Ativistas do Levante Popular da Juventude são presos em Porto Alegre


Acusadas de formação de quadrilha e incêndio criminoso, 16 pessoas foram presas ontem (24) em Porto Alegre, após a divulgação do resultado do julgamento do ex-presidente Lula no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4).

São 13 mulheres e 3 homens, todos parte do movimento Levante Popular da Juventude, segundo informações do coletivo Mídia Ninja. Uma pessoa que estava na rua e tirou fotos da ação também foi detida e passou a noite algemado, em situação vexatória e sem acesso às necessidades básicas. Ela não fazia parte do grupo.

A deputada Manuela D'avila (PCdoB-RS) esteve há pouco em frente ao presídio feminino, onde declarou que mantêm a expectativa de que as ativistas ganhem liberdade, como foi anunciado pela Superintendência de Serviços Penitenciários (Susepe).

“A detenção de ativistas em Porto Alegre logo após o resultado do julgamento dos recursos do ex-presidente Lula resgatou o arbítrio e truculência característicos da atuação das Polícias Militares brasileiras”, afirma o coletivo. “Direitos preconizados na Constituição Federal foram ignorados durante a condução e custódia dos militantes”.

Uma das meninas detidas está machucada. Os rapazes passaram a noite algemados dentro das viaturas. Para completar, garantias constitucionais como contato com advogados e familiares não foram permitidos.

Também não foi oferecida possibilidade de fiança. Advogadas e advogados ativistas passaram a noite na delegacia na tentativa de garantirem o tratamento adequado previsto no ordenamento jurídico brasileiro no que se relaciona à detenção de pessoas. Entrarão com um pedido de liberdade provisória para os ativistas.

Fonte: Rede Brasil Atual