O Xingu vem até você


Apaiyupe Waurá com o óculos da realidade virtual durante as filmagens na aldeialTadeu Jungle

Muita gente sonha em um dia conhecer uma aldeia indígena na Amazônia. Mas uma parcela grande dessas pessoas não consegue realizar o sonho, seja pela distância, custos ou outras restrições. Se esse for o seu caso, seus problemas acabaram (ou quase). A partir desta segunda-feira (29/5), Fogo na Floresta, um curta-metragem de 7 minutos, lançado pelo ISA no final de abril, no Festival Internacional de Documentários "É Tudo Verdade”, poderá ser visto em 360 graus via aplicativos disponíveis gratuitamente na Google Play Store e Apple Store, tanto em português quanto em inglês (Fire in the forest) e também no canal do ISA no YouTube, em português e em inglês. Através dele o espectador é transportado direto para o meio de uma aldeia do povo Waurá, no Parque Indígena do Xingu, Mato Grosso.

O filme, o primeiro em Realidade Virtual feito com um povo indígena, é uma coprodução do ISA com a Academia de Filmes, dirigido por Tadeu Jungle e narrado pela atriz Fernanda Torres. Compõe-se de cenas em 360 graus que levam o espectador para dentro do cotidiano da comunidade indígena e apresenta uma ameaça que paira sobre os Waurá e sobre todos os povos da Amazônia: o fogo fora de controle.

Manejado há milênios pelos povos indígenas na abertura de suas roças de subsistência, o fogo agora avança sobre as matas de maneira descontrolada, em razão do desmatamento do entorno do Xingu e das mudanças climáticas.

"Chegamos na aldeia focados em mostrar a rotina dos índios, mas de cara flagramos um incêndio a poucos metros de uma maloca. O filme ganhou uma urgência imediata", diz Tadeu Jungle. "O Parque Indígena do Xingu, casa dos Waurá e de outros 15 povos, é hoje uma ilha de floresta cercada por fazendas de soja por todos os lados", explica André Villas Bôas, secretário executivo do ISA. "O descontrole do fogo é o resultado direto dos desmatamentos no entorno do Xingu que alteram os padrões de chuva, mudando o clima da região, causando o ressecamento da floresta, tornando-a mais inflamável", complementa.

A pesca, o futebol, a arte da cerâmica e a produção da farinha de mandioca são algumas das atividades rotineiras da comunidade que o filme exibe de maneira imersiva. O curta ainda mostra uma sala de aula, a "casa dos homens" e o interior de uma maloca, compondo um cenário atual no qual cultura tradicional e hábitos modernos coexistem no cotidiano dos índios. "Os Waurá, como muitos povos do Xingu, transitam entre costumes e tecnologias da nossa sociedade sem deixar de valorizar os aspectos mais importantes da sua tradição cultural", diz Paulo Junqueira, coordenador do ISA que trabalha diretamente no Xingu.

O povo Waurá (ou Wauja) tem uma população de 560 pessoas que vive na aldeia Piyulaga, no Parque Indígena do Xingu. Famosos por sua cerâmica, cestaria e arte plumária, eles estão mobilizados para combater o fogo descontrolado que ameaça suas florestas e sua vida. O ISA, por meio de uma série de iniciativas – como o apoio e formação para o manejo e controle do fogo, formação de brigadas indígenas anti-incêndio, monitoramento de focos de calor via satélite e restauração florestal –, está ao lado dos xinguanos para encarar esse desafio.

Ao longo dos próximos meses, o filme será ativado em eventos do ISA abertos ao público. O primeiro deles vai acontecer em Brasília, em 8 de junho, a partir das 19h, no Ernesto Cafés Especiais, situado na CLS 115, Bloco C, loja 14.

Fonte: Instituto Socioambiental