Campanhas

Não vamos perder o que foi conquistado


A legislatura anterior e a atual da Câmara dos Deputados brasileira têm se notabilizado por iniciativas que implicam em ameaças aos direitos sexuais e reprodutivos. Em 2010, foi aprovado o Estatuto do Nascituro, que confere direitos desde o momento da concepção. Na prática, isso proibiria a realização de aborto em qualquer circunstância, mesmo nos casos de estupro ou de risco de morte para a mãe, como previsto na lei brasileira.

Crise alimentar: Oxfam põe o dedo na ferida


Crise Alimentar_Prato VazioONG britânica lança campanha internacional e sustenta: subsídios da Europa e EUA, e insistência em biocombustíveis ineficientes, elevam preços e emperram combate à fome. Diante do aumento dos preços dos alimentos, que ameaça deixar mais milhões de famintos a cada ano, a Europa deve abandonar os subsídios e desacelerar os esforços na produção de biocombustíveis, afirmou a organização Oxfam.

Campanha da ACT busca cadeira de rodas para símbolo antitabagista


A ONG ACT Aliança de Controle do Tabagismo está empreendendo a campanha "Uma cadeira de rodas para o Zé Carlos". O aposentado teve suas pernas amputadas devido a tromboangeíte obliterante, doença cujo fator causal é o tabagismo. Ele ficou conhecido ao ter sua imagem estampada nas advertências sanitárias dos maços de cigarros em 2004. Hoje, aos 64 anos, é um símbolo das campanhas antitabagismo. Mais informações estão no site http://www.actbr.org.br/comunicacao/campanha-ze-carlos.asp.

Uma vida sem discriminação é um direito


Arco-írisEm 17 de maio de 1990, a Organização Mundial da Saúde (OMS) excluiu a homossexualidade da “Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados com a Saúde”. Por isso, todos os anos celebra-se nesta data o Dia Internacional contra a Homofobia, Lesbofobia e Transfobia. Apesar da transexualidade ainda figurar neste manual como uma disforia de gênero, em muitos países o consenso médico afirma que às pessoas trans deve-se assegurar o tratamento para que o corpo se adeque à sua percepção de gênero.

Banda larga é um direito seu!


Campanha Banda LargaParticipe da campanha "Banda larga é um direito seu! Uma ação pela internet barata, de qualidade e para todos". O lançamento será no dia 25 de abril, com plenárias simultâneas em São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador e Brasília, e transmissão pela Internet. Conheça o manifesto da campanha, a lista de participantes e o plano de ação.

Alerta sobre alterações no Código Florestal


Aja agora - Codigo FlorestalO vídeo “Código Florestal em Perigo”, é um alerta para os efeitos negativos das alterações no Código Florestal previstas no substitutivo do deputado Aldo Rebelo (PCdoB-SP).

Violência sexual: 'tem coisas que não dá para fingir que não vê'


A Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH/PR) lança a campanha de Carnaval para o Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes, mobilização permanente de proteção das crianças que terá ações ao longo de todo o ano. O conceito da campanha “Tem coisas que não dá para fingir que não vê. Violência sexual contra crianças e adolescentes é crime. Denuncie. A bola está com você” convoca a sociedade para uma ação conjunta que contribua para reduzir a incidência de casos de violência sexual contra este grupo, que aumenta em períodos festivos.

Banda Larga para tod*s


logo da campanha

Lançada no dia 26 de fevereiro, a campanha "Banda Larga é um Direito Seu!" é uma iniciativa de um conjunto de entidades da sociedade civil que se mobilizam pela promoção da universalização do acesso à Internet por banda larga no país, com garantia de qualidade de serviço. Para os participantes da campanha, o acesso à Internet por banda larga é um direito fundamental que não é respeitado no Brasil, onde a banda larga é cara, ruim e para poucos/as. Assista o vídeo da campanha.

 

Campanha por uma infância sem racismo


O Fundo das Nações Unidas para Infância, UNICEF, a Ação Educativa, CEAFRO, Ogilvy, AW Comunicação e X-Brasil estão lançando a campanha “Por uma Infância sem Racismo”. A idéia é fazer um alerta à sociedade sobre os impactos do racismo na infância e adolescência e sobre a necessidade de uma mobilização social que assegure o respeito e a igualdade étnico-racial desde a infância. Informações no blog http://www.infanciasemracismo.org.br.

Foto: Fé e Alegria

Parem o ‘estupro corretivo'!


vitima estupro corretivo"O estupro corretivo”, a prática cruel de estuprar lésbicas para "curar” sua homossexualidade, está se tornando uma crise na África do Sul. Porém, ativistas corajosas estão apelando ao mundo para pôr fim a estes crimes monstruosos. O governo sul africando finalmente está respondendo - vamos apoiá-las.  Millicent Gaika foi atada, estrangulada, torturada e estuprada durante 5 horas por um homem que dizia estar "curando-a” do lesbianismo. Por pouco não sobrevive.