Você está aqui

Pontos de vista

Dez anos da Lei Maria da Penha: nenhum retrocesso é aceitável, por Dilma Rousseff

Há dez anos, graças à promulgação da Lei Maria da Penha, o enfrentamento da violência contra a mulher passou a contar com uma legislação consistente, inovadora, e, hoje, exitosa. Superamos a fase em que a sociedade fechava os olhos para esse problema –retratada pelo dito “em briga de marido e mulher, ninguém mete a colher”– e adentramos um novo momento, em que proteger e apoiar as mulheres vítimas de violência tornaram-se responsabilidades do Estado.

Meu lacre é o poder

por Stephanie Ribeiro*O termo “tombar” se consagrou no hit de Karol Conka e significa arrasar, brilhar, chamar atenção. Mas, no contexto de desvalorização da negritude, ele coloca orgulho onde tinha vergonha. Lacra

Precisamos falar sobre gênero

*por Sinara GumiereEste texto é parte de uma série especial do blog Vozes da Igualdade, da Anis – Instituto de Bioética. Gênero está longe de ser tema novo por entre nós, mas percebemos que nem sempre se compreende do que é, afinal, que estamos falando. Queremos aprofundar a conversa. Por isso, essa é a semana do “Gênero fala de todo mundo”.

A ocupação do novembro negro e a primavera feminista

por Luka Franca*“O feminismo não terá cumprido sua proposta de mudança dos valores antigos se ele não levar em conta a questão racial”. GONZÁLEZ, Lélia. Entrevista ao jornal do MNU (Movimento Negro Unificado) em 1991.

Mulheres, onde ainda estamos?

por Luciana Lóssio*Em março de 2014, mês em que se comemora o Dia Internacional da Mulher, escrevi para a Folha um artigo intitulado “Mulheres, onde estamos?”, com o objetivo de demonstrar como a participação feminina na política brasileira ainda é tímida.

Com quantos paus se constrói um estuprador-universitário, por Patrícia Zaidan

Nenhum garoto nasce com ganas de violar. O comportamento não pode ser atribuído à natureza masculina, ao instinto primitivo, à força da biologia. Ou todos os homens, sem exceção, estuprariam. Um estuprador é fabricado. Vi isso, mais uma vez, ao escrever a reportagem “Estupro na Faculdade”, publicada na edição de setembro de CLAUDIA. O texto mostra que nas melhores universidades brasileiras os alunos estupram suas colegas como parte da vida recreativa estudantil. E as instituições fingem não ver o “abatedouro” de mulheres funcionando em suas dependências. Fingiam.

A Petrobras e o Brasil

por Cândido Grzybowski (*)

Diplomacia e pena de morte

por Livia Sobota (*)

Eu não sou Charlie, je ne suis pas Charlie

por Pe. Antonio Piber[Pulbicado originalmente em 10 de janeiro de 2015 no blog de Leonardo Boff]

Voto livre do eleitor com deficiência

Por Izabel Maior*

Páginas

Theme by Danetsoft and Danang Probo Sayekti inspired by Maksimer