Machismo não combina com Saúde!


logo

Campanha lançada pelo Instituto PAPAI durante o IX Congresso Brasileiro de Saúde Coletiva pretende estimular a participação dos homens nos serviços de saúde e sensibilizar profissionais da área sobre a importância de trabalhar com o público masculino. Parte importante da mobilização é o documento "Princípios, diretrizes e recomendações para uma atenção integral aos homens na saúde".

A publicação apresenta um conjunto de informações para usuários e profissionais sobre a atenção aos homens nos serviços públicos de saúde, além do posicionamento da Rede de Homens Pela Equidade de Gênero (RHEG) frente à recém lançada Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem. Para o Instituto PAPAI, a nova norma do SUS individualiza o problema sobre a baixa procura dos homens aos serviços de atenção básica à saúde e não explora os motivos que levam o público masculino a ter a expectativa de vida abaixo das mulheres. O Instituto defende que a política de saúde voltada aos homens deve estar baseada em estudos que identifiquem as questões de gênero associadas à menor procura deste público aos serviços de saúde, assim como ao seu processo de adoecimento e mortalidade.

Um estudo específico sobre a saúde da população masculina lançado pelo IBGE revelou que os homens apresentam maior mortalidade em todas as idades, até os 79 anos. Além disso, a expectativa de vida da população masculina é 7,6 anos abaixo das mulheres. No quesito adoecimento e internação, quando são jovens, na faixa de 15 a 29 anos, a hospitalização dos homens é motivada, sobretudo, por lesões externas (28,4%). Com destaque também para o uso/abuso do álcool (1/3 dos casos). De 30 a 50 anos, destacam-se doenças do aparelho digestivo (15,3%) e circulatório (14,9%). Entre os idosos, predominam patologias circulatórias (28,6%), respiratórias (18,4%) e tumores (8,8%).

 O material educativo da Campanha inclui spots de audio (versões de 30s e de 60s), vídeo, cartaz e folheto. Veja também o pdf. do documento "Princípios, diretrizes e recomendações para uma atenção integral aos homens na saúde".