Campanhas

Carta Aberta a Mark Zuckerberg sobre a Internet.org, neutralidade da rede, privacidade e segurança


[publicada em 18-maio-2015]

Caro Mark Zuckerberg,

Nós, abaixo assinados, compartilhamos uma preocupação comum sobre o lançamento e expansão da plataforma Internet.org do Facebook e suas implicações para a Internet aberta ao redor do mundo. Nessa Internet aberta, todos os conteúdos, aplicações e serviços são tratados igualmente, sem discriminação alguma. Estamos especialmente aborrecidos pelo fato que o acesso das pessoas pobres é usado como justificativa para tais violações da neutralidade da rede.

Diga SIM aos direitos humanos no Brasil


O Fundo Brasil de Direitos Humanos acaba de lançar a campanha "Diga SIM aos direitos humanos no Brasil". Com vídeos publicados na internet que abordam dados relacionados a diversos temas, como igualdade racial e enfrentamento ao trabalho escravo e ao tráfico de pessoas, direitos da criança e violência contra a mulher, a divulgação tem o objetivo de engajar pessoas em favor de causas sociais.

O primeiro vídeo conta com a participação da atriz Letícia Sabatella. Ela fala sobre a importância do combate à violência contra as mulheres. Não é apenas no dia internacional das mulheres que você pode fazer a sua parte no enfrentamento à violência e ao preconceito contra elas. Os dados da violência são alarmantes. A cada 5 minutos uma mulher é agredida e a cada 2 horas uma mulher é assassinada no nosso país. Com o seu apoio, o Fundo Brasil viabiliza projetos que defendem os direitos humanos e combatem a injustiça e a discriminação. 

 

 

Regulação da mídia é caminho para consolidar democracia brasileira


Nota pública do FNDC - 7-nov-2014

A campanha eleitoral colocou o debate sobre a regulação dos meios de comunicação de massa no centro da agenda política do país. Diante do comportamento de parcela da grande mídia e da ausência de um debate plural e efetivamente democrático nos diferentes espaços de formação da opinião pública, a necessidade de um novo marco regulatório para o setor – defendida há mais de dez anos por movimentos sociais e organizações da sociedade civil – mostrou-se uma vez mais urgente.

Neste contexto, o Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação (FNDC), que há 23 anos reúne centenas de entidades em torno da luta pela ampliação do exercício da liberdade de expressão em nosso país, saúda as declarações da Presidenta Dilma Rousseff de que uma das prioridades de seu próximo mandato será a regulação econômica da mídia. Trata-se de uma medida estratégica para a consolidação da democracia brasileira.

Defensor  denuncia processo de criminalização das lutas sociais 


O ataque costuma ser proporcional ao tamanho da bandeira e à força da luta. Desde junho de 2013, quando uma série de protestos tomaram as ruas, o Estado intensificou o processo de criminalização dos movimentos sociais. Entidades que atuam na denúncia das prisões e detenções arbitrárias, agressões e lesões ocasionadas pela ação policial e na defesa dos manifestantes foram perseguidas pela imprensa e tiveram até inquérito instaurado pelo judiciário. Esse é o caso de Thiago Melo que teve até seu sigilo telefônico quebrado e seu nome estampado nos jornais. 

Repense: uma campanha de conscientização sobre a maconha medicinal


Você sabia que da maconha sai um remédio que pode controlar as convulsões de mais de 600 mil brasileiros que têm formas de epilepsia sem tratamento? Você sabia que ela é comprovadamente eficaz para aliviar náuseas e vômitos em pacientes de câncer que fazem quimioterapia? E que ela alivia os sintomas da esclerose múltipla, uma doença grave e sem cura? Estas são apenas algumas das aplicações medicinais da maconha. Esse tipo de terapia é proibida no Brasil, mas conhecida e usada em diversos países: Canadá, Estados Unidos, Alemanha, Reino Unido, França, Israel, entre outros. No Brasil, quase ninguém sabe disso. E as centenas de milhares de pessoas que poderiam se beneficiar de um tratamento com ela só têm duas opções: continuar sofrendo ou usar a droga de forma ilegal.

Os brasileiros precisam saber disso. Então vamos fazer uma campanha de conscientização sobre a importância de debater o uso medicinal de maconha e derivados no Brasil.

TAMUATÉ-AKI


A Campanha Tamuaté-Aki reúne pessoas e organizações com o objetivo comum de apoiar os povos indígenas no Brasil na defesa de seus direitos. Os mais de 305 povos indígenas brasileiros caracterizam um patrimônio da diversidade sociocultural do Brasil que se reflete nos seus conhecimentos e modos de vida, em 274 línguas e uma imensa variedade de expressões artísticas e rituais. A demarcação dos territórios indígenas, hoje paralisada, é condição básica de sobrevivência para esses povos. A maioria das Terras Indígenas no Brasil sofre invasões, impacto de obras e, freqüentemente, os índios colhem resultados perversos do que acontece mesmo fora de suas terras, nas regiões que as cercam: poluição de rios por agrotóxicos, desmatamentos etc. Apesar disso, em algumas regiões do Brasil, quase tudo o que sobrou da cobertura vegetal nativa está no interior das terras indígenas e das unidades de conservação. Os participantes da campanha acreditam que a diversidade e a pluralidade da sociedade brasileira são fundamentais para construir outro futuro para a humanidade e o planeta.

Comissão lança campanha "Fim de Jogo para o Racismo"


Foi lançada na Câmara dos Deputados a campanha "Fim de Jogo para o Racismo". No evento, o deputado Damião Feliciano (PDT-PB) incentivou os árbitros de futebol a suspenderem as partidas de futebol, assim que identificarem situações de racismo em campo.

A campanha pretende conscientizar a sociedade, profissionais e pessoas envolvidas com esporte sobre as atitudes de racismo praticadas contra atletas e profissionais durante eventos esportivos, destacando que o racismo é crime inafiançável e imprescritível, e a qualquer um é dado o exercício da prisão em flagrante.

A campanha, segundo Damião Feliciano, seria uma tentativa de coibir a ocorrência desse tipo de crime que é definido em lei (7.716/89) e prevê reclusão de um a três anos, mais multa para quem praticar, induzir ou incitar a discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência.

Nova versão do Marco Civil


O relator do projeto de lei do Marco Civil da Internet, deputado Alessandro Molon, fez no dia 12-2-2014 a leitura de seu relatório à Câmara dos Deputados. O relatório, incluindo a versão mais recente do projeto de lei em trâmite de urgência na Câmara está em anexo, em PDF, abaixo.

 

"Para Expressar a Liberdade": próximos passos


Campanha Para Expressar a LiberdadeApós cerca de um ano de atividades, a Campanha Para Expressar a Liberdade realizou sua Plenária Nacional, na última sexta-feira (7/2/2014), em São Paulo. Com a presença de representantes de 27 entidades, oriundos de nove Estados do país, a reunião ainda contou com a participação da jornalista Maria Inês Nassif e do blogueiro Altamiro Borges, que fizeram uma análise do cenário das comunicações no Brasil.

Para Rosane Bertotti, Coordenadora Geral do FNDC (Fórum Nacional Pela Democratização da Comunicação), a presença de diversas entidades, inclusive das que não têm uma ligação histórica com o tema da democratização da comunicação, tornou a Plenária Nacional muito produtiva e representativa.

Para Expressar a Liberdade – Uma Nova Lei para Um Novo Tempo


Lei da Midia DemocraticaA "Campanha Para Expressar a Liberdade – Uma Nova Lei para Um Novo Tempo" realizará no início de fevereiro, dia 7, sua primeira Plenária Nacional de 2014. O objetivo é avaliar o andamento das ações nacionalmente em 2013 e realizar o planejamento do 1º semestre do ano. O evento acontecerá das 15h às 19h, no Sindicato dos Jornalistas Profissionais de São Paulo (endereço abaixo).