Campanhas

Assim como a Amazônia, o .amazon é de interesse público!


Na Internet precisamos de nomes de domínio para chegar aos serviços que queremos, para mandar e receber informações, para nos comunicarmos. Parte das condições técnicas que permite essa comunicação compete à ICANN coordenar. ICANN é a sigla em inglês para Corporação da Internet para Atribuição de Nomes e Números, sendo a responsável pela coordenação global do sistema de identificadores exclusivos da Internet, entre eles endereços numéricos e os respectivos nomes de domínio.

Atualmente há pouco mais de 20 diferentes nomes de domínio de primeiro nível genéricos (gTLDs) -- que podem ser usados por cidadãos e entidades de qualquer país --, como o .com, .net, .info, .org e outros, e cerca de 250 domínios de primeiro nível de paises (ccTLDs), como o .br para o Brasil e o .ca para o Canadá.

Estatuto do nascituro volta à pauta no Brasil


Projeto de lei que dispõe sobre o Estatuto do Nascituro visa estabelecer os direitos dos embriões, contrariando a lei penal vigente no Brasil. O projeto de lei nº 478/2007 parte da crença de que a vida tem início desde a concepção – premissa não sustentada ou legitimada pela Constituição Brasileira – e de que o nascituro e o embrião humanos teriam os mesmos direitos fundamentais das pessoas nascidas e vivas, o que vai contra o ordenamento jurídico vigente. 

Se aprovado, o projeto contrariará a lei penal vigente no Brasil, ao derrubar qualquer possibilidade legal de interrupção de uma gravidez, mesmo em caso de risco de morte à mulher, gravidez resultante de estupro ou gravidez de anencéfalos, já garantidos por lei no Brasil.

O projeto prevê ainda uma bolsa para as mulheres vítimas de estupro criarem seus filhos (caso estas denunciem o estupro), conhecida como “Bolsa-estupro”.

Greenpeace lança campanha sobre mobilidade urbana


Neste dia 10 de abril, membros do Greenpeace foram às ruas de São Paulo para lembrar a população dos corredores de ônibus que não foram implementados, das calçadas que poderiam estar em boas condições, das ciclovias que deveriam existir e, principalmente, para cobrar do prefeito Fernando Haddad abertura e transparência na elaboração do Plano de Mobilidade Urbana.

Com essas ações, o Greenpeace iniciou a campanha #Cadê o Plano de Mobilidade Urbana, que tem como objetivo reivindicar transparência das decisões do governo e a conscientização dos hábitos cotidianos da população. Para ajudar nesta campanha, o Greenpeace oferece uma ferramenta ao cidadão: trata-se de um site que contém, além de informações sobre o assunto, um panorama de como estão os Planos de Mobilidade Urbana das capitais brasileiras. Também está disponível um guia prático de como participar ativamente.

Prevenção e combate ao racismo infantil são temas de campanha


Na próxima terça-feira (26), às 14h, será realizado o lançamento oficial da campanha "Por uma Infância sem Racismo", idealizada conjuntamente pela Secretaria de Estado da Criança do Distrito Federal, a Secretaria Especial de Promoção da Igualdade Racial da Presidência da República (Seppir/PR) e o Fundo das Nações Unidades para a Infância (Unicef).

A cerimônia ocorrerá no Auditório Dois Candangos, na Faculdade de Educação da Universidade de Brasília (UnB), na Asa Norte.

Para mais informações, clique nos arquivos anexos e acesse o site da Secretaria de Estado da Criança.

 

Campanha da SPM valoriza conquistas das mulheres para o desenvolvimento do Brasil


Construção civil, ciências, pequenas e grandes empresas, campo e cidade. Dentro e fora de casa, as mulheres estão por toda parte e constroem um novo Brasil: forte, inclusivo e competitivo. Esse é o conceito da campanha da Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República (SPM-PR), que começou a ser veiculada no dia 03/03, em tevês, rádios, internet, revistas, outdoors, busdoors, entre outras mídias. O slogan é “Cada vez mais as mulheres conquistam seu espaço. Cada vez mais o Brasil também é feito por mulheres”. Inaugurando o Março Mulher, a iniciativa retrata as principais conquistas na vida das brasileiras nos últimos dez anos, quando a igualdade de gênero foi incorporada nas políticas públicas a partir da criação da SPM.

Entidade com atuação na comunicação lança kit de primeiros socorros para proteção a defensores de direitos humanos


Intifada no Egito - por Matthew CasselA Associação para o Desenvolvimento da Comunicação (APC, na sigla em inglês) acaba de lançar uma série de instrumentos, reunidos em um kit, para aumentar as possibilidades de defesa de militantes na área de direitos humanos.

Em face à crescente vigilância sobre os direitos humanos, e dada a multiplicação do interesse de empresas nos dados pessoais de usuários, a campanha "Conecte Seus Direitos", da APC, disponibiliza dicas e macetes para que defensores de direitos humanos possam se precaver diante de ameaças à privacidade das informações que compartilham na Internet.

A APC é uma organização sem fins lucrativos, fundada em 1990, que deseja o acesso de todas e todos a uma Internet livre e sem restrições, de modo que seja possível um mundo mais justo.

Marco Regulatório das Comunicações: cartas abertas à Presidência da República


Diante da impassividade do Ministério das Comunicações em colocar em discussão o Marco Regulatório das Comunicações, depois de várias promessas e desculpas, inclusive em evento do próprio Clube de Engenharia juntamente com a Revista Carta Capital, o Clube de Engenharia do Rio de Janeiro resolveu enviar uma Carta Aberta à Presidência da República (CT 630/12 de 10/12/2012, reproduzida abaixo), abordando o grande prejuízo para a sociedade brasileira pela não adoção de uma nova regulamentação para o setor, e mais uma vez solicitando a abertura de discussão do assunto. Esta carta foi respondida pelo Gabinete da Casa Civil (Ofício 3633/Gab-C.Civil/PR de 28/12/2012 anexa, incluindo seus próprios anexos), que absolutamente sequer aborda nossas ponderações.

Pensar. Comer. Preservar: nova campanha do PNUMA e da FAO contra o desperdício alimentar


fim de feiraMais de um bilhão de toneladas de comida são desperdiçadas a cada ano. Para reverter esta situação, o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) e a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) lançaram, na terça-feira (22), a campanha global contra o desperdício de alimentos “Pensar. Comer. Preservar. Diga não ao Desperdício”.

A iniciativa se dirige especialmente aos consumidores, comerciantes e outros atores da área gastronômica e de hospedagem e reunirá diversas ações contra o desperdício e que serão reunidas em um portal. Segundo a FAO, um terço dos alimentos é perdido durante os processos de produção e venda, desperdício equivalente a um trilhão de dólares.

ONU lança campanha e pede opinião de todas as pessoas sobre o que é necessário para um mundo melhor


BRASÍLIA, 23 de janeiro de 2013 - As Nações Unidas, em parceria com a Fundação World Wide Web e o Instituto de Desenvolvimento Internacional, com o apoio de parceiros em todo o planeta, está realizando uma pesquisa com todas as pessoas para saber quais são suas prioridades na construção de um mundo melhor.

Os resultados desta pesquisa serão compartilhados com os líderes mundiais que definirão a agenda de desenvolvimento global pós-2015, que vai ampliar os resultados dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio, enfrentar as desigualdades que ainda persistirem e os novos desafios que afetam o planeta.

A ONU quer que esta nova agenda resulte de um processo realmente aberto e inclusivo, que envolva pessoas de todas as partes do mundo e de todos os grupos sociais e, por isso, está realizando uma pesquisa mundial batizada de “Meu Mundo”, criada como uma ferramenta para incluir a voz de todos neste diálogo global.

ACNUR lança campanha internacional contra a violência sexual e de gênero


O Alto Comissário das Nações Unidas para Refugiados, António Guterres, reiterou o compromisso da agência em combater a violência sexual e de gênero. Este ano, o ACNUR está intensificando suas ações para melhorar o acesso dos sobreviventes à justiça.

"Apesar de ter aumentado a atenção para o tema da Violência Sexual e Baseada em Gênero (SGBV, na sigla em inglês) e os esforços para combatê-la, um número alarmante de mulheres continua enfrentando esta terrível violação de seus direitos. Em grande parte por causa da desigualdade que persiste em todo o mundo," disse Guterres em mensagem que marca o início da campanha anual “16 Dias de Ativismo contra a Violência de Gênero”.

"É fundamental que continuemos a fazer da prevenção e resposta à SGBV um componente chave das operações do ACNUR”, adicionou Guterres. Ele enfatizou que a SGBV é uma das principais preocupações da agência. "Em 2012 alocamos US$ 6,9 milhões para projetos de prevenção e combate que estão sendo implementados em 12 países nos quais o ACNUR têm operações em andamento", disse.