Eventos

Um chamado para todas as mulheres


           

Em um ato-manifesto, mulheres trabalhadoras, estudantes e aposentados, organizadas e não-organizadas, entidades e movimentos feministas chamam um Ato das Mulheres pelas Diretas e por Direitos no próximo domingo, 11 de junho, no Largo do Arouche, em São Paulo, às 12h. Com mais de 15 atrações confirmadas, dentre elas Pitty, Tulipa Ruiz, Luana Hansen, Maria Gadu e MC Soffia, o ato convida todas e todos para ocupar São Paulo contra um governo ilegítimo, que prioriza os patrões e não as trabalhadoras e os trabalhadores, e que tem uma agenda: passar as Reformas da Previdência e Trabalhista. Se Michel Temer não der conta da agenda, eles colocam outro no lugar pra terminar o serviço, e isso as mulheres não aceitam! Diretas Já!

Plano Popular de Emergência


A Frente Brasil Popular apresenta suas propostas para restabelecer a ordem constitucional democrática, defender a soberania nacional, enfrentar a crise econômica, reverter o desmonte do Estado e salvar as conquistas históricas do povo trabalhador.

A pré-condição das medidas aqui listadas é o fim do governo usurpador, originário do golpe que derrubou a presidenta Dilma Rousseff, com a eleição direta de um novo chefe de Estado e o estabelecimento de um governo oriundo das forças políticas e sociais progressistas e democráticas.

Confira a circular da Frente com o calendário de lutas e a proposição do Plano Popular de Emergência

Um Festival de pretos e o separatismo na cabeça de cada um


Faltando poucos dias para a primeira edição do Festival Afro Music, iniciativa de um punhado de pretos que optou por promover encontro formado por staff de pretos, com line up de Dj’s e música ao vivo composto por artistas também negros – já circula, nos bastidores, que será este um festival de cunho político separatista.

Não obstante tais declarações sejam conflituosas com a descrição do próprio ato, que em suas linhas explica que “O [evento] nasce da necessidade de reforçar tal protagonismo [do negro no som] por meio de manifestações musicais, além de apresentar novo panorama da música afro contemporânea e independente de SP, produzida ou, assinada por artistas pretos…]” – a boataria não parece ter surtido qualquer efeito junto ao corpo executivo da execução do festival.

LAI: 5 anos


O debate “Uma Lei de Acesso à Informação para o Brasil de Amanhã” é um convite a todos para uma comemoração crítica do 5º aniversário da Lei de Acesso (LAI).  Organizado pelas organizações Artigo 19, Abraji, Conectas e Transparência Brasil, o evento, que acontece em 15 de maio, às 19h, na FGV Direito SP, em São Paulo, contará com a presença de especialistas, representantes da sociedade civil e autoridades públicas.

Desta vez, o seminário terá uma participação especial: entidades e cidadãos poderão se inscrever para apresentar projetos e conteúdos realizados a partir do uso de informações obtidas com a LAI. Serão selecionados cinco casos para compor um dos painéis do evento.

As inscrições podem ser feitas por meio deste formulário até o dia 30 de abril.

Podem se candidatar quaisquer pessoas, profissionais ou instituições que, pelo uso de dados obtidos pela Lei de Acesso à Informação, tenham contribuído para a divulgação de informações relevantes, para a participação e controle social e/ou para a defesa de direitos humanos.

Espetáculo teatral ‘Traga-me a cabeça de Lima Barreto’ discute eugenia e racismo


A Cia dos Comuns estreia em 14 de abril seu mais novo projeto artístico-investigativo-formativo: o monólogo teatral ‘Traga-me a cabeça de Lima Barreto’. O espetáculo, interpretado pelo ator Hilton Cobra, com direção de Fernanda Júlia (do Nata – Núcleo Afrobrasileiro de Teatro de Alagoinhas) e dramaturgia de Luiz Marfuz, propõe uma imersão na contribuição da obra do provocativo escritor, celebrando os 135 anos de seu nascimento, os 15 anos da Cia dos Comuns e os 40 anos de carreira artística de seu diretor Hilton Cobra.

O texto, fictício, parte logo após a morte de Lima Barreto, quando os eugenistas exigem a exumação do seu cadáver para uma autópsia e para esclarecer “como um cérebro inferior poderia ter produzido tantas obras literárias – romances, crônicas, contos, ensaios e outros alfarrábios – se o privilégio da arte nobre e da boa escrita é das raças superiores?”. A partir desse embate com os eugenistas a peça mostrará as várias facetas da personalidade e da genialidade de Lima Barreto, sua vida, família, a loucura, o alcoolismo, sua convivência com a pobreza, sua obra não reconhecida, racismo, suas lembranças e tristezas.

Ação Educativa abre inscrições para ciclo de formação política sobre direitos humanos voltado para jovens


Como mais uma experiência de formação política para jovens, a Ação Educativa lança a série de formações “OcupAção: Jovens em Movimento”.

A formação dialoga com o forte engajamento de jovens no ativismo político, desde as jornadas de junho, passando pelas recentes ocupações de escola, e busca contribuir para que a juventude se organize para disputar valores e direitos sociais num contexto extremamente desafiador.

As oficinas são gratuitas e independentes, voltadas a jovens de 15 a 29 anos, ligados a movimentos sociais ou com interesse em temáticas do campo do ativismo, com foco em educação e direitos humanos. Serão abertas inscrições para cada uma delas junto à divulgação.

As oficinas serão realizadas aos sábados, das 14h às 18h. Iremos disponibilizar 30 vagas para cada encontro.

Sobre a Ação Educativa

Acampamento Terra Livre vai reunir mais de 1,5 mil indígenas, em Brasília


Banner Acampamento Terra Livre

O Acampamento Terra Livre (ATL) vai reunir mais de 1,5 mil liderança indígenas de todo o país, em Brasília, de 24 a 28 de abril. A maior mobilização de povos indígenas do país será realizada em meio a uma grande ofensiva contra seus direitos, articulada nos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário.

O mote do acampamento é “Unificar as lutas em defesa do Brasil indígena” e seu objetivo é “reunir em grande assembleia lideranças dos povos e organizações indígenas de todas as regiões do Brasil para discutir e se posicionar sobre a violação dos direitos constitucionais e originários dos povos indígenas e das políticas anti-indígenas do Estado brasileiro”.

Lançamento do Guia de Direitos das Empregadas Domésticas


Será realizado um encontro aberto entre trabalhadoras domésticas e o Lançamento do Guia de Direitos das Empregadas Domésticas, elaborado pelo Coletivo ComunaDeusa em parceria com o Observatória dos Direitos e Cidadania da Mulher, na cidade de Santos e em espaço público e com acessibilidade para deficientes físicos.

O Encontro propõe a troca de experiências entre as trabalhadoras domésticas e demais interessados no assunto. A programação do Encontro se estrutura nos seguintes eixos: rodas de conversa, oficinas temáticas, indicação de consultoria jurídica, terapias e massagens, apresentações artísticas e um bazar de roupas.

O público-alvo são as trabalhadoras domésticas e interessados/as no assunto. Entretanto, tais reflexões são fundamentais para toda a sociedade brasileira, independente da etnia, idade ou gênero.

. Refletir acerca da falta de políticas e ações efetivas para diminuir e suprimir o estado de invisibilidade que persiste no cotidiano do trabalho doméstico no Brasil;

. Fomentar o protagonismo das mulheres através de ações que estimulem o empoderamento e a autoestima;

Consulta Nacional: “Um Fórum Mundial na Bahia”


conviteO Coletivo Baiano do Fórum Social Mundial convida os movimentos sociais e organizações da sociedade civil para debaterem e avaliarem as condições políticas para a construção de um Fórum de caráter mundial em Salvador no ano que vem. A plenária está marcada para dia 25 de março, próximo sábado, em São Paulo.

O Fórum Social Mundial (FSM), uma iniciativa da sociedade civil, é um encontro democrático que procura incentivar os debates e o aprofundamento da reflexão coletiva, a formulação de propostas alternativas, a troca de experiências e a constituição de coalizões e de redes entre os movimentos sociais, as organizações baseadas em comunidades (OBCs), as organizações não governamentais (ONGs) e outras organizações da sociedade civil (OSCs) que se opõem ao neoliberalismo e ao domínio do mundo pelo capital.

Entidades brasileiras discutem trajetória e rumos das negociações sobre o acordo do Princípio 10


Nesta quarta-feira (15), acontece em Brasília o painel “Direitos de Acesso à Informação, à Justiça e à Participação em Meio Ambiente”, que irá discutir os principais pontos relativos às negociações sobre a implantação de um acordo do Princípio 10 na América Latina e Caribe. O evento, que conta com o apoio da Controladoria-Geral da União (CGU), acontece na Escola Superior de Administração Fazendária a partir das 9h e faz parte da Semana de Ouvidoria e Acesso à Informação, promovida pela CGU. Quem quiser participar precisa apenas preencher um formulário.

Representantes de diversas entidades brasileiras que têm acompanhado o processo, como a Artigo 19, o Imaflora, a Fundação Esquel e a WRI Brasil, farão exposições e debaterão a trajetória das negociações até aqui e seus rumos. Também estão confirmados no evento representantes dos Ministérios das Relações Exteriores e do Meio Ambiente.