Criança e consumo


Pesquisa realizada pelo Datafolha, encomendada pelo Projeto Criança e Consumo, do Instituto Alana, revela que 73% dos pais paulistanos concordam que deveria haver algum tipo de restrição à publicidade infantil. Sete em cada dez pais entrevistados são influenciados pelos filhos na hora da compra. Para eles, o maior influenciador dos pedidos dos filhos, entre sete itens estimulados, são as propagandas (38%). Em seguida estão os personagens ou filmes e programas de TV.

A pesquisa foi encomendada para medir a percepção dos pais com filhos entre 3 e 11 anos completos sobre alguns aspectos das propagandas direcionadas às crianças. Uma das conclusões do levantamento feito pelo Datafolha foi de que as questões de controle da programação de TV e do conteúdo das propagandas constituem motivos de preocupação para a maioria dos pais. A pesquisa revelou ainda que 73% dos pais concordam que deveria haver restrição ao marketing e propaganda voltada às crianças.

Dentre aqueles que apóiam algum tipo de restrição, os pais citaram como possíveis medidas controle de horário de veiculação das publicidades na TV, controle do conteúdo de forma a garantir publicidades mais educativas, e controle de publicidades de produtos com apelo sexual ou para a violência.

O levantamento foi realizado na cidade de São Paulo entre 22 e 23 de janeiro de 2010. Foram ouvidos 411 pais e mães de todas as classes econômicas, com destaque para a classe C, que correspondeu a 52% dos entrevistados. A margem de erro é de 5 pontos percentuais.

A pesquisa está disponível para download no endereço: http://www.alana.org.br/banco_arquivos/Arquivos/docs/biblioteca/pesquisas/consumismo_infantil_final.pdf