Eventos

Idec promove debate sobre franquia de dados na Internet


O Idec promove um seminário exclusivo e gratuito sobre franquia de dados na internet, no dia 19 de agosto de 2016. O evento "Franquia de dados na Internet - As dimensões técnica, jurídica e social" debaterá diversos argumentos contrários às franquias de dados no Brasil. O evento será dividido em três mesas temáticas, mediadas pelo pesquisador Rafael Zanatta, do Idec, com apresentações dos convidados e abertura de espaço para perguntas e respostas:
 
01 As franquias pela perspectiva técnica
Nathalia Sautchuk (Engenheira de computação e doutoranda pela USP)
Rubens Kuhl (Engenheiro de redes e instrutor da Escola de Governança da Internet)
Thiago Ayub (Engenheiro e criador do canal “Eu faço a Internet Funcionar” do Youtube)

02 As franquias pela perspectiva jurídica
Beatriz Kira (Líder de projeto do InternetLab)
Ricardo Nogueira (Procon Paulistano)
Veridiana Alimonti (Advogada e coordenadora do Intervozes)

03 As franquias pela perspectiva social

Olabi no Instituto Nacional de Tecnologia – ciclo de oficinas gratuitas


A Olabi, Ouma empresa social focada em estimular a aprendizagem de novas tecnologias e estimular a inovação social no país, neste mês das Olimpíadas, comanda uma série de oficinas até o dia 2 de setembro abertas ao público geral no renomado Instituto Nacional de Tecnologia (INT) - Av. Venezuela, 82 – Saúde, Rio de Janeiro. As atividades fazem parte da comemoração dos 95 anos da instituição pública, que é um órgão de pesquisa governamental reconhecido por sua importante contribuição à academia e indústria. A proposta da parceria é trazer para dentro do INT discussões e práticas ligadas ao universo da democratização das novas tecnologias, mostrando o potencial da cultura maker e seu impacto na sociedade. As inscrições são online e as atividades são para adultos e crianças e são gratuitas. Todas as oficinas começam às 10h e terminam às 13h.

Prêmio Sadako Sasaki em prol da Igualdade de Gênero 2016


O Prêmio Sadako Sasaki almeja promover a integração das culturas do Oriente e do Ocidente, através do compartilhamento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da Agenda 2030, da Organização das Nações Unidas, com ênfase no Objetivo 5: Alcançar a Igualdade de Gênero e empoderar mulheres e meninas. Sadako Sasaki acreditou na solidariedade internacional, e nós acreditamos que a solidariedade internacional deve ser incentivada entre as crianças e as suas famílias, ainda nos primeiros anos escolares, por um Planeta 50-50 em 2030.

O Prêmio Sadako Sasaki acredita que o futuro da humanidade está nas mãos das crianças, das mulheres e das meninas do mundo, e que educar para a paz não é uma tarefa apenas das escolas, mas de todos os seres humanos de boa vontade. Temos a satisfação de apresentar as Vencedoras do 1º Prêmio Sadako Sasaki em prol da Igualdade de Gênero no Brasil:

Ativismo Social e Desenvolvimento Sustentável: Rosa Richter

Biblioteca Sustentável: Adriana Ferrari

Cultura de Paz: Lia Diskin

Difusão dos Direitos da Mulher: Maria Sylvia Aparecida de Oliveira

Congresso Internacional de Direito Homoafetivo


A seccional fluminense da Ordem dos Advogados do Brasil promove em setembro o I Congresso Internacional de Direito Homoafetivo juntamente com o V Congresso Nacional de Direito Homoafetivo. O evento, que acontecerá na OAB do Rio de Janeiro conta com oficinas, palestras e mesas de debates. O valor da inscrição é de R$250 para estudantes e R$500 para advogados.

#Sindicato80anos: exposição sobre Lélia Gonzalez


Para celebrar os 80 anos do Sindicato, a Comissão de Jornalistas pela Igualdade Racial do Rio (Cojira Rio), órgão consultivo do Sindicato, exibirá uma exposição sobre a vida e a obra da intelectual e ativista negra Lélia Gonzalez. Parte do Projeto Memória, realização da Fundação Banco do Brasil, BrasilCap e Redeh, a exposição itinerante “Lélia Gonzalez – o feminismo negro no Palco da História” tem a curadoria de Antonia Ceva e será lançada no dia 06 de maio, às 18h, no auditório João Saldanha (Rua Evaristo da Veiga 16, 17º andar). O evento terá ainda coquetel e debate com a professora Rosália de Oliveira Lemos, coordenadora estadual da Marcha das Mulheres Negras 2015, e a socióloga Elizabeth Viana, que estuda a obra de Lélia, com a mediação da jornalista Sandra Martins, da Cojira.

Professora acadêmica, historiadora e geógrafa, Lélia Gonzalez denunciou o racismo e o sexismo como mecanismos que subalternizam mulheres negras. Ela é considerada uma das precursoras do movimento de mulheres negras no Brasil.

Mostra Cinema e Direitos Humanos abre inscrições


A Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH/PR), em parceria com o Ministério da Cultura e a Universidade Federal Fluminense, abriu as inscrições de produções audiovisuais para a 9ª Mostra Cinema e Direitos Humanos no Hemisfério Sul. Pela primeira vez desde a sua criação, serão aceitas produções oriundas do continente africano. As inscrições ficam abertas até o dia 9 de junho e devem ser realizadas pelo site do evento

A Mostra de Cinema e Direitos Humanos incluirá até 40 filmes e deverá percorrer as 27 capitais do País entre os dias 3 de novembro e 14 de dezembro de 2014. Paralelamente, pelo segundo ano consecutivo, também será realizada a Mostra Democratizando, que consiste na distribuição de kits com dois longas-metragens e três curtas, para serem exibidos nos espaços culturais pelo Brasil. A meta este ano é atingir até 1.600 cidades. O edital para seleção desses espaços deverá ser lançado nos próximos dias.

Museu da Justiça do Rio de Janeiro recebe exposição da ONU sobre tráfico de escravos


O Museu da Justiça do Rio de Janeiro inaugura hoje, às 17h, a exposição “Forever Free-Livres para sempre”, sobre a história do tráfico de escravos no mundo. O evento tem o apoio do Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio) como parte das atividades de lançamento da Década Internacional de Afrodescendentes (2015-2024).

A mostra, composta por painéis que retratam – e explicam – a história do comércio transatlântico de escravos, a luta pelo fim da escravidão e o legado dos escravos, foi criada pelas Nações Unidas como parte de suas atividades de discussão sobre este tema. Durante 400 anos, foram mais de 15 milhões de vítimas, em um dos capítulos mais nefastos da história da humanidade que não deve ser esquecido.

Prêmio Fundação Elsevier recebe candidaturas de mulheres cientistas


A Organização para Mulheres na Ciência para o Mundo em Desenvolvimento, em parceria com a Fundação Elsevier e TWAS, está aceitando indicações para o Prêmios Fundação Elsevier 2014. A premiação anual reconhece mulheres cientistas talentosas em início de carreira da África, Oriente Médio, Ásia, América Latina e do Caribe. Este ano, o foco do programa é a química.

Cinco cientistas vão receber um prêmio em dinheiro de cinco mil dólares, além de acesso por um ano ao ScienceDirect, um banco de dados de artigos de revistas científicas e livros, bem como todas as despesas pagas na conferência anual da Associação Americana para o Avanço da Ciência, em fevereiro de 2014.

Feira internacional apresenta tecnologia de ponta para inclusão e acessibilidade


De 18 a 21/4, a XII Reatech apresentará em São Paulo as mais recentes tecnologias para melhorar a qualidade de vida de pessoas com deficiência física. Além da exposição de materiais e tecnologias, haverá seminários cujos temas abrangerão desde Medicina do Trabalho até questões relativas ao funcionamento de entidades do Terceiro Setor.

Nos dias 18 e 19, a Feira estará aberta das 13h00 às 21h00; já em 20 e 21 de abril o evento será realizado das 10h00 às 19h00. A entrada na exposição é gratuita. Para obter mais informações, acesse aqui.

Mulheres Negras na Primeira Pessoa


capa livro AMNBONG Criola e AMNB promovem esta terça, no Rio de Janeiro, lançamento do livro Mulheres Negras na Primeira Pessoa. O lançamento faz parte das comemorações pelos 21 anos de atividades de Criola.

A obra traz o relato de 20 mulheres negras representativas de nove estados brasileiros (Rio Grande do Sul, Paraíba, São Paulo, Pará, Rio de Janeiro, Amapá, Ceará, Paraná e Goiás). São histórias de mulheres negras quilombolas, nordestinas, sulistas, entre outras, cujas trajetórias sensibilizaram as organizações membro da AMNB, que as indicou para simbolizarem a luta das mulheres negras no Brasil. O livro teve sua versão virtual lançada pela Associação das Organizações das Mulheres Negras Brasileiras (AMNB) no mês de dezembro, durante as comemorações dos 64 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos.

Para saber mais, visite a página da AMNB.