o kit: desde 1º de outubro, o pastor fez 15 postagens sobre o “kit gay” – média de um tuíte por dia –, todas associadas ao candidato do PT. No mesmo período, Malafaia fez apenas oito tuítes com a palavra “Deus”.

Outras páginas de Facebook de conteúdo religioso também relacionaram o PT à criação do material. Frases de Fé, Paraclitus, Apocalink e O Leão de Judá estão entre as que mais geraram compartilhamentos. Páginas de apoio a Bolsonaro também disseminam o conteúdo, como a Somos Todos Bolsonaro, Chega de Corruptos – mais de uma vez no mesmo dia –, Brasil Verde e Amarelo, Exército Bolsonaro, Eu Vou Votar no Bolsonaro, Direita Opressora e Bolsonaro Sarcástico. Ao todo, essas páginas geraram quase 14 mil reações e mais de 85 mil compartilhamentos.

Segundo a ferramenta de pesquisa do Google, o Trends, a quantidade de buscas na internet sobre o termo “kit gay” em setembro de 2018 foi a maior já registrada, superando até quando o assunto eclodiu pela primeira vez em 2011. Entre os assuntos mais relacionados a essa busca estão “escola” e os dois candidatos à presidência: “Bolsonaro” e “Haddad”.

trends.embed.renderExploreWidget("TIMESERIES", {"comparisonItem":[{"keyword":"kit gay","geo":"BR","time":"2004-01-01 2018-10-17"}],"category":0,"property":""}, {"exploreQuery":"date=all&geo=BR&q=kit%20gay","guestPath":"https://trends.google.com.br:443/trends/embed/"});

trends.embed.renderExploreWidget("RELATED_TOPICS", {"comparisonItem":[{"keyword":"kit gay","geo":"BR","time":"2004-01-01 2018-10-17"}],"category":0,"property":""}, {"exploreQuery":"date=all&geo=BR&q=kit%20gay","guestPath":"https://trends.google.com.br:443/trends/embed/"});

Boatos encontram no WhatsApp terreno ideal

Os responsáveis pelas iniciativas de checagem de boatos E-Farsas e Boatos.org são unânimes em concordar que o “kit gay” tem sido um argumento onipresente na campanha política deste ano.

Como explica Edgard Matsuki, fundador do site Boatos.org, as buscas pelo “kit” cresceram significativamente no período de eleições, assim como as correntes que foram desmentidas pelos checadores. “Não entramos na discussão principal se Haddad é pai do “kit gay” ou não, porém tudo que é imagem que não fazia parte do projeto original, aí sim, a gente entrou”, explica.

Segundo Matsuki, uma das imagens mais utilizadas é a de uma campanha do Ministério da Saúde de combate ao HIV voltada para adultos, que é apresentada como se fosse material do conteúdo desenvolvido para as escolas. “Por mais que você mostre o fato objetivo, que não é esse o material de escola, as pessoas não querem ouvir muito. Por outro lado, tem muita gente que compartilha a informação correta para tentar esclarecer. Posso te deixar claro que, sem dúvida, esse é um dos temas que mais estão sendo falados nas eleições, principalmente utilizado como argumento para voto ou não voto”, avalia.

Na impressão de Gilmar Lopes, criador do E-Farsas, os boatos sobre o kit gay” circularam com força no primeiro turno, mas voltaram de forma ainda mais intensa com a definição do confronto entre Bolsonaro e Haddad. “É a mesma corrente de anos atrás, mas com uma nova roupagem. Quando desmentimos essas histórias, muita gente fica brava, nos acusam de não sermos imparciais. Há quem diga que, mesmo sendo mentira, eu não deveria desmentir para não atrapalhar a candidatura do outro lado”, relata.

“De forma geral, questões identitárias, que envolvem uma série de preconceitos como homofobia, machismo etc., estão mais proeminentes neste debate atual que outros temas macro, como políticas públicas, habitação, saneamento básico e educação”, afirma o pesquisador da Diretoria de Análise de Políticas Públicas da Fundação Getúlio Vargas (FGV), Lucas Calil.

O grupo vem monitorando o debate nas redes sociais desde 2013 e avaliou, no domingo das votações do 1º turno, mais de 1,7 milhão de menções com ofensas no Twitter relacionadas às eleições. No levantamento, LGBTs foram o terceiro tema mais citado em postagens ofensivas — nordestinos ficaram em primeiro lugar. Em segundo, vieram discussões sobre nazismo e fascismo.

Segundo Calil, os confrontos nas redes digitais sobre temas como o “kit gay” e direitos LGBT têm se dado de forma ainda mais intensa que nas eleições de 2014. Na análise do pesquisador, atualmente, fora os direitos LGBT e questões de gênero, os outros únicos temas que têm se mostrado tão capazes de engajamento nas redes são a corrupção e a segurança pública.

O problema é que as redes mais facilmente rastreáveis, como Facebook e Twitter, são apenas a ponta do iceberg na disseminação de conteúdos sobre o “kit gay”. De acordo com o pesquisador do Instituto de Internet da Universidade de Oxford, na Inglaterra, Caio Machado, as mensagens de WhatsApp têm apresentado mais frequentemente discursos de ódio ligado a temas como a homossexualidade que as de outras redes como o Twitter e o Facebook. “O material que circula no WhatsApp, de certa forma, não tem dono. Ele tem uma retórica própria, que pode ser falaciosa. Você nunca vai remontar quem criou ou disse aquilo. Além disso, é muito difícil você mensurar o que é disparado diretamente pelas campanhas e o que é feito por usuários”, avalia.

Segundo o pesquisador, que prepara uma pesquisa sobre conteúdos no WhatsApp no contexto das eleições brasileiras, o cenário nacional tem sido diferente da eleição de Donald Trump, entre outros motivos, justamente pela predominância do aplicativo em nosso país. “O Brasil sozinho tem quase 10% dos usuários do WhatsApp do mundo. Os Estados Unidos são mais Facebook e Twitter, e isso se revelou inclusive na disseminação de notícias falsas: o que a gente detectou no Twitter no Brasil foi o menor índice de notícias falsas até agora, não tem porque alguém se expor lá se você tem essa massa de WhatsApp disponível”, avalia.

 

Boatos do “kit gay” definem aliados e inimigos e espalham pânico social

Em 2012, a coordenadora do Núcleo de Estudos da Diversidade Sexual e de Gênero do Centro de Estudos Avançados Multidisciplinares da Universidade de Brasília (UnB), Tatiana Lionço, tornou-se alvo de uma campanha difamatória na internet conduzida por Bolsonaro, então deputado federal.

À época, Tatiana falou sobre sexualidade na infância durante o IX Seminário LGBT na Câmara. “Bolsonaro editou a minha fala e levou a sociedade a entender que eu estaria defendendo a ‘homossexualidade infantil’, começaram a produzir conteúdos dizendo que eu estaria fazendo inclusive um estímulo à pedofilia”, relata a pesquisadora. Dois anos depois, a Câmara dos Deputados publicou nota sobre o evento, com o conteúdo das palestras na íntegra. “Essa é uma das pautas que mais mobiliza ódio e repulsa social. A figura do pedófilo e do abusador sexual de crianças é uma das figuras do monstro moral contemporâneo”, afirma Tatiana.

Tatiana acionou a Procuradoria-Geral da República e o Ministério Público pelos crimes de difamação e calúnia, mas os processos foram arquivados porque ambas as instituições entenderam que a questão deveria ser tratada no âmbito civil, como danos morais. A pesquisadora enviou ofício também à Presidência da Câmara e a resposta que obteve foi que o deputado estava protegido pela liberdade de expressão. “O Estado brasileiro foi absolutamente conivente com isso”, desabafa.

Para o doutor em ciência política e pesquisador do Núcleo de Estudos e Pesquisas sobre a Mulher da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Thiago Coacci, a pauta do “kit gay” é um gatilho utilizado para despertar o pânico moral. “Pânicos morais são um fenômeno já identificado desde a década de 1960 pelas ciências sociais. Eles ocorrem quando há um relativo consenso na sociedade ou em parte significativa dela de que um grupo de pessoas ou comportamento ameaça a ordem social. Por serem um fenômeno social de massa, são muito utilizados politicamente”, explica.

Segundo o pesquisador, no atual contexto brasileiro, movimentos feministas e LGBT são associados à suposta degradação de valores, e isso não ocorre por acaso. “Pânicos morais não são fenômenos irracionais ou que ocorrem espontaneamente, frequentemente são frutos da ação coordenada e intencional de grupos organizados, como igrejas ou partidos”, afirma Coacci.

De acordo com a pesquisadora da Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação Magali Cunha, especialista em comunicação, religião e política, embora a crítica a direitos LGBT gere um consenso entre os principais líderes evangélicos, sobretudo os pentecostais, o mesmo não ocorre com os fiéis.

Na visão da pesquisadora, essas pessoas, embora não concordem necessariamente com discursos extremistas dos líderes das igrejas, acabam sem meios para contrapor essas posições. “Boa parte dos pastores midiáticos, esses que exercem maior influência, como o Malafaia, são donos de igrejas. Nesse caso, não tem nenhum questionamento, diferente de outras igrejas em que há eleições para pastores ou escolhas dentro de uma forma mais participativa. Esses líderes se sustentam porque não há nenhuma organização institucional que questione a autoridade deles”, avalia.

Contudo, como aponta a pós-doutoranda em ciência política na UFMG, Viviane Gonçalves, utilizar discursos morais em campanhas políticas não é uma exclusividade de 2018. “Em 1989, Fernando Collor levou a público a história – posteriormente desmentida – de que Lula teria pedido à mãe de sua filha Lurian que a abortasse. Em 2010, Dilma Rousseff e José Serra também protagonizaram acusações e explicações quanto à temática do aborto. No último pleito, em 2014, a capacidade ou competência de Rousseff para governar foi questionada num explícito alinhamento ao debate quanto ao lugar das mulheres ser no ambiente doméstico ou fora de casa, inclusive com atuação direta nas tomadas de decisões”, relembra.

Polêmica sobre “kit” silencia problemas reais como abuso sexual e intolerância

Se, por um lado, os boatos sobre o “kit gay” se alimentam da preocupação de pais com suas crianças, por outro, eles acabam tomando o lugar de debates de problemas reais, como assédio sexual e a violência contra jovens LGBT. “Nós deveríamos ter o direito de conversar abertamente sobre isso, inclusive porque existem muitos crimes e muitas violências relacionadas à sexualidade”, afirma Tatiana Lionço.

Thiago Coacci relembra que o objetivo que levou à formulação do kit “Escola sem homofobia” para as escolas: facilitar atividades para a promoção do respeito e o fim da violência contra mulheres e a população LGBT. “Discutir gênero e sexualidade nas escolas é uma forma de concretizar direitos à liberdade, igualdade e, em última instância, até mesmo o direito à vida, que nos é negado tantas vezes por meio de assassinatos LGBTfóbicos”, argumenta.

Enquanto o debate não avança, a professora Renata Bragança, que continua recebendo correntes sobre o “kit gay” nas escolas, segue precisando intervir para diminuir a violência gerada por preconceito no ambiente escolar. “É engraçado que a gente tem que ficar o tempo todo mediando homofobia na sala de aula, aluno xingando o outro de ‘viadinho’, batendo no outro, e ninguém está preocupado com isso, com o problema de fato”, lamenta.

Leia a checagem que desmente que Haddad teria criado o “kit gay” – material encomendado pela Câmara nunca foi distribuído e era, na verdade, para promover tolerância e contra discriminação de homossexuais.

Categorias: Internacionais

World population set to grow another 2.2 billion by 2050: UN survey

UN SGDs - qua, 17/10/2018 - 11:29
The world’s population is set to grow by 2.2 billion between now and 2050, the UN said on Wednesday, and more than half of that growth - 1.3 billion - is likely to be in sub-Saharan Africa, where women’s rights are hampered by limited access to healthcare and education, along with “entrenched gender discrimination”.
Categorias: Internacionais

World Food Day: here’s what the UN is doing to fix ‘intolerable’ wrong of hunger

UN SGDs - ter, 16/10/2018 - 16:20
“In our world of plenty, one person in nine does not have enough to eat”, said United Nations chief António Guterres on Tuesday, marking World Food Day. With this year’s theme, “our actions are our future”, the UN and its partners, held events and launched information campaigns worldwide, to amplify one message: achieving zero hunger by 2030 is possible, provided we “join forces”.
Categorias: Internacionais