Seminário discute enfrentamento à letalidade de crianças e adolescentes no Espírito Santo


Espírito Santo, estado da região Sudeste do Brasil, aparece no Mapa da Violência 2012 – Crianças e adolescentes do Brasil em segundo lugar no ranking das Unidades Federativas brasileiras com maiores taxas de homicídio (33,8 para cada 100 mil) de crianças e adolescentes de até 19 anos de idade. Segundo o estudo, Espírito Santo só perde para o estado de Alagoas, no Nordeste, que possui uma taxa de 34,8 homicídios para cada 100 mil crianças e adolescentes.

Os elevados índices de homicídio e as estratégias para enfrentar a violência serão debatidos por autoridades e sociedade civil capixaba no seminário Os desafios para o enfrentamento da letalidade infanto-juvenil no Espírito Santo. O evento ocorrerá a partir das 8h do dia 31 de agosto no Auditório do Diário Oficial do estado (Av. Marechal Mascarenhas de Moraes, 2375 – Bento Ferreira), em Vitória (ES).

O seminário, organizado pelo Conselho Gestor do Programa de Proteção a Crianças e Adolescentes Ameaçados de Morte (PPCAAM), é destinado a gestores, autoridades estaduais e municipais, militantes de direitos humanos de crianças e adolescentes, pesquisadores e técnicos que trabalham na área. Para participar, é necessário realizar a inscrição online.

Luiz Inácio da Rocha, presidente do Conselho Gestor PPCAAM e coordenador do Fórum Estadual de Juventude Negra do Espírito Santo (Fejunes), explica que a atividade tem o objetivo de "refletir [sobre] os altos índices de letalidade de crianças e adolescentes no estado e nos municípios do Espírito Santo e apontar medidas para o enfrentamento”.

A intenção, de acordo com ele, é provocar os governos a se comprometerem a fortalecer estratégias de enfrentamento a essa letalidade com políticas estruturadas para crianças, adolescentes e jovens. "Até então poucas medidas estão sendo adotadas”, comenta, ressaltando a importância de primeiro se realizar um diagnóstico da realidade para depois, juntamente com a participação da sociedade civil, desenvolver medidas de prevenção. "[A gente já sabe que] medida de repressão não é solução”, acrescenta.

Programação

O seminário está marcado para começar às 8h do dia 31 de agosto. O primeiro painel contará com a participação de Ariel de Castro Alves, da Comissão dos Direitos da Criança e do Adolescente do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e da Fundação Criança de São Bernardo do Campo (SP), quem destacará a "Letalidade infanto-juvenil no Brasil”.

À tarde, o debate será aprofundado no âmbito do Espírito Santo, com a presença de representantes do governo, da sociedade civil e de pesquisadores. Em seguida, haverá um painel sobre "Políticas Públicas e Iniciativas de enfrentamento à letalidade infanto-juvenil”, com integrantes da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), do Centro de Apoio aos Direitos Humanos (CADH), da Secretaria Nacional de Juventude (SNJ), e do Fórum Estadual de Juventude Negra.

Mapa da Violência

No Mapa da Violência 2012 – Crianças e Adolescentes do Brasil, de autoria do sociólogo Julio Jacobo Waiselfisz, o Espírito Santo aparece em segundo lugar no ranking de estados com taxas mais elevadas de homicídios de crianças e adolescentes de até 19 anos. Entre as capitais, Vitória (ES) também surge na segunda colocação, com uma taxa de 76,8 homicídios para cada 100 mil pessoas de até 19 anos.

Outros municípios do estado também estão de lista de cidades com maiores índices de assassinatos de crianças e adolescentes, tais como: Serra, São Mateus, Viana, Vila Velha, Cariacica, Linhares, Aracruz e Colatina.

Confira o estudo completo em: http://www.mapadaviolencia.org.br/pdf2012.

Por: Karol Assunção, jornalista da Adital