Comunicado oficial: Cúpula dos Povos no Aterro do Flamengo


logo cupula dos povosDiante de recentes publicações na mídia, o Comitê Facilitador da Sociedade Civil Brasileira para a Rio+20 vem a público pronunciar-se sobre a negociação do local de realização da Cúpula dos Povos.

 

O Comitê reafirma a unidade da sociedade civil na organização da Cúpula. Os princípios do Comitê residem, acima de tudo, na integração em meio à diversidade das entidades que o compõem.

 

Há oito meses, o Comitê negocia com o governo municipal, governo federal e com o Comitê Nacional de Organização da Rio+20 (CNO) o espaço de realização da Cúpula: o Aterro do Flamengo, na Zona Sul do Rio de Janeiro.

 

Além de aproximar a Cúpula dos Povos da sociedade civil como um todo, pretende-se resgatar no Aterro do Flamengo um momento histórico: há vinte anos, o espaço foi palco de intensos debates durante o Fórum Global, na Rio 92.

 

Participarão da Cúpula dos Povos representantes de movimentos socioambientais do Brasil e do mundo. Frente às dificuldades de acomodação na cidade do Rio de Janeiro, o Comitê também vem negociando com o governo e com o CNO a montagem de acampamentos e alojamentos alternativos.

 

As prioridades do Comitê são preservar e valorizar o patrimônio público, bem como garantir a integridade do evento, mantendo acomodações e atividades em áreas próximas, no entorno do Aterro do Flamengo.

 

O Comitê Facilitador da Sociedade Civil Brasileira para a Rio+20 é um grupo plural, formado por entidades da sociedade civil global. Dentro do Comitê, o Grupo de Articulação – responsável pelas decisões e direcionamentos políticos relativos à Cúpula dos Povos – reúne as seguintes redes e coletivos:

 

  • Articulação de Mulheres Brasileiras (AMB);

  • Articulação de Organizações de Mulheres Negras Brasileiras (AMNB);

  • Articulação do Semi-Árido (ASA);

  • Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB);

  • Associação Brasileira de Organizações Não-Governamentais (Abong);

  • Central Única dos Trabalhadores do Brasil  (CUT);

  • Comissão Brasileira Justiça e Paz da CNBB (CBJP);

  • Comitê Intertribal (ITC) – Kari Oca II;

  • Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag);

  • Conselho Nacional de Mulheres Indígenas;

  • Coordenação Nacional de Articulação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas (Conaq);

  • Coordenação Nacional de Entidades Negras (Conen);

  • Fórum Brasileiro de Economia Solidária (FBES);

  • Fórum Brasileiro de ONGs e Movimentos Sociais para o Meio Ambiente e o Desenvolvimento (FBOMS);

  • Fórum Ecumênico ACT Brasil (Act Alliance e Portal Ecumênico);

  • Fórum Nacional da Reforma Urbana (FNRU);

  • Forum Nacional de Entidades Civis de Defesa do ConsumidorInstituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (FNECDC);

  • Frente Nacional em Defesa dos Territórios Quilombolas (FNDTQ);

  • Greenpeace Brasil;

  • Grupo de Reflexão e Apoio ao Processo do Fórum Social Mundial (Grap);

  • Grupo de Trabalho Amazônico (GTA);

  • Jubileu Sul;

  • Marcha Mundial de Mulheres;

  • Movimento Xingu Vivo para Sempre (MXVPS);

  • Plataforma Brasileira de Direitos Humanos Econômicos, Sociais, Culturais e Ambientais (Dhesca);

  • Rede Brasil sobre Instituições Financeiras Multilaterais (Rede Brasil);

  • Rede Brasileira de Educação Ambiental (Rebea);

  • Rede Brasileira pela Integração dos Povos (Rebrip);

  • Rede Cerrado;

  • Rede da Juventude pelo Meio Ambiente e Sustentabilidade (Rejuma);

  • Rede de ONGs da Mata Atlântica (RMA);

  • Serviço Franciscano de Solidariedade (Serfas);

  • União Nacional dos Estudantes (UNE);

  • Via Campesina (VC)

Rio de Janeiro, 14 de março de 2012

Comitê Facilitador da Sociedade Civil Brasileira para a Rio+20


Fonte: Cúpula dos Povos